Domingo, 19.12.10

Alegre tem dois amores que em nada são iguais, um é o PS e o outro é o Bloco de esquerda. No meio o candidato-poeta. Fragilizado, refém dos apoios e não sabendo lidar com a situação, partiu para o disparate.

Manuel Alegre tem feito uma "triste" figura. De cabeça perdida, algo desorientado entre a mulher de sempre (o PS) e a amante desde Janeiro (Bloco de Esquerda), o poeta optou por lançar atoardas em todas as direcções, pegando em situações que nada têm a ver com política e com o cargo de Presidente da República para atacar de forma mesquinha o mais do que provável vencedor da corrida eleitoral. Uma campanha a todos os títulos desastrosa de Alegre. Verdadeiramente suicida.

Desde os cantos dos Lusíadas a historietas da PIDE e fichas de bom comportamento entregues ao antigo regime,tudo tem valido para Alegre atacar Cavaco espalhando a sua fanfarronice habitual. Nada acrescenta. Mostra-serefém por não poder combater um PS decadente que aparentemente o apoia (não se sabe bem onde nem como, ou António costa já pode ser considerado líder do PS?) e incapaz de ter um discurso descolado de uma rebeldia descabida que já nem lhe assenta bem na idade e contraditória com o estado de coisas.

Alegre está a disparar os seus últimos cartuchos políticos. Uns dias de braço dado com a mulher (PS) outros dias em modo rebelde com a amante (Bloco) na traseira da mota. Até finalmente calçar as pantufas políticas.

Em relação à obra de Luís Vaz de Camões, alusão patética com que Alegre pretendeu rebaixar o actual Presidente (que tem passado a campanha mudo, não se sabe se a conselho de Henrique Raposo que esta semana lhe dedicou a crónica "Cale-se, dr. Cavaco Silva, cale-se") a única associação coerente que se poderá fazer entre o número de cantos dos Lusíadas (são dez) e estas Presidenciais é que deve ser mais ou menos o mesmo número de votos que Manuel Alegre irá conseguir obter nas urnas.

Em relação a estes dois candidatos, os únicos "presidenciaveis", estão bem um para o outro, porque são ambos um deserto de ideias.


Via 100 reféns



publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.10.10

Fora com os outdoors

 

Via HenriCartoon



publicado por olhar para o mundo às 09:04 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.09.10

Não. Claro que não. Até porque no dia seguinte a anunciar uma medida deste género o Palácio de Belém ia parecer um stand da Ford, com tanta carrinha Transit estacionada. Mas atenção aos perigosos sinais que estão a ser dados.

 

O que mais estranheza causou na medida xenófoba deste petit president, um ser bizarro com tiques Napoleónicos e aparentemente uma asa de extrema-direita, foi a aparente passividade com que os ciganos abandonaram de facto o país. Que Sarkozy era má rés não restavam grandes dúvidas. Que a Alemanha vai aproveitar a deixa e fazer o mesmo, poucas restam. Agora o que raio se passa com os ciganos?

Quando li pela primeira vez que o Presidente Francês tinha esta intenção pensei que jamais passaria disso mesmo. Não que a vontade deste viesse a mudar. Julguei apenas que seria forçado a mudá-la. Isto porque na minha cabeça imaginei o que aconteceria se passasse pela cabeça do Presidente português (com o apoio do Governo obviamente, dado que em França o poder é partilhado) ter a mesma atitude, tomando as mesmas medidas. Caos.

Coitado. No dia a seguir tinha os ciganos todos do país estacionados nos jardins do Palácio de Belém. Porque digam o que quiserem mas não conheço povo mais solidário do que este. Um vai para o hospital, o clã segue-lhe o rastro. Montam o acampamento à porta e só de lá saem quando o doente recuperar. Já os vi acampados numa rotunda, sentados em mesas de plástico a grelharem febras em assadores e a estender a roupa num outdoor do Paulo Portas.

Ao segundo dia Cavaco Silva faria uma declaração ao país da parte de trás de uma Transit no meio de uma montanha de edredões e jogos de cama a dizer que tudo não tinha passado de uma brincadeira.

Na revolta unem-se, não costumam perdoar, emudecer ou fraquejar. Normalmente com resultados violentos. Daí o espanto com que assisti ao desenrolar dos acontecimentos em França. A aparente passividade do acto. A revolta calada. Uma resignação ensurdecedora.

Os ciganos, muitas vezes acusados de falta de civismo e desordem, tiveram um comportamento em França que só consigo equiparar ao que vejo em documentários sobre a II Guerra Mundial, quando milhões de Judeus, e no meio deles milhares de ciganos, foram deportados, contra sua vontade, desesperados mas em fila, revoltados mas ordenados até acabarem amontoados num vagão sujo e frio a caminho da tortura e morte. Só por serem Judeus. Só por serem ciganos. Tudo isto aconteceu. E parece não ter servido de lição. Outros tempos. Métodos diferentes. Politicas com outros nomes. Comportamentos assustadoramente semelhantes.

Enquanto escrevia estas palavras votava-se no parlamento português um protesto contra as medidas tomadas por Sarkozy. Toda a direita e o PS (de quem já ninguém espera nada), salvo raras e honrosas excepções, votaram contra. Preferiram esperar e andar a reboque da UE e das suas deliberações, como lacaios sem vontade e identidade própria, sem orgulho ou humanidade, a terem a coragem de repudiar a atitude do chefe de Estado francês em relação ao povo cigano.

Senti vergonha de ser português. Senti vergonha de ter no meu país um Governo e uma classe política que na sua grande maioria agiu de uma forma profundamente cobarde e serviçal. E se para ser europeu é preciso ser isto, prefiro ser só português.

 

Via Sem Reféns



publicado por olhar para o mundo às 19:01 | link do post | comentar

Sábado, 26.06.10

Ao faltar ao funeral de José Saramago, o Presidente da República mostrou que põe o cidadão Aníbal e o político Cavaco acima do cargo que ocupa. Mostrou ser demasiado pequeno para representar o País.

 

José Saramago e Cavaco Silva nunca se admiraram um ao outro. Por causa de um obscuro subsecretário de Estado de Cavaco o escritor terá mesmo abandonado o País. Por isso, se Aníbal Cavaco Silva tivesse comparecido no funeral de José Saramago muitos diriam que se tratava de hipocrisia. Mas, ainda assim, o Presidente da República tinha de ir e aguentar com dignidade essa acusação. Porque as críticas que lhe fariam, pondo em causa o homem, deixariam intacta a instituição que ele representa. Porque quem lá estaria não seria Cavaco SilvaSeria o Presidente da República portuguesa.

A justificação que Cavaco Silva apresentou - não era amigo ou conhecido do escritor - e a verdadeira razão porque esteve ausente - não suporta prestar homenagem a alguém que o enfrentou - são absurdas mas reveladoras. Absurdas porque as funções de representação de um Presidente não são para os amigos. Reveladoras porque mostram que temos como Presidente da República alguém que não consegue ser maior do que o cidadão Aníbal e do que o político Cavaco.

É indiferente se o cidadão Aníbal alguma vez conheceu ou foi amigo de José Saramago. É irrelevante o que o político Cavaco sente em relação ao escritor Saramago. Sendo um momento importante para o Estado português, ninguém faria questão que lá estivessem o Aníbal ou o Cavaco. Mas o Presidente da República, esse, nunca poderia faltar à última homenagem ao único prémio Nobel da Literatura de língua portuguesa. A um dos mais importantes escritores do século XX. Àquele que, com Fernando Pessoa, atingiu maior notoriedade internacional. É incoerente decretar dois dias de luto nacional e depois estar ausente da cerimónia oficial.

Cavaco Silva mostrou este fim-de-semana que, mesmo no cargo que ocupa, não consegue ser mais do que ele próprio. Não consegue representar o País. E um Presidente que não está acima da sua pequenez, que não percebe a grandeza de um cargo que o transcende, é e será sempre um mau Presidente.

Dito tudo isto, este episódio infeliz com Cavaco Silva, a ignorância de Sousa Lara, a triste reacção do jornal oficial do Vaticano à morte de um grande escritor e outras tantas irrelevâncias não merecerão uma nota de rodapé na História. Já o "Memorial do Convento", o "Levantados do Chão", o "Ano da Morte de Ricardo Reis" ou a "História do Cerco de Lisboa" ninguém tira à nossa literatura. E isso é que conta.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.06.10

O mariquinhas pé de salsa

 

Via henricartoon



publicado por olhar para o mundo às 14:10 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13.05.10

Maria beija a mão do demo.. o paspalvo olha

 

Eu sei.
Sei da menina de Olinda, de nove anos e trinta quilos, reiteradamente violada pelo padrasto, grávida de gémeos.
Sei do empenho posto pela Igreja para tentar impedir o aborto, apesar de a criança correr grave perigo de vida. Os médicos e a mãe foram excomungados. O violador foi apenas censurado.
Eu sei.
Sei dos 498 padres espanhóis que beatificaste, e sei que ao fazê-lo passavas enternecidamente as mãos pelo lombo do franquismo e emprestavas oxigénio à direita, que agora se prepara para crucificar Baltazar Garzón.
Eu sei.
Sei do levantamento da excomunhão a Williamson, bispo negacionista, branqueador do nazismo, "compagnon" de todos os que, todos dias, tentam embargar, vilipendiar, encapotar, uma das páginas mais vergonhosas da História da humanidade.
Eu sei.
Sei dos discursos homofóbicos e da condenação do divórcio, como se o céu só se ganhasse se se frequentasse o Inferno na terra; como se a graça só se alcançasse através da dor e sofrimento, prescindindo-se da vida.
Eu sei.
Sei do silêncio, da ocultação, da cumplicidade, da indiferença e, sobretudo, da crueldade de todos os crimes perpetrados por múltiplos e variados membros da Igreja.
Sei do encobrimento das denúncias das perversidades, pressinto a gritaria calada de todas as vítimas a estourar de aflição em noites de insónias, intuo o peso das memórias fantasmas que insistem em colar-se à pele.
Eu sei. Sabemos todos.
Mesmo aqueles e aquelas que se passeiam no glamour das recepções papais, e antes se passearam no glamour das recepções oficiais a abarrotar de cultura laica.
Todos sabemos de tudo, sendo que o tudo é demasiado grave para que tudo se esqueça. Principalmente nestes dias em que a crise parece adiada e os católicos parecem anjos imaculados.
Alice Brito



publicado por olhar para o mundo às 15:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 19.04.10

Por fim em casa

 

Via Henricartoon



publicado por olhar para o mundo às 09:54 | link do post | comentar

Quinta-feira, 11.03.10

O regresso dos tabus

 

Via ionline 



publicado por olhar para o mundo às 10:06 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.12.09

O simplex .... pois, isso existe?

 

 António Guterres proclamou um dia que "as pessoas não são números". A frase do candidato a primeiro-ministro em 1995 pretendia mostrar o rosto humano do socialismo democrático do PS em contraste com o que seria o economicismo dos governos do PSD de Cavaco Silva. Sou testemunha de que 14 anos depois as pessoas continuam a ser números em Portugal. Posso acrescentar, com alívio, que fui à Segurança Social e consegui sobreviver. 


Precisava de um documento "para efeitos de abate" do velho carro que me transportou até agora. Crente na inovação tecnológica tão propagandeada pelo primeiro-ministro José Sócrates, comecei por me inscrever na Segurança Social Directa através da internet. Pedi a palavra--chave e seis dias depois recebi o respectivo envelope em casa com as indicações necessárias. 

Voltei ao teclado do computador e informaram-me de que o papel - uma "declaração de situação contributiva" que deveria provar que não tenho dívidas à Segurança Social - estaria disponível no prazo máximo de dez dias. "Úteis", claro, que a internet ao serviço do Estado descansa aos feriados e fins-de--semana. Assim foi. Esperei e alcancei, mas a notícia não era boa: segundo o documento oficial devia seis meses de contribuições sociais no ano de 2006. Poderia pagar tudo através de meios electrónicos. 

Desconfiei da oferta e resolvi tirar a limpo o tamanho da suposta dívida. No dia seguinte dirigi-me à repartição da Segurança Social na Av. Manuel da Maia, em Lisboa. Tirei a senha por volta das 9h30 e fui atendido já depois do meio-dia por uma senhora muito simpática. Menos mal. A minha disposição melhorou quando fui informado de que afinal só tinha um mês em dívida e teria de pagar dez vezes menos do que a Segurança Social Directa notificara. 

O pagamento não podia, porém, ser feito naquela repartição. Assim como a declaração pretendida. Para tratar do assunto teria de me deslocar "à secção do Saldanha". 

Obediente, pus-me a caminho. Quando cheguei retirei logo duas senhas - uma para pagar na tesouraria o que devia e outra para resgatar o documento. 

Cerca de sessenta pessoas depois, fui atendido na tesouraria, mais rápida que o único senhor que recebia, sozinho, os pedidos de declarações contributivas. Fiquei a saber que os computadores dos pagamentos e das declarações não estavam "ligados" e por isso teria de ir primeiro "ali ao lado" buscar o comprovativo da dívida - para só então lá voltar. 

Enfim, atalhando, quatro horas depois fui recebido pelo tal funcionário solitário, que resumiu toda a situação: "Simplex, simplex, ainda acredita nisso? Deve estar a brincar comigo. Simplex só se for para o senhor lá de cima, o primeiro-ministro." 

Sim, as pessoas continuam a ser números em Portugal. Números de contribuintes. Números de desempregados. Números da Segurança Social. Simplex como o destino de ser português.

Editor do Zoom

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:49 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19.11.09

Cavaco silva, carta ao pai natal

 

 Excelentíssimo Senhor Doutor Pai Natal

Venho por esta via pedir para a minha Maria
O Kama Sutra, versão condensada
Não sei se a minha Maria teria
Para a versão completa e ilustrada
Suficiente pedalada.
Eu para mim
Por ora nada peço
E de momento nada digo
Não abdico do meu direito de manter o suspense
E de fazer tabu do meu posterior pedido.
Mas.... E só isto adianto
Não preciso de Viagra
Para acompanhar a minha Maria na leitura
Do acima citado livro
Que teso e hirto ando eu sempre
Não precisando por isso de muleta
Ou qualquer outro suplemento
Para manter a rigidez
E o meu porte sobranceiro.
Despeço-me atentamente economizando palavras
Porque como vossa Excelência sabe:
Os tempos são de crise e tempo é dinheiro.

Assina o Professor Doutor
 Cavaco Silva



publicado por olhar para o mundo às 09:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 01.10.09

Bom.... se calhar isto explica algumas coisas.....  estou mesmo a imaginar a cena, envia-se um mail e como medida de segurança pede-se a deus que zele para que ninguém olhe!

 

 

De acordo com um despacho da Secretaria-Geral da Presidência da República publicado na 2ª série do Diário da República de 06 de Julho, o director da Direcção dos Serviços de Informática é José Luís Machado Seruya.

José Luís Machado Seruya é licenciado em Teologia, mas desde os anos 80 está ligado ao sector da informática, tendo passado, entre outras empresas, pela UNICRE, onde foi analista-programador, e pela Companhia de Seguros Inter-Atlântico, onde foi director de informática.

Mais recentemente, José Luís Machado Seruya foi adjunto do gabinete da secretária de Estado da Cultura, secretário do Conselho Gestor do Sistema de Certificação Electrónica do Estado e Director do CEGER - Centro de Gestão da Rede Informática do Governo.

 

Este país é mesmo uma anedota!..

 

Via DN



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.09.09

Nós também não queremos mais polémicas

 

 O primeiro-ministro, José Sócrates, disse hoje que não quer alimentar “mais polémicas” no chamado “caso das escutas”. Questionado pelos jornalistas quanto à comunicação de ontem à noite do Presidente da República, José Sócrates afirmou que a posição do Partido Socialista foi já expressa ontem pelo Ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira. “Qualquer outro comentário seria contribuir para esta polémica que desgasta as instituições”, disse Sócrates, à margem da inauguração de uma auto-estrada em Cascais.

 

Via Público

 

Haj alguém que não queira deitar mais achas para esta fogueira, é que com a guerra que está instalada, quem mais tem  a perder é sempre o país... meus senhores, tenham juízo.... 




publicado por olhar para o mundo às 13:38 | link do post | comentar

Quinta-feira, 16.07.09

João Jardim quer proibir o comunismo em Portugal 

 

 

A proposta de revisão constitucional do PSD/Madeira vai ser apresentada e discutida na próxima segunda-feira no Parlamento madeirense numa sessão que contará com a presença de Alberto João Jardim, naquela que é uma das suas raras presenças naquele plenário.

Este projecto extremamente polémico defende o aprofundamento dos poderes legislativos, a criação de partidos regionais e a extinção do cargo de Representante da República.

Mas também entre os pontos secundários do documento se sugere "o esclarecimento de que a democracia não deve tolerar comportamentos e ideologias autoritárias e totalitárias, não apenas de Direita - como é o caso do Fascismo, esta expressamente prevista no texto constitucional - como igualmente de Esquerda - como vem a ser o caso do Comunismo, não previsto no texto constitucional".

Num documento bastante polémico as reacções não se fizeram esperar e a primeira chegou do território madeirense por parte do coordenador regional do PCP na Madeira que desde logo desvalorizou a proposta considerando-a igual à apresentada em 2003/2004 e que terá o mesmo destino, ou seja "caixote do lixo".

Em declarações à Agência Lusa, Edgar Silva salientou que "só quem tem memória curta é que dá crédito" a esta iniciativa, lembrando que "já em 2004 a proposta de revisão constitucional de Alberto João Jardim apontava para estes aspectos e nem mereceu crédito por parte do PSD na Assembleia da República, incluindo os deputados eleitos pela Madeira e teve como destino o caixote do lixo".

O coordenador do PCP-Madeira lembrou ainda que este tipo de propostas acontecem sempre antes a festa anual do partido, no Chão da Lagoa, que decorre no próximo dia 26 de Julho e que este ano contará com a presença da líder nacional do partido, Manuela Ferreira Leite.

PSD não toma posição

Quem não quer tomar posição sobre este assunto é o PSD nacional tendo o vice-presidente do partido, José Pedro Aguiar Branco, remetido para mais tarde o debate sobre o assunto, ou seja, quando se discutir a revisão constitucional.

"Julgo que isso se insere na questão da revisão constitucional. Esta legislatura vai ter um momento para se discutir a revisão constitucional. Nessa altura com certeza o PSD terá uma posição sobre a revisão constitucional", respondeu Aguiar Branco.

Apesar da insistência dos jornalistas para que o vice-presidente do PSD se referisse a esta proposta concreta de Alberto João Jardim, Aguiar Branco foi repetindo que "esta legislatura tem um momento para discussão da revisão constitucional, é uma revisão ordinária que tem necessariamente que acontecer".

 

Via RTP

 

E achamos nós mal os corninhos do outro..... o que será que o Sr. Cavaco Silva, que tão inbdignado ficou no outro dia, de tudo isto?



publicado por olhar para o mundo às 13:31 | link do post | comentar | ver comentários (2)

mais sobre mim
posts recentes

Manuel Alegre, entalado e...

Sem Outdoors

Imaginam Cavaco Silva a e...

O Aníbal, o Cavaco e o Pr...

O mariquinhas de Belém

Alice Brito: Eu sei ,,......

Por fim em casa

Antes eram Tabus, agora s...

O simplex..... isso exist...

Cartas ao Pai Natal:Cavac...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados