Sábado, 02.04.11

Os riscos do sexo anal

 

A penetração anal mexe com a fantasia dos homens, mas ainda é tabu para muitas mulheres.

 

Quando a parceira não está relaxada ou com vontade de praticar esse tipo de sexo, pode sentir dores e afugentar de vez o prazer.

 

E para quem não sabe, o sexo anal pode ser a porta de entrada para doenças graves. "Quem pratica este ato sem o uso de preservativo pode contrair HIV, Hepatite B e C, sífilis, herpes e HPV. Isso porque o ânus é um local com pouca lubrificação, aumentando o atrito e fissuras", explica Dra. Carolina Ambrogini, ginecologista, sexóloga e coordenadora do Projeto Afrodite, ambulatório de sexualidade feminina da UNIFESP.

O cuidado com a higiene pode ajudar a reduzir o número de infecções. "Se o casal fizer sexo anal, precisa trocar a camisinha antes de fazer o sexo vaginal, para que a mulher não se contamine com as fezes. Caso contrário, ela pode ter corrimentos e até problemas no útero", alerta Dra. Carolina.

A médica aproveita para derrubar certos tabus. Por exemplo, sexo anal não provoca hemorróida. "Porém, se ela já existe, a penetração pode complicar ainda mais e originar sangramentos", esclarece. O ato também não provoca incontinência, mas se a mulher introduzir objetos muito longos e pontiagudos no ânus, corre o risco de perfurar o reto. "É importante ressaltar que o pênis não causa este tipo de lesão", diz a especialista.

A mulher que possui alguma doença na região anal, sente dores ou sangramentos deve evitar este tipo de penetração. "O sexo anal também não é indicado quando a mulher está com diarréia, porque vai potencializar o problema, ou com intestino preso, uma vez que as fezes estão mais duras e compactadas, podendo causar dores".


Para diminuir o desconforto, a Dra. Carolina indica o uso de lubrificantes. "É importante ressaltar que o produto ajuda o pênis deslizar com mais facilidade, mas não reduz o risco de infecções. Por isso, a regra é usar sempre camisinha", ratifica.

 

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 22.03.11
Sexo anal... Mitad mito, mitad realidad

 

Durante muchos años es una de las prácticas sexuales que se atribuía sólo a homosexuales. Incluso se le ha tachado de no ser natural por no cumplir con la regla de reproducción. Por eso todavía cuesta reconocer que gusta, que se practica y que puede ser de lo más placentero. Con un poco de práctica, los instrumentos adecuados y un cuidado “especial” por parte de la pareja, el sexo anal puede alzar a la persona hasta el orgasmo máximo, totalmente diferente y, según dicen los más entendidos, conseguir el clímax total.

Más o menos, entre un 30 y un 40% de los practicantes habituales de sexo admiten haberlo probado. Si se pregunta por una práctica habitual, el porcentaje se reduce. No se puede afirmar rotundamente qué parte de los españoles lo practican, porque no hay datos oficiales que recojan tales cifras. “Para disfrutar y hablar del sexo anal lo primero que debe hacer la sociedad entera es quitar los tabúes de encima”. Vicente Briet, sexólogo y miembro de la Federación Española de Sexología (FES), habla de un tema muy estigmatizado por una sociedad “muy homófoba y muy poco dada a comunicar qué prácticas sexuales nos gustan más”.

Briet echa por tierra el mito del sexo anal entre los homosexuales. “Aunque se crea que la práctica sexual más habitual entre homosexuales es el sexo anal es mentira. Practican mucho más sexo oral que anal”. En una pareja de heteros, Briet aboga por el famoso punto G que los hombres guardan en la parte más íntima de su trasero. “No sé por qué los chicos heterosexuales tienen vetado que sus chicas les estimule el ano con sus dedos… Están desaprovechando una zona de erotización inimaginable”. Falta comunicación. Ni ellos ni ellas cuentan a sus respectivos sus fantasías eróticas ni se dedican el tiempo que necesitan para alcanzar el máximo clímax.

Se busca el clímax total

¿A los dos os apetece probarlo? “Cuidado con cómo hacerlo, porque puede quitar las ganas de volverlo a hacer si no se hace sigilosamente. Recordad que el recto no admite un cuerpo extraño. Así que necesitáis excitarlo para que os acepte”. La base del éxito de esta práctica son los preliminares…. “No tengáis prisa. Alargarlos, alargarlos hasta que los dos estéis muy pero que muy excitados”, aconseja Briet.

Al conseguir la excitación máxima, la líbido subirá de tal manera que se elevarán las ganas de probar nuevas experiencias. “Lo más importante es que la mujer esté bien lubricada y él excitado al máximo”. Él acariciará el ano. Poco a poco. “Empezará por introducirle un dedo. Luego dos. Que pruebe con tres… Y que no falte lubricante. Sin miedo, poquito a poco”. Una vez que las caricias se confunden con el pene del chico, el camino ya está hecho.

Ahora toca entrar y disfrutar. “Chicos: tened cuidado al introducir el pene. No tengáis prisa: el tiempo es tuyo”. Se necesita mucha paciencia y no dejar de juguetear con las caricias, con la lubricación vaginal y el clítoris. “Si duele, necesita más lubricante. Colócalo en el ano o en el pene. Y no olvides de que debe ser una penetración suave, para que se convierta en placentera”. Al final, cada pareja marcará el ritmo y la intensidad. El clímax llegará solo.

Aquellos que no se avergüenzan de contar que lo practican y han compartido su experiencia con los demás, hablan de un placer en el que los músculos vaginales y anales se contraen, proporcionando un orgasmo que sólo analmente se puede conseguir. Un último consejo: higiene y mucha protección. “Es la práctica sexual que más enfermedades de transmisión sexual provocan”. Aviso de sexólogo.  

 

Via El Confidencial



publicado por olhar para o mundo às 03:01 | link do post | comentar

Sábado, 12.03.11

Porquê os homens gostam tanto de sexo anal?

 

O prazer masculino vai muito além das fronteiras do proibido, do fetiche. Simplicar o furor anal a constante recusa da maioria das mulheres – quando em ambientes públicos, logicamente – seria por demais freudiano.

 

Homens são conquistadores. 

 

Aí você vai começar a encontrar a ponta de sua resposta. A cruel realidade é que não temos espamos ejaculatórios ao enfiar nossos paus em um local apertado, escuro e, por vezes, sujo.

 

O real prazer está na conquista. Mais especificamente na entrega. Sexo anal é o mais consensual de todos. A mulher precisa de confiança plena para se doar a seu parceiro e relaxar o suficiente para permitir a penetração. É um ato louco de amor, tesão e submissão, divido não igualmente entre as três partes.

 

Alcançar esse nível de intimidade é de uma satisfação similar a escalar o everest com as próprias mãos, sem equipamentos e sem ajuda dos guias Sherpas. Afinal, o caminho só pode ser trilhado em dupla. Não há vagas para uma torcida, “Vai, está indo bem, um pouco mais de força, campeão!”.

 

A entrada é suave, e em partes, pequenos estágios que podem se dividir em mais de uma noite, até que a dama esteja suficientemente preparada para que o fato se conume em toda sua extensão. Leia-se, ir até o final, em um gozo não-hollywoodiano, mas ainda sim animalesco, intenso, único.

 

O pós-sexo será seguido por um longo abraço e pedido de aconchego por parte dela. Ele, de peito estufado, um pavão em toda sua glória, diante da fêmea. Vão arfar em conjunto, sincronizar a respiração e compartilhar um momento lindo, verdadeiramente lindo. Ela vai rever sua posição sobre o assunto, afinal, descobriu que pode sentir prazer. Ele, vai se sentir um mestre. Pois se tornou um pequeno homem ao comer sua primeira namoradinha. Mas só agora pode dizer que realmente entende a alma feminina – e nem de longe entende. Vai fazer um olhar assim meio Nelson Rodrigues e se virar de lado, contemplando a beleza da situação.

 

Ter uma mulher completamente entregue em nossos braços. Esse sim é o gozo supremo!

 

Via Sexo e Prazer



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 24.05.10

Sexo durante a gravidez

Vendo uma grande quantidade de gestantes no dia-a-dia eu percebo que as mulheres se perguntam ate onde pode ir com o sexo durante a sua gravidez.

Para felicidades das futuras mamães, a relação durante a gestação faz ate bem, tanto para o bebê quanto ao casal, deixando-os mais unidos.

 

Agora se caso venha a ter sangramento de escape ou spotting é possível que seja indicada a NÃO fazer sexo, por pelo menos ate a 14 semana de gestação.

Com o passar dos meses, você pode começar a sentir o peso de seu parceiro, principalmente se for um casal acostumado a fazer o famoso, papai-e-mamãe, a dica seria mudar de posição para uma mais prazerosa para o momento.

 

SEXO ANAL pode ser feito tambem, mas com cuidados, e muitos. Pois a tendência a hemorróidas pode significar sangramento no ânus. E claro tomando o cuidado de sempre, nunca tirando o pênis do ânus e passando direto para a vagina, para que bactérias não infectem a área penetrada

No começo os parceiros estarão inseguros com a adaptação, medo de machucar o bebê, e a dificuldade para se ajustar junto a ela(barriga).

Alguns casais tomam a decisão de não ter relação sexual durante toda a gravidez, isso é comum mais o casal deve ter sempre uma conversa para que isso não se transforme num bicho de sete cabeças.

 

Via No  Ponto G



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Sábado, 20.03.10

Sexo anal, prazer sem dor

 

O tabu que envolve o sexo anal é antigo. Mesmo com toda liberação feminina, com a revolução sexual dos tempos modernos, com a "superficialização" das relações, ainda implica dúvidas, medos e receios, principalmente para as mulheres.

Para resolver o que ainda pode ser obscuro, fomos atrás de três experts quando o assunto é sexo: a sexóloga Carla Cecarello, coordenadora do Ambulatório de Sexualidade da Associação Brasileira de Sexualidade - Ambsex, a terapeuta sexual Sylvia Faria Marzano, do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática - Isexp, e a professora Lilian Moretto, que dá aulas sobre sensualidade.

Numa entrevista sem vergonha ou pudor, as três responderam às dúvidas mais comuns quando o assunto é sexo anal. Confira as explicações e opiniões das especialistas:

O sexo anal sempre dói? Como fazer para doer menos?
Carla: Na maioria das vezes dói, pois os casais não fazem o sexo anal de forma adequada. Para não doer, ou doer menos (para algumas pessoas) é necessário seguir alguns passos:
- usar lubrificante, pois o ânus não tem lubrificação própria.
- iniciar a prática do sexo anal com o dedo e, posteriormente, com o pênis.
- sempre usar preservativo, pois a mucosa anal absorve facilmente qualquer tipo de vírus e bactérias.
- no momento da penetração, encostar no ânus, que sofrerá uma contração, esperar ele relaxar e, aí sim, efetuar a penetração bem devagar.
- estimular o clitóris ao mesmo tempo que estiver fazendo a penetração.

Silvia: Não, se tiver dor no sexo anal, é porque a parceria não foi bem preparada, isto é, tanto nos homens quanto nas mulheres, é necessário que haja muito erotismo, além de uma estimulação dos genitais, para que esta fique excitada e se permita receber o pênis no canal anal.

Lilian: O ânus é uma região muito inervada. Quando existe a possibilidade de uma penetração, seja com o dedo ou pênis, ocorre uma contração muscular, como se fosse uma defesa para a não penetração. É essencial que haja cumplicidade entre o casal, confiança e muita carícia para que aconteça um relaxamento maior desses músculos, de forma que não provoque desconforto nem dor, facilitando assim a penetração.

Qual a posição mais confortável, que facilita a penetração?
Silvia: Existem várias posições, mas depende de como a parceria se sente melhor. Por exemplo, a pessoa que vai ser penetrada ficar de quatro, pois permite que se masturbe durante a dilatação anal e penetração, para não perder a excitação. Não é a penetração anal só que dá prazer, pois o reto não tem essa capacidade. O que faz a pessoa sentir prazer com o sexo anal é estar excitada após manipulação genital ou do corpo, e muito erotismo.

Lilian: A melhor posição sexual para a prática do sexo anal é aquela onde os parceiros fiquem relaxados e confiantes, na qual a mulher tenha total controle na penetração. Vale a tentativa de experimentar várias posições até descobrir a mais adequada. Uma sugestão: um dos parceiros deverá postar-se de costas em pé apoiando-se com o corpo ligeiramente inclinado, onde conseguirá manter contato com o pênis do parceiro guiando seus movimentos.

É possível engravidar?
Carla: Não, pois não há comunicação direta do ânus com o útero. Engravidar só é possível através da penetração vaginal.

Silvia: Jamais. A gravidez só ocorre se o espermatozóide for depositado na vagina e conseguir passar pelo útero até as trompas da mulher, onde se encontra o óvulo no período fértil da mulher. Mas, a penetração não deve, de maneira nenhuma, ser feita sem o uso de preservativo, mesmo que seja em parceria fixa. As fezes têm bactérias que contaminam a uretra e o pênis, podendo passar para a próstata, que vai dar uma doença infecciosa de difícil tratamento.

Sexo anal é falta de higiene?
Carla: Uma coisa não tem nada a ver com a outra. A prática do sexo anal é a mesma coisa que praticar sexo oral ou vaginal.

Silvia: Não se forem respeitadas as orientações do uso de preservativo e sempre, mesmo após o uso deste, lavar o pênis antes de penetrar na vagina.

Lilian: Não considero falta de higiene, desde que sejam tomados alguns cuidados. É necessário manter higiene com água e sabonete na região do ânus, e principalmente o uso do preservativo. E quanto à higienização interna é opcional, mas não recomendada pelos médicos.

Qual a importância dos lubrificantes?
Carla: O ânus não tem lubrificação própria como a vagina, que se lubrifica quando a mulher está excitada. O ânus foi feito ‘para sair’ e não ‘para entrar’, portanto, precisa de ajuda para entrar qualquer coisa. Porém, os lubrificantes precisam ser a base de água para não corroer a mucosa anal, como acontece com a vaselina, e também não pode ser a saliva, pois desta forma se leva bactérias da saliva para o ânus. Xilocaína, como muitos usam, nem pensar, pois é anestésico.

Lilian: É importante o uso de lubrificante à base de água, pois no ânus não existe lubrificação similar a da vagina, desta forma evita o rompimento do preservativo causado pelo atrito, além de facilitar a penetração e evitar ferimentos.

Sexo anal pode fazer mal a saúde? Pode provocar hemorróidas?
Carla: O sexo anal só fará mal a saúde se a pessoa tiver intestino preso, hemorróidas ou qualquer tipo de fissuras na região. E é claro, pode-se contrair doenças sexualmente transmissíveis, caso não se use preservativo. Não deve ser praticado todo dia, pois os esfíncteres podem ficar frouxos e aí, não se consegue mais segurar as fezes. No máximo duas vezes na semana e tomando os cuidados citados acima. Nada de relações intempestivas.

Silvia: O sexo anal bem orientado não faz mal à saúde, mas pode piorar as doenças tipo hemorróidas, que são varizes de veias do ânus. Se isto estiver ocorrendo, com sangramentos ou dor, procure um tratamento antes da prática do sexo anal.

Lilian: O sexo anal não é prejudicial à saúde, desde que os parceiros aceitem essa variação sexual, que saibam explorar os corpos com muito cuidado e carinho, lembrando que o maior prejuízo possível nessa prática são as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), portanto a importância do uso do preservativo. Sexo anal não provoca hemorróidas.

Qual a dica para relaxar e fazer, sem medo?
Carla: O casal precisa querer fazer sexo anal. Não adianta um querer e o outro não. Partindo deste princípio e seguindo os passos citados acima, pode-se praticar sexo anal, sem problemas.

Silvia: Um primeiro lugar ter certeza que já tem intimidade suficiente com a parceria e quer fazer. Não faça nada forçado. Aprenda como fazer: muitas preliminares, erotismo, excitação, dilatação delicada do ânus com lubrificante, para depois penetrar o pênis lentamente. Não ficar penetrando por muito tempo e com muita força. Lembre de repor o lubrificante, pois este seca e pode machucar a parceria. Peça para parar se não estiver prazeroso. Deixe para outra ocasião se não estiver segura.

Lilian: Primeiramente uma boa conversa entre o casal, desejar de fato praticar o sexo anal e não apenas para agradar o parceiro. Procurar usar de muita carícia, explorar a região anal com a língua, com os dedos, e só depois de muita excitação a penetração deverá ocorrer. Não dispensar o uso do preservativo e jamais penetrar a vagina após a penetração anal, para que não haja nenhum risco de infecção. Lembrando que o sexo anal é uma forma a mais de prazer para o casal.

Via 180 Graus

 



publicado por olhar para o mundo às 21:53 | link do post | comentar

Sábado, 18.07.09

 Mesmo sendo uma expert quando o assunto é sexo, você pode cometer muitos erros na "hora H". Entre eles, há alguns que podem apagar a chama da paixão para sempre. Por isso, melhor evitá-los.

Não é verdade que só as mulheres são sensíveis durante e depois do sexo, eles também ficam irritados em certos dias e podem interpretar de forma errada algo que você disse ou fez durante a relação sexual. Críticas, mau humor, falta de carinho, atuar como se ele fosse um escravo sexual são coisas que podem funcionar para uma ou outra fantasia, mas não a todo tempo.

Saiba como agir para evitar os dez maiores erros na cama.

Não critique seu físico
Você gostaria que alguém comentasse sobre suas gordurinhas extras durante o sexo? Eles também não. É importante aceitar o outro como ele é, sem destacar a todo momento os seus defeitos. Além de se sentir incomodado, essa atitude cortará toda a inspiração do momento.

Não critique suas partes "íntimas"
Sabemos que a "parte sexual masculina" é um drama para todos os homens. Se for maior, menor, mais duro ou não que o do seu parceiro anterior, não há motivos para discutir sobre isso. Muitos homens sofrem de insegurança e a crítica é motivo suficiente para que eles não queiram ter mais nenhum tipo de intimidade com você.

Não o compare
É fato que ao encontrar um parceiro novo, as comparações começam a brotar na sua cabeça. Você pensa no que o outro fazia melhor e em quais pontos o atual vence. A verdade é que nenhum homem é perfeito na arte do sexo e muito menos um é igual ao outro. Enquanto essas comparações existirem, você não estará totalmente entregue ao parceiro. Lembre-se: eles sempre querem ser os únicos e melhores.

Não divulgue sua lista
É ótimo ter tido diversos parceiros antes de encontrar a alma gêmea, pois dessa forma você pôde acumular conhecimento na área. Mas evite comentar sobre seu extenso prontuário. Ele não se sentirá bem ao saber da história de sua vida sexual. Além do mais, o atual pode se questionar se está a altura dos anteriores.

Diga não a passividade
É verdade que eles gostam de ter o controle, mas, às vezes, os homens preferem que as parceiras tomem a iniciativa. Eles gostam de receber e não só de atuar. Por isso, ser sempre a passiva no jogo amoroso pode levar a relação à rotina e deixar o sexo um pouco entediante.

Mantenha a intimidade
Eles odeiam saber que você conta nos mínimos detalhes para suas amigas o que acontece nas relações sexuais, sejam as peripécias ou os fracassos. Você pode relatar seus sentimentos e briguinhas bobas, mas jamais o que ocorre entre quatro paredes. Caso isso ocorra, ele se sentirá traído.

Lembre-se: ele não é seu empregado
Há momentos em que eles ficam encantados em ser seu escravo sexual. Mas antes de tomar essa atitude, confirme se esta é uma vontade do seu parceiro. Primeiro sugira ou tome essa atitude se ele pedir. Os homens também se preocupam em saber quais são as preferências das mulheres, ainda que não reconheçam, eles vêem o sexo como algo que vai além de um ato de meramente carnal.

Ele não é de ferro
Não é porque ele é homem que passa a maior parte do tempo pensando em sexo. Há situações que podem incomodá-lo, como ter relações quando você está naquele período crítico do mês. Não o obrigue a fazer algo que não queira.

Dê um respiro
Talvez você possa recuperar o fôlego rapidamente depois de um orgasmo, mas com eles não é bem assim. Depois da ejaculação, o membro masculino se relaxa e é necessário um tempo para que volte a se ativar. Por isso, nem tente excitá-lo logo após o ápice da relação, esse pode ser um momento um pouco desagradável.

Pare de se mover
Quando eles chegam ao orgasmo, a glande fica extremamente sensível, por isso, continuar se movimentando pode gerar dor. Tente permanecer imóvel por alguns instantes.

Via Tudo Agora

 



publicado por olhar para o mundo às 14:09 | link do post | comentar | ver comentários (2)

mais sobre mim
posts recentes

Os riscos do Anal

Sexo anal... Mitad mito, ...

Porquê os homens gostam t...

Gravidez e sexo

Prazer sem dor

Tudo sobre sexo - Dez err...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados