Sábado, 18.12.10

Hot Club

 

Hot Clube de Portugal, que ficou destruído há um ano num incêndio, deverá reabrir em 2011, já que a autarquia desbloqueou 200 mil euros para o "renascimento" do clube de jazz, disse à Lusa a diretora, Inês Homem-Cunha.

"A câmara entregou-nos as chaves na semana passada e garantiu que hoje transferia a verba para começarmos de novo", explicou a presidente do conselho diretivo do HCP.

A cave onde funcionava o clube de jazz, no número 39 de um prédio na Praça da Alegria, ficou destruída num incêndio a 22 de dezembro de 2009, danificando algum espólio e obrigando ao cancelamento de toda a programação.

Um ano depois, Inês Homem Cunha referiu que o tempo é de "regozijo", porque a câmara municipal de Lisboa acelerou o processo e viabilizou agora uma nova vida para o clube de jazz, num edifício vizinho na Praça da Alegria, nos números 47 a 49.

"Na quarta-feira [22 de dezembro] vamos fazer uma festa pequena no espaço, que está caótico, mas é para ser apenas uma coisa simbólica, com um grupo de músicos da escola [do Hot] a tocar", referiu a responsável.

Os 200 mil euros atribuídos pela autarquia - "a verba para renascermos", disse Inês Homem Cunha - destinam-se às obras de remodelação do novo espaço e ao recomeço da programação.

O Hot Clube tem o licenciamento do projeto de arquitetura de renovação do espaço e falta a aprovação dos projetos de especialidade, e não avança datas concertas de reabertura.

"Se for daqui a seis meses já estou a ser muito otimista", disse Inês Homem Cunha.

O Hot Clube de Portugal foi fundado em 1948 e é o mais antigo clube de jazz português.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 11:47 | link do post | comentar

Domingo, 21.11.10

Bares de Lisboa com assinatura

 

Luís Pinto Coelho criou e decorou quatro espaços emblemáticos da capital. Só ficou com o Pavilhão Chinês, mas quer abrir mais um

 

 

Luís Pinto Coelho, de 77 anos, ainda costuma trazer peças para decorar o Pavilhão Chinês, bar que abriu no lugar de uma mercearia com esse nome em 1986. "Tem alguma coisa velha em casa que lhe possa comprar?", pergunta ao i num tom irónico, depois de pendurar uma caneca no tecto, perto do balcão, talvez o único sítio disponível no bar cheio de tralha. Foi assim, a perguntar a amigos e conhecidos, que conseguiu muitas das peças que lá estão. Outras, como a colecção de figuras de Zé Povinho e de Action Men, chapéus militares, aviões e até um guarda do Palácio de Buckingham em tamanho quase real, arranjou-as em antiquários e feiras de velharias. O antigo decorador e gestor hoteleiro não gosta de dar entrevistas. "Não sou daqueles que gostam de se promover", responde sem muita paciência. Nem precisa. 

Os quatro bares que inaugurou e decorou em Lisboa - Procópio, A Paródia, Fox Trot e Pavilhão Chinês - continuam cheios sem que nunca tenha sido preciso fazer publicidade. "O segredo é o bom serviço", diz António Pinto, de 56 anos, um dos actuais sócios do Pavilhão Chinês e funcionário do bar desde a inauguração. "Noutras casas é tudo à balda."

Há um ano e meio, Luís Pinto Coelho ainda era visto com frequência no Pavilhão Chinês, o último bar que criou em Lisboa e o único que não vendeu. Foi nessa altura que, nas palavras de António, "cedeu uma posição" a três funcionários agora encarregues do negócio. Embora ainda seja proprietário do bar, só lá vai de vez em quando e passa a maior parte do tempo na sua casa em Sintra.

"Trabalho com ele há 34 anos", continua António. "Comecei a ajudá-lo [no bar A Paródia] quando morava em Campo de Ourique e depois fui para o Fox Trot [o terceiro a ser inaugurado, em 1978]." Segundo António, criar e decorar outros bares sempre "foi uma coisa dele"."Havia uma altura em que achava que era bom vender e partia para outra."

O Procópio foi o primeiro espaço em Lisboa fundado por Pinto Coelho, em 1972, e depressa começou a ser frequentado por figuras como Mário Soares, Sá Carneiro ou Raul Solnado. "Durante os tempos escaldantes da revolução, era por aquelas noites que no Procópio tudo acontecia", lê-se no livro lançado em 2007 para comemorar 35 anos do bar. "Jornalistas infiltrados faziam fila à espera de chegarem ao telefone para informarem o director de tudo o que ali se cochichava." Alice Pinto Coelho, ex-mulher de Luís e mãe dos seus três filhos (duas raparigas e um rapaz), gosta de recordar esses tempos ao balcão do bar perto do Jardim das Amoreiras. Quando se separaram, pouco depois de abrirem o bar, foi ela quem ficou com o espaço, enquanto o ex-marido já tinha a cabeça n''A Paródia.

Inaugurada em Campo de Ourique a 27 de Abril de 1974, começou como loja de antiguidades onde Pinto Coelho recebia os amigos. Um ano depois, era transformada no bar "A Paródia" - com nome e decoração inspirados pela revista de sátira de Rafael Bordalo Pinheiro. Além dos quadros com ilustrações, as paredes do bar estão cheias de caixas de fósforos. "Era aí que os clientes costumavam deixar moedas para usarem quando cá voltassem e não tivessem dinheiro", explica Filipa Carlos, de 34 anos, a actual proprietária. "Quando arrastamos os móveis e descobrimos moedas de escudos ainda costumamos pô-las dentro das caixas."

Ao i, Pinto Coelho disse estar a "pensar abrir outro bar em Lisboa com o António [Pinto, seu sócio no Pavilhão Chinês] no próximo ano". A julgar pelos seus bares anteriores podemos adivinhar alguns pormenores: é preciso tocar à campainha para entrar, estará cheio de antiguidades e a cerveja nunca custa menos de 3 euros.

 

Procópio

Foi o primeiro bar criado por Luís Pinto Coelho, em 1972. Poucos anos depois de o  inaugurar, deixava-o nas mãos da ex-mulher, Alice Pinto Coelho (em destaque na foto), que ainda hoje é proprietária e costuma estar ao balcão de uísque na mão, como se estivesse em casa.

Onde: Alto de S. Francisco, 21- A (Jardim das Amoreiras). Quando: de 2.ª a 6.ª das 18h às 3h; sáb. das 21h às 3h

Fox Trot

Abriu em 1978, mas só os móveis e os empregados são dessa altura. A clientela é cada vez mais jovem e todas as noites há uma bebida em saldo, a 4 euros, geralmente acabada em “oska”. Tem um jardim interior, wireless e salas onde se pode fumar. A melhor nesta altura é a da lareira. Onde: Tv. de Sta. Teresa, 28. Quando: Todos os dias, das 18h às 3h; 6.ª e sáb. até às 4h

A Paródia

De todos os bares fundados por Luís Pinto Coelho é o único onde os empregados não estão fardados. Os actuais proprietários são simpáticos e dão boas sugestões de cocktails – aliás, além das bebidas clássicas, a lista está sempre a ser renovada. Numa das salas apertadas, onde outrora existia uma tela onde eram exibidos filmes de Charlie Chaplin, existe um piano, onde quem sabe tocar se pode exibir. Foi inaugurado dois dias depois da Revolução de 1974 como loja de antiguidades. Muitas delas ainda sobrevivem nas paredes.

Onde: Rua do Patrocínio, 26-B; Quando: Todos os dias, das 22h às 2h

Pavilhão Chinês

Vale mais como museu do que como bar. Apesar das mesas de snooker e da lista de mais de cem cocktails e chás, o que chama mesmo a atenção é a quantidade de tralha nas paredes. Há brinquedos, chapéus, canecas, uma colecção de Action Men e toda a parafernália que se possa imaginar. O bar abriu em 1986 no espaço de uma antiga mercearia. É o único que ainda pertence a Luís Pinto Coelho, embora já tenha cedido parte do negócio a três funcionários. Não espere simpatia no atendimento.

Onde: Rua Dom Pedro V, 89. Quando: 2.ª a sáb. das 18h às 2h; domingo  das 21h às 2h

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:51 | link do post | comentar

Domingo, 12.09.10

Alfama já não é só Fado

 

Esplanada Portas do Sol É dos espaços mais concorridos da zona de Alfama e do Castelo. Por estes dias a esplanada das Portas do Sol ganhou um novo colorido graças à dezena de oliveiras plantadas recentemente. Com a cidade de Lisboa como cenário, vale a pena sair mais cedo do trabalho para aproveitar os raios de Sol de Setembro enquanto prova um dos batidos ou sumos naturais tão afamados por aqueles lados. Os sofás pretos espalhados no terraço convidam à leitura, embalada pela música ao vivo - às quintas-feiras - ou pelos DJ que actuam ao fim-de-semana. Se a fome apertar, pode sempre pedir uma das muitas sandes - com pão feito na hora -, naquela que é uma das zonas mais turísticas da capital. Alguma vez lhe passou pela cabeça ser um estrangeiro em Lisboa? Aqui sim, é possível.

Largo das Portas do Sol, Santiago. Tel. 917 547 721 Sugestão: Salada de frango com pepino e gengibre

Esplanada Cerca Moura Poucos serão os lisboetas que não conhecem este espaço emblemático da capital. A esplanada Cerca Moura é uma das mais antigas de Lisboa. Na verdade, são dois espaços num só, já que do outro lado da rua existe uma segunda esplanada com vista para o bairro de Alfama e orio Tejo. Ideal para um fim de tarde bem passado entre amigos. Aberto até às duas da manhã.

Largo das Portas do Sol, 4. Tel. 218 874 859 Sugestão: Imperial e tosta mista

O Botequim O Botequim não é apenas um bar/restaurante. Situado no pitoresco bairro da Graça, as suas paredes escondem histórias antigas. Durante os anos 70 e 80 o espaço foi palco de inúmeras tertúlias literárias - e ponto de paragem obrigatório dos artistas da capital. Renascido este ano, é com a figura preeminente de Natália Correia que os clientes são agora recebidos, não estivéssemos nós num dos locais de eleição da poetisa e deputada. E a sua memória - e espírito - está bem presente no retrato que acolhe quem entra no salão. Restaurado, mas fiel à traça original - os tectos são trabalhados, o balcão clássico e com estatuetas espalhadas pela sala -, o novo Botequim transpira literatura - pertence à ex-editora Minotauro - e oferece uma carta recheada de petiscos e bebidas de provar e chorar por mais. Para os que procuram uma refeição mais substancial há alheira com tomate cereja e alecrim, carpaccio de muxama de atum, mas também coisas mais light, como a salada de búzios ou as tostitas de palhais com pesto de manjericão. Os preços estão ao alcance de praticamente todos os bolsos, não excedendo os 10€ por pessoa.

Largo da Graça, 79. Sugestão: Sangria de espumante e salada de ovas

Restaurante santo antónio de alfama Popular pelas suas entradas - as cascas de batata -, o restaurante Santo António de Alfama tem uma origem remota. Falamos da arquitectura e da história do edifício, que nos finais do século xix funcionava como espaço polivalente: na loja guardavam-se as montadas, no primeiro piso funcionava uma casa de pasto e no último punha-se a conversa em dia. Hoje o espaço pertence ao actor José Pedro Vasconcelos e oferece uma carta de almoços e jantares, além de um cardápio de vinhos bem composto. Saltam à vista o queijo brie panado com compota de framboesa e a morcela com puré de maçã. E isto é apenas o começo: aqui os bifes são dos pratos mais apreciados, da vazia grelhado ou do lombo. Como qualquer restaurante tradicional que se preza, não podia faltar o bacalhau, aqui gratinado com molho de tomate e brócolos.

Beco de São Miguel, 7. Tel. 218 881 328 

Sugestão: Cascas de batata

Supercalifragilistic No coração de Alfama está situado o restaurante com o nome mais impronunciável de sempre. O Supercalifragilistic, nome que apenas Mary Poppins sabia cantar. É um espaço recente, que fica a meio caminho entre um restaurante e um bar. Os pratos são passageiros - não há ementa fixa -, mas a clientela costuma gostar de mil-folhas de camarão com caril ou do empadão de bacalhau com batata-doce.

Rua dos Remédios, 98, Alfama. 

Sugestão: Cabrito

Cruzes Credo café aberto até de madrugada, com esplanada, o Cruzes Credo Café é um dos novos pontos de paragem obrigatória ali para os lados da Sé. Embora o aspecto do bar nos possa levar para outras coordenadas - os donos definem-no como uma espécie de leitaria de bairro aberta até tarde - à noite, a música e o ambiente chill out transformam-no num bar apetecível. Os preços são acessíveis, com imperiais a 1,50€ e o vinho a copo a 2,30€.

Rua das Cruzes da Sé, 29. Tel. 218 822 296 Sugestão: vinho a copo ou sangria

Tejo Bar A zona de Alfama e da Sé têm vindo a tornar-se uma óptima alternativa a um Bairro Altocada vez mais descaracterizado. Mas não é apenas de espaços novos que vive esta zona. O Tejo Bar é daqueles lugares antigos que vale a pena visitar. O mais certo é encontrar alguém a fazer uma jam session - há guitarras que qualquer um pode dedilhar - ou deixar-se encantar pelas muitas fotografias e discos antigos que preenchem as paredes. O ambiente é descontraído e familiar, e ali convivem pacificamente moradores da zona e artistas. 

Beco do Vigário, 1. Sugestão: Imperiais e vinho

Onda jazz Tal como o nome indica, aqui a música que toca mais alto é a de Nova Orleães, embora estejamos no berço do fado e, não raras vezes, as colunas debitem soul, flamenco e outras músicas do mundo. Regularmente palco de concertos de jazz, o bar recebe também espectáculos de dança e sessões de poesia musicada ao piano. Um espaço com aura de artista, instalado num antigo armazém de café e propriedade de um jornalista de francês especializado em jazz.

Arco de Jesus, 7. Tel. 218 883 242 

Sugestão: bebidas brancas

Bela Tem pouco mais de meio ano de existência, mas já é paragem obrigatória para um copo de vinho ao final da tarde a acompanhar uns petiscos à maneira, com tempero caseiro. Ao domingo há fados e à terça-feira recitais de poesia. 

Rua dos Remédios, 190

Sugestão: Sangria tinta

Santiago alquimista Há muito que os concertos e as festas do Santiago Alquimista romperam as fronteiras da capital. A casa costuma estar cheia para receber alguns dos mais promissores projectos musicais portugueses, mas também muitos nomes consagrados nacionais e estrangeiros. Para quem se passeia pela ruelas do Castelo, este é um dos espaços mais interessantes para um pé de dança. Com uma mezanine no primeiro piso, é perfeito para deitar as vistas ao palco sem braços e cabeças pelo meio. Aberto até às quatro da manhã.

Rua de Santiago, 19. Tel. 218 820 259 

Sugestão: concerto de The Wave Pictures, dia 23

Clube Ferroviário Perto de Santa Apolónia, paredes meias com a discoteca Lux, nasceu um dos bares mais badalados do momento. O Clube Ferroviário ganhou fama graças ao seu proprietário -Mikas, do Bicaense -, mas também à sua programação arrojada de concertos e DJ. Nascido das cinzas de uma associação recreativa, o Ferroviário tem noites para todos os gostos, do cinema ao ar livre às festas e performances de teatro. Nos intervalos da dança, nada como espreitar o imenso terraço, com uma vista divinal para o Tejo. Depois? Bem, depois é descarrilar até de madrugada. O Clube está aberto até às seis da manhã.

Rua de Santa Apolónia, 59. Tel. 218 153 196 Sugestão: Real Combo Lisbonense, quinta feira, dia 16

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:03 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22.01.10

 

 

10 bares quentes e bons para o Inverno

 

01 Marrakesh

Só o nome já traz a promessa de um calor vindo de terras longínquas. Dentro deste restaurante e lounge bar situado no Porto, a primeira impressão confirma-se. Enormes almofadas brancas e mesas baixas convidam a sentar e a aninhar neste espaço que parece ter sido inspirado nas mil e uma noites. Enquanto as velas, a música oriental e as shishas compõem o resto do ambiente, os chás e as tagines confortam o estômago. 

02 Mezzanine do Bairro Alto Hotel
Por cima da animação do bar do hotel, respiram-se ambientes mais serenos. Trocam-se os deliciosos cocktails por uma chávena de chá e as batidas do DJ de serviço pelo prazer do silêncio. Na mezzanine há sofás confortáveis onde se pode passar uma tarde inteira a preguiçar, a ler jornais, livros e revistas ou a ver televisão com vista para a Praça Luís de Camões. A lareira é a companheira perfeita para os dias de Inverno na capital.

03 Metro e Meio 
Deve o seu nome à altura da porta de entrada, que obriga todos os visitantes de estatura média a baixarem-se para entrar; um entrave que nunca o foi e se tornou a imagem de marca deste espaço de Lisboa. Há mais de 30 anos que assim: a mesma medida, o mesmo piano, o mesmo conceito. Lá dentro, o bar (que também é restaurante durante o dia) está dividido em vários espaços, uma espécie de labirinto cheio de recantos. É só escolher uma poltrona e arranjar a posição mais confortável para uma longa noite de tertúlia. 

04 Galeria Bar Santa Clara 
Em Coimbra conhecem-no pela esplanada, com vista para o Mondego e para a cidade. Mas no Inverno, o bar da galeria Santa Clara é igualmente acolhedor. Não tem lareira, é verdade, mas quase. É uma salamandra que aquece os visitantes nas noites mais frias de Inverno, numa das salas maiores. Nas outras, mais intimistas, o ambiente é ideal para encontros a dois (secretos ou não). Ou, quiçá, para reuniões conspirativas, alimentadas pelos bolos caseiros e os excelentes cocktails.

05 Casa Azul
Quem põe os olhos nesta típica casa algarvia à entrada de Cacela Velha fica de imediato com vontade de entrar e ficar. E se a casa convida, a vista deslumbra: de um lado a ria, do outro o mar, mais ao longe Espanha. Nos dias em que o sol resolve aparecer, sabe bem desfrutar da esplanada no terraço, para os outros, em que o frio marca presença, o lugar ideal para estar é na sala com lareira. Para ser perfeito só mesmo com a companhia dos sabores da Casa Azul. Prove o peixe fresco grelhado, a tagine de frango e as deliciosas sobremesas.

06 Praia da Luz
Ai, o Inverno. E a praia no Inverno... o mar revolto, a areia molhada, o vento gelado e a zumbir nas rochas. O cenário não é agradável e indica tudo menos conforto. A não ser que... a não ser que estejamos dentro do Bar Esplanada Praia da Luz, no Porto, uma das mais conhecidas da Foz e que consegue conciliar, de forma perfeita, uma vista sobre o mar revolto e um ambiente aconchegante, sobretudo se envolver uma manta sobre os joelhos, um chocolate quente nas mãos e um sofá na sala panorâmica junto à lareira.

07 Casa do Livro
Quando uma livraria se transforma num bar que faz questão de manter o espírito da casa, o resultado só podia ser bom. É o que acontece na Casa do Livro, que fica na Baixa do Porto e consegue juntar cocktails e vinhos a livros que estão por todo o lado, espalhados nas várias salas do bar ou guardados em armários. Decorado com um gosto clássico chique, de cadeirões retorcidos, espelhos dourados e até um piano, a Casa do Livro conta ainda com uma programação habitual que inclui concertos, DJ convidados e até peças de teatro. 

08 Casa do Cerro 
Bares de Inverno no Algarve? Sim, eles existem. Como este Casa do Cerro, um espaço de inspiração marroquina, que foge a tudo que se espera de um bar algarvio. No bom sentido. Cores quentes, ambiente tranquilo e uma esplanada que no Inverno é fechada e aquecida. Os cocktails da casa valem um desvio do conceito norte-africano, mas se se quiser manter fiel às raízes do bar, escolha um dos chás da carta. E desfrute esparramado no primeiro pufe que encontrar livre.

09 Colares Velho
Em tempos foi uma taberna e uma mercearia, até se transformar, nos últimos 30 anos, num dos restaurantes mais conceituados e clássicos da zona de Sintra. Desde o ano passado com nova gerência, o Colares Velho é mais do que um restaurante. É também um salão de chá com duas salas intimistas e confortáveis, uma delas equipada com lareira e perfeita para saborear um café ou um chá acompanhado de um scone ou de uma fatia de cheesecake caseiro.

10 Foxtrot
No Foxtrot não se dança foxtrot nem qualquer outro estilo, mas pode comer--se um bife fora de horas, beber um whisky ou um cocktail, ver futebol num ecrã gigante, jogar snooker ou até gamão. E claro, pode não se fazer absolutamente nada a não ser ficar numa das poltronas a conversar e a ouvir música. Aberto inicialmente por Luís Pinto Coelho, proprietário do mítico Pavilhão Chinês, o Foxtrot é uma réplica lisboeta do tradicional pub inglês e está cheio de recantos confortáveis. No Inverno, a sala mais concorrida - e há quatro diferentes - só podia ser mesmo a da lareira.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 16:45 | link do post | comentar

Sexta-feira, 15.01.10

Sitios para os gays encontrarem marido ou mulher

 

 Porto



01. Zoom (discoteca)

Abriu em Junho do ano passado e "tem funcionado bastante bem", garante Mário de Carvalho, um dos sócios. O público masculino está sempre em maioria, embora as mulheres, lésbicas ou não, também por aqui passem. Correndo o risco de exagerar, pode dizer-se que é hoje a principal discoteca gay do Porto (não a única: o Pride ou o Moinho de Vento não devem ser esquecidos). A música vai da pop à house. E o ambiente, pelo menos por enquanto, não é pesado. O que quer dizer que o acasalamento se pode, e deve, fazer nas calmas.

Beco Passos Manuel, 40.

Sexta e sábado (e vésperas de feriados), 00h00/6h00. Entrada: 5 euros.

02. Boys'r'Us (bar)

É discutível chamar-lhe discoteca. Bar é com certeza. Um dos mais conhecidos do Norte do país. Às sextas e sábados é uma coisa: a música, sempre comercial, deixa o espectáculo de travestis em segundo plano. Às quartas e domingos, é outra: o show da decana Nani Petrova é o que leva os clientes à casa. Juntamente com ela, actuam Lady Slim, Ricardo Madonna e Roberta Kinsky. Há quem se queixe de que a casa pede reformulação (leiam--se os comentários no site Portugal Gay), mas não é por isso que as pessoas deixam de aqui vir.

Rua Barbosa de Castro, 63. 

Quarta e Domingo, 22h30/2h00; Sexta e sábado. Entrada: 5 euros (ao domingo é livre).

03. Armazém do Chá (bar)

Tem três andares, cafetaria, bar, palco para pequenos concertos e mesas de DJ espalhadas por vários sítios. O edifício onde está instalado é centenário e já albergou uma fábrica de torrefacção. Daí lhe vem parte do charme que o transformou num sítio in, dos mais badalados do Porto, e bastante gay friendly. Existe há cerca de quatro anos. A decoração é retro e inclui os resquícios industriais de outros tempos. Nestes sofás antigos senta-se muito homem e muita mulher à espera de casório.

Rua José Falcão, 180. Segunda a sexta, 10h00/2h00; sábado, 18h00/4h00. 222 444 243.

Lisboa


04. TRUMPS (discoteca)

A caminho dos 29 anos (em Março), não desarma: conheceu altos e baixos, mas prossegue como principal discoteca gay de Lisboa, faça ou chuva ou faço sol. Local iniciático para muitos gays masculinos (sempre o foi), é conhecido por deixar entrar todo o género de pessoas e com isso favorecer uma boa mistura, incluindo de homens e mulheres. Tem duas salas: numa pode fumar-se e ouvir house comercial; na outra, só não fumadores e muita Madonna.

Rua da Imprensa Nacional, 104. 

Sexta e sábado, 23h45/6h00. 213 971 059.

Entrada: 10 euros.

05. Lux (discoteca)

Não é uma discoteca gay, mas que interessa isso? É aqui que vem toda a Lisboa que gosta de boa música - alta, baixa, magra, gorda, gay, hetero, etc., etc. No escuro da pista de dança, no piso inferior, juntam-se muitos casais gay e muitos solteiros à procura de companhia. Talvez a idade dos clientes esteja cada vez mais reduzida, que é como quem diz, talvez o Lux se esteja a tornar uma discoteca de putos. Ou seremos nós que estamos a ficar mais velhos?

Av. Infante D. Henrique, Cais da Pedra.

Quinta a Sábado, 22h00/6h00. 218 820 890.

06. Maria Lisboa (discoteca)

É a única discoteca lésbica de Lisboa (no mundo LGBT português não é difícil, por enquanto, encontrar coisas que sejam únicas). E talvez por isso está sempre cheia ou, pelo menos, composta. A casa tem três anos de vida como Maria Lisboa, mas já foi Rockline e Fama (e a clientela era outra). Ao sábado apresenta várias vezes números de transformismo com Jenny Larrue e Patricia Russel, entre outros convidados. Tem um ambiente festivo e aberto a todas as vontades.

Sexta e Sábado, 23h45/6h00. Rua das Fontainhas, 86, 213 622 560. Entrada: 10 euros.

07. Les Suites du Bairro Alto

(residencial)

Bed-and-breakfast não exclusivamente gay, mas bastante. São quatro andares, com cerca de 70 metros quadrados (o quarto andar é um pouco mais pequeno). Têm três quartos cada, com cama de casal, cozinha, WC, varanda, ar condicionado e ligação à internet. Uma das vantagens para os hóspedes é a de poderem levar companhia para o apartamento, a meio da noite, sem necessidade de avisar. O período mínimo de permanência é de três noites e o preço 125 euros por apartamento e noite. No rés-do-chão do edifício fica o muito parisiense café Les Mauvais Garçons.

Rua da Rosa, 35, 912 300 132.

Algarve

08. Pride (discoteca, Albufeira)

"Albufeira é a capital gay do Algarve", afirma Jorge Gomes, gerente da discoteca Pride. Porquê? "Sempre foi uma cidade aberta e está no centro do Algarve", justifica. Daí que a Pride, existente desde o Verão, se tenha tornado famosa em três tempos. Muitos homens, de Faro, Huelva, Ayamonte, costumam acorrer, sobretudo ao sábado. "Nessa noite costumamos ter uma média de 200 pessoas", informa o gerente. À sexta, há show de transformismo, com Alexyia Lollipop e Armani Divine. A música é sempre comercial.

Av. Sá Carneiro, lote 1B (1.º andar). Sexta e sábado, 22h00/3h00. 963 686 142. Entrada. 6 euros.

09. Thermas Pride

(residencial e sauna, Albufeira)

Mais do que residencial (ou guest house), trata-se de uma sauna. "A única sauna gay algarvia", diz o responsável, Jorge Gomes (sim, é o mesmo da discoteca Pride). Os hóspedes pagam entre 40 a 60 euros por noite e nesse preço está incluído o acesso à sauna. Os clientes externos, que só queiram vaporizar-se e apreciar as vistas, despendem oito euros. 

Av. dos Descobrimentos, lote 21 (junto à câmara municipal). Sexta, sábados (e vésperas de feriados), 20h00/4h00, 963 686 142. 

Todo o país



10. Praias

É verdade que o tempo não pede praia, mas a lei do casamento gay também ainda vai no adro. Por isso, pode ir já pensando no Verão. A mais célebre praia no que diz respeito aos romances gay, fugazes ou duradouros, chama-se 19 e fica na Costa da Caparica. Até filmes há sobre ela: "No Strings Attached", do realizador luso-alemão Alexandre Powelz (passou em 2007 no festival de cinema Queer Lisboa). A praia é grande, frondoso é o matagal. No Algarve, também há opção: a praia João d'Arens, em Alvor. Deserta, recôndita e limpa. Tem--se acesso a partir da alameda que liga Alvor a Portimão (junto ao hotel Prainha Clube). Mais a Norte sugerimos a praia de Mira, entre a Figueira da Foz e Aveiro.

 

Via Ionline




publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 08.09.09

Vai um coctail de coca?

 

Deve beber-se fresca, de um trago, depois de uma dentada num gomo de lima. Se preferir long drinks, pode misturá-la em cocktails mais complexos. Diz quem percebe disso que não se deve misturar com sumos de fruta, com risco de arruinar o sabor original, já que a Agwa de Bolívia contém frutose suficiente. 

É verde, a fazer lembrar o velhinho Pisang Ambom, mas tem mais álcool: 30% - menos dez do que a vodka e do que a tequilla. Mas nada disso se compara ao ingrediente chave que faz desta bebida uma coisa única: é que a Agwa de Bolívia é feita a partir de folhas de coca... da Bolívia. E antes que arregale os olhos de admiração, nós explicamos. 

O quê? Como? Para cada garrafa são necessárias 40 gramas de folha de coca e mais 36 plantas, entre as quais ginseng e guaraná. Por esta altura já deve ter percebido a filosofia energética da coisa. Mas nada tema, as folhas de coca vão limpas de cocaína, mantendo apenas as substâncias alcaloides da própria folha, dando a este licor o selo de 100% legal. Excepto em Singapura e Taiwan. As autoridades destas duas ilhas ainda desconfiam do ingrediente folha de coca.

Depois de serem "descocaínadas", em Amesterdão, as folhas são colocadas numa infusão com álcool e as restantes ervas. Daqui, a bebida é distribuída para o resto do mundo e são já 38 os países onde se pode beber licor de folhas de coca. 

Em Portugal Afonso Vieira, de 23 anos e Miguel Tojal, de 24, são os representantes exclusivos da Agwa de Bolívia em Portugal. Encontraram a beberagem na internet, por acaso. O facto de ser feita de folhas de coca da Bolívia chamou-lhes a atenção e como jovens empreendedores dados ao álcool (para que não haja confusão: são ambos donos e senhores de formações na área das bebidas - cocktails, wiskys e afins e experiência enquanto barmen) decidiram "enviar um mail a propor a representação da única marca a produzir a bebida por terras lusas. Depois de três meses de espera, o negócio concretizou-se". O objectivo é "acabar com o reinado das caipirinhas e da cachaça, já que este licor também pode, e deve, ser bebido com lima". A Agwa de Bolívia chegou a semana passada à noite lisboeta e já pode ser pedida no Lux, na Bica do Sapato e no Delidelux. Um shot pode custar seis euros, uma long drink oito e uma garrafa inteira chega aos 30 euros. 

Efeitos "Dá uma moca de oxigénio", diz Afonso, à falta de melhor expressão. "Dá energia", diz Miguel. Mas não pense, por isso, que ficará com disposição para escalar o Evereste duma assentada. Apesar dos Incas (há milhares de anos) terem o costume de mastigar a folha de coca para alcançar um estado de euforia prolongada, o consumo exagerado de shots deste licor só irá proporcionar-lhe uma valente bebedeira.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:46 | link do post | comentar

Sábado, 30.05.09

Mundo gay de Lisboa

 

 Há várias décadas que o Príncipe Real é a principal zona gay de Lisboa, por causa dos muitos bares, discotecas e engates. Mas, se ganha na quantidade, perde na qualidade. Não é aí que ficam os melhores ambientes nocturnos gay. É no Bairro Alto - que sempre atraiu certa franja das profissões criativas e liberais, cheias de homens e mulheres homossexuais.

Foi a assíduos do Bairro Alto que o i perguntou pelos dois melhores bares gay de Lisboa. E o prémio, sem grande hesitação, foi quase sempre para? Maria Caxuxa e Purex. Dois sítios colados um ao outro, embora em ruas diferentes, de ambiente bem definido, livre e sofisticado, onde as pessoas se divertem a sério.

O Caxuxa, como é conhecido, puxa mais os homens gay; o Purex, as lésbicas. Tanto um como outro recusam o rótulo de bar gay e, bem vistas as coisas, até têm razão. Há neles de tudo um pouco. Mas não poderia ser de outra maneira, numa cidade onde consta que o apartheid da orientação sexual não existe. Agora dizer que a sexualidade de quem lá vai não importa nada também soa a falso. São os clientes, com as suas características todas, e não só metade delas, que fazem as casas. Se nunca lá foi, experimente.

Para eles: Maria Caxuxa Três salas, um bar, aspecto rústico propositado, um não-sei-quê de seguro e libertino. Um cantor aqui, um bailarino ali, um actor acolá. Sempre muitos gays.

Os actuais donos do Maria Caxuxa trabalharam em tempos noutro bar do Bairro Alto, o Clube da Esquina - assumidamente gay. Há quatro anos, quando abriram o Caxuxa, trouxeram com eles muitos clientes. Além disso, esta antiga tasca e fábrica de bolos (o forno mantém-se, ao centro do bar) foi uma lufada de ar fresco na cidade. Pela atitude - discreta, mas sabida - e pelo ambiente - familiar e moderno. Tudo aquilo que muitos homens gay apreciam.

Situa-se na Rua da Barroca, a principal rua gay do Bairro. Nos concorridos fins-de-semana fica facilmente sobrelotado. Por dentro e por fora. Os lugares sentados são disputados ao centímetro. E à porta junta-se uma multidão compacta de copo na mão. A atracção é tal que há quem prefira comprar bebidas mais baratas nos bares ao lado e ir despachá-las à porta do Caxuxa.

Por não ser um gueto, longe disso, nem vestir a camisola de nenhuma causa, permite que toda a gente se sinta bem lá dentro. O som electrónico modernaço, as excelentes tostas servidas até à uma da manhã e a rapidez do serviço fazem o resto.

Para elas: Purex Em pouco anos tornou-se um dos melhores bares de Lisboa e, por via da clientela que lá vai, um dos melhores bares lésbicos. Há quem lhe chame "fufex". Costuma associar-se às iniciativas LGBT lisboetas, como o Arraial Pride (a maior festa gay anual) e o festival de cinema Queer Lisboa.

As suas responsáveis preferem falar em bar gay friendly, porque dizem receber bem toda a gente. É um facto que sim. Cruzar as grandes portas cor-de-laranja do Purex não é a mesma coisa que meter o pé noutros bares do Bairro. A maior parte deles, verdade seja dita, não são bares - são balcões de venda de bebidas, sem personalidade ou ambiente. Muitas vezes sem nome. No Purex isso não acontece. Há espírito e carácter, ambiente e boa música.

A casa demorou a fazer-se. Tinha uma clientela lésbica pouco dada ao consumo de bebidas, que fazia do espaço uma sala de estar para amigas e conhecidas. As responsáveis conseguiram dar a volta ao caso com uma selecção musical rígida, pouco comercial e atenta às novidades. O suficiente para afastar um público menos exigente e atrair as (e os) vanguardistas.

Via ionline

 



publicado por olhar para o mundo às 11:17 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Hot Clube reabre na Praça...

Os bares mais chiques de ...

Alfama já não é só fado. ...

Quentes e bons: dez bares...

Dez sítios para gays enco...

São duas folhas de coca c...

Como é a Lisboa Gay?

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...