Terça-feira, 03.08.10

Cavaco chumbou no Liceu

 

É a um chumbo - e também a uma expulsão do liceu - que Portugal deve um dos seus mais extraordinários romances. Vitorino Nemésio foi expulso do Liceu de Angra, onde reprovou no antigo 5º ano. Aos 16 anos, Nemésio é enviado para a ilha do Faial, para se preparar para os exames do "Curso Geral dos Liceus" (equivalente ao actual 9º ano) e é nessa estada na Horta que começa a desenhar os elementos do "Mau Tempo no Canal". No dia 16 de Julho de 1918, com 16 anos, Nemésio termina o curso geral dos liceus, com a mortificadora média de "10 valores". O mau aluno virá a ser professor universitário e um dos melhores escritores portugueses.

Talvez o pior argumento antimudanças seja o chumbo "exemplar" de Cavaco Silva: o actual Presidente da República chumbou no 3º ano do liceu - actual 7º ano de escolaridade - e o pai obrigou-o a trabalhar na terra e ajudar no negócio da família. Na sua autobiografia, o Presidente da República considera esse chumbo - e a "lição" do pai - um marco na sua vida, que o tornaria depois um estudante aplicadíssimo. 

Nem à esquerda nem à direita, houve qualquer complacência para a pedrada no charco da ministra da Educação. O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, admitiu que a ideia tivesse aparecido por causa do "calor". "Não sei se é do calor, pode-se considerar no mínimo um lapso", disse Jerónimo no Algarve. Uma reacção não muito diferente teve o CDS, que resumiu a proposta numa palavra: disparate. Em comunicado, os centristas afirmam que "um sistema educativo sem retenções é triplamente injusto". "É injusto porque não distingue o mérito e o esforço dos alunos que estudam (...), é injusto para os professores, cujo trabalho de avaliação de conhecimentos é em grande medida desfeito por uma norma administrativa (...) e injusto para os contribuintes, já que a promessa de uma escola fácil é um engodo e uma ilusão". 

Também para o PSD, "os ministros mudam, mas mantém-se o sinal de facilitismo". O vice-presidente Jorge Moreira da Silva considerou a proposta "grave", errada, "mas não surpreendente". O Bloco de Esquerda afirma que a questão não pode ser discutida "no sistema português como uma mera medida administrativa", contando que "a partir daqui serão tudo são maravilhas".

A "cultura nacional" Na entrevista ao Expresso, Isabel Alçada admitiu que, por uma questão de cultura nacional, este debate pode ser difícil. João Bénard da Costa, o maior dos cinéfilos, escreveu um dia que no liceu era bom a letras, mas "péssimo em ciências" e "uma coisa horrorosa" em desenho. "Até ao quinto ano foi uma desgraça e no quinto ano chumbei. Foi o pior ano de toda a minha vida. Passei em letras, tive que repetir ciências. E voltei a chumbar, com dois valores em Desenho. Foi o desespero total". Para Bénard, "foi um ano negro, sem sombra de dúvida o ano mais negro da minha existência. Se a palavra auto-estima já tivesse sido inventada, a minha andava muito por baixo, o que aos 16 anos não se recomenda", escreveu numa crónica em 2004 no Público.

Patrícia Vasconcelos aprendeu com o chumbo no 1º ano do ciclo (actual 5º ano de escolaridade). "Uma derrota que me serviu de emenda", diz ao i. "Deu-me muita vontade de me afirmar e mostrar que era capaz". No ano seguinte, vai viver para a Jugoslávia e, contra as previsões do director do Liceu Francês, conseguiu aprender francês em seis meses. 

Ricardo Costa, director-adjunto do "Expresso", chumbou por faltas no 12º ano, mal se apercebeu de que não iria conseguir média para entrar em comunicação social. "Não me orgulho, mas agi bem, porque entrei no ano seguinte", conclui.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.05.10

Porque são irrequietas as crianças na escola?

 

Em qualquer escola há sempre aqueles alunos que nunca estão quietos. Levantam-se da cadeira, empurram os colegas, respondem aos professores, rabiscam os cadernos em vez de estarem atentos. Será que perderam o interesse pela escola? Será que gostariam de estar a brincar no recreio em vez de ficarem encafuados numa sala? Será que não gostam da matemática nem gostam de aprender a ler? Não é nada disso. "Boa parte das crianças mostra esse tipo de comportamentos porque é a sua forma de reagir ao medo que sente perante o fracasso", conta Paula Espada, professora da Escola Básica nº 3, em Sacavém, no concelho de Loures.

Paula Espada quis perceber os motivos que levam os miúdos da sua escola a serem irrequietos. E tão teimosa foi essa dúvida que acabou em tese de mestrado sob o título "Diferentes modos de sentir e de agir em contextos divergentes: (re)acções das crianças perante o fracasso". Durante um ano lectivo inteiro, a professora primária andou de sala em sala de aula a observar de perto 16 alunos do 1º ano e ainda outros 20 do 4º ano. Conversou com eles, ouviu as suas confissões e esteve atenta a todos os comportamentos que tiveram nas aulas

No final do ano, descobriu que quando os miúdos estão desatentos, isso quer dizer, na maioria das vezes, que não perceberam a matéria e não conseguiram executar o exercício que a professora pediu. "Perante o medo de falhar, os alunos procuraram várias estratégias para evitar enfrentar aquilo que mais lhes custa: o fracasso." Nem todos reagiram da mesma maneira, diz a professora

Os alunos de seis e sete anos, por exemplo, fingem ter dores de barriga ou dores de cabeça, riscam as carteiras, rabiscam os livros ou rasgam as folhas dos cadernos só para adiar fazer a tarefa pedida na aula. Tanta irrequietude só porque não sabem como fazer a tarefa escolar nem conseguem pedir ajuda. Do outro lado estão os alunos do 4º ano que, em vez de danificar o material escolar para esconder o medo, recorrem aos colegas do lado para fugir aos trabalhos ou aos exercícios complicados: "Levantarem-se do seu lugar sem autorização do professor, implicar com o colega de lado, causar distúrbios ou fazer tudo para ser o centro das atenções foram os comportamentos mais frequentes nas turmas do 4º ano."

Motivados Um dos objectivos iniciais de Paula Espada passava por tentar perceber se a reacção ao medo de errar é diferente nas raparigas e nos rapazes e ainda avaliar se esse receio diverge consoante a etnia ou cultura familiar, uma vez que a esmagadora maioria da população da Escola Básica nº 3 deSacavém é filha da primeira ou segunda geração de imigrantes oriundos dos países de língua oficial portuguesa: "Não encontrei qualquer diferença. Qualquer um deles quando começa a frequentar a escola está bastante motivado."

O primeiro dia de aulas foi o momento mais marcante para os 36 alunos entrevistados. "Chegaram à escola cheios de expectativas e sentiram-se importantes por iniciar uma nova fase nas suas vidas", conta a professora. Ao longo dos anos, a motivação não desaparece, apenas se transforma, conta a professora: "Se no primeiro ano, a principal motivação passa por fazer bem todas as tarefas e agradar ao professor, no 4º, os alunos concentram todas as energias em passar de ano e transitar para o segundo ciclo. O medo de ficar para trás é o que prevalece entre os mais velhos."

Os truques E o medo de falhar entre as crianças do primeiro ciclo pode surgir todas as maneiras. Paula Espada dá aulas há 14 anos e já sabia que quando os alunos não estão atentos é porque não conseguem acompanhar a matéria. Só não desconfiava que os miúdos tinham tantos subterfúgios para evitar o fracasso. Ao longo do ano foi anotando todos os comportamentos e no fim contabilizou 43 truques que os alunos usaram para esconder a vergonha que sentem por não saberem executar um exercício: "Por vezes, as atitudes são tão imperceptíveis que perante uma turma de 19 ou 20 alunos é difícil conseguir detectar que a criança precisa de ajuda."

Esses episódios isolados não chegam para explicar o insucesso escolar, avisa a professora, mas "é da soma dos pequenos fracassos que deriva o insucesso escolar". Daí a razão para Paula Espada afastar do seu estudo o "insucesso quantitativo". A professora da escola básica de Sacavém não se interessou pelas notas dos alunos nos testes ou nas pautas do final de ano: "Optei por estudar aquilo que não se vê, que é silencioso e, por isso, pode escapar à nossa atenção."

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20.05.10

Portugal hipócrita: o país em que mais vale furtar e ser apanhado em vídeo do que ser fotografada a mostrar o pipi numa revista.

 

 

A comparação não será a ideal, alguns dirão que é pura demagogia. E até pode ser, admito e dou de barato. Mas pelo menos é elucidativa do tratamento algo desfasado que as nossas autoridades dão a dois casos, um mais grave que mete electrónica e outro mais divertido que envolve nudez. Pipi e os gravadores poder-se-ia chamar este filme.

No mesmo país em que assistimos ao furto de dois gravadores por um deputado da Nação sem que o acto tenha consequências profissionais para o senhor vemos uma professora ser suspensa de imediato porque mostrou o pipi e as maminhas na revista Playboy.

O mais grave é que o furto parece ter sido efectuado no interior das instalações da AR e ao que consta a professora não terá realizado a sessão fotográfica na sala de aula ou no recreio com a pequenada toda a bater palmas enquanto jogava à macaca.

O deputado Ricardo diz ter praticado "acção directa" para defender a honra, já a professora Bruna perdeu a honra ao praticar a "acção directa" de despir a roupinha.

Temos por um lado uma professora que não pode continuar a lidar com crianças porque meia Mirandela e alguma malta de Valpaços a viu nua na revista Playboy e por outro um deputado que pode continuar sentado no quentinho daAR depois de todo o país o ter visto "abafar" dois gravadores da revista Sábado. É justo.

Com isto podemos deduzir que para vermos o deputado Ricardo Rodrigues ser suspenso de funções seria provavelmente necessário que este pousasse nu para uma revista feminina ou fizesse um strip-tease durante a comissão de inquérito PT/TVI. A mesma comissão onde vemos o Sr. deputado insistentemente apelar à moral e à legalidade.

Uma coisa é certa, se a "Stôra" Bruna fosse deputada tenho a certeza que não furtaria gravadores ou máquinas fotográficas a jornalistas, até porque provavelmente estaria nua e não teria bolsos para esconder o material. Já o Sr. Deputado, a menos que faça um Lap dance a Mota Amaral não vejo forma de ser admoestado.

Posto isto e fazendo o ponto final de situação: ser professora e cumulativamente mostrar o pipi numa revistaNÃO. Ser deputadofurtar gravadores a jornalistas: SIM

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 17.05.10

Em Mirandela alguns pais descobriram com a ajuda da revista Playboy que uma das professoras dos seus filhos tem afinal um pipi e duas maminhas. Adivinhem o final da história.

 

 

A "Stôra" Bruna era a responsável pelas AEC (actividades extra-curriculares) dos alunos. Pelos visto também ela própria desenvolvia algumas AEC. Teve azar quando a sua luta desnudada contra a ideia pré concebida de que a revista Playboy não tem qualquer conteúdo pedagógico entrou em conflito com a sua segunda actividade profissional, a mais agasalhada: o ensino.

 

No país dos brandos costumes depressa acorreram a insurgir-se contra esta "pouca vergonha" as mães, os pais e até o Presidente da Câmara imagine-se. As mães dos meninos jamais iriam permitir que a Bruna que os maridos vêem descascada na revista que compram às escondidas pudesse andar por aí a dar aulas aos filhos. Cada Bruna no seu galho. Uma para entreter o maridão outra para ajudar o Fábio a fazer os TPC.

 

Já os miúdos devem ter adorado. Sim, a canalhada adolescente que sonhava à noite com a "Stôra boazona" a andar pela sala de aula usando apenas saltos agulha pode agora visualizar esse sonho em formato de papel a troco de 3,95€. E com sorte ainda ouvem a professora Bruna a dizer no meio da aula "agora vamos todos abrir o manual na página 45 e começar a trabalhar". E os malandrecos tiram todos da mochila a Playboy que o paizinho tinha escondido na gaveta das meias.

 

As meninas da turma já andam a tratar de fazer uma petição para ver se conseguem convencer o professor de Educação Física a pousar em pelota para uma revista feminina. Só com uma bola de andebol na mão e um salpicão de Vinhais na outra.

 

Com isto a alheira de Mirandela anda murcha. Tudo porque os encarregados de educação preferem que os meninos vejam os professores não como homens e mulheres mas como um ser híbrido que se dedica ao ensino. Ou como um bocado de material contraplacado que por acaso marca falta disciplinares.

 

Já a "stôra" Bruna tem a sua curta carreira no Ensino terminada ou pelo menos um saneamento ou transferência à vista. Pais, alunos e a tabacaria Central de Mirandela agradecem por uns motivos e as mães por outros. Final feliz para todos, menos para a senhora professora.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (14)

Terça-feira, 16.03.10

Queixas do professor que se suicidou desapareceram

 

No dia 27 de Janeiro, o professor de música da Escola Básica 2+3 de Fitares, em Sintra, fez mais um pedido de ajuda. O último antes do suicídio. Na reunião do grupo da sua disciplina, L. V. C. alertou os colegas para a sua dificuldade em dar aulas a uma turma do 9º ano devido à indisciplina de alguns alunos. O relato deveria constar na acta, mas o professor de música - que foi destacado como o secretário daquela reunião -, morreu antes de redigir o documento. Após a sua morte, a tarefa foi delegada a outra colega que escreveu o relatório, mas terá omitido a queixa do docente.


Agora, são os outros professores que também estiveram presentes na reunião a exigir uma rectificação da acta. Querem que no documento seja incluída a queixa do professor de música que se atirou da Ponte 25 de Abril na manhã de 9 de Fevereiro. Querem que a Direcção Regional de Educação de Lisboa tenha acesso a toda informação sobre este caso no âmbito do inquérito instaurado na sequência da notícia publicada no i. E, portanto, pediram à direcção da escola uma reunião extraordinária entre o grupo disciplinar com um único ponto na agenda de trabalhos: rectificar a acta. 

A directora do agrupamento escolar de Fitares, porém, terá dito aos docentes que nenhuma alteração ao relatório poderia ser feita enquanto a escola não receber a visita do instrutor da Inspecção-Geral de Educação. Ontem, logo pela manhã, os professores tentaram consultar a acta. O documento, contudo, terá desaparecido da sala dos professores. Os dois últimos relatórios das reuniões entre o grupo disciplinar de L. V. C. - datados de 27 de Janeiro e 3 de Março - já não estarão arquivados no dossiê do departamento de música.

Na acta que agora se encontra em parte incerta estará quase tudo o que foi discutido na penúltima reunião dos professores de Educação Musical da Escola Básica 2+3 de Fitares. Está a discussão sobre as iniciativas a tomar para assinalar o centenário da República; estão também as medidas a tomar para preparar a visita de uma orquestra de música ao estabelecimento de ensino. 

Só falta a queixa do professor de música que terá desabafado que dar aulas a uma turma do 9º ano estaria a "tornar-se impossível". Após a confissão, um dos colegas terá perguntado a L. V. C. se entregou as participações disciplinares ao director de turma e terá obtido uma resposta afirmativa. Ao todo, explicou L. V. C., entregou sete participações de ocorrência disciplinar. Resta agora encontrar os documentos que comprovem isso.
 

Alertas. Tanto a Direcção Regional de Educação de Lisboa (DREL) como a Inspecção-Geral de Educação já teriam sido alertados para o o suicídio do professor de música, antes do caso ser divulgado na imprensa. O i apurou que no dia 4 de Março, foi enviado à DREL um e-mail dirigido ao director regional José Joaquim Leitão dando conta de alegadas irregularidades que terão ocorrido no agrupamento escolar de Fitares. Entre os episódios relatados, constará também o caso do docente que se atirou ao Tejo. No dia 10 de Março, foi a vez da Inspecção-Geral de Educação (IGE) ter recebido outro e-mail, desta vez com o único propósito de denunciar o suicídio do professor de música. Como resposta, a IGE terá informado que reenviou a queixa à directora do agrupamento escolar e solicitado mais informação sobre o caso. O Ministério da Educação não conseguiu confirmar estas informações até à hora de fecho desta edição.

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 09:47 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.11.09

 REDAXÃO


'O PIPOL E A ESCOLA'


Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb tem Direitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é
perciso ver q á razões qd um aluno não vai á escola. Primeiros a peçoa n se sente motivada pq axa q a escola e a iducação estam uma beca sobre alurizadas. Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é munto Montanhoso? Ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? Ou cuantas estrofes tem um cuadrado? Ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã?

E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'os Lesiades''s, q é u m livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas q no  aspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah.

Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos profes  até dam gomitos e a Malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os jovens n tem  abitos de leitura e q a Malta n sabemos ler nem escrever e a sorte do gimbras foi q ele h-xoce bué da rapido e só o garra de lin-chao' é q conceguiu  assertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é livro desde o Camóes até á idade média e por aí fora, qués ver???

O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curço de otelaria e a Malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças de xicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar

 

(Texto verídico retirado de uma prova livre de Língua Portuguesa, realizada por um aluno do 9º ano, numa Escola Secundária das Caldas da Rainha (para ler, estarrecer e reflectir...!!!))

 

Recebido por mail



publicado por olhar para o mundo às 11:18 | link do post | comentar

Segunda-feira, 11.05.09

 O Professor está sempre errado.


O material escolar mais barato que existe na praça é o professor! 

(JôSoares)





É jovem, não tem experiência.

É velho, está superado.

Não tem automóvel, é um pobre coitado.

Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.

Fala em voz alta, vive gritando.

Fala em tom normal, ninguém escuta.

Não falta ao colégio, é um 'caxias'.

Precisa faltar, é um 'turista'.

Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.

Não conversa, é um desligado.

Dá muita matéria, não tem dó do aluno.

Dá pouca matéria, não prepara os alunos.

Brinca com a turma, é metido a engraçado.

Não brinca com a turma, é um chato.

Chama a atenção, é um grosso.

Não chama a atenção, não sabe se impor.

A prova é longa, não dá tempo.

A prova é curta, tira as chances do aluno.

Escreve muito, não explica.

Explica muito, o caderno não tem nada.

Fala correctamente, ninguém entende.

Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.

Exige, é rude.

Elogia, é debochado.

O aluno é reprovado, é perseguição.

O aluno é aprovado, deu 'mole'.

É o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.



(Fonte - Revista do Professor de Matemática, no.36,1998.)

 

Via Anovis Anophelis



publicado por olhar para o mundo às 14:15 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Chumbar na escola não os ...

Crianças : Resmungar, imp...

Professora mostra pipi e ...

o estranho caso da profes...

Professor quis deixar as ...

REDAXÃO:'O PIPOL E A ESC...

O sr professor

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados