Quarta-feira, 14.04.10

Orelha negra

 

"Pessoal, acabou-se a tanga: marquei um concerto para Outubro." Foi Fred, o baterista da banda que resolveu a questão. Depois de 80 temas compostos, muitas horas de ensaios e outras tantas de gravações, tinha chegado a hora de sair para o mundo. "Antes de termos este álbum já tínhamos uma antologia, um disco quádruplo com os 80 temas que fomos gravando", brinca Fred.

Os Orelha Negra são Francisco Rebelo (baixista) e João Gomes (teclista), dos Cool Hipnoise, o rapper Sam The Kid (Samuel Mira), Fred, baterista dos Buraka Som Sistema e de vários outros projectos, e DJ Cruzfader. O som, instrumental, é um misto de funk e soul, com pitadas de hip-hop, groove aos molhos e samples, por vezes improváveis, de música e voz. "Tínhamos vontade de fazer uma coisa mais livre e instrumental em que pudéssemos experimentar e que vivesse mais da música do que das palavras. Estamos sempre a pensar no que é que vamos fazer a seguir e isto nunca tínhamos feito", explica João. 

As jam sessions surgiram em 2008 durante a digressão de Sam The Kid, com o álbum "Pratica(mente)", em que todos participaram ao vivo. Nos intervalos improvisavam e "nas partes em que o Samuel não cantava" o resto da banda "desbundava umas coisas", resume Fred.

A desbunda deu num concerto que se transformou em álbum. Doze temas escolhidos entre 80 através de um sistema de pontuações dadas pelos próprios autores: os temas que tivessem direito a cinco estrelas fariam parte do alinhamento do concerto. "No momento em que acabámos de tocar percebemos que tínhamos o disco feito. Dois dias depois estávamos em estúdio a gravar", conta Francisco. 

Em vinil 
Os discos não servem só para emprestar samples e loops aos temas dos Orelha Negra. As capas dos vinis escondem as caras dos membros da banda, numa montagem conhecida como Sleeveface. "O objectivo era tirar o foco de quem compõe e virá-lo para a música. As capas dos discos, para nós, são a parte visual da música", refere João. Fred sublinha: "Aquelas capas acabam por ser o outro elemento da banda." Mas Francisco resume: "Isto ouvido assim parece uma cena muito cerebral e pensada, mas não foi. Nós achámos piada ao conceito, era uma coisa diferente. Todas estas conclusões só as tirámos depois de estar a cena feita."

E nos Orelha Negra não há preconceitos: de Roberto Leal a António Victorino d'Almeida, não há capa que não seja bem acolhida. "As capas não têm de ser necessariamente as nossas referências ou coisas de que gostemos [e exemplifica cantando "Nothing's Gonna Stop Us Now", dos Starship], mas que naquele momento, naquele contexto, façam sentido. A música pode ter três bons segundos iniciais, por exemplo", explica Samuel.

Além da estética, os temas dos Orelha Negra contam com samples de vozes tão conhecidas como Henrique Mendes, Fernando Tordo e Júlio Isidro, possíveis através da magia do YouTube: "Nós podemos ter uma grande memória de arquivo mas não conhecemos tudo e se soubermos pesquisar de forma correcta, chegas lá", explica Samuel. E há coincidências felizes: "Para o tema 'Saudade' o Samuel chegou aqui com o sample da voz de Júlio Isidro, a apresentar uma música chamada 'Saudade', e era mesmo aquilo," conta João. 

O concerto
"Orelha Negra", álbum homónimo, já está nas lojas, desde Março, e vai ter direito a uma apresentação ao vivo, amanhã à noite, na discoteca Lux, em Lisboa: "Vamos tocar o disco todo, inclusive "Saudade" que nunca tocámos ao vivo, e três medleys com várias músicas conhecidas de hip hop. Depois cada um vai fazer um DJ set", explica Fred. "Cada um, não, nós, como unidade", protesta João. Instalada a discussão, com os restantes membros da banda a explicar que era melhor ser um de cada vez, o teclista de serviço termina a conversa: "Ai é? É assim que vai ser? Vocês é que sabem. Já agora, pedimos às pessoas que levem placas de pontuação para os DJ sets, não?" A ideia foi aplaudida por todos, por isso já sabe: amanhã não se esqueça de pontuar os artistas. Mas só durante o DJ set.



publicado por olhar para o mundo às 09:52 | link do post | comentar

Quinta-feira, 22.10.09



Letra

 

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é

Tenho a mão vazia dentro do meu bolso
que está tão vazio como a minha mão
aperto o vazio tanto quanto posso
nesta encruzilhada que vida de cão

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é

Sam The Kid:

Este é o fado da classe atarefada que passa 
o dia inteiro com a massa e o cimento no braço
a pensar como é que eu faço pa sair deste escasso
vencimento ou caiu no esquecimento num curto espaço
de tempo... e se eu protestasse ao meu Presidente
o que me vai no pensamento talvez ele não gostasse
ah pois é não és o desempregado, não és o pregado
de sempre que tá sempre apertado, 
pa mim qualquer coisa é bem vinda ao meu agregado
fico agradecido mas nem sempre bulo com agrado
aquilo que eu oiço é sempre igual em todo o lado
que a culpa é do estado que tem estado num estado bastardo
chega o domingo vou po estádio pa estar co Mário
é aí que eu me vingo pa afastar o obstáculo diário
o mário é meu puto tem 7 anos e granda cenário
respeita-me muito e ja sabe que sou um mercenário
ele (por perto???) um dia, é um segundo bem breve
pq eu liberto a euforia até que a 2ª me leve
mas como tenho teimosia tou a pensar fazer greve
no bolso tenho a mao vazia o patrão inda me deve

Jorge Fernando:

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é

Todo o santo dia enchem-me a cabeça
de velhas frases feitas, manipulação
falam de milagre à espera que aconteça
vamos desvivendo que vida de cão

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é

Num sonambulismo telecomandado
Cumprimos os dias em resignação
Não há luz no túnel é o nosso fado
presos por uma trela que vida de cão

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é
 
Sam The Kid

Tou preso por uma trela vivo uma vida de cão
minha rotina é uma cela que cancela uma ambição
que me revolta e indigna mas dá-me a resignação,
só oiço velhas frases feitas é manipulação
que se alivia à noite quando eu ligo a televisão

Jorge Fernando

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é

Passam-se as promessas por nunca cumpridas
Enganosas frases dão-te explicação
Na vida sou um número entre tantas vidas
Resta-me ser digno como é o cão

Pois é, a vida está uma... Pois é
Pois é, a vida está uma... Pois é



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
posts recentes

Orelha Negra. A minha col...

Música Portuguesa do dia:...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados