Quinta-feira, 04.02.10

Lojas que so existem no Porto, adidas

 

 1. Adidas Originals


Quando, há quase 90 anos, Adolf Dässler começou a produzir ténis na companhia do irmão Rudolph, dificilmente imaginaria duas coisas. A primeira, que a sociedade não duraria muito tempo. Bastaram 20 anos para os irmãos se zangarem e Rudolph formar a (ainda hoje) rival Puma. A segunda, que em 2010 a sua marca estaria avaliada em quase 4 mil milhões de euros e presente em mais de 200 países. Portugal é um deles, mas com uma particularidade. É que a única loja Adidas Originals, a vertente da marca dedicada às colecções inspiradas no passado, está no Porto. Lá dentro encontram-se os produtos clássicos, os ténis Adicolor, os modelos Superstar ou os casacos inspirados nos fatos-de-treino dos anos 70. Sempre com o famoso trevo que serviu de logótipo até ao início dos anos 90.Rua Rodrigues Sampaio, 176, Porto. Tel: 223 324 253. Segunda a sábado das 11h00 às 20h00. 

2. Ach Brito

O nome denuncia a origem alemã, mas a verdade é que os sabonetes Ach Brito nasceram no Porto, em 1887, e daí nunca mais saíram. Hoje nas bocas do mundo - incluindo na de Oprah Winfrey, que não lhes poupou elogios -, os sabonetes da marca estão à venda nas melhores lojas nacionais e internacionais, mas é em Fajozes, Vila do Conde, que eles se podem comprar ainda mais perfumados. Tudo porque é aqui que são fabricados e embrulhados no bonito papel vintage que apetece coleccionar. A loja da fábrica não é amiga de quem trabalha - está aberta das 10h30 às 16h30 e fecha para almoço - mas é uma autêntica montra de todos os produtos da Ach Brito, da recém-adquirida e ex-rival Confiança aos luxuosos sabonetes da Claus Porto. Rua de Castelões Sul, 346, Vila do Conde. Tel: 229 289 821. Segunda a sexta das 10h30 às 12h30 e das 14h30 às 16h30. 

3. Café Kitty Sweet

Os individuais nas mesas são a cara da Hello Kitty. As canecas que trazem o café e o chá também. E até as torradas têm a forma da cabeça da gata mais famosa do mundo. O Café Kitty Sweet fica dentro da Boutique Joy - Hello Kitty Luxe Boutique, junto à Casa da Música, e é uma perdição para os fãs da gata japonesa. Decorado em tons de cor-de-rosa e preto e situado num recanto confortável da loja especializada nos produtos da personagem mais famosa da Sanrio, o café tem tudo mas mesmo tudo relacionado com a felina, incluindo os bolos. Tão bom tão bom que até para os anti-Kitty é um sítio recomendável: sempre podem arrancar a cabeça da gata à dentada. Avenida da Boavista, 746, Porto. Tel: 226 053 932. Segunda a sábado das 10h00 às 19h30.

4. Virgin Active

O Império do senhor Virgin ou, se preferir Richard Branson, é vasto. Hotéis, aviões, foguetões, cruzeiros, telecomunicações, associações humanitárias e ginásios. São 170 clubes no mundo inteiro e o Porto é (por enquanto) o detentor do único existente em Portugal. Mas só até Fevereiro, altura em que Vila Nova de Gaia receberá o segundo ginásio Virgin Active do país (e será mega: 4 mil metros divididos por quatro pisos). O motivo do sucesso destes ginásios explica-se com o conceito que envolve toda a marca Virgin: uma óptima relação qualidade-preço, preocupações ambientais e uma cultura positiva.Centro Comercial Porto Gran Plaza, Rua Fernandes Tomás, 506 - 3.º Piso, Porto. Tel: 223 402 060.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:22 | link do post | comentar

Sábado, 16.01.10

Padarias de Lisboa e Porto

 

Se há coisa que conforta a alma e o estômago em dias frios, é um pãozinho acabado de sair do forno com a manteiga ainda a derreter. Escolhemos sete padarias em Lisboa e no Porto que lhe vão fazer água na boca

 

01. Confeitaria do Bolhão


Nesta padaria centenária, localizada na Baixa portuense, mesmo ao lado da Pérola do Bolhão, a fauna é bem diversa. Senhoras de idade convivem com uma clientela mais jovem lado a lado. Nas prateleiras e nas vitrinas a diversidade também é a imagem de marca. Aqui há mais de trinta variedades de pão. O bijoux sai com muita frequência, mas o de centeio, o tipo Mealhada, o pão moreno, o de soja, as regueifas e pão-de-leite de todos os tamanhos e feitios também são muito desejados. "Há quem venha de longe só para comprar o nosso pão", conta o responsável da loja. A competição entre pão e bolos é feroz nesta casa de paredes verdes. Não deixe de provar também os queques e as bolachas caseiras.
R. Formosa, 339, Porto. Domingo a sexta das 7h00 às 21h00, sábado das 7h às 19h30.

02. Quinoa
Abriu há menos de um mês e já promete fazer história. Além de casa de chá e loja gourmet, é uma padaria de produção biológica, o que significa que não são usados fermentos nem aditivos. Tudo é feito a partir do método da fermentação natural. Um processo mais lento, mas que também é mais saudável e de fácil digestão. Tudo isto se reflecte nos preços dos pães, que variam entre os 30 cêntimos e os 4,50 euros. Do forno da Quinoa saem todas as manhãs cerca de dez variedades de pão quentinho: bola de água, bagels, pão de centeio com sementes e especiarias, pão de aveia, de passas e nozes e o que dá o nome à casa, o de quinoa. Para levar para casa ou para serem consumidos no local, com uma chávena de chá a acompanhar.
Rua do Alecrim, 54, Lisboa. Tel: 213 473 926. De segunda a quarta, das 8h às 20h. De quinta a sábado, das 8h às 24h. Domingo, das 9h às 15h.

03. Pão Doce
Logo pela manhã, as prateleiras do pão estão tão cheias como a loja. As variedades são muitas; a dificuldade está só na escolha, porque é tudo muito bom. Há o pão-tigre, o pão alemão, a mistura clara e a escura, o pão da avó e muitos outros. Na montra, queques gigantes, merendinhas e uma bola deliciosa clamam pela nossa atenção. E facilmente a conseguem. Não se pode é ficar a apreciá-las no local porque não há sítio para sentar. É pegar e tentar resistir até casa ao aroma do pão acabado de fazer. Quem não conseguir, pode sempre aproveitar a proximidade ao jardim da Gulbenkian para fazer um piquenique rápido. 
Av. Duque Ávila 56 - D (junto à Av. 5 de Outubro), Lisboa. Tel: 213 141 068. Das 8h às 20h, de terça a domingo.

04. Padaria Ribeiro
É ponto de passagem obrigatório na cidade para todos os gulosos e amantes de pão quentinho. Desde finais do século xix que a praça onde está instalada era o local de eleição para os vendedores de pão de Avintes e de Valongo. Foi um desses comerciantes, Joaquim Ribeiro da Silva Lima, e um sócio que abriram a Padaria Ribeiro. Nos dias de hoje não há um único portuense que não conheça a fama do pão desta casa ou dos deliciosos biscoitos que aqui se fabricam. Das tradicionais regueifas que provocam filas à porta nas épocas festivas, ao pão de soja, a pães com nome a soar a guerreiro viquingue: prokorns (rico em ingredientes naturais como linhaça, soja, sementes de girassol e farelo de trigo), ou vikorns, um pão com cereais enriquecido com vitamina B, ferro e fósforo. Aqui há de tudo.
Pç. Guilherme Gomes Fernandes, 21-27, Porto. Segunda a sábado das 7h às 20h.

05. O Moleiro
Esta é a padaria companheira dos que se levantam cedo para ir trabalhar. O conforto de um pãozinho acabado de sair do forno é a melhor coisa para começar o dia. Abre as portas às 7h30 e só volta a encerrá-las às oito da noite. O pão só sai do forno até às 13 horas, mas mesmo depois continua delicioso. O pão moleiro, caseiro de Mafra, em tamanho grande, é a especialidade da padaria. Mas à hora do almoço há hambúrgueres feitos com o pão da casa. Nos dias de feira no Príncipe Real, este é o melhor sítio para terminar a volta.
Rua do Século, 238. De segunda a sexta, das 7h30 às 20h. Sábados e feriados, das 8h30 às 20h.

06. Panificação do Chiado
É o local preferido dos moradores do Chiado para tomar o pequeno-almoço. Dos moradores e não só. Poucos resistem ao aroma a pão quente e bolos que se espalha por toda a rua às primeiras horas da manhã. Foi aqui que nasceram as famosas vianinhas, pelas mãos de um mestre do pão que veio especialmente de Viena em 1919. E é aqui que, ainda hoje, se continuam a fabricar pão e bolos para distribuir por meia Lisboa. Com o tempo, a variedade de pão aumentou, o que torna uma ida à Panificação do Chiado um problema dilacerante. O que levar? Um pão de centeio da Baviera, um pão de uvas, uma baguete francesa, bolas de Mafra ou uma broa de milho? Qualquer destas hipóteses é uma escolha deliciosa.
Calçada do Sacramento 26-32, Lisboa. Segunda a sexta, das 7h às 19h. Sábado, das 8h às 19h. Domingo, das 11h às 19h.

07. Padaria Paul Année
Foi a primeira padaria biológica de Lisboa e é a única a funcionar com a classificação kosher, o que significa que o processo de fabrico obedece à lei judaica. A loja, que é herdeira de uma das mais prestigiadas e conhecidas padarias biológicas de Amesterdão, abriu portas em Lisboa pelas mãos de Gerard Seelt, herdeiro de um dos sócios do fundador Paul Année. Com farinha integral ou de mistura, com levedura ou fermentação natural, daqui saem dezenas de variedades de pão por dia. Há com sementes de girassol, de trigo, de centeio, de passas e avelãs, de arroz e sem glúten. Há até um pão feito a partir de uma semente de trigo. Chama-se kamut e é óptimo para pessoas alérgicas ao trigo.
Travessa da Légua da Póvoa, 26 (junto ao Páteo Bagatela), Lisboa. Segunda a sexta das 9h30 às 14h e das 15h às 18h30. Sábado das 9h às 13h.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.12.09

Sugestão de padre:Os pobres devem roubar

 

 Um padre anglicano aconselhou os fiéis a roubar em lojas caso estejam a passar necessidades.

O padre britânico Tim Jones disse no seu sermão de domingo que as pessoas deviam roubar em grandes cadeias de lojas e não em pequenos estabelecimentos.
Para ele, a sociedade “deixa algumas pessoas sem outra opção a não ser o crime.”
"Eu não faço esta recomendação porque acho que furtar é uma coisa boa, ou porque acho que não faz mal, pois faz”, explicou, acrescentando que deixar as pessoas sem trabalho e com um apoio social inadequado “é uma insensatez monumental, catastrófica.”
Entretanto, o Arquidiácono de York esclareceu a situação: "A Igreja da Inglaterra (anglicana) não recomenda que ninguém furte”, acusando o padre Tim Jones de irresponsabilidade.
Mais tarde, em entrevista à rádio da BBC em York, Jones afirmou que sua intenção não era encorajar as pessoas ao furto, mas a “doar mais para a caridade para impedir que os necessitados fiquem desesperados.”
"Se uma pessoa esgotou todas as oportunidades dentro da lei para obter dinheiro e ainda está numa situação desesperada, a melhor coisa a fazer será tirar o que precisar e só pelo tempo que precisar", concluiu.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

lojas que só existem no G...

as melhores padarias de L...

Sugestão de padre: os mai...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...