Sexta-feira, 02.10.09

Vacas com nome... dão mais leite

 

 E o IgNobel da Economia vai para a... Islândia. "Demonstrou como é que um banco pequeno depressa se torna num banco grande e vice-versa. E como o fenómeno se aplica a toda a economia." A cerimónia dos prémios menos ortodoxos da ciência aconteceu ontem em Harvard. Dez trabalhos foram reconhecidos com IgNobel da "ciência que faz rir e depois pensar". Por detrás da maioria dos vencedores estão cientistas seniores, com argumentos válidos para temas tão insólitos como "o impacto da relação entre humanos e animais na produção de leite".

Catherine Douglas, 37 anos, IgNobel de Medicina Veterinária: "A nossa investigação descobriu um aumento de 258 litros na produção quando se chama as vacas pelo nome; 609 litros quando são visitadas mais do que é costume e 556 litros quando recebem festinhas ou se fala com elas de forma ternurenta", explica ao i. Miguel Apátiga, 51 anos, leva o IgNobel da Química: transformou tequila em diamantes. Antes já tinha tentado com acetona e etanol. "A bebida mexicana não só se transforma em diamante como tem aplicações mecânicas, ópticas e electrónicas", diz o ajudante Javier Castillo. Daniel Lierbaman, 45 anos, quer dedicar o seu IgNobel da Física a todas as mães, porque descobriu por que razão estas não tombam para a frente quando estão grávidas. "Os hominídeos fêmea desenvolveram mecanismos especiais para estabilizar a coluna durante a gravidez", adianta.

"Na realidade, o nosso trabalho não é divertido." Certo, mas a maioria acredita que rir é uma boa forma de aproximar a ciência das pessoas. Talvez não seja a "melhor", hesita Javier. Mas funciona. A comunidade científica concorda: os prémios são entregues por verdadeiros Nobel.

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:55 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.09.09

Guimarães é espanha,.. braga é marrocos

 

Há quem passe na portagem da A11, que liga Braga e Guimarães, e mostre o passaporte à senhora do guiché, que cansada da mesma piada, revira os olhos e suspira enfadada. Mais adiante lê-se "Guimarães é Espanha", e outras coisas menos próprias, numa placa que anuncia o fim da concessão e início da cidade-berço. A referência ao país vizinho foi acrescentada com spray numa letra muito torta. E, mal chegam à cidade, os bracarenses mais despeitados começam a pedir tapas e tortilhas em cada café que entram. E, pronto, assim começa um dia de dérbi. Com as piadinhas do costume, acabando nas habituais cenas de pancadaria e autocarros partidos. Tudo sob o olhar da antiga muralha, onde permanece escrito e sem se deixar afectar pelo tempo: "Aqui nasceu Portugal". 


A rivalidade entre as duas cidades minhotas já tem cerca de mil anos, mas esta última ideia de chamar espanhóis aos vimaranenses tem menos de duas décadas. Nos anos 90, depois do Vitória ter perdido contra a equipa rival, os adeptos furiosos incendiaram o carro do árbitro. Na jornada seguinte e depois de terem perdido a oportunidade de acederem à Taça UEFA, tudo sob fortes suspeitas de terem sido prejudicados, um adepto mais destemperado apresentou um cartaz onde se podia ler: "Para sermos tratados assim, mais vale sermos espanhóis". O epíteto pegou e desde então assim foram baptizados. A retaliação veio depois, e os bracarenses marroquinos ficaram.

"Um vimaranense ama a sua cidade", diz Carlos Ribeiro, de 24 anos, que apesar das raízes bem fincadas em Guimarães, foi "obrigado" a ir estudar para Braga. "Nós somos muito mais apegados à cidade, muito mais bairristas. Em Braga as pessoas parecem mais desligadas. O amor pelo Vitória é um amor verdadeiro, nunca fazemos de mais pelo nosso clube." E o de mais até pode parecer insólito. Pedro Ribeiro, doutorando na área de Inteligência Artificial e ex-presidente da Associação Vitória Sempre, conseguiu pôr um cão-robô a fazer vénias e a cantar o hino do clube. "A paixão é tão grande que chega a misturar- -se em questões profissionais. E achei que era mais eficaz o meu filho aprender o hino assim, do que me ouvir a cantar", ri. "É também uma forma de mostrarmos aos jogadores que estamos sempre com eles." A decepção dos vimaranenses, que andam doentes com o Braga em primeiro lugar no campeonato, contrasta com a felicidade da dona Amélia que, nos seus 73 anos, vai com o seu "Braguinha" para todo o lado. "Amanhã [hoje] vou ao cabeleireiro e depois na sexta-feira lá vou eu para para Olhão. Faço bem, não acha? Sou viúva há 24 anos, tenho mais é que gozar a vida. Quando o Braga jogava nos Peões eu ia da ponte de São João a pé para lá. Ainda era um esticão, mas enquanto tiver saudinha, lá vou eu. O Braga é a minha família, o meu coração. E ai, Jesus, não quero morrer sem o ver ganhar", diz sem parar de rir. A dona Amélia acompanha a claque feminina e é rara a vez em que não aparece na televisão em dia de jogo.

A história Diz-se que a polémica rivalidade se deu por causa de padres. Ao que parece o conde D. Henrique instalou-se em Guimarães e deu regalias à terra. O arcebispo de Braga não gostou da diferença de trato e escreveu ao Papa Inocêncio III a reclamar. Os vimaranenses queimaram tudo o que viram e os bracarenses correram com eles à pedrada.

Rivalidades à parte, todos concordam no mesmo aspecto. Um dérbi Sp. Braga-Vitória de Guimarães não seria a mesma coisa "se não houvesse esta rivalidade tão caricata".

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 07:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.09.09

Pense bem antes de escolher o nome do seu filho

 

 Tem 22 anos e chama-se Zoé. A culpa é dos pais. E, na verdade, até teve sorte. O plano inicial era outro. Zoé esteve para se chamar Tamagnini, mas a mãe não deixou. Vítor Silva, o pai, descobriu a segunda opção num prontuário e não esteve com meias medidas: foi sozinho ao cartório e registou o nome sem a mulher saber. Na família Silva, Zoé não é o único que tem um nome diferente. 


A irmã, de 25 anos, chama-se Andresa. Agora, a diferença até passa despercebida, mas na escola primária Zoé não conseguiu evitar as piadas das outras crianças. "O maior problema eram as rimas que dava para fazer com o meu nome, como chulé e outras coisas desagradáveis", recorda. Um dia, fartou-se. Chegou a casa e disse ao pai que era gozado. "Ele disse-me para não ligar, mas eu só pensava que a culpa era dele e que era fácil falar... afinal de contas não era o meu pai que tinha de lidar com os miúdos todos os dias", conta. Por isso, Zoé teve de encontrar as suas próprias tácticas para resolver o problema. "Todos os nomes, mesmo os mais convencionais, davam para fazer rimas ainda piores, como João. E se não me lembrasse de nada na hora, ia para casa pensar e no dia seguinte lançava a bomba. Quando não encontrava rimas, tinha de me calar e esperar que a piada caísse no esquecimento."

A importância do nome Na infância, o nome próprio assume um papel extremamente importante no crescimento. É o primeiro bilhete de identidade da criança e uma característica que a acompanhará para o resto da vida. "Os nomes não condicionam", sublinha o psiquiatra Daniel Sampaio. "Mas influenciam as crianças e disso não há dúvida." Numa altura em que a criança está a construir a sua identidade, o nome "é determinante na maneira como estabelece a primeira ligação ao mundo social", refere o psiquiatra. Por isso, quando o nome é demasiado invulgar, é frequentemente alvo de críticas "dos colegas e até dos professores". Ao invés, quando o nome transporta a referência a um antepassado da família de quem a criança tem uma imagem feliz, "estabelece-se uma influência positiva". 

E agora? Bato-lhes? O pediatra Gomes Pedro diz que é nesta guerrilha que a criança "constrói a sua afirmação e a sua auto-estima". Apesar disso, Rita Jonet, psicóloga infantil, acredita que os nomes, por si só, não são factores de exclusão social. "Tudo depende do clima da escola. Se a troça e a ridicularização forem comuns então tudo é pretexto para se gozar o próximo, até os nomes", explica. 

Mas há outros factores que interferem na socialização na infância como "a maneira de vestir, de falar ou de brincar". Os adultos, sublinha a especialista, têm um papel fundamental neste processo, "porque são modelos essenciais na aceitação das diferenças". Assim sendo, os pais têm mesmo de saber lidar com o problema. Gomes Pedro refere que a maior parte das crianças tenta esconder, em casa, que é ridicularizada e "quando conta aos pais é porque está realmente fragilizada". A eles cabe "prepará-la para que possa construir, a partir destes percalços, a sua auto-estima". Se as investidas dos colegas forem muito frequentes, então é hora de contactar a direcção da escola, "que deve pôr termo à situação". Até porque, como refere Daniel Sampaio, "a escola por vezes é violenta, tal como a sociedade o é". A criança nunca deve mostrar que fica afectada ou melindrada com as piadas dos colegas. Daniel Sampaio sugere várias técnicas que os pais podem transmitir aos filhos: "Deve contra-atacar e responder aos insultos com humor, um grande sorriso e até com orgulho por ser diferente." 

Cristiano Ronaldo? Esqueça Se está a pensar chamar o seu filho de Cristiano Ronaldo ou Alexandre, o Grande, esqueça. Daniel Sampaio avisa que não é boa ideia atribuir nomes de figuras demasiado conhecidas às crianças - que vão ter sempre de conviver com a sua sombra. 

"Traz-lhes grandes expectativas e uma pressão constante. Se um miúdo se chamar Cristiano Ronaldo e jogar mal à bola na escola será, certamente, ridicularizado", exemplifica. Pressões assim podem acarretar insegurança, ansiedade ou agressividade. O ideal é optar por nomes que "não se distingam muito dos da moda, mas que, obviamente, sejam do gosto dos pais". Deixando, então, de parte nomes mais espalhafatosos ou excêntricos.

Escolher o nome do filho é uma tarefa que requer muita ponderação. Alguns estudos demonstram que crianças com nomes estranhos têm notas piores e são menos populares do que os seus colegas na escola primária. No ensino superior têm mais hipóteses de chumbarem e de virem a sofrer de neuroses. Mas estas conclusões nunca reuniram o consenso dos investigadores. Os economistas Roland Fryer e Stephen Levitt defendem que estas consequências derivam não só do nome, mas de muitas variáveis socioeconómicas. 

"Os nomes só têm influência significativa quando são a única coisa que se sabe sobre a pessoa", escreveu Martin Ford, psicólogo do desenvolvimento da Universidade George Mason. Contudo, a brasileira Regina Obata, que escreveu "O Livro dos Nomes" defende que os pais devem mesmo ter atenção aos nomes que escolhem. "É um atributo involuntário imposto pelos pais aos filhos e que pode abrir e fechar portas durante a sua caminhada. Deve sempre pensar-se se o nome não poderá submeter o filho a futuros problemas - quer por ser foneticamente desagradável, quer por ter um significado extravagante ou excêntrico." 

Regras Em Portugal, o nome deve ter, no máximo, seis vocábulos em que os dois primeiros podem corresponder ao chamado nome próprio (ex. António Manuel) e os restantes ao chamado apelido ou sobrenome (ex. Soares Costa Fonseca Rocha). Os nomes próprios devem ser portugueses e admitidos pela onomástica portuguesa (catálogo de nomes próprios) ou adaptados fonética e graficamente à língua portuguesa e não devem suscitar dúvidas acerca do sexo. Os apelidos são escolhidos entre aqueles que os pais usem (os que pertençam a ambos ou a só um dos pais) ou outros a que os mesmos tenham direito, como por exemplo o apelido do avô que não conste do nome do pai.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.09.09

Olha para a minha pulseira, saberás se quero sexo

 

 Uma escola secundária do Colorado está a pedir aos pais dos alunos que não os deixem usar um determinado tipo de pulseiras coloridas, por pensarem que estas têm conotações sexuais.


Na última quinta-feira, Mike Medina, presidente da Angevine Middle School, de Lafayette, perto de Boulder, enviou uma mensagem de correio electrónico aos pais, alertando-os para as pulseiras "de gelatina", cujas cores se diz indicarem o nível de actividade sexual que um estudante já atingiu ou pretende atingir, diz Briggs Gamblin, porta-voz da região escolar de Boulder Valley.

Gamblin diz que funcionários da escola tinham ouvido alguns estudantes a falarem sobre as pulseiras, que se tornaram cada vez mais populares este ano, e comunicaram o teor das conversas a Medina. O responsável da escola encontrou-se então com alguns estudantes e concluiu que as pulseiras se tinham tornado fonte de distracção suficientemente repetida, nas salas de aula e em conversas de corredor, para merecerem uma mensagem de correio electrónico.

"Parece que muitos alunos, sobretudo as raparigas, as usam como acessório de moda", diz Gamblin, "e alguns afirmaram enfaticamente que as pulseiras não tinham qualquer conotação".

Contudo, acrescenta, outros estudantes tinham descoberto na internet um jogo chamado snap, no qual a cor da pulseira indica uma disposição para praticar uma determinada actividade sexual. Quando um rapaz arranca a pulseira a uma rapariga, indica ostensivamente que essa actividade irá eventualmente ter lugar.

As pulseiras de material borrachoso parecem-se com umas que se tornaram populares nos anos 80. Mas, ao longo dos últimos anos, algumas escolas do país têm-nas proibido por temerem que se tenham tornado símbolos de actividade sexual. Com efeito, inúmeros websites sobre pulseiras de gelatina, ou pulseiras do sexo, fazem referência ao jogo snap, e alguns dos sites contêm mesmo a descodificação das cores.

Gamblin afirma que não houve até ao momento qualquer indicação de que o jogo tenha sido jogado em Angevine e que a medida era, por enquanto, apenas preventiva.

"Tudo se resume a rumores e boatos", diz. "Não há qualquer indicação de que este tipo de coisa esteja a acontecer."

Acrescenta que os estudantes vistos a usarem as pulseiras na escola não serão castigados, mas ser-lhes-á pedido que as tirem.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 15:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.09.09

 Quanto vale uma vida?

 

Será difícil escapar ao lugar comum. Quanto vale uma vida humana? Em teoria, não tem preço. O que não evita que todos os dias os tribunais se vejam obrigados a traduzi-la em euros. Se se tiver de apresentar uma referência comum, situa-se actualmente na casa dos 60 mil euros, embora a jurisprudência aponte para uma tendência de subida das indemnizações pelo direito à vida. Mas a frieza das tabelas e números extraídos de acórdãos não traduz a complexidade que se esconde atrás de cada caso. 


"É sempre difícil encontrar uma justificação para valores imateriais", sublinha o juiz desembargador Alexandre Baptista Coelho. Actualmente na área laboral, já passou pela cível e criminal e explica que a questão do valor da vida "atravessa todas as áreas do Direito". A maioria dos casos, ainda assim, diz respeito a acidentes de viação. Eurico Reis, juiz desembargador na Relação de Lisboa, considera importante que os montantes das indemnizações tenham vindo a crescer. Porque significa "o reconhecimento pela comunidade de que a vida é o valor supremo". E a partir do momento em que esse princípio é inquestionável, é "mais fácil conseguir um ponto comum de entendimento" entre o poder judicial e obter valores relativamente uniformes. 

 

Ver resto da noticia no ionline



publicado por olhar para o mundo às 07:59 | link do post | comentar

Domingo, 20.09.09

Porque roubam as crianças?

 

 A tarde de compras acabou. Artur (nome fictício), de quatro anos, e os pais metem--se no carro e regressam a casa. Durante a viagem rebenta a discussão conjugal. O pai irrita-se com a mãe, depois de olhar pelo retrovisor. No banco de trás, Artur delicia-se, inocentemente, com uma tablete gigante de chocolate. "Estraga-lo com mimos, depois queixas-te que ele não janta." Pressionado, Artur confessa o crime. Ninguém lhe comprou a guloseima: trouxe-a directamente da prateleira do supermercado.


Embaraçado, o casal dá meia volta e obriga o filho a devolver o que roubou. "E podes ter a certeza que te vou descontar um euro e meio no próximo presente que te der", garante-lhe o pai. Situações assim são comuns na infância. Mais do que se pode pensar. E quem tem filhos sabe-o bem. Os pequenos furtos inocentes transformam-se em grandes problemas para os pais - vergonhas no supermercado, chamadas à escola, pedidos de desculpa constrangedores. E, acima de tudo, o medo de que volte a acontecer. 

Como lidar com o problema? Quando os pais percebem que a criança tirou alguma coisa, o primeiro passo deve ser explicar-lhe "muito concretamente e explicitamente que roubar é errado", recomenda o pediatra Mário Cordeiro. E não basta obrigá-la a devolver o objecto furtado. Deve ser sempre a criança a fazê-lo, "mas os pais devem ajudar, porque se trata de um processo que a envergonha e humilha". O ideal é que os pais falem previamente com a pessoa lesada, de maneira a negociar uma boa dose de compreensão e uma reprimenda à altura. Mas o mais importante de tudo é que a criança não beneficie, em nenhuma circunstância, do objecto roubado, de forma a perceber que "o crime não compensa". 

A repreensão dos pais tem de ser sempre firme, independentemente de se tratar de um objecto valioso ou de uma ninharia. "Porque a gravidade é a mesma e a escala de valores é muito pessoal e falível", justifica Mário Cordeiro. Um pequeno brinquedo tirado a outra criança pode ser considerado uma ninharia pelos pais, mas o seu desaparecimento pode criar grande angústia a quem ficou sem ele. 

Convencer um filho a devolver um objecto roubado pode revelar-se uma tarefa árdua. "Muitas vezes, o objecto torna-se o mais importante de todos para a criança e é difícil convencê-la a abdicar dele sem que ela se sinta, também, roubada", adverte o pediatra. Ainda assim, é preciso fazer com que entenda que "roubar não é aceitável, segundo os valores da sociedade, da tradição e da família em causa". Pode acrescentar-se que, quando alguém se apropria de uma coisa de outra pessoa, o lesado "fica sem o objecto e vai sofrer por causa disso". 

Exemplos práticos A noção de propriedade pode ser transmitida de várias formas, com exemplos práticos, utilizando utensílios, bonecos, brinquedos e outras coisas que sejam da criança. Deve-se interrogá-la: "Como te sentirias se alguém viesse e roubasse as tuas coisas?" Mais do que assustar e repreender, interessa pô-la perante dilemas morais e levá-la a assumir a responsabilidade dos seus actos. "Principalmente demonstrar-lhe que tudo na vida tem consequências para o próprio e para os outros", resume Mário Cordeiro. Igualmente importante é que os pais não centrem a situação neles e "não vejam como o maior problema a vergonha de ser pais de um ladrão. Deverão antes interrogar-se sobre as razões pelas quais o filho terá cometido esse erro", recomenda Mário Cordeiro.

E se voltar a acontecer? Depois de o assunto estar resolvido, não é boa política voltar a trazê-lo à tona. Deve assumir-se que a lição foi aprendida. "Contar a história repetidamente, especialmente em público, pode ser con- traproducente e, diria mesmo, desleal", alerta o pediatra.

Mas se os roubos continuarem impõem--se outras medidas, até porque poderá ser sinónimo de que existe uma disfunção emocional. "Actos assim traduzem tristeza, insatisfação, ansiedade elevada, desadaptação e dificuldade em ser aceite socialmente", acredita a psicóloga infantil Rita Jonet. "São acções compensatórias", resume. Por norma, as crianças que roubam têm dificuldade em fazer amizades e construir relações, centrando-se na desconfiança. "Em vez de se sentirem culpadas, começam a culpar os outros porque consideram que eles é que não lhes deram o que lhes seria devido e vitimizam-se com frequência", acrescenta Mário Cordeiro. Os casos de roubo frequentes devem ser participados pelos pais ao médico assistente para que sejam discutidas as razões que poderão estar por trás desse comportamento. Mas nunca à frente da criança. Rita Jonet garante que a melhor forma de ajudar "é perceber a causa do furto e quanto mais cedo se intervier, mais probabilidade existe de a intervenção ser eficaz e de não descambar em cleptomania".

Porque roubam as crianças? Nas primeiras vezes, as justificações dos mais pequenos são descomplicadas: "Trouxe para casa porque encontrei no pátio da escola" ou "foi um colega que me deu, porque já não queria". Mas quando acontece com frequência é inevitável: os pais ficam angustiados. "A inquietação principal reside no facto de não saberem o que levou a criança a praticar o acto, qual a sua dimensão, há quanto tempo isso acontece e o seu significado", reconhece Mário Cordeiro. A dúvida principal é sempre a mesma. A criança está a passar apenas por uma situação transitória dentro dos parâmetros da normalidade do desenvolvimento infantil ou o acto é o prenúncio de uma vida de delinquência?

Os especialistas são unânimes e garantem que é "normal" que a criança se aproprie de uma coisa pela qual se interessa. "E isso não pode ser considerado propriamente um roubo, pelo menos até que ela tenha idade suficiente para perceber que o objecto de que se apropriou é de outra pessoa", explica Rita Jonet. Esta noção de sentimento de posse e de transição de posse surge entre os três e os cinco anos. Rita Jonet defende que só se pode falar verdadeiramente em cleptomania a partir dos sete ou oito anos "porque aí já há maior consciência do acto". 

Mas o que leva as crianças a roubar? "Podem querer o mesmo que um irmão ou uma irmã, perante os quais se sentem desfavorecidos", sugere Mário Cordeiro. Mas há outras razões: "Para se fazerem valer perante os colegas, já que roubar pode ser entendido como uma atitude de liderança ou coragem", "para poderem ter um presente para dar e assim conseguirem fazer amigos ou tornar-se populares" ou por causa de "predisposições genéticas e alguns factores sociais e económicos", como enumera o pediatra Paulo Oom.

Mas não há uma explicação concreta para o aparecimento da cleptomania. A maior parte dos especialistas concorda que se trata de um problema que tem a ver com carência afectiva da criança - que rouba na tentativa de compensar o amor e a atenção que não encontra em casa. A psicóloga brasileira Nancy Earlach, que se tem dedicado ao estudo desta perturbação de personalidade, sugere mesmo que os furtos acontecem "em crianças frustradas". E Rita Jonet concorda: "A criança autocompensa-se com coisas, num descontrolo perfeito e numa ansiedade desenfreada, num apelo de atenção, porque prefere ser castigada a ser ignorada." Por isso, os pais devem reflectir e perceber se lhe têm dado a atenção e o carinho devidos. E se, apesar de uma atitude consertada dos pais e educadores, os furtos continuarem, então está na altura de procurar apoio especializado.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 12:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 09.09.09

Mulheres inglesas compram sapatos que não lhes servem

 

Sabem que não lhes servem, que as vão magoar, mas mesmo assim não resistem a um par de sapatos em saldos. Segundo um estudo da organização inglesa, "Society of Chiropodists and Podiatrists", a paixão pela moda leva 37% das britânicas a comprar sapatos do tamanho errado. O estudo revela ainda que cerca de 80% das mulheres entrevistadas sofrem de problemas nos pés, como inchaço no dedo grande do pé (15%), calos (24%), calcanhares secos e gretados (39%) e unhas encravadas (19%). "Nem todos os problemas dos pés podem ser evitados, mas a maioria é resultado de sapatos inadequados ou de baixa qualidade", defende a podóloga Lorraine Jones.

A especialista da "Society of Chiropodists and Podiatrists" não é contra as modas, pelo contrário. "Não quer dizer que não possamos usar sapatos que estão na moda ou saltos altos, mas é preciso dar um descanso aos nossos pés e ver um especialista se algo está errado."

Via ionline

Ok.... há muita gente que não sabe o que fazer ao dinheiro.... 

 



publicado por olhar para o mundo às 08:07 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 08.09.09

Vai um coctail de coca?

 

Deve beber-se fresca, de um trago, depois de uma dentada num gomo de lima. Se preferir long drinks, pode misturá-la em cocktails mais complexos. Diz quem percebe disso que não se deve misturar com sumos de fruta, com risco de arruinar o sabor original, já que a Agwa de Bolívia contém frutose suficiente. 

É verde, a fazer lembrar o velhinho Pisang Ambom, mas tem mais álcool: 30% - menos dez do que a vodka e do que a tequilla. Mas nada disso se compara ao ingrediente chave que faz desta bebida uma coisa única: é que a Agwa de Bolívia é feita a partir de folhas de coca... da Bolívia. E antes que arregale os olhos de admiração, nós explicamos. 

O quê? Como? Para cada garrafa são necessárias 40 gramas de folha de coca e mais 36 plantas, entre as quais ginseng e guaraná. Por esta altura já deve ter percebido a filosofia energética da coisa. Mas nada tema, as folhas de coca vão limpas de cocaína, mantendo apenas as substâncias alcaloides da própria folha, dando a este licor o selo de 100% legal. Excepto em Singapura e Taiwan. As autoridades destas duas ilhas ainda desconfiam do ingrediente folha de coca.

Depois de serem "descocaínadas", em Amesterdão, as folhas são colocadas numa infusão com álcool e as restantes ervas. Daqui, a bebida é distribuída para o resto do mundo e são já 38 os países onde se pode beber licor de folhas de coca. 

Em Portugal Afonso Vieira, de 23 anos e Miguel Tojal, de 24, são os representantes exclusivos da Agwa de Bolívia em Portugal. Encontraram a beberagem na internet, por acaso. O facto de ser feita de folhas de coca da Bolívia chamou-lhes a atenção e como jovens empreendedores dados ao álcool (para que não haja confusão: são ambos donos e senhores de formações na área das bebidas - cocktails, wiskys e afins e experiência enquanto barmen) decidiram "enviar um mail a propor a representação da única marca a produzir a bebida por terras lusas. Depois de três meses de espera, o negócio concretizou-se". O objectivo é "acabar com o reinado das caipirinhas e da cachaça, já que este licor também pode, e deve, ser bebido com lima". A Agwa de Bolívia chegou a semana passada à noite lisboeta e já pode ser pedida no Lux, na Bica do Sapato e no Delidelux. Um shot pode custar seis euros, uma long drink oito e uma garrafa inteira chega aos 30 euros. 

Efeitos "Dá uma moca de oxigénio", diz Afonso, à falta de melhor expressão. "Dá energia", diz Miguel. Mas não pense, por isso, que ficará com disposição para escalar o Evereste duma assentada. Apesar dos Incas (há milhares de anos) terem o costume de mastigar a folha de coca para alcançar um estado de euforia prolongada, o consumo exagerado de shots deste licor só irá proporcionar-lhe uma valente bebedeira.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:46 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Vacas com nome dão mais l...

Guimarães é Espanha...Bra...

Pense duas vezes antes de...

Olha para a minha pulseir...

Quanto vale uma vida para...

Porque roubam as crianças...

Mais um terço das inglesa...

São duas folhas de coca c...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados