Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

01
Jan10

Fat Pride… tenho orgulho nas minhas curvas

olhar para o mundo

Fat Pride, orgulho das minhas curvas

 

 Revolta contra a ditadura da magreza ou o início de uma nova era em que “gordura é formosura”?

Em tempos em que as lipoaspirações, cirurgias plásticas, bandas gástricas e dietas são rainhas há quem tenha “orgulho em ser gordo” ou em inglês fat pride.
O apoio a estas mulheres que assumem o “amor” pelas curvas está a ganhar adeptos em todo o mundo e em sectores normalmente mais cépticos como a moda ou mesmo em alguns segmentos da comunidade médica.
A vocalista dos “The Gossip” pode vir mesmo a ser considerada um dos ícones do fat pride. Beth Ditto já pousou nua em duas revistas inglesas NME e Love e além disso criou uma marca de roupa para mulheres de números grandes. Mas o fat pride tem outras referências na televisão como Oprah Winfrey ou a actriz Brooke Elliot.
Também a actriz Joy Nash colaborou com este movimento a favor das pessoas mais gordinhas ao gravar o vídeo “A fat rant” (veja aqui o vídeo) em que defende que é possível ser gorda e feliz.
Já no mundo da moda a revista Glamour ajudou a criar um olhar diferente ao colocar na capa a fotografia de uma mulher com a barriga saliente. A discussão em torno da decisão da revista fez com que decidissem repetir a dose mas desta vez com uma foto com várias mulheres de tamanha “extra.”
Também o Brasil seguiu a tendência e passou a falar-se mais de ser gordo em programas de televisão. Uma tendência que passa também para o mundo da moda e mesmo da publicidade.
A tendência começou em 2004 com uma campanha da marca Dove e na televisão americana o concurso “America’s next top model”, da ex-modelo Tyra Banks tem dado visibilidade a algumas modelas “size plus”. Este orgulho tem feito crescer o sector do vestuário XXL, com lojas especiais para pessoas mais fortes.
As defensoras do fat pride não querem no entanto que se pense que é uma apologia à obesidade. Defendem apenas que se trata de “felicidade” e realização pessoal.

 

Via ionline

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D