Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

11
Out10

Gaia não é só vinho do Porto

olhar para o mundo

As caves do Vinho  do Porto

Está lá a Calém, a Ferreira ou a Sandeman, mas na zona ribeirinha de Gaia também estão alguns dos melhores restaurantes e bares da região

 

É o produto mais famoso do país além-fronteiras e a Região Demarcada mais antiga do mundo. Falamos, obviamente, do Vinho do Porto. Visitar as caves na margem esquerda do Douro, em Vila Nova de Gaia, é às vezes como entrar numa máquina do tempo. Os barris ali continuam perfeitamente alinhados, desenhados para o correcto envelhecimento do néctar, com as teias de aranha, como canta Rui Reininho na "Pronúncia do Norte", a vidrarem na janela. A modernidade também já chegou a estes espaços. Festas, almoços, jantares ou reuniões, são alguns dos eventos que as caves podem albergar, a par, claro está, da degustação de variados vinhos do Porto. Mas nem só de vinho vive a zona ribeirinha de Gaia. Por entre uma visita às caves (seja a Calém, a Ferreira, a Sandeman, a Taylor''s ou a Offley), há muito por onde se entreter. E comer.


Restaurante Moscovo Logo depois de passar o tabuleiro inferior da Ponte Luiz I e se começar a descer para a zona ribeirinha de Gaia, está o Restaurante Moscovo com uma decoração temática, a que se juntam vários apontamentos sobre a história dos czares e a antiga União Soviética. O Salmão à Vladivostok é uma das especialidades, numa casa onde não podia faltar, claro está, o vodka. Só fecha à segunda-feira. 

A Cozinha do D.Tonho Para muita gente este é um dos mais emblemáticos restaurantes do Porto. Para muitos outros é o restaurante do Rui Veloso. De facto, o músico portuense é um dos sócios desta casa. Aliás, se for ao site é recebido pela música "Porto Sentido". Mas o D. Tonho também cruzou o rio e instalou-se mesmo em cima do Douro, na margem esquerda. Todo envidraçado, permite uma vista deslumbrante sobre a cidade do Porto, mantendo o mesmo requinte no serviço. Depois de uma caminhada pelas caves, pode optar por umas Tripas à Moda do Porto ou um Bacalhau à Zé do Pipo para recuperar energia.

Corpus Christi Se boa parte da história do Vinho do Porto lhe pode ser contada pelas milhares de barricas das caves, outra parte da história da zona ribeirinha de Gaia é revelada pelo convento Corpus Christi. Após anos de abandono, a autarquia reabilitou o espaço e devolveu-o à cidade. Fundado em 1345, foi decaindo quase até à decrepitude. Agora, é possível ver as peças de arte sacra de grande valor ou o extraordinário coro-alto da capela. A título de curiosidade refira-se que está no Corpus Christi a arca tumular de Álvaro de Cernache, alferes da bandeira da Ala dos Namorados, na Batalha de Aljubarrota. 

Teleférico Pode parecer estranho que apareça neste roteiro uma obra que ainda não está finalizada. O teleférico de Gaia só começa a rolar em meados do próximo mês de Novembro, mas já é possível admirar a estação na zona ribeirinha, com as cabines que irão transportar os clientes todas alinhadas. É a primeira infra-estrutura do género em ambiente urbano e vai ligar o Jardim do Morro ao Cais de Gaia. Quando estiver a funcionar a sério, vai permitir uma vista única sobre o Porto e sobre as caves do Vinho do Porto.

Cais de Gaia No fim do seu périplo por barricas e cálices de Porto, pode terminar a sua visita no Cais de Gaia. O que tem lá à sua disposição? O Bogani Café, o Irish Pub, a República da Cerveja, o Real Thai, o Pedra Alta, uma pequena loja de vinhos do Porto, artesanato, enfim, o final ideal para a viagem que lhe propomos. Para todas as carteiras - pormenor importante em tempos de austeridade.

 

Via ionline

30
Set10

Aprovada proposta para criar ordem europeia de protecção de mulheres maltratadas

olhar para o mundo

Proposta para medida europeia de protecção

 

As comissões da Justiça e dos Direitos da Mulher do Parlamento Europeu (PE) aprovaram hoje, numa votação quase unânime, uma proposta para implementar uma ordem europeia para a protecção das mulheres maltratadas.

O texto reflecte a posição do Parlamento antes das negociações com os Estados membros para avançar com a proposta.

O projecto foi lançado este ano pela presidência espanhola da União Europeia, com o apoio de um grupo de países, mas provocou reticências em alguns países e na Comissão Europeia.

«Hoje deu-se um passo muito importante para ajudar as vítimas de violência de género em toda a Europa», afirmou, depois da votação, uma das proponentes do documento, a espanhola Teresa Jiménez-Becerril, do Partido Popular.

A eurodeputada sublinhou que a intenção do PE é «garantir um instrumento de protecção comunitário às vítimas da violência de género que seja eficaz»e permitir que as «vítimas se sintam protegidas em qualquer canto da Europa, mesmo que em cada país essa decisão siga um processo civil ou penal».

Os diferentes ordenamentos jurídicos dos Estados membros levaram o executivo comunitário e vários países a pôr em causa a viabilidade de uma ordem europeia geral.

Teresa Jiménez-Becerril reconheceu que essa dificuldade lhe deixa algumas «dúvidas» e antecipou que as negociações com o Conselho Europeu serão «difíceis», frisando, porém, que hoje o PE«quis mandar uma mensagem de superação dessas diferenças».

A outra proponente do projecto, a socialista espanhola Carmen Romero, apelou à Comissão Europeia para que se junte ao processo e defendeu que o ideal seria que Bruxelas apresentasse uma proposta que «complete ou aperfeiçoe o mecanismo».

O executivo comunitário, em especial, a comissária da Justiça, Viviane Reding, mostrou-se inicialmente muito crítico da iniciativa da presidência espanhola, acusando-a de ser confusa e de não ter uma base jurídica adequada.

Viviane Reding anunciou a sua intenção de apresentar, no próximo ano, um pacote completo de propostas para melhorar a protecção às vítimas em geral.

No entanto, Carmen Romero considerou que o caso das mulheres maltratadas é «específico» e que, por isso, deve ter um sistema legal próprio.

A ordem comunitária pretende alargar a outro Estado membro as ordens emitidas num país para proteger uma mulher maltratada quando esta se desloque.

Depois da posição de hoje do PE, os Estados membros deverão voltar a abordar o assunto na reunião de ministros da Justiça e do Interior nos dias 07 e 08 de Outubro.

 

Via Sol

03
Ago10

«Erotismo tem sido trocado por sexo imediatista, mecânico e hidráulico»

olhar para o mundo

Erotismo substituido por sexo imediatista, mecânico e hidráulico

Júlio Machado Vaz diz que excesso de «sexo pelo sexo» tem afastado as pessoas de cultivarem «o sexo como fonte de prazer e de comunicação»

 

A sociedade actual é hiper-sexuada e tem vindo a matar o erotismo, na opinião do sexólogo Júlio Machado Vaz, que assim justifica o «folclore» que é a criação do Dia Internacional do Orgasmo, que se assinala no sábado.

«Em termos globais, sou renitente aos dias de, não porque muitas causas não sejam actuais, mas porque revelam sempre atraso na luta por estas causas. Quanto a este dia, não penso que o orgasmo precise assim tanto de ser defendido», comentou em entrevista à agência Lusa Júlio Machado Vaz.

Para o sexólogo, «é algo que se insere num folclore em expansão nesta sociedade que é hiper-sexuada ao mesmo tempo que tem vindo a matar o erotismo».

Aliás, o Dia Internacional do Orgasmo foi precisamente criado há alguns anos por uma rede de sex shops britânicas, o que foi encarado como forma de conquistar mais clientes e incentivar ao consumo.

O excesso de «sexo pelo sexo» e de «sexo em termos comerciais» tem afastado as pessoas de cultivarem «o sexo como fonte de prazer e de comunicação».

«O erotismo tem vindo a ser trocado por um sexo imediatista, mecânico e hidráulico», resumiu.

Em termos históricos, o sexólogo elege a Grécia Antiga, a lírica trovadoresca e o amor grotesco como os períodos que melhor representam a «génese do amor pelo amor».

Quanto ao orgasmo, Júlio Machado Vaz frisa que fisiologicamente é de fácil definição, mas que a nível psicológico e de sensação é significativamente diferente entre homem e mulher.

«No ciclo de resposta sexual, é a explosão da excitação, que se traduz por uma sensação psicológica de prazer e a nível fisiológico por contracções musculares, alterações respiratórias e cardíacas», explicou.

Em termos fisiológicos, o orgasmo é igual independentemente do género, «mas a percepção psicológica é diferente e muito mais variada e rica na mulher».

«Se interrogarmos 100 homens sobre o que sentem, 99 dizem praticamente a mesma coisa. Se interrogarmos 100 mulheres é como passar de Vénus para Marte», compara.

Júlio Machado Vaz atribui às diferentes sensações e percepções das mulheres a responsabilidade por muitas julgarem que nunca atingiram o orgasmo: «É isso que faz com que nos apareçam mulheres em consultas de sexologia a dizerem que não conseguem atingir o orgasmo e que saem passado 50 minutos aliviadíssimas a dizer que afinal atingiam, mas não era como a amiga tal dizia».

 

Via TVI24

30
Jun10

Casamento gay: Fernando e Fernando registam 'enlace' na Sé de Lisboa

olhar para o mundo

Eles passaram pela Sé de Lisboa para as fotografias

 

Fernando Correia, 54 anos, travesti de profissão, sempre sonhou casar vestido de noiva. Hoje concretizou parte da fantasia ao chegar à Sé de Lisboa num vestido branco marfim, mas casamento só na próxima semana e no civil.

“O meu sonho sempre foi casar vestida de noiva e até à data não tinha encontrado a pessoa certa”, confessou à chegada ao largo da Sé, onde reuniu 20 amigos para as fotografias e a festa que se seguiu num restaurante.

Apesar de não ter conseguido formalizar hoje a união, fez questão de reunir os amigos naquele local por fazer um ano que conheceu o companheiro e se tratar do lugar onde casaram as noivas de Santo António, explicou.

Fernando Correia conheceu Fernando Fonseca, 32 anos, em Santa Apolónia. Trocaram olhares, tomaram um café e combinaram um jantar, que os juntou até hoje.

“Foi um jantar maravilhoso e vivemos juntos desde esse dia”, conta 'a noiva', garantindo ter encontrado o homem da sua vida.

“É um homem a sério, não fuma, não bebe, é trabalhador”, diz.

Neste 'enlace', a 'noiva' chegou primeiro, de táxi, e acompanhada pela madrinha, que apresentou como fadista.

Habituado ao mundo do espetáculo, não se esquivou às objetivas e às perguntas dos jornalistas, com quem partilhou pormenores da relação com aquele a que já chama “marido”.

“Tive o prazer de trabalhar sempre como travesti profissional. Tenho um guarda-roupa que é a inveja de todas as bichas de Lisboa”, afirma, enquanto mostra, orgulhoso, o vestido cai-cai e se equilibra nas sandálias douradas de salto alto no irregular piso de paralelepípedos às portas da catedral de Lisboa.

Fernando aguarda ainda pela confirmação do dia em que poderá casar com Fernando no 7.º Cartório: “Espero que seja esta semana. Tenho muitos espetáculos marcados para o estrangeiro”.

Embora mais reservado, o companheiro também não hesita em dizer que este é o seu dia. “Conheci bem a pessoa. Gosto muito de estar com ela”, afirma, lamentando que os pais não aceitem a relação.

“Eu vivo para ela e ela vive para mim”, afiança Fernando, empregado numa empresa de limpezas.

Entre os convidados, apenas os amigos aceitaram partilhar com eles este dia, que quiseram registar em fotografias também no Parque Eduardo VII.

Antes, a 'noiva' foi ainda à Igreja de Santo António, por entre os olhares de quem passava e a curiosidade dos turistas, que levaram para casa mais uma inesperada recordação da visita à velha capital.

 

Via Ionline

25
Mar10

Sexo em Portugal é assim ....

olhar para o mundo

Os portugueses e o sexo

 

sexo ocasional é entendido pelos europeus como uma experiência, uma aventura que proporciona sensações novas e estimulantes. É positivo, na medida em que não exige uma ligação sentimental com o parceiro, nem tão pouco explicações ou, mais importante, não requer umcompromisso de fidelidade.
Defendem os europeus que, nas relações ditas sérias, é mais fácil cair em rotina ou tédio.
As conclusões são da marca de preservativos Control que entrevistou, entre Espanha, Portugal e Itália, cerca de três mil pessoas sexualmente activas, com idades compreendidas entre os 14 e os 50 anos.
E perante as respostas dos inquiridos, a marca concluiu que os espanhóis (homens e mulheres) encaram a sexualidade de uma forma muito mais liberal do que os portugueses e os italianos. Isto porque em Portugal e Itália preferem-se as relações estáveis. Em Espanha, por outro lado, são mais os adeptos de encontros ocasionais do que aqueles que querem “assentar de vez”.

 

Via Ionline

26
Jan10

Cova da Moura na Internet

olhar para o mundo

Cova da Moura na Internet

 

bairro da Cova da Moura, na Amadora, vai lançar oficialmente na quinta-feira a sua página na Internet, destinada a divulgar uma imagem positiva e renovada da zona, uma das mais estigmatizadas da Grande Lisboa.

Notícias sobre as actividades desenvolvidas, agenda de festas e espectáculos, informações sobre o bairro, músicas, vídeos, fotografias, um chat e um fórum são alguns dos conteúdos da plataforma web, desenvolvida pela Associação de Solidariedade Social do Alto da Cova da Moura e pela Associação Moinho de Juventude.

A iniciativa insere-se no projecto governamental de requalificação física e social "Bairros Críticos", tendo sido definida como uma das medidas de construção de dinamização "Nova Cova da Moura", procurando revelar, segundo informação da Associação de Solidariedade Social, um bairro "com nova imagem, seguro e tranquilo".

Neste contexto, trata-se de uma ferramenta aprovada pela comissão de acompanhamento do "Bairros Críticos", constituído por 27 parceiros institucionais e privados, entre sete ministérios, autarquias, organizações locais, organismos públicos e a população.

Lançado em 2006, o projecto lançado pelo Governo socialista prevê um investimento de mais de 100 milhões em obras de reestruturação, que deveriam ter arrancado até ao final de 2009, na Cova da Moura, onde se estima haver cerca de 7 000 habitantes.

A Câmara da Amadora participará com 45 milhões de euros.

Via ionline

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D