Segunda-feira, 02.01.12
Mulher de Sting desmistifica sexo tântrico


Trudie Styler deu uma entrevista recente na qual desmistificou a ligação de Sting(com quem é casada há 19 anos) à prática do sexo tântrico.

A actriz e produtora inglesa disse:

«O Sting disse isso há 21 anos. Ele acabou de fazer 60 anos, mas imagino que este assunto vá durar até ao fim da sua vida. Sabe quem é que eu culpo por isto? O Bob Geldof. Ele e o Sting tinham ido dar uma entrevista a um jornalista especializado e rock e a entrevista acabou por se tornar numa sessão de álcool. A certa altura, o jornalista perguntou-lhe quantas horas é que ele aguentava e o Geldof disse que demorava 3 minutos mas como o Sting fazia yoga, provavelmente aguentava várias horas. E o Sting disse 'bem, já ouviste falar em sexo tântrico?' E explicou o que era, que é sobre ser íntimo e carinhoso com o parceiro, antes de... pronto, teres sexo.»

De seguida, Trudie falou sobre os exageros que desde então foram sendo criados sobre o assunto:

«A primeira vez que soube disto foi quando li a entrevista. Ele tinha-se esquecido que tinha dito aquilo porque estava completamente bêbedo. Na altura pareceu muito divertido mas de repente tornou-se num facto conhecido. As horas de sexo tântrico foram aumentando, e de repente já o fazíamos o dia todo. Quem me dera!»

 

Via My Way



publicado por olhar para o mundo às 00:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.03.11
Sexo anal... Mitad mito, mitad realidad

 

Durante muchos años es una de las prácticas sexuales que se atribuía sólo a homosexuales. Incluso se le ha tachado de no ser natural por no cumplir con la regla de reproducción. Por eso todavía cuesta reconocer que gusta, que se practica y que puede ser de lo más placentero. Con un poco de práctica, los instrumentos adecuados y un cuidado “especial” por parte de la pareja, el sexo anal puede alzar a la persona hasta el orgasmo máximo, totalmente diferente y, según dicen los más entendidos, conseguir el clímax total.

Más o menos, entre un 30 y un 40% de los practicantes habituales de sexo admiten haberlo probado. Si se pregunta por una práctica habitual, el porcentaje se reduce. No se puede afirmar rotundamente qué parte de los españoles lo practican, porque no hay datos oficiales que recojan tales cifras. “Para disfrutar y hablar del sexo anal lo primero que debe hacer la sociedad entera es quitar los tabúes de encima”. Vicente Briet, sexólogo y miembro de la Federación Española de Sexología (FES), habla de un tema muy estigmatizado por una sociedad “muy homófoba y muy poco dada a comunicar qué prácticas sexuales nos gustan más”.

Briet echa por tierra el mito del sexo anal entre los homosexuales. “Aunque se crea que la práctica sexual más habitual entre homosexuales es el sexo anal es mentira. Practican mucho más sexo oral que anal”. En una pareja de heteros, Briet aboga por el famoso punto G que los hombres guardan en la parte más íntima de su trasero. “No sé por qué los chicos heterosexuales tienen vetado que sus chicas les estimule el ano con sus dedos… Están desaprovechando una zona de erotización inimaginable”. Falta comunicación. Ni ellos ni ellas cuentan a sus respectivos sus fantasías eróticas ni se dedican el tiempo que necesitan para alcanzar el máximo clímax.

Se busca el clímax total

¿A los dos os apetece probarlo? “Cuidado con cómo hacerlo, porque puede quitar las ganas de volverlo a hacer si no se hace sigilosamente. Recordad que el recto no admite un cuerpo extraño. Así que necesitáis excitarlo para que os acepte”. La base del éxito de esta práctica son los preliminares…. “No tengáis prisa. Alargarlos, alargarlos hasta que los dos estéis muy pero que muy excitados”, aconseja Briet.

Al conseguir la excitación máxima, la líbido subirá de tal manera que se elevarán las ganas de probar nuevas experiencias. “Lo más importante es que la mujer esté bien lubricada y él excitado al máximo”. Él acariciará el ano. Poco a poco. “Empezará por introducirle un dedo. Luego dos. Que pruebe con tres… Y que no falte lubricante. Sin miedo, poquito a poco”. Una vez que las caricias se confunden con el pene del chico, el camino ya está hecho.

Ahora toca entrar y disfrutar. “Chicos: tened cuidado al introducir el pene. No tengáis prisa: el tiempo es tuyo”. Se necesita mucha paciencia y no dejar de juguetear con las caricias, con la lubricación vaginal y el clítoris. “Si duele, necesita más lubricante. Colócalo en el ano o en el pene. Y no olvides de que debe ser una penetración suave, para que se convierta en placentera”. Al final, cada pareja marcará el ritmo y la intensidad. El clímax llegará solo.

Aquellos que no se avergüenzan de contar que lo practican y han compartido su experiencia con los demás, hablan de un placer en el que los músculos vaginales y anales se contraen, proporcionando un orgasmo que sólo analmente se puede conseguir. Un último consejo: higiene y mucha protección. “Es la práctica sexual que más enfermedades de transmisión sexual provocan”. Aviso de sexólogo.  

 

Via El Confidencial



publicado por olhar para o mundo às 03:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 03.02.11

Punto G

 

Las paredes de la vagina, contienen multitud de puntos erógenos. Entre ellos, se encuentra el punto G. Fue el médico Grafenberg quien le dio su nombre en 1944.

 

¡No, el punto G no es ningún mito! Descubre como disfrutar con esta zona erógena, origen de fuertes orgasmos femeninos...

 

Una zona de placer intenso
Las paredes de la vagina, contienen multitud de puntos erógenos. Entre ellos, se encuentra el punto G. Fue el médico Grafenberg quien le dio su nombre en 1944.
Si el punto G es más o menos sensible según las mujeres, su potencial erótico tiene que trabajarse. Una vez localizado, y estimulado, el punto G permite acceder a un placer más intenso, más voluptuoso y más largo que un orgasmo clitoridiano.

 

Descubrir el  G
Se sitúa en la pared anterior de la vagina, detrás del hueso del pubis: en general “a mitad de camino” entre la entrada y el fondo de la vagina, a unos 4cm de la entrada. Pero como cada mujer es única, se puede encontrar justo a la entrada o al fondo. 
Para guiar a tu pareja para que proporcione placer, resulta útil que sepas donde se encuentra esta zona erógena. Puedes ir a su encuentro introduciendo un dedo en tu vagina. A unos 4cm encontraras una zona menos lisa, más bien rugosa. Al frotar esta zona un cierto tiempo, sentirás ganas de orinar y la piel se hincha y endurece debido al flujo de sangre. Según las mujeres, esta estimulación puede resultar agradable de forma espontánea o conseguirse con el paso del tiempo.

 

Estimular el punto G sola o a dos
- El punto G es más sensible si antes se estimula el clítoris. Sola o con tu pareja, repite el ejercicio precedente o guía su mano y su dedo. El punto G debe ser excitado de forma más prolongada y más intensa que el clítoris, en movimientos de vaivén o movimientos circulares. 
- Si utilizas un sex toy, elígelo con extremos curvados, o los que ofrecen una doble estimulación, del punto G y del clítoris. 
- Existen posturas favorables para alcanzar el orgasmo gracias al punto G. Por detrás, el hombre puede alcanzar fácilmente la parte anterior de la vagina. Si te pones encima, acostada sobre tu pareja, puedes dirigir el movimiento y la dirección del pene: para ello échate ligeramente hacia atrás..
- Para terminar, el clásico misionero pero con las piernas hacia arriba con los talones sobre los hombros de tu pareja, también es una excelente forma de alcanzar el orgasmo gracias al punto G.

 

Se paciente
Ya sabes, la sensibilidad del punto G varia mucho en función de las mujeres, pero representa para toda un fuerte potencial erótico. 
Al sentir una sensación extraña, que se asemeja a las ganas de orinar, es frecuente que las mujeres paren el movimiento durante la excitación... y se quedan a dos pasos del orgasmo. Toma tus precauciones antes, y se paciente. Si el placer no es inmediato, ¡no debería tardar en llegar!

 

Via EnFemenino.com



publicado por olhar para o mundo às 03:03 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 13.01.11

Os mitos do prazer feminino

 

A edição de vídeos erticos para um laboratório farmacêutico foi o ponto de partida da jornalista Liz Canner, que durante o trabalho começou a questionar como a indústria dos medicamentos trata o prazer feminino. A fábrica estava envolvida na produção do primeiro Viagra para mulheres, e Liz começou a acreditar que os médicos estavam inventando uma doença para vender remédios.

Assim nasceu o documentário Orgasm Inc., sobre os bastidores das campanhas de marketing da indústria farmacêutica e a forma como as mulheres lidam com o próprio prazer.

– Estava cansada de falar sobre pobreza, assassinatos e crises econômicas. Queria algo que me desse prazer. E o que é melhor do que investigar as formas de aumentar o meu próprio prazer e também ajudar mulheres em todo mundo? – disse Liz à rede de notícias ABC. 

No documentário, a jornalista investiga de onde vêm os bilhões de dólares gasto anualmente pelas farmacêuticas para criar soluções que tratem as disfunções sexuais femininas. Também discute até que ponto a falta de desejo é realmente um problema.

– Não queria fazer uma denúncia, mas percebi que as revistas, os jornais e a equipe de marketing dos grandes laboratórios estão criando uma cultura na qual as mulheres estão sempre insatisfeitas com sua sexualidade, achando que precisam fazer mais sexo e ter mais orgasmos o tempo todo. 

Uma das histórias que mais chamam a atenção no filme é a de Charletta, uma mulher de meia-idade que concorda em colocar eletrodos em sua coluna para aumentar a frequência dos orgasmos.

Para Liz, os obstáculos do prazer não costumam ser hormonais, mas sim psicológicos, e é por isso que é tão difícil criar um remédio que aumente o prazer feminino.

– Durante a pesquisa, percebi que a libido das mulheres cai por causa do excesso de trabalho, relacionamentos ruins, falta de informação e abusos sexuais. Quem tem autoridade para dizer o que é um orgasmo normal?

 

Via Zero Hora



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Domingo, 18.07.10

Mitos sexuais desvendados

 

Para alguns o sexo ainda é um terreno a desvendar. O site espanhol 20 minutes revelou alguns dos mitos que continuam a afectar várias mentes. A ideia é quebrar vaga de desinformação que ainda contamina muitas conversas.

1 - O melhor sexo acontece como nos filmes

Esta representa uma das mais ilusórias formas de pensar o sexo. O de que ele decorre numa fábula encantada como nos filmes, com uma uma química explosiva, em que sem se conhecerem dois sujeitos têm uma noite incendiada de paixão. Segundo os especialistas, para triunfar há que se basear numa grande abertura de comunicação. Apenas assim conseguirão descobrir a intimidade do próximo e conhecer qual o passo certo nos momentos de maior tensão sexual.

2 - Os homens são sempre os mais sedentos de sexo

Ainda que seja difícil para muitos contrariar este dogma, os mandamentos científicos revelam que os factores que activam o nosso apetite sexual (sono, stresses, dietas) são servidos em quantidades iguais tanto para mulheres como para os homens. Não há lei machista em campo.

 

3 - Com a idade o sexo perde a importância

O sexo é um prazer transversal a todos as idades. O factor envelhecimento não diminui a vontade sexual - como habitualmente circula no saber popular. A ciência responde que outros factores como a depressão, as deficiências hormonais e transtornos derivados de medicamentos podem potenciar uma perda de desejo sexual.

 

4 - O viagra é o único recurso

Esta solução deveras prática - usualmente tomado em cápsula - deve ser sempre relegada para último lugar. Primeiro, aconselham os peritos, convém contactar o médico de família, para optar por outras estratégias para ter bons níveis de erecção. Não ceda ao mais fácil.

 

5 - Alimentos afrodisíacos

Depositar confianças infundadas em morangos, chocolates ou ostras que venham apurar os nossos sentidos nos momentos de maior intimidade social pode ser uma tragédia. Não existem provas científicas, portanto, convenhamos, que o Messias da recuperação da vontade sexual não virá apenas com afrodisíacos. Opte, antes, por treinar a mente, para conseguir um maior nível de excitação e uma melhor performance sexual.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 20:43 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 16.10.09

A barriga que pode mudar o nosso ideal de beleza

 

O que separa um tamanho 34 de um 38/40? A revistaBrigittevai deixar de ter modelos e recorrer a mulheres comuns. A longa série do debate do peso tem mais um episódio

 

 O corpo da mulher. É disto que falamos. Balzaquianas ou mulheres magríssimas, Kate Moss ou Sophie Dahl, Beyoncé ou Flor, Sophia Loren ou Twiggy. A discussão sobre a influência da moda sobre as jovens mentes femininas (e as masculinas que idealizam sobre as jovens donas dessas mentes) não sai de moda. Desta vez, a culpa é da revista feminina alemãBrigitte,que, num passe de marketing ounum ataque de responsabilidade social, decidiu que a partir de 2010 não vai mais trabalhar com modelos de corpos irreais. E passa a preferir mulheres "reais", conhecidas ou leitoras.

"Há anos que temos de usar o Photoshop para engordar as raparigas, especialmente nas coxas e decote. Isto é perturbador e perverso - e o que é que tem a ver com as nossas verdadeiras leitoras?", questiona o director da revista, Andreas Lebert.

As leitoras queixam-se dos corpos que vêem na revista. Elas já "não querem ver ossos protuberantes" de modelos que "pesam à volta de 23 por cento menos do que as mulheres normais", sublinha Lebert, dizendo que procura agora "mulheres com a sua própria identidade", pagas como as manequins.

Estes são os factos, revelados na semana passada. Entretanto, as reacções surgiram e o mundo continuou a girar. A decisão originou um chorrilho de comentários elogiosos no sitedaBrigitte e noutros jornais, espelho de uma aceitação genérica pelo senso comum: clap, clap, clap, acabe-se com as modelos 32/34, com aqueles ossos salientes e pernas de alfinete. Na altura decorria a semana de moda de Paris, iniciava-se a ModaLisboa e as marcas trabalhavam as suas campanhas publicitárias.

Em Paris, as manequins continuaram com "caras Prada" - muitas modelos vindas do Leste da Europa, cabelos escorridos e olhos inocentes, Bambis à espera do seu close-up. Também okaiserKarl Lagerfeld, que há alguns anos saiu de uma dieta com menos 40 quilos, continuou fiel a si mesmo. Atirou, em reacção ao anúncio daBrigitte, que esta coisa das críticas às modelos magras é fruto de "mães gordas que estão sentadas em frente à televisão com os seus pacotes de batata frita" e que a moda é ilusão e sonho - "ninguém quer ver mulheres redondas", postulou.

Dias depois, na ModaLisboa acontecia o desfile de fatos de banho da Cia. Marítima, que escolheu a top modelIsabeli Fontana para estrela dapasserelle. Fontana, de 26 anos, abriu e fechou o desfile. No meio, uma outra modelo desfilou e tinha mais carne na zona da cintura, destoando das restantes manequins. Antes do desfile, o P2 perguntou a Isabeli Fontana sobre o que acha desta tendência das mulheres "reais"versusmanequins. "O mais importante é sentirmo-nos à vontade com a roupa que usamos", comentou, contida, do alto do seu 11º lugar na lista das 15 modelos mais bem pagas do mundo da revistaForbes (2008). Mas a modelo que vale três milhões de dólares acha "lindo uma mulher que faz exercício, que se cuida". "Não precisa de ter corpo de modelo, muito magra. Eu às vezes sinto-me mal por ser muito magra, mas como trabalho com o meu corpo já me acostumei. Eu, se não trabalhasse na moda, seria mais cheiinha, mais musculosa", ri-se.

Numa passerelleou numa campanha publicitária, o corpo feminino é escrutinadíssimo e tem tal influência cultural que ajuda a definir os ideais de beleza de uma dada época. Segunda-feira, ocorria mais um episódio desta longa análise do ideal de corpo feminino XXI: a Ralph Lauren, depois de muito estrebuchar contra ossites que denunciaram a maldade com o Photoshop, lá admitiu que tinha manipulado digitalmente a cintura da modelo Filippa Hamilton de tal forma que ela ficou mais pequena do que a sua cabeça e mais surreal do que um efeito espartilho do século XVI. O resultado foi "uma imagem distorcida do corpo da mulher", admitiu a empresa americana.

Oglamour de Miller

Um mês antes, nos EUA, a revistaGlamourpublicou uma foto de Lizzie Miller, manequim de 20 anos, sem lhe retocar a carne da cintura - que, como a da maioria dos mortais, se dobra e pende sobre o ventre. Ela (e a revista) tornou-se uma espécie de super-heroína das tais mulheres ou medidas "reais". É ainda preciso voltar ao Verão para recordar a carta da editora daVoguebritânica, Alexandra Shulman, que pedia às principais casas de moda do mundo que ajudassem a pôr fim ao culto do "tamanho zero" através do fabrico de peças 36 ao invés dos 34 ou 32. O "tamanho zero" está em voga desde os anos 1990 e tornou-se manchete em 2006 após as mortes de várias modelos no seguimento de dietas - a que se seguiram medidas de auto-regulação naspasserelles em Madrid e Milão, o aumento do tamanho dos manequins de loja na Zara e na Mango e várias acções, em França, EUA ou Austrália, para delimitar idades e pesos para as modelos.

Mas tal como aconteceu em 2006, o casoBrigittevolta a atenção para o elo mais fraco. Ao falar-se em "mulheres reais", como as das campanhas da Dove, é como se, por oposição, as manequins não fossem reais, seres humanos, questiona a colunista doTelegraph Bryony Gordon.

Elas são as protagonistas sem voz, na sua maioria sem qualquer poder no sector e que se limitam a responder aobriefingdo cliente depois de terem sido detalhadamente escrutinadas, e são "reconhecidamente, a não ser pelos mais vulneráveis, ideais inatingíveis", esclarece Janice Burns, editora de moda do jornal australianoThe Age. "Não as odeiem porque são belas", apelava em título Bryany Gordon noTelegraph.

Quando Shulman mandou a sua cartinha aos criadores de moda a pedir roupas de tamanho acima, odesigneritaliano Kinder Aggugini, que trabalhou com John Galliano e Calvin Klein, afastava o ónus da sua profissão. "Se amanhã todas as revistas, agências de modelos estylistsusassem raparigas maiores, então os criadores também o fariam." Agora que mais uma revista insiste nesta tecla, de que lado docourt está exactamente a bola?

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 15:35 | link do post | comentar

Sábado, 19.09.09

Sem medo da palavra Vagina por Ranara em Mens Sana in Corpore Sano

Pompoarismo, Orgasmo e Ejaculação Feminina.Entenda o que é cada um e os exercícios que podem potencializar o seu prazer sexual.

Existem vários exercícios que podem dar um “up” na sua vida sexual, mas antes de começarmos a falar sobre eles vamos entender um pouquinho melhor sobre o funcionamento da Vagina.

No vivemos numa sociedade machista onde a sexualidade da mulher é reprimida e muitas vezes vista como tabu, é comum encontramos mulheres já feitas que a língua enrola na hora de falar a simples palavra vagina! Claro que com o passar dos anos e o bombardeamento da  mídia sobre o assunto, a tendência é que isso se torne mais natural. Entretanto muitas vezes ocorre uma vulgarização e não naturalização do tema.

imagem3Preparei um pequeno glossário de nomes e funções para que possamos começar a dar os devidos nomes sem medo de estar falando palavrão.

  • Clitóris – órgão alongado erétil se localiza na parte superior da vulva e também e chamado de “pênis  feminino”.
  • Ejaculação feminina – excreção de líquidos pelas glândulas de skene e expulsão pela uretra durante o orgasmo.
  • Músculo pubococcígeo – é o responsavel pela contençao urinaria, e tambem é o músculo que contraimos no momento do orgasmo.
  • Orgasmo – o ponto mais alto da excitação sexual.
  • Pompoarismo – uma serie de exercícios e técnicas que consiste primariamente a contrair voluntariamente o músculo pubococcígeo junto com o iliococcígeo e puborretal. Através destes melhora-se a habilidade sexual, auxilia-se a obtenção do orgasmo e a ejaculação feminina, além de prevenir a incontinência urinaria. Dentre vários outros benefícios que falaremos futuramente.
  • Ponto G – ponto g ou ponto de grãfenberg é uma pequena área na mulher, do osso púbico, perto do canal da ureta, acessível através das parede anteriores da vagina. Uma zona eróngena que quando estimulada eleva o nível de excitação sexual levando ao orgasmo. Mas existe muita controvérsia a respeito da sua existência ou não.
  • 180px-clitoris_anatomy_labeled-ptVagina – canal que se conduz ao colo do útero e que se abre na vulva.
  • Vulva – é o nome dado para o conjunto das partes externas dos órgãos sexuais femininos
  • Ureta – canal que vai da bexiga ao meato urinário e conduz a urina pra fora da bexiga, e a secreção da ejaculação feminina.

No decorrer das próximas semanas vamos falar um pouquinho dos três temas sugeridos para estimular o auto-conhecimento e a naturalização da sexualidade feminina.

Hugs,  à bientôt

Via Parada Lésbica



publicado por olhar para o mundo às 21:26 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.09.09

 

Desde a época da minha tataravó  que nós mulheres, “moças de família” não tínhamos a liberdade de explorar o nosso corpo, falar sobre sexo, muito menos “pensar besteiras” e, nos tempos remotos, até o prazer feminino era contido. Tudo isto culpa de uma cultura machista adquirida e conservada por nós, mulheres.

A exploração da ejaculação feminina na indústria cinematográfica como forma de alimentar a fetiche masculina, além da questão da repressão cultural, fizeram deste um dos temas mais mistificados em se tratando de sexualidade feminina.

sapaAfinal, Ejaculação Feminina Existe?? ou é efeito cinematografico?

Sim existe! Mas verdade seja dita em grande parte dos filmes pornôs não passa de um truque!

Acontece que quando ejaculamos, um líquido é produzido pelas glândulas parauretais, as glândulas de skene que entram em ação junto a uretra e liberam líquido durante o orgasmo. Esse líquido é claro e ralo pondendo ser viscoso em alguns casos. A quantidade é menor que a ejacluação masculina, variando de 15 a 200 ml.

Muitas mulheres passam anos sem saber o prazer de uma ejaculação, pois nós não ejaculamos em todas as relações sexuais. A ejaculação feminina está diretamente relacionada ao ápse do estímulo e do prazer.

Considerando que quando ejaculamos, a quantidade de líquido é bastante superior ao simples gozo, é comum pensarmos que fizemos xixi sem querer, porém, relaxem, isto não é possível, apesar da sensação antes de ejacular ser bem parecida com a vontade de urinar. No texto anterior falei sobre o músculo pubococcígeo, no momento do orgasmo contraímos esse músculo que por sua vez e o responsável pela contenção urinária.

1196799619Há relatos muito antigos de ejaculaçao feminina. Um dos primeiros foi feito por Aristóteles na Grécia Antiga. É comum em outras culturas como em rituais tântricos na Índia. Fomos perdendo essa habilidade com o tempo? As indianas são geneticamentes mais dispostas a este feito? Não. O que difere é meramente cultural falar sobre, saber que existe e ir dismistificando vai ajudar a chegar a tão sonhada ejaculação.

No próximo texto falaremos sobre o Pompoarismo e como podemos tornar real a ejaculação feminina.

Hugs à bientôt

Via Parada lésbica

 



publicado por olhar para o mundo às 21:12 | link do post | comentar

Sexta-feira, 28.08.09

 

Mitos e verdades sobre o orgasmo

Camila Moreira

 

 

Quando o assunto é orgasmo, mitos e verdades compõem o cenário. Para ajudar a desvendar o que é verdade e o que não é sobre o assunto, a médica Urologista e Terapeuta Sexual, Sylvia Faria Marzano, dá algumas explicações importantes que podem servir para melhorar a sua vida sexual. Confira:

 

Quem estimula é o responsável pelo orgasmo: Falso! Cada pessoa é responsável pelo seu próprio orgasmo. Precisa saber o que mais a excita e quais os pontos de seu corpo são responsáveis pela excitação e assim passar essa informação ao outro. Por isso é preciso buscar a parceria na relação sexual para a troca desta energia.

 

O orgasmo é sempre muito intenso: Falso! Muitas pessoas acham que ter orgasmo é ver estrelas, entrar numa outra dimensão cósmica, uma expressão violenta de sensações, euforia e desfalecimento. As sensações do orgasmo são variáveis de pessoa para pessoa. O orgasmo é o resultado de uma excitação crescente, tendo como resultado o clímax, onde está inserido entrega, sentimento e sensações. As sensações do orgasmo sofrem influência de fatores como emoções, sentimentos, orgasmos anteriores registrados na memória, ambiente, tempo e parceria sexual.

 

O tempo para o orgasmo masculino e feminino são iguais: Falso! De maneira geral, a excitação crescente até o orgasmo na mulher é mais lenta. A mulher, na sua resposta sexual tem mudanças anatômicas na sua genitália para que possa ser penetrada sem dor. Desta forma, os tempos de orgasmo são diferentes. Muitas vezes em um encontro casual, a mulher pode ter um orgasmo dentro de poucos minutos, pelo fator fantasia do momento.

 

O orgasmo masculino é a ejaculação: Falso! O orgasmo e a ejaculação são respostas fisiológicas diferentes no homem. O orgasmo é uma resposta sensorial, enquanto que a ejaculação é a eliminação do esperma. No homem, geralmente eles acontecem simultaneamente.

 

Preliminares mais longas, orgasmos mais intensos: Falso! As preliminares são importantes para que a mulher chegue ao orgasmo, porém a intensidade do orgasmo depende exclusivamente da excitação, da entrega total ao momento erótico e de suas emoções.

 

Ponto G masculino e feminino: este conceito é muito questionado. Não há comprovação científica que ateste a existência do Ponto G masculino ou feminino, mas sim regiões que ao serem estimuladas favorecem o orgasmo. É importante saber que existem zonas erógenas, tanto na região genital como em todo corpo que proporcionam excitação, variadas de pessoa para pessoa. Para os homens as carícias na região perineal e anal podem estimular a próstata e favorecer a ereção. Para as mulheres o canal vaginal possui uma plataforma orgástica, região mais sensível ao toque logo nos primeiros centímetros, que participa efetivamente na elevação da excitação.

 

Todo ser humano é equipado biologicamente para ter um orgasmo: Verdadeiro! Salvo doenças que comprometem a resposta sexual, o nosso corpo está apto para o sexo e consequentemente para o orgasmo. O orgasmo depende mais de fatores emocionais, que promovem as mudanças físicas durante o prazer maior. Na dificuldade ou ausência do orgasmo, é necessário a busca de tratamento por um especialista, terapeuta sexual, para investigar as possíveis causas, físicas ou psicológicas.

Há mulheres que ejaculam: a ciência ainda não comprovou nada a respeito. O que acontece em alguns casos é que há algumas mulheres que se lubrificam mais do que as outras, pela atuação de glândulas no canal vaginal. Mas estas glândulas não são como a próstata e o canal seminal masculino que podem armazenar um liquido para depois jorrá-lo em determinado momento. Na mulher, estas glândulas assim que produzem o liquido para lubrificação, o solta, e isso é feito durante toda a relação.

 

Via ConceitoSA

 



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Mulher de Sting desmistif...

Sexo anal... Mitad mito, ...

El Punto G

Sexo, Os mitos do prazer ...

Sexo : Os mitos desvendad...

Mulheres reais vs modelos...

Sem medo da palavra Vagin...

Mitos e Verdades sobre a ...

Mitos e verdades sobre o ...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados
2 comentários