Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

26
Jan11

Dúvidas femininas sobre fertilidade masculina

olhar para o mundo

Dúvidas sobre a fertilidade masculina

 

Caxumba deixa o homem estéril? Espermatozóides sofrem alterações no DNA? Qual a mulher que nunca teve dúvidas sobre a fertilidade masculina? Para matar a curiosidade, o Vila Mulher conversou com Sandro Esteves, andrologista graduado pela Fundação Cleveland Clinica, nos Estados Unidos, e Diretor do Centro de Referência em Fertilidade Masculina, em Campinas. 
Confira abaixo alguns mitos e verdades sobre o assunto - tudo o que você quis perguntar, mas não teve coragem.

 

Caxumba realmente deixa o homem infértil?


Depende. Se ocorrer após os 12 anos de idade e inflamar os testículos, existe um risco de o homem ficar infértil, que varia de 30-50%, dependendo de a inflamação ocorrer de um ou ambos os lados dos testículos, respectivamente. O vírus da caxumba pode causar uma inflamação nos testículos chamada orquite viral, que mata as células germinativas que dão origem aos espermatozóides. Na maioria dos casos, o testículo volta a produzir os espermatozóides depois da infecção, mas na proporção que mencionei haverá alteração da fertilidade que pode variar de uma alteração leve na quantidade e qualidade dos espermatozóides, até uma alteração gravíssima, levando à esterilidade. A prevenção é a vacinação.

 

Cigarro interfere no número de espermatozóides?


Não, o cigarro não diminui o número, mas sim a qualidade dos espermatozóides. Muitas pesquisas indicam que homens que fumam têm uma quantidade maior de leucócitos no sêmen. Os leucócitos são os glóbulos brancos que defendem o organismo das agressões. Quando em excesso, eles liberam os radicais livres do oxigênio, que são substâncias extremamente nocivas, as quais atacam tanto as membranas dos espermatozóides quanto o material genético dos mesmos, diminuindo a sua função e, conseqüentemente, podendo causar infertilidade. Este fenômeno é denominado "estresse oxidativo".

 

Álcool e drogas causam infertilidade?


Sim. Existem estudos indicando que o excesso de álcool e drogas altera os hormônios da hipófise (glândula localizada no cérebro e que produz diversos hormônios, entre eles, o FSH e o LH, responsáveis por estimular os testículos a produzir os espermatozóides e a testosterona). Não se sabe ao certo qual o limite de álcool, pois há uma grande variação individual e também o tipo de bebida. Quanto às drogas, estudos indicam que maconha, cocaína e heroína são as mais nocivas para a fertilidade.

 

Tumores nos testículos é sinal de infertilidade?


Não, pois homens que tiveram um dos testículos removidos por tumor podem ser pais sem auxílio de tratamento. Entretanto, a remoção de um dos testículos acometidos por um tumor diminui em 50% a quantidade das células germinativas, que originam os espermatozóides. Assim há maior dificuldade destes homens engravidarem suas esposas naturalmente, e alguns deles terão que recorrer às técnicas de reprodução assistida para serem pais. Felizmente, hoje as técnicas estão avançadas e têm ajudado muitos homens com infertilidade.
Assim como os óvulos, dependendo da idade do homem, os espermatozóides sofrem alterações no DNA?

Alterações no DNA espermático iniciam-se a partir dos 35 anos de idade. Existe o risco de mutações do material genético do espermatozóide, que aumenta com a idade. Para se ter uma ideia, o risco de um homem com mais de 40 anos de idade gerar uma criança com uma malformação é o mesmo do que o risco de uma mulher na faixa de 35-40 anos ter um filho com síndrome de Down. Portanto, pode-se dizer que, de forma geral, o risco de um homem com mais de 40 anos ter um filho com algum problema sério de nascença é 20% maior do que aqueles com menos de 40 anos de idade.

 

Usar lap top no colo pode contribuir para a esterilidade masculina?


Essa é uma pergunta de muitos pacientes em consultório. Na verdade, os testículos são um órgão localizado fora do resto do corpo, e isso tem uma razão. Para funcionarem bem, eles precisam estar a 1,5 ou dois graus Celsius abaixo da temperatura corpórea. Portanto, não é recomendado o uso de computadores no colo, uma vez que eles aquecem a região íntima. Já existem estudos que relacionam esse hábito a uma possível esterilidade.

 

Via Vila dois

14
Ago10

Sexualidade feminina

olhar para o mundo

sexualidade feminina

 

O que pode uma mulher, no século XXI? Este é o tema comentado por Cláudia Riolfi, psicanalista e professora da Faculdade de Educação da USP. Segundo Riolfi, muitas mulheres estão no meio do caminho, perdidas.

 

Conseguiram realizar o feminino muito além do lar e ainda escorregam para soluções gastas dentro dele. Confundem a mulher com a mãe e viram enfermeiras de seus homens e de seus filhos. A conta costuma ser alta, para eles e para ela.

 

“Que pena! Existem outras maneiras de uma mulher viver sua sexualidade. Aquelas que insistem em encontrá-las injetam feminilidade nas veias do mundo. Graças a elas, assistimos ao nascimento de uma nova ética”. A psicanalista dá mais detalhes.

Por que as mulheres ainda confundem tanto o seu papel? Extrema exigência consigo mesma, mania de perfeição em tudo que fazem?

Com a globalização, não temos mais modelos de ser homem e de ser mulher. Vimos nascer uma cultura na qual as mulheres não precisam mais se ater às tarefas do lar e se satisfazer na maternidade e na enfermagem. As opções que se abrem a sua frente são múltiplas. Se, por um lado, isso é muito bom, por outro, gera indecisão. O que escolher? Privada do refúgio de uma identidade segura, uma mulher nunca sabe se está seguindo o caminho certo. Na tentativa de se garantir, corre ao guru da vez: as revistas femininas, os livros de auto-ajuda, as amigas. Procura por um conselho certeiro, um guia do bem fazer. Como nada disso funciona inteiramente, o risco é que recorra aos velhos modelos de ser mulher. Quer dar conta do presente sem abrir mão do passado. É muito para uma pessoa só. Trata-se de uma impossibilidade.

Quais as conseqüências?

As conseqüências são múltiplas. Isso atrapalha a todo mundo. Em primeiro lugar, ela está sempre insatisfeita consigo mesma, julga-se muito mal. Ela se sente sempre em falta para com aqueles a quem ama. Não importam os elogios, ela nunca se acha uma boa mãe, pensa que nunca fez o bastante. É um equívoco. Isso nasce da dificuldade de se deparar com os próprios desejos. Para se proteger de um desejo que julgam ser excessivo, escondem-se atrás de seus filhos. O tempo que dedicam ao trabalho lhes persegue. Julgam-se impedidas de sair, de passear, de dançar... Ora, quem não faz o que gosta torna-se amargo, ressente-se. As queixas se multiplicam e o ressentimento só cresce. A mulher de hoje está afogada em um copo de raiva. 

Que tabus ainda persistem quando se fala em sexualidade feminina?

Por parte das mulheres, ainda persiste o equívoco de que um homem está em melhores condições. Elas se iludem ao pensar que ser mulher é difícil enquanto ser homem é fácil. Não conseguem perceber que os homens estão tão ou mais perdidos do que elas. Assim, o encontro amoroso torna-se mais difícil ainda. É complicado se abrir ao prazer sexual quando a pessoa se sente explorada de algum modo. Aí está o germe da dificuldade que muitas mulheres encontram para obter prazer sexual.

De uma maneira geral, as mulheres ainda têm chances de ser feliz sexualmente falando, sem deixar de lado suas outras funções?

Gostaria de inverter esta pergunta. Proponho pensarmos que é justamente na medida em que ela consegue ser feliz sexualmente que conseguirá transferir o prazer que pode experimentar em seu corpo para suas outras funções. Uma mulher que está em paz com sua sexualidade é acolhedora, tem jogo de cintura, consegue inserir o feminino no mundo dos homens. Estávamos todos acostumados a viver em um mundo homossexual: os homens davam as regras e as mulheres ficavam fora da cultura. As primeiras feministas continuaram nesta lógica, reivindicando o direito de se tornarem iguais aos homens. O desafio agora é inventarmos um mundo onde haja lugar para os dois sexos.

 

Via Vila dois

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D