Sábado, 24.04.10

Aliciamento de menores pela net está a aumentar

 

Entra-se num site de conversação para falar com os amigos. Um desconhecido mete conversa. Acha-se graça. Responde-se. Aos poucos a relação vai crescendo e, em pouco tempo, partilham-se histórias e fotos. Mas do outro lado da linha pode nem sempre estar alguém com boas intenções. Um abusador ardiloso, um assaltante interessado em informações da casa de família ou um traficante que alimenta uma rede de exploração laboral. Tudo casos reais.

A maioria dos aliciamentos através da Internet são de cariz sexual e vários inspectores da PJ ouvidos pelo PÚBLICO acreditam que estão a aumentar. Como tem aumentado o acesso dos mais novos a este meio de pesquisa e conversação. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, os menores entre os 10 e os 15 anos são os que mais utilizam a Internet. Em 2008, neste grupo etário eram 92,7 por cento os que indicavam utilizar a Net, contra 87,4 na classe dos 16 aos 24 e 69,5 na dos 25 aos 34. O número desce para 5,2 por cento no último grupo etário dos 65 aos 74 anos. 

Em 2005, apenas um terço dos menores entre os 10 e os 15 anos afirmava utilizar a Internet "todos ou quase todos os dias", uma percentagem que subiu para 55 por cento em 2008. 

Aumento de participações

O aumento de participações, acreditam os investigadores, é sinal de uma maior consciencialização de todos, sobretudo dos pais, que na maior parte das vezes denunciam os casos. "Muitas vezes os menores nem se apercebem que estão a ser vítimas de um abuso", explica o inspector-chefe da Directoria do Centro da PJ, Camilo Oliveira, coordenador do departamento que investiga os abusos sexuais. É que quando se fala de abusos não está implícito necessariamente o contacto físico. "Podem ser exibições através da câmara web, a entrega de fotografias íntimas ou a pura existência de conversas de cariz sexual entre um adulto e um menor de 14 anos", exemplifica. 

Para sensibilizar os menores para os riscos da Internet, especialmente para os aliciamentos sexuais, a Directoria do Centro da PJ assinou em Maio de 2007 um protocolo com a Direcção-Regional de Ensino do Centro. "Vamos às escolas explicar os riscos da Internet aos menores, aos professores e aos pais", concretiza Camilo Oliveira, que contabiliza 40 acções por ano. No Porto também foi feito um protocolo com a Direcção-Regional de Ensino do Norte, mas o objecto é a sensibilização para os crimes informáticos, desfiando fenómenos como o pishing (técnicas de acesso ilegítimo a contas bancárias movimentadas por Net) ou as burlas através da Net. 

Falta de dados

Em 2007, a PJ registou 67 casos de pornografia infantil via Net e das mais de 500 participações de abusos sexuais feitas nesse ano, 12 por cento eram relativos a crimes praticados através da Net. Camilo Oliveira não quer avançar um número mas garante que "uma boa parte" dos abusos sexuais que entram na sua directoria, já decorre de aliciamentos feitos através da Internet. Outros inspectores dão o mesmo testemunho e um até revela que o ano passado foi detido um pedófilo que abusou de uma menor logo no primeiro encontro, combinado através de um site de conversação. A PJ dispõe de dados, mas estes não foram disponibilizados em tempo útil. Já a Procuradoria-Geral da República diz que não dispõe de elementos "por ausência de um sistema informático capaz, já prometido mas ainda não criado".

Helena Sampaio, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, mostra-se preocupada com este fenómeno e aconselha os pais a acompanharem mais os filhos na utilização das novas tecnologias. "Não vale a pena proibi-los de ter acesso à ferramenta, mas alertá-los para os perigos que eles correm com determinado tipo de utilização", afirma a psicóloga. Crianças isoladas, com problemas de socialização e de auto-estima estarão mais vulneráveis a este tipo de aliciamento. Aos pais, Helena Sampaio sugere que façam algumas simulações de algumas situações de risco, para perceber se os filhos respondem da forma adequada e aconselhá-los se necessário.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 22:03 | link do post | comentar

Sexta-feira, 29.05.09

Abusadas na net

 

Sente uma vergonha sem fim... Todos olham agora para si horrorizados, tristes, desiludidos. E nem sequer sabe explicar como tudo começou. Conheceram-se num chat e pouco depois a conversação rodava à volta de um único assunto: sexo. Ele assegurou-lhe que não havia nada de mal e ela era já tão matura, tão crescida, tão linda... e dona do seu corpo. Então, porque não mostrá-lo?, perguntava o seu novo amigo da Internet.

Porque não explorá-lo em frente à webcam?, sugeria, argumentando que tal o faria o homem mais feliz do mundo. Bastava ela querer.
'Maria' foi cedendo aos poucos, invadida pela curiosidade própria da adolescência. E de assustada com as propostas ousadas de 'António' passou a sentir-se até... lisonjeada. Aquele homem mais velho é nela, uma miúda de 14 anos, que está interessado. Depois, ninguém vai descobrir. Que mal poderá acontecer? Fechada no seu quarto, está em segurança. Será um segredo que ficará entre os dois. Um segredo de adultos.

Durante cerca de dois meses, 'Maria' tem em frente à câmara todos os comportamentos masturbatórios que o amigo mais velho lhe pede. Sente-se desajeitada, há tantas coisas que nunca imaginou sequer, mas 'António' garante-lhe que ela é maravilhosa... Finalmente, resolve também ele aparecer na webcam, para lhe provar como é grande o prazer que sente, mas quase não revela o rosto, insiste em focar a zona genital, e 'Maria' volta a sentir-se incomodada e receosa. Ele convence-a a marcarem um encontro. Ela, uma vez mais, acede. Mas uma pista deixada involuntariamente no computador alerta um familiar. E o encontro falha, antes de ser consumado o abuso físico. Para trás, ficam, no entanto, semanas de abuso psicológico.

'Maria' existe (o seu verdadeiro nome não interessa): ela foi uma das crianças vítimas de abuso online cujo caso chegou à Justiça no ano passado, e que aqui relatamos com base nos seus principais factos e no modus operandi dos predadores, como 'António', um homem na casa dos 40 anos. Este foi um dos cerca de vinte casos que em 2008 foram alvo de investigação criminal e que os especialistas na área temem não serem mais do que a "ponta do iceberg". Estimativas recentes da Polícia Judiciária (PJ) apontam para a existência de cerca de 30 mil crianças entre os 10 e os 15 anos aliciadas sexualmente na Internet, o que corresponderia a 5% das que têm acesso à net - um número que ainda poderá pecar por defeito.

O estudo "As Crianças e a Internet", coordenado por Ana Nunes de Almeida, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, revelou, no início do ano, que 16% de crianças daquela faixa etária admitem comunicar com estranhos e quase 6% já marcaram encontros com pessoas que conheceram online.

Na vitimologia sexual através de tecnologias como a Internet e o telemóvel mantém-se o enquadramento tradicional: são crimes altamente estigmatizantes, em que as vítimas podem viver complexos processos psicológicos marcados pela vergonha e a culpabilização, e optar por não os denunciar. E quando o fazem, falam o estritamente necessário sobre o tema. "Querem esquecer e pôr o assunto para trás das costas", sublinha Tito de Morais, um especialista de segurança na Internet que criou o sítio miudossegurosnanet .

Nem sempre é fácil ou possível. Seis anos após ter sido vítima de um predador sexual na Internet, 'Ana' ainda sofre com aquilo por que passou tinha apenas 14 anos. O relato do drama e o pedido de ajuda foi feito por e-mail a Tito de Morais, contactado recentemente pela jovem na sequência da publicação de um artigo na imprensa que a fez ponderar a apresentação de queixa às autoridades. Ao contrário de 'Maria', 'Ana' não fez qualquer denúncia apesar de estar na posse de dados que, aparentemente, levariam à identificação do indivíduo.

Tal como não respondeu à solicitação do Expresso para relatar a sua história, sendo Tito de Morais quem fez uma descrição genérica de um abuso tirado quase a papel químico de tantos outros. 'Ana' conheceu o seu futuro perseguidor no Hi5 , a rede social por excelência dos jovens, estabeleceu-se uma relação de confiança do amigo mais velho que ouve e compreende, mas tem também um discurso cativante e sedutor, e que, a dada altura, fica na posse de fotografias suas - no caso, não é dito qual o tipo de imagens, mas estas variam sempre entre a simples nudez e as poses com algum carácter sexual explícito.

Quando a jovem se recusa 'a continuar' - não especifica se para situações mais ousadas mas ainda online, se para um encontro pessoal... - as suas fotografias e dados pessoais começaram a aparecer na Internet. Por todo o lado. 'Ana' entrou em depressão durante um ano e só conseguiu contar à mãe era já maior de idade.

Veja o resto da noticia aqui:http://aeiou.expresso.pt/abusadas-na-net=f517132

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 19:29 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Menores aliciados através...

Abusadas na net

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...