Sábado, 14.08.10

sexualidade feminina

 

O que pode uma mulher, no século XXI? Este é o tema comentado por Cláudia Riolfi, psicanalista e professora da Faculdade de Educação da USP. Segundo Riolfi, muitas mulheres estão no meio do caminho, perdidas.

 

Conseguiram realizar o feminino muito além do lar e ainda escorregam para soluções gastas dentro dele. Confundem a mulher com a mãe e viram enfermeiras de seus homens e de seus filhos. A conta costuma ser alta, para eles e para ela.

 

“Que pena! Existem outras maneiras de uma mulher viver sua sexualidade. Aquelas que insistem em encontrá-las injetam feminilidade nas veias do mundo. Graças a elas, assistimos ao nascimento de uma nova ética”. A psicanalista dá mais detalhes.

Por que as mulheres ainda confundem tanto o seu papel? Extrema exigência consigo mesma, mania de perfeição em tudo que fazem?

Com a globalização, não temos mais modelos de ser homem e de ser mulher. Vimos nascer uma cultura na qual as mulheres não precisam mais se ater às tarefas do lar e se satisfazer na maternidade e na enfermagem. As opções que se abrem a sua frente são múltiplas. Se, por um lado, isso é muito bom, por outro, gera indecisão. O que escolher? Privada do refúgio de uma identidade segura, uma mulher nunca sabe se está seguindo o caminho certo. Na tentativa de se garantir, corre ao guru da vez: as revistas femininas, os livros de auto-ajuda, as amigas. Procura por um conselho certeiro, um guia do bem fazer. Como nada disso funciona inteiramente, o risco é que recorra aos velhos modelos de ser mulher. Quer dar conta do presente sem abrir mão do passado. É muito para uma pessoa só. Trata-se de uma impossibilidade.

Quais as conseqüências?

As conseqüências são múltiplas. Isso atrapalha a todo mundo. Em primeiro lugar, ela está sempre insatisfeita consigo mesma, julga-se muito mal. Ela se sente sempre em falta para com aqueles a quem ama. Não importam os elogios, ela nunca se acha uma boa mãe, pensa que nunca fez o bastante. É um equívoco. Isso nasce da dificuldade de se deparar com os próprios desejos. Para se proteger de um desejo que julgam ser excessivo, escondem-se atrás de seus filhos. O tempo que dedicam ao trabalho lhes persegue. Julgam-se impedidas de sair, de passear, de dançar... Ora, quem não faz o que gosta torna-se amargo, ressente-se. As queixas se multiplicam e o ressentimento só cresce. A mulher de hoje está afogada em um copo de raiva. 

Que tabus ainda persistem quando se fala em sexualidade feminina?

Por parte das mulheres, ainda persiste o equívoco de que um homem está em melhores condições. Elas se iludem ao pensar que ser mulher é difícil enquanto ser homem é fácil. Não conseguem perceber que os homens estão tão ou mais perdidos do que elas. Assim, o encontro amoroso torna-se mais difícil ainda. É complicado se abrir ao prazer sexual quando a pessoa se sente explorada de algum modo. Aí está o germe da dificuldade que muitas mulheres encontram para obter prazer sexual.

De uma maneira geral, as mulheres ainda têm chances de ser feliz sexualmente falando, sem deixar de lado suas outras funções?

Gostaria de inverter esta pergunta. Proponho pensarmos que é justamente na medida em que ela consegue ser feliz sexualmente que conseguirá transferir o prazer que pode experimentar em seu corpo para suas outras funções. Uma mulher que está em paz com sua sexualidade é acolhedora, tem jogo de cintura, consegue inserir o feminino no mundo dos homens. Estávamos todos acostumados a viver em um mundo homossexual: os homens davam as regras e as mulheres ficavam fora da cultura. As primeiras feministas continuaram nesta lógica, reivindicando o direito de se tornarem iguais aos homens. O desafio agora é inventarmos um mundo onde haja lugar para os dois sexos.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.03.10

Enfermeiras Holandesas fartas dos pedidos sexuais dos apcientes

 

"Eu imponho o limite" é o nome campanha lançada pelas enfermeiras holandesas, cansadas dos pedidos de favores sexuais por parte dos pacientes.

Liderado pela União das Enfermeiras Holandesas, o movimento já tem um site, onde as profissionais podem denunciar doentes mais atrevidos. A campanha teve início depois de uma enfermeira, de 24 anos, ter sido assediada por um paciente de 42. A jovem decidiu apresentar queixa contra o doente, que alegadamente terá conseguido favores sexuais de outras enfermeiras.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Sexualidade feminina

As enfermeiras Holandesas...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...