Segunda-feira, 12.09.11
De onde vem o orgasmo?

 

Há 40 anos, biólogos evolucionistas tentam responder a essa questão. Em geral, os pesquisadores giram em torno de duas hipóteses: assim como o masculino, o orgasmo das mulheres serviria para estimular o sexo e, portanto, a reprodução e a outra linha diz que o orgasmo delas seria um subproduto do masculino. A mesma ideia que explica por que homens têm mamilos, que não servem para nada. Eles são tão importantes para as mulheres que a natureza “achou” melhor equipar os a todos com eles, não houve pressão ecológica para que os mamilos não existissem nos dois sexos. 


A pergunta é complexa. Para tentar mais uma vez clarear a dúvida, pesquisadores da Universidade de Queensland (Austrália) e Turku (Finlândia) realizaram uma pesquisa com 10 mil gêmeos e irmãos comuns. Se o orgasmo das mulheres for só um subproduto, eles acham que os mesmos genes estariam envolvidos na sensação em ambos os sexos. Se o resultado com irmãos mostrar que eles são mais parecidos entre si do que não parentes, a característica estudada tem grandes chances estar relacionada aos mesmos genes. 

Os pesquisadores tentaram medir o que chamaram de “orgasmabilidade”, que seria a suscetibilidade de sentir um orgasmo. O questionário perguntava aos homens sobre o momento do orgasmo e, à elas, a pergunta era sobre a frequência e facilidade com que tinham a sensação. 

Os resultados mostraram que gêmeos idênticos do mesmo sexo tinham mais semelhança do que os não-idênticos do mesmo sexo, o que evidenciaria o papel dos genes e a ideia de que é um subproduto masculino. No entanto, para contrariar essa hipótese, os pesquisadores viram que os gêmeos e irmãos de sexos opostos não tinham semelhanças na “orgasmabilidade”.

 

Esses resultados sugerem que os genes que influenciam o orgasmo em homens e mulheres são diferentes. A função e o caminho percorridos pelo orgasmo nos dois sexos, também. E a ideia do subproduto estaria errada. Apesar das evidências, quem defende a ideia do subproduto, diz que a pesquisa deveria ter avaliado os critérios em homens e mulheres. O estudo não apresenta nenhum resultado conclusivo, só aprofunda o debate entre pesquisadores. A única certeza é que o orgasmo feminino é ainda uma questão complexa e misteriosa. 

 

Via Revista Galileu



publicado por olhar para o mundo às 08:58 | link do post | comentar

Sexta-feira, 02.09.11

Posições para o orgsmo

 

A busca pelo orgasmo vai muito além de encontrar posições de sexo ideais. O relacionamento com o parceiro é peça importante para que se possa cultivar o desejo e, com a excitação no limite, chegar ao clímax.

 

O sexologista João Luis Borzino, da Clínica Sexualidade e Vida, de São Paulo, explica que o orgasmo é função do desejo e que sim, uma mulher precisa de motivos para desejar.

 

"Tudo na vida tem mais graça quando apresenta um clímax. O mesmo acontece com um filme, uma novela. Quando falta clímax, perdemos a vontade de ler ou continuar assistindo. O princípio é o mesmo quando se trata de sexo".

E quando o clímax não rola, a culpa é de quem? João Luis explica que a responsabilidade pelo orgasmo é individual e resultado é certo quando há entrega às fantasias. "Ninguém consegue fazer outra pessoa chegar ao orgasmo. É preciso se permitir o desfrute dos momentos de prazer com o outro".

 

Mas é lógico que há uma enorme confusão quanto ao assunto. "Os homens carregam o orgasmo feminino como um troféu. As mulheres, quando reprimidas, não desfrutam sua sexualidade de maneira absoluta, vivenciando tabus e preconceitos que as impedem de aprender a ter prazer e, assim, atingir ao clímax", explica o médico.



publicado por olhar para o mundo às 20:29 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Tracey Cox lista os erros sexuais mais comuns

 

 

A consultora de sexo Tracey Cox, conhecida aqui no Brasil por apresentar o programa "Inspetores do Sexo", lança o livro "Consultório Sexual" que traz dicas bem picantes para você esquentar a relação de vez.

 

Para os solteiros, a autora mostra que é possível ter uma vida sexual mais proveitosa e não se prender a antigos paradigmas.

Encontrar o príncipe encantado é o desejo de grande parte das mulheres, no entanto, criar expectativas exageradas sobre os relacionamentos amorosos e sexuais podem trazer frustração. Se você acha que nada está dando certo e decidiu abandonar a procura, não se desespere. Talvez poucos conselhos sejam suficientes para te colocar em campo novamente e, dessa vez, sem errar!

 

No livro, Tracey lista os erros mais cometidos e ainda ensina como deixar a relação mais prazerosa. Abaixo nós separamos algumas dessas gafes para você não fazer feio na hora H.

 

Ele 


Achar que têm um impulso sexual mais forte que o feminino
Achar que as mulheres querem sexo carinhoso em vez de sexo selvagem
Continuar apegados ao mito de que as mulheres só chegam ao orgasmo com penetração
Achar que as mulheres não são tão sacanas quanto eles
Pensar que todas as mulheres querem pênis enormes
Achar que a parceira vai ficar impressionada se houver muitas trocas de posição durante a transa

 

Ela 
Pensar que os homens estão sempre prontos e que sempre querem fazer sexo
Achar que a transa acabou depois que ele tiver ejaculado
Ficar preocupada demais com o próprio corpo durante a transa
Não perceber que sexo é mais do que só sexo para os homens

Não orientar o parceiro sobre como deve tocar o seu corpo
Reagir com escândalo sempre que ele sugereexperimentar qualquer novidade

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 09:26 | link do post | comentar

Domingo, 10.07.11

Em busca do Orgasmo

 

A descrição é quase sempre a mesma: a mulher atinge um pico de excitação, contrai o corpo e depois relaxa, como se estivesse numa montanha russa. Quem já atingiu um orgasmo, sabe o que essas palavras significam.

 

A anorgasmia pode ser de três tipos: primária, secundária e situacional. A primária corresponde à mulher que nunca teve um orgasmo na vida, nem com parceiro e nem commasturbação. A secundária é quando a mulher passa a não ter mais orgasmos por conta de algum evento: morte de ente querido, vaginismo, traumas. "E a situacional é quando a mulher atinge o orgasmo em determinados momentos. Ela pode ter prazer com um parceiro e com outro não", explica a psicóloga e terapeuta sexual, Imacolada Marino Tozo. E garante: "93% das mulheres que já passarem pelo meu consultório não atingem o orgasmo por questões emocionais."

 Porém, algumas mulheres não sabem o que é isso - ou não se conseguem mais viver esta sensação... é a chamada 

A terapeuta conta que os índices de anorgasmia são encontrados em mulheres na faixa que vai dos 15 aos 25 anos. "A falta de orgasmo se deve nem tanto à idade, mas à inexperiência, à falta de conhecimento do próprio corpo, do toque para conhecer as próprias zonas erógenas. As mulheres não são educadas para isso, diferente dos homens, que desde meninos são instigados a ir atrás das mulheres, a se tocar", comenta a terapeuta.

anorgasmia

Para a saúde, a falta de orgasmo não traz consequências negativas, mas para a qualidade de vida sim. "Cada caso é um caso, mas mulher anorgásmica costuma se sentir inferiorizada. Para reverter o quadro, antes de mais nada, é necessário se informar sobre o assunto. Se for uma anorgasmia secundária, deve tentar descobrir qual fato deu origem ao problema. Sem contar que a ajuda de um terapeuta sexual é sempre importante", diz Dra. Imacolada.

, ou seja, 

A grande confusão que as mulheres fazem é em relação à intensidade do orgasmo. "O que uma mulher sente é diferente do que a irmã e a mãe dela sentem. Parece que o orgasmo da vizinha é sempre melhor do que o dela. Há muita fantasia em cima do tema e, muitas vezes, essas mesmas mulheres têm o orgasmo e não sabem nomeá-lo. Por serem inibidas demais, duvidam da própria capacidade de sentir prazer", conta Dra. Imacolada.

ausência de orgasmo

E continua: "A qualidade do orgasmo varia de mulher para mulher. Tudo depende das expectativas e do grau de exigência que ela tem. E elas nem sabem que são multiorgásmicas, ou seja, que podem ter mais de um orgasmo em um curto espaço de tempo. Diferente dos homens, que precisam de um tempo bem maior para ter uma nova ereção."

.

Conforme a terapeuta, às vezes a preocupação em atingir o clímax do prazer é tão grande que ela se esquece de curtir o parceiro, a relação em si. "Para atingir o orgasmo a mulher precisa ter confiança, se entrega para o outro e desencanar. A ansiedade pelo orgasmo pode atrapalhar a relação sexual. Conhecendo o próprio corpo, ela consegue atingir o orgasmo", afirma.

 

Ela acha ainda que a visão da sexualidade nos dias de hoje pode ajudar a mudar este quadro. "a quantidade de mulheres anorgásmicas vai diminuir sim, mas por conta da liberdade que hoje elas têm para se expressar, de buscar ajuda, caso não atinja o orgasmo. Os homens começaram a ver com menos discriminação essas questões femininas".

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 23:49 | link do post | comentar

Quinta-feira, 30.06.11

 

Ideias eróticas para o impressionar

 

Um bom presente não deve ser necessariamente algo material. Um sexo diferente agrada aos homens mais que qualquer outra coisa nesse mundo. Selecionamos dicas que irão transformar todas as datas em momentos pra lá de especiais.

- Despertar erótico

 


Chegou o dia tão esperado e você tem duas alternativas para começá-lo bem: o acorda completamente nua ou aproveita para fazer massagens em suas partes "mais sensíveis". Não tenha dúvidas que ele irá entender de imediato o que deseja.

- Banho de relaxamento


Depois de uma dose de ação logo pela manhã, nada melhor que um banho. Mas para que não seja apenas mais um, é aconselhável que você prepare o terreno antes. Use óleos para massagens, muita espuma e uma esponja bem macia.

- Café da manhã caliente


Enquanto ele se arruma para o trabalho, prepare um rico e energizante café da manhã. Sente-se bem diante dele apenas com uma camisola sensual. Se insinue enquanto ele come. Pode ter certeza que ele ficará excitado.

- Um atraso justificado


Com tanta provocação, não será difícil fazê-lo se atrasar um pouquinho para seus compromissos. Ele estará com tanto tesão que não pensará nem um segundo sobre o que fazer. Aproveite, afinal, um sexo apaixonante atrás da porta de sua casa não se tem todos os dias.

- Mensagens safadas


Assim que a tarde chegar, escreva de forma discreta ou descaradamente mensagens onde você explica o que pretende fazer com ele quando reencontrá-lo. 

- Transa de luxo


Uma escapadinha para o motel não faz mal a ninguém, ainda mais em uma data especial. E não espere que ele tome a iniciativa. Surpreenda. Faça você o convite. Prefira os quartos que tenham decoração temática, assim é ainda mais fácil fugir da rotina.

- Rapidinha de impacto


Se você não tem tempo ou falta dinheiro para passar algumas horas no motel, pode optar por uma rapidinha improvisada no primeiro lugar que passar na cabeça de vocês. O banheiro de algum restaurante, o carro estacionado em um local escuro, dentro de um closet. Enfim, qualquer lugar é ideal para matar a sua sede por sexo.

- Jantar afrodisíaco


Já em casa, prepare um jantar afrodisíaco. Mas cuidado para não escolher uma comida muito pesada. E, além da refeição, brinque com ele o tempo todo. Use seus pés para fazer carinhos por baixo da mesa, solte olhares sugestivos e, logo depois da sobremesa, retire-o para dançar. Apague as luzes, acenda uma vela, sussurre no ouvido dele o que deseja e o resto é por conta dele.

- Surpresa erótica


Para fechar o dia com chave de ouro, realize uma de suas fantasias sexuais. Vale tudo, desde que o objetivo principal seja o prazer. Fazer sexo no telhado, fingir que são desconhecidos, brincar de professor e aluna... Use a sua imaginação e realize os desejos do parceiro. Esse tipo de atitude será, com certeza, o melhor presente da vida dele.

 

Via Terra



publicado por olhar para o mundo às 23:24 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 29.06.11

"Se o orgasmo é a pequena morte, será a masturbação o pequeno suicídio?". O fotógrafo Will Santillo foi descobrir, enquanto captava o clímax feminino. O resultado é o livro "La Petite Mort".

 


"La Petite Mort", ou em português, a pequena morte. É este o eufemismo usado pelo fotógrafo Will Santillo para dar nome a um livro onde o orgasmo feminino é o grande protagonista das imagens.

"Se o orgasmo é a pequena morte, será a masturbação o pequeno suicídio?". A pergunta surge na apresentação do livro da Taschen , que contou com a participação de 37 mulheres que se deixaram fotografar pelo artista canadiano enquanto se masturbavam e atingiam o clímax. Todas sobreviveram à "Petite Mort" e estão bem de saúde.

 


Via Expresso

 


 

 



publicado por olhar para o mundo às 19:55 | link do post | comentar

Segunda-feira, 27.06.11
Editora Globo

Só consigo chegar ao orgasmo sozinha, me masturbando. Como fazer para ter orgasmos também durante a relação sexual? – Adriana Figueiredo, de Parati (RJ)

 

Muitas mulheres se queixam de só conseguir ter orgasmos sozinhas. Mas quando pergunto a elas se costumam se tocar durante a relação sexual, a resposta é quase sempre “não”. Em seguida pergunto por que não se tocam, e elas justificam que é porque sentem vergonha dos parceiros. Acreditam que são obrigada a ter orgasmo pura e simplesmente com a penetração. É possível que este orgasmo aconteça? Sim. Contudo, precisamos de treino.


A dica é de que se toque sem medo e sem vergonha diante do seu parceiro. Proponha que ele a toque durante a penetração. Conversem bastante sobre o que é a vivência do sexo para vocês. Com certeza ele estará disponível a modificar o que é importante para que você também tenha seu orgasmo. 

Muitas mulheres aprendem a ter orgasmo clitoriano pelo simples fato de ser o local que podemos tocar durante o processo de aprendizagem e de auto-exploração corporal. Focamos no contato com a vulva e, basicamente, no clitóris. A parede vaginal é pouco explorada. Por causa disso, não aprendemos a ter orgasmos vaginais. 

Você tem todas as chances do mundo de ter seu orgasmo vaginal desde que modifique algumas coisas no relacionamento: 1) falando com o seu parceiro e explicando o que a estimula e 2) tocando-se junto dele. Se isso for muito complicado para você, busque ajuda em terapia de casal para que possam sentir-se bem e ter uma vida sexual melhor, ou seja, na qual os dois têm prazer.  

 

Via Marie Claire



publicado por olhar para o mundo às 19:40 | link do post | comentar

Domingo, 19.06.11

12 Segredos para melhores orgasmos femininos

 

Muitas andam tristes, pois acham que tem problemas para atingir o orgasmo. Algumas até sentemobrigadas a fingir na cama. Mas isso pode ser apenas questão de deixar as pressões de lado e utilizar a técnica certa. Aprenda aqui algumas infalíveis, sem injeções no ponto G ou implantar um chip, que envolvem conhecer os músculos, treinar o corpo facilmente, etc. Mas lembre-se, se você é brasileira, já é um bom começo

Tratamento faz mulher ter orgasmos por horas

1. Acerte os pontos quentes

Uma posição de fricção pode ajudar você a chegar ao orgasmo durante a relação. A mulher deve ficar acima para que o clitóris toque o osso pubiano do parceiro. Ou ela deve deitar-se de costas com um travesseiro sobre as nádegas. Elas podem até tentar utilizar um vibrador durante a relação, diz a Ph.D Laura Berman, professora de obstetrícia da Northwestern University (EUA).

- 9 Surpreendentes razões pelas quais você não tem feito sexo

2. Diga como se faz

“Os homens querem instruções”, disse Laura. Ela deve dizer se ele está no caminho certo, seja falando que está ótimo ou gemendo.

3. Aprenda sobre si

Você não pode dizer como se faz se você não sabe o que a excita. “Para fazer um treinamento corporal para ser orgástica, você deve masturbar-se”, disse Danielle Cavallucci, uma treinadora sexual da empresa de informações sexuais Sexuality Source.

4. Exercite a musculatura do orgasmo

“Os exercícios de Kegel são os clássicos para as mulheres que querem transformar orgasmos fracos em fabulosos”, disse a educadora sexual Dorian Solot. Para localizar esta musculatura na pélvis você deve parar, durante o ato de urinar, nomeio do caminho. Então os exercite enrijecendo-os e soltando (quando você não estiver urinando). Faça isso todos os dias, várias vezes ao dia. Não se esqueça de continuar respirando enquanto aperta a musculatura.

6 Maneiras de melhorar a vida sexual da mulher

5. Se arrisque

Pesquisas mostram que assumir comportamentos que busquem “adrenalina” juntos (seja escalar paredões ou apenas assistir um filme assustador) estimulam a dopamina no cérebro, o que faz com que seus fluídos circulem.

 

6. Atrase o prazer

“Quanto mais longo o período de excitação, maior a explosão”, disse Dorian. Chegue próxima do orgasmo e então retorne ao “banho Maria”. Repita isso algumas vezes antes do clímax.

7. Respirar em uníssono

Sexo tantra pode soar meio new age, mas seu princípio principal — focado na respiração — pode aumentar seu prazer. Parceiros que respiram simultaneamente podem frear a pressa do orgasmo e criar uma maior expectativa, o que pode intensificar o prazer.

8. Filmes eróticos

Pornografia é exclusivamente sobre grandes pênis e gargantas profundas. No entanto os livros e filmes eróticos podem ter bom gosto e ser excitantes, e quanto mais excitada, melhores as chances de orgasmo. Dê preferência para os filmes que tenham uma trama e cenas quentes.

9. Tente preliminares criativas

Se seu (a) parceiro leva mais tempo para “esquentar” adiante-se ao enviar e-mails ou mensagens de texto sensuais (mas não muito gráficas, pois os e-mails não são necessariamente privativos).

10.Verifique seus medicamentos

As mulheres tem maiores chances de tomarem antidepressivos, que podem atingir a vida sexual. Se estiver tendo problemas converse com seu médico sobre seus medicamentos.

11. Procure ajuda cedo

Se você não tem orgasmos, conselhos de um (a) profissional podem ajudar. Danos em nervos ou baixa testosterona podem ser o problema. Apenas “seu médico (a) pode fazer uma análise médica”, disse Laura, “ou pense em fatores da relação” e procure um terapeuta sexual.

12. Relaxe

Em um estudo recente feito na França com mais de 500 mulheres, 70% disse que estresse no trabalho comprometia a libido. E baixa libido, obviamente, leva a menores chances de orgasmo. Portanto deixe as distrações da vida na porta do seu quarto.

 

Via HypScience



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 17.06.11
Quadrinhos eróticos

Kamasutra - Milo Manara

 

Existe uma linha bastante sutil entre arte erótica e sacanagem. E são poucos os quadrinistas que sabem lidar exatamente com esse divisor imaginário, ou seja, desenham e escrevem sobre erotismo em quadrinhos sem cair na pornografia.

 

Isso através de diversos recursos, não apenas do texto. A forma do traço, a seqüência de imagens e ainda a transição de quadrinho a quadrinho também são fundamentais para atrair os leitores.

 

Um dos mestres nessa arte é Milo Manara, que nos induz a um olhar diferente sobre a sexualidade. Leitura essa mais sensível e próxima do que os super-heróis dos quadrinhos comerciais.

 

Em recente visita ao Brasil, o quadrinista trouxe pela Conrad Editora a quarta edição do clássico "Clic". Na história, Claudia Christiani é como nos outros exemplares a bela de corpo perfeito e rosto sensual. Recatada e reprimida sexualmente, ela é novamente vítima do doutor Fez, que através de um simples aparelho desperta a sua libido a faz liberar todos os seus desejos até então escondidos.

 

"Os quadrinhos eróticos são bastante underground (fora do circuito comercial) e tem uma linguagem explícita. Eu adoro os livros do Manara, desde a história, o roteiro e o traço. Li quarta edição do "Clic" e gostei bastante. Acho os quadrinhos dele um tanto machistas e retratam a mulher sob a ótica dos homens, pois a heroína é submissa aos cliques do personagem", opina Marcus dos Santos.

 

Manara explora através dos seus desenhos de corpo sensuais personagens que se rendem a várias práticas sexuais, entre elas, o bondage, o sadismo e o voyeurismo. Através de um traço simples, e com riqueza de detalhes que impressiona muitos de seus fãs, o artista italiano explora o erotismo para mostrar o que o há de mais humano na sociedade, ao mesmo tempo mais reprimido

 

Quando esteve no Brasil, Manara disse durante o lançamento da sua exposição "Uma Vida Chamada Desejo", que ficou em cartaz no espaço cultural Oswald de Andrade, que os quadrinhos eróticos não têm o recurso de outras artes, com trilha sonora e movimentos, por isso precisa trazer aos seus personagens seus desejos e fantasias, como acontece em "Kamasutra", também lançado pela Conrad recentemente. Nesta obra, o enredo gira em torno das duas amigas que precisam se livrar da destruidora Kali. Para tanto elas deverão praticar todas as posições do livro milenar hindu, o Kama Sutra. Nessa safra de artistas que utilizam a beleza da nudez feminina nas tirinhas há também outro cartunista também bastante admirado. Trata-se de Robert Crumb, que veio ao Brasil esse ano para a Flip 2010 (Feira Literária Internacional de Paraty). Um dos seus mais recentes livros é "Meus problemas com as mulheres", uma obra autobiográfica que mostra várias histórias sobre a presença feminina na vida do autor, com destaque para as musas de pernas grossas, uma de suas marcas registradas. Mas a presença feminina não está somente nos desenhos, entre os artistas há também a italiana Giovanna Casotto. Suas personagens provocantes são criadas através de fotos dela mesma. A quadrinista cria os desenhos com base em fotografias que tirou nua durante o sexo. A partir dessas fotos saem mulheres maquiadas e com os pés e mãos pintados, baseadas nas pin-ups dos anos 50. Sem pudores, a também arquiteta traz para o desenho vários ângulos do próprio corpo, ilustrações bastante realistas, que podem ser vistas na segunda edição de "Giovanna" (Editora Conrad). leia também Diário Erótico Dicas de livros para esquentar o sexo O título traz dez narrativas curtas em torno da sensualidade e do fetiche, com enfermeiras, donas de casa, empregadas e assaltantes, entre outras. As personagens deixam a imaginação voar nas várias poses sexuais que desafiam a imaginação. E como mulher, a artista não traz a submissão feminina ao enredo dos quadrinhos, pelo contrário, são elas é que ditam as regras na hora do sexo. "Minhas histórias têm inspiração em meus sonhos, no que gostaria de experimentar e no que já experimentei", completa a autora.

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 19:08 | link do post | comentar

Terça-feira, 07.06.11

Masturbação aprimora o prazer sexual e faz bem ao corpo

 

A palavra masturbação deriva de manustupração (manus = mão e stupratio = ação de sujar, macular, manchar. Ou do latim masturbatio, ou talvez do grego mastropeuein que significa prostituir.

 

"A masturbação é sempre muito carregada de culpa e medo. Mas essa prática pode ser muito benéfica ao corpo, ao prazer e à própria sexualidade das pessoas"

 

É importante saber que não existe nada de verdadeiro nos mitos de que a masturbação possa ocasionar doenças físicas, dor de cabeça, ou que venha a causar miopia, pelo na mão, espinhas, loucura...

Essas histórias de doença, sujeira e pecado começaram há muito tempo atrás, lá em Israel séculos antes de o Cristo chegar. Naquela época, Israel era um povo que necessitava fortalecer fronteiras, pois estavam em meio a povos politeístas que adoravam Deusas e Deuses altamente sexuados, e eles eram monoteístas, adoravam um Deus único, macho, e tinham a crença na origem do mundo como sendo fruto de um sopro divino.

Nessa época, a sexualidade deixou de ser vivida como algo sagrado e todas as práticas sexuais que não propiciassem a procriação passaram a ser reprimidas e passíveis de punição.

Aí começa uma grande repressão às práticas homossexuais e à masturbação. Ainda hoje encontramos uma série de mitos que muitas pessoas, apesar das descobertas científicas, ainda tendem a acreditar ou a temer que possam ser verdadeiras. Aqui vão elas:


Oito mitos sobre a masturbação


1ª) Pessoas casadas não se masturbam
2ª) Você pode ficar viciado na masturbação
3ª) Pessoas idosas não se masturbam
4ª) Masturbação é um sinal de homossexualidade 
5ª) Masturbação é para pessoas que não tem parceiros 
6ª) Excesso de masturbação faz com que o homem fique com falta de esperma 
7ª) Masturbação é sinal de doença emocional
8ª) Masturbação é sinal de que a pessoa é incapaz de manter relações sexuais


Prática da masturbação é benéfica 


Como podemos ver, a masturbação é sempre muito carregada de culpa e medo. Mas essa prática pode ser muito benéfica ao corpo, ao prazer e à própria sexualidade das pessoas.


Aproveite!


Entrar em contato com o seu corpo através da masturbação, é uma das maneiras de estimular o prazer e a própria sexualidade; não restringindo esse momento a uma erotização só no pênis e vagina.

Os homens têm uma focalização das sensações eróticas no pênis, não só nos momentos de masturbação, mas também na hora da transa. Aprender a acariciar seu corpo, descobrir novas sensações, nesse grande órgão de prazer que é a sua pele, pode ser uma atividade muito satisfatória. Aliás, esse é um exercício que muitas vezes temos que recomendar em terapia sexual para pessoas que têm pouca intimidade com o próprio corpo, descobrir novas sensações e prazer.


Hora do banho: ocasião perfeita


Você pode começar por um banho, não é aquele banho "rapidinho", aproveite esse momento, com calma, para experimentar diferentes sensações. Comece usando uma bucha vegetal, explore as sensações que você pode tirar do seu corpo. Afinal, como já disse, a masturbação não precisa envolver só a genitalia e, quanto mais você aprender a sentir seu corpo, mais prazer vai poder tirar desse momento de intimidade. Explore a região do ventre, a parte de trás das coxas, nádegas, ombros, pescoço, ou a região peitoral. O grande prazer é de descobrir as sensações do corpo todo. Aproveite a sensação de enxaguá-lo e sinta a água cair.


Continuando...

 

Passe no corpo um creme. Pode ser um hidratante que você goste. Nos dias mais frios, um óleo tem um toque mais agradável (pode ser esses óleos bifásicos ou um óleo de amêndoas). Há ainda aqueles que preferem o toque do talco.

Use e abuse desses momentos para sensibilizar seu corpo e não restringir a prática da masturbação a um exercício localizado na região genital, mas para aprender a desfrutar do seu corpo como um todo. Divirta-se!

Via UOL


publicado por olhar para o mundo às 21:49 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 25.05.11

Conheça o poder da lingerie sensual

 

Mulheres em geral adoram a beleza e sofisticação de lingeries sensuais. Peças em renda, com cortes minúsculos, detalhes em veludo, cetim, estampas provocativas são alguns dos detalhes que fazem parte deste importante aliado patra sedução.

 

Mais do que despertar os desejos do seu parceiro, a lingerie sensual tem um papel importante na auto-estima da mulher. Usando uma lingerie bonita a mulher se sente mais solta e ainda mais mulher, tornando a relação com seu parceiro ainda mais prazerosa.

 

Na hora de escolher uma lingerie o mais importante é que você goste dela e se sinta bem usando-a. As cores são variadas mas as mais encontradas são a branca, preta e vermelha.

 

Se você estiver um pouco acima do peso não se sinta inibida na hora de usar lingerie. Ela embeleza todo tipo de mulher e com certeza fará muito bem para você.

 

Um outro quesito importante e torna-se um ótimo aliado à lingerie sensual é o cenário. Capriche e decore o ambiente com velas, rosas, aromatizantes e deixe sua noite ainda mais sensual e romântica.

 

Via Dicas de Mulher



publicado por olhar para o mundo às 16:40 | link do post | comentar

Domingo, 22.05.11

Dicas, livros para apimentar o sexo

 

Você tem vergonha de ler algo sobre sexo? Gosta de romances “apimentados”?


Quando seu relacionamento não vai muito bem, pensa em ler para se inspirar e descobrir novas histórias?

Esse tipo de leitura é tão antiga quanto a literatura, mas mesmo com o passar dos anos, ainda existe um tabu sobre o hábito de ler sobre sexo. Segundo psiquiatras, os livros que tratam do tema desmistificam e podem até deixar a leitora mais solta.

 

E por que não experimentar?

 

De acordo com a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do projeto de sexualidade da USP, existem obras excelentes para estimular as mulheres, que vão desde a pornografia até o leve erotismo. Porém, Carmita alerta para a existência de livros ruins. “Não é o fato de ser literatura sexual que precisa falar sobre pornografia”, diz ela.

 

Uma boa dica para quem quer começar a ler histórias picantes é o livro “A casa dos Budas Ditosos”, de João Ubaldo Ribeiro. Provocador, o escritor conta a vida de uma senhora que desde jovem experimenta várias aventuras sexuais. Uma homenagem sugestiva para as mulheres.

 

Outra dica é o livro de poemas do autor Carlos Drumonnd de Andrade “O Amor Natural”, considerado o mais ousado do poeta. Com ele, o leitor se entrega ao amor de uma forma pornográfica e bem picante.

 

Já o romance “Lolita”, de Wladimir Nabokov, chegou a ser rejeitado por várias editoras por conter uma forte história de amor entre um professor já maduro e sua aluna de apenas onze anos.

 

A polêmica escritora Cassandra Rios também deixou obras fortes e sensuais, focadas na maioria das vezes no lesbianismo. Entre elas estão “A paranóica” e “Volúpia do pecado”.

 

“Amante de Lady Chatterley”, de D. H.Lawrence, é outro livro forte e cheio de histórias picantes. De maneira elegante, o autor convida as leitoras a viverem um caso de adultério extremamente sensual.

 

Faça a sua lista de leitura para os próximos meses e bom proveito, em todos os aspectos !

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 10:07 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.05.11
Entre quatro paredes vale tudo


Sexo não é tabu para todo mundo não! E essa história de que entre quatro paredes vale tudo não é clichê. Há muita gente por aí que deixou de lado o padrão do certo e errado imposto pelas gerações passadas e não tem mais medo de revelar o que gosta e o que não gosta, o que quer e o que não quer fazer.

 

Mas desde que seja entre quatro paredes...

 

Ana é publicitária, tem 30 anos e já começa dizendo que não lembra quantos anos tinha quando se masturbou pela primeira vez. "Faço isso desde que me conheço por gente", revela. "Sozinha, com suas fantasias e a garantia absoluta de que mais ninguém saberá o que aconteceu é o cenário perfeito para transar com você mesma, conhecer seu corpo, seu ritmo... se descobrir".

 

A publicitária afirma que, às vezes, curte uma coisa mais selvagem, com tapas e palavrões, e outras vezes curte algo mais romântico, lento e com voz baixa. "Não há porque fazer um manual do sexo. É necessário se conhecer para saber respeitar os seus limites e o seu tempo. Mas sem preconceito, ansiedade ou culpa. O que vale sempre é gozar e ver o outro (ou os outros) gozar".

 

Eduarda, artista plástica de 29 anos, acredita entre quatro paredes vale tudo, tudo mesmo. "Uma vez fui ao motel com um casal de amigos (casados). Confesso que foi alucinante, diferente, mas não sou lésbica e nem gosto de mulheres", afirma. "Nós usamos fantasias, brincamos com a mente dele, fizemos sexo com ele, o seduzimos e o deixamos se sentir o cara, já que estava transando com duas!", conta.

 

Para quem não quer inovar tanto, a artista plástica dá outras dicas: "Acho que podemos brincar com a mente dos homens, como contar histórias quentes de algum casal conhecido e imaginar diferentes situações - sexo junto com eles ou somente com ela - enfim, aonde a imaginação chegar!", conta. "Assistir a filmes pornôs na hora do ato deixa o homem excitado na maioria das vezes", sugere.

 

Marcela Vieira, estudante de 19 anos, disse que vale variar de posições e apostar em fetiches, como algemas, chicotes, fantasias, máscaras e camisolinhas sensuais. "Outra opção são as brincadeirinhas tipo os dadinhos", completa. Ah, e nem pense que a diversão com doce de leite é coisa de BBB não. E mais: dá para incluir um bom toque de romantismo.

 

"Uma vez meu namorado fez uma surpresa no motel. Fui ao banheiro e ele me trancou lá. Quando abriu a porta, havia um caminho lindo de flores, com morangos, leite moça, doce de leite... Brinquei muito com esses docinhos", lembra feliz.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 12:40 | link do post | comentar

Terça-feira, 03.05.11

sexo e fantasias

 

São desejos ou impulsos exteriorizados inicialmente através da imaginação onde muita coisa é permitida e pouquíssima censura faz parte desse enredo. Algumas até não poderiam passar pelas fronteiras da imaginação pois seria quase um absurdo e um abuso colocá-las em prática. Quem sabe a medida normalmente é o dono de tal fantasia e o senso crítico consigo e com o outro em experimentar nova alternativa. 

Assim, muitas delas são transformadas em realidade e outras tantas servem de estimulo para o relacionamento sexual ou porque a relação está morna ou porque tem-se vontade de incrementar um pouquinho mais. 

Dessa forma, sua função principal nada mais é do que permitir que certos desejos sexuais de difícil satisfação para a realidade, possam se realizar. 

Muitas das fantasias são ousadas do jeito que são pois ignora os limites que ela encontraria do outro lado de qualquer cabeça: a aids e seu risco, a mulher do melhor amigo, normas, moral, censuras... Tudo isso vai pro espaço! 

Por isso mesmo, talvez seja tão perigoso e arriscado colocar todas as fantasias em prática. Querer nem sempre é poder e às vezes mais saudável é quem percebe essa barreira e não se machuca ultrapassando os limites do que acha que seja válido dentro de uma relação. 

Ou seja, pense antes de agir. Use o senso crítico e avalie as conseqüências. Caso surja sinais de alerta, contenha-se pois pode ser melhor que a fantasia continue no imaginário pessoal. Se o sinal estiver verde, pode seguir em frente e libere-se para por em prática o que antes fazia parte do virtual. 

Imaginação e responsabilidade, duas palavras que combinam perfeitamente em qualquer contexto.

Retirado de Spiner



publicado por olhar para o mundo às 18:55 | link do post | comentar

Sábado, 09.04.11

Orgasmo clitoriano x vaginal

 

Pesquisas revelam que não existe diferença entre o orgasmo produzido pela estimulação da vagina e o produzido pela estimulação do clitóris.

 

Assim, o orgasmo pode ser alcançado pela manipulação ou fricção do clitóris namasturbação e no sexo oral (não dependendo da penetração), pela penetração na vagina e por uma combinação de penetração e fricção do clitóris.

 

Cada mulher deve seguir o seu caminho. Oprazer sexual varia de um prazer para o outro, dependendo de como os dois se encaixam fisicamente, e também na posição usada na hora do ato sexual. O pênis em geral recebe estímulo direto, ao passo que o do clitóris é indireto, no momento da penetração. Para algumas mulheres, esse estímulo indireto é suficiente para excitá-las e fazê-las chegar ao orgasmo, mas para outras, é preciso um estímulo adicional, isto é, estímulo direto da área clitoriana na hora da penetração.

Mesmo que muitas mulheres necessitem desse estímulo, há muitas que pensam, assim como os parceiros, que isso é anormal ou errado. A maioria das mulheres são ensinadas que a vagina é o seu órgão sexual básico, sua maior fonte de prazer sexual. Em geral, em nossa sociedade, as mulheres não sabem o que é o clitóris, onde ele se localiza ou para que existe. Assim mesmo que o clitóris seja muito mais sensível que a vagina, sua existência tem de a ser ignorada no desenvolvimento sexual da mulher. A mensagem que em geral recebemos, é que o clitóris não tem importância nenhuma para uma boa relação sexual, e que se nós gostarmos das sensações clitorianas é porque existe algo errado em nós.

Compreenda que, ao deseja estímulo no clitóris durante a relação amorosa, você está apenas pedindo o mesmo tipo de estímulo que dá prazer ao parceiro durante o ato sexual porque, nesse momento, ele recebe estímulo na área mais sensível de seu pênis (glande). Portanto, é natural que você também receba estímulo direto em seu clitóris, por ser sua área mais sensível.

Na ocasião em que você não desejar esse tipo de estímulo adicional durante o ato, é bom que você se deixe excitar bastante, antes de começar a penetração. Uma maneira que muitos casais descobriram de provocar o orgasmo durante o ato sexual é a seguinte: depois que a mulher fica bem excitada - quase a ponte de ter o orgasmo - o homem começa a penetração, fazendo movimentos bem rápidos ou fortes e profundos. A mulher, então, dirige com as mãos o ritmo e a profundidade dos movimentos do parceiro.

Se você ainda sente que gostaria de experimentar um orgasmo sem precisar sempre de um estímulo manual, experimente o seguinte: fique bem excitada com outras formas de estímulo ( manual, oral, masturbatório), e, depois da penetração, diga ao parceiro, quais são os movimentos dele que mais a agradam. Fique numa boa posição, na qual você possa usar as mãos para conduzir os movimentos dele e, ao mesmo tempo, deixe livre o seu quadril para movê-lo de acordo com suas necessidades.

No começo, você poderá perder um pouco da excitação, durante os breves segundos em que trocar o estímulo direto pelo indireto no instante da penetração. Não se preocupe com isso, porque uma vez tendo chegado e permanecido por algum tempo num nível de alta excitação, o corpo leva um tempo bem maior, para voltar a um ponto de não excitação. Assim, pode ser que você sinta que a excitação foi embora, mas na realidade o seu corpo ainda está excitado.

Outra forma de você conquistar prazer diretamente com o estímulo da penetração é, primeiro, chegar a um nível bem alto de excitação estimulando o clitóris. Quando estiver bastante excitada, bem perto do orgasmo, interrompa o estímulo adicional e, mais uma vez, conduza os movimentos do parceiro, para que o vaivém dele a estimule melhor da melhor forma possível. Se isso der certo, para você, com o correr do tempo, vá deixando de lado o estímulo manual, cada vez mais no começo da relação. Com o tempo, você aprender a ter um prazer maior só com a penetração, embora, sempre você poderá querer e precisar de algum estímulo de toda a região clitoriana, no começo.

Decida o que você quer. O prazer é seu. Você é quem decide. Não importa qual é o estímulo, direto ou indireto, se o orgasmo é vaginal ou clitoriano. O mais importante é dar e receber prazer. Aceitar os desejos sexuais do outro, quaisquer que sejam.

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 07.04.11
Massagem tântrica pode resolver problemas sexuais

 

Ejaculação precoce, impotência sexual, frigidez e falta de libido são trabalhados em terapia sensorial

O tantrismo é uma filosofia comportamental que, por ser baseada na sensorialidade, no ocidente é bastante relacionada ao sexo.  Segundo o terapeuta corporal José Pedro Vianna Zereu, ela engloba vários aspectos da vida do ser humano e, entre eles, está a sexualidade.

Utilizando ensinamentos do tantrismo, algumas terapias alternativas são utilizadas com o intuito de que o homem busque o autoconhecimento justamente através da sensorialidade. Uma destas é a massagem tântrica.

— É uma massagem sensorial e não muscular, ou seja, ela não vai curar dores. O objetivo é que a pessoa entre em estado de meditação através do sentido do tato, de um toque sutil — esclarece José Pedro.

De acordo com o terapeuta, apesar do tato ser o sentido foco desta terapia, aposta-se também na indução de emoções através de óleos. 

— A sessão de massagem dura uma hora, mas antes, durante cerca de 15 minutos, conversamos com a pessoa para entender exatamente o que ela procura e, conforme for, usamos, por exemplo, um óleo de lavanda para acalmar.

A terapia tântrica, além de induzir a um estado de meditação, ajuda pessoas que têm problemas relacionados ao sexo, como ejaculação precoce e impotência nos homens, e frigidez e falta de libido nas mulheres.

— A massagem considera o corpo como um todo, sem diferenciar as suas partes.  Quanto mais a pessoa estiver disposta a receber a terapia, mais ela vai se autodescobrir e poder alcançar seus objetivos — revela José Pedro.

Segundo ele, a maioria dos pacientes que procura a massagem são homens, mas qualquer um pode fazer, inclusive casais.

— A massagem é indicada também para casais que estão há bastante tempo juntos e querem se redescobrir.

 

Via BEM-ESTAR
 


publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quarta-feira, 06.04.11

Fantasias são saudáveis e apimentam a vida sexual

 

Qual mulher nunca sonhou em ser conduzida a uma noite inesquecível de amor e desejo por seu príncipe encantado? E não é preciso parar por aí. Dá para aproveitar e pensar no vestido vermelho que estaríamos usando, o jantar à luz de velas, a sacada com vista para o mar, e por que não, ir à loucura em uma noite de núpcias sob o luar. Fantasias revelam vontades e é preciso sonhar para poder realizar. 

A psicoterapeuta e sexóloga Magda Gazzi é uma incentivadora da criatividade sexual feminina. "Estudos tem nos mostrado que, quanto maior a capacidade de fantasiar das mulheres, maiores serão suas sensações eróticas e melhores seus orgasmos. As fantasias liberam as pessoas, e, no caso as mulheres, dos antigos preconceitos e armaduras protetoras e repressoras que sempre afligiram a sexualidade feminina", diz a especialista. 

Magda afirma que apesar de ter se acreditado muito tempo que as mulheres reduziam seu universo erótico a sonhos caseiros, agora sabe-se que 71% das mulheres têm fantasias eróticas durante a relação sexual. A masturbação seria um momento propício para descobrir novos  cenários e brincar com o imaginário. "Quando se sonha acordada, as fantasias geralmente são mais elaboradas, com maior número de elementos para compor ambiente, lugares exóticos e enredos diversos", explica a especialista. 

No entanto, segundo o terapeuta e médico vibracional Eduardo Navarro, as fantasias sexuais seriam naturais em pessoas que estejam sozinhas e que anseiam por uma companhia. "Fantasiar estando com outra pessoa ao lado pode demonstrar insatisfação", diz. Mais do que isso: fantasiar excessivamente também pode ser um sintoma da compulsão sexual. 

Magda alerta: "a compulsão sexual costuma se manifestar com fantasias que invadem a cabeça da pessoa, dos quais ela não consegue se livrar. Essas pessoas vivem uma grande ansiedade, demonstrada por esses pensamentos, que acabam se transformando em excitação sexual". Mas para que a compulsão sexual seja comprovada em um diagnóstico é necessário no mínimo um prazo de seis meses com a permanência desse comportamento. 

A diferença entre o saudável e o nocivo mora sempre no equilíbrio. As melhores fantasias são as que podem ser compartilhadas sem magoar seu companheiro. São as fantasias que devem servir a você e não o contrário. "O bom da fantasia é exatamente essa possibilidade de transgredir, ou seja, ela dá liberdade para experimentar várias situações sexuais, além dos limites da realidade", complementa a especialista. (Fonte: Minha Vida, Saúde Alimentação e Bem-estar) 

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 04.04.11
As fantasias sexuais dos Portugueses

Dominação, sexo com desconhecidos, ou em público, ou na Igreja: há fantasias sexuais para todos os gostos. Que o diga a autora que reuniu os testemunhos eróticos de 100 portuguesas.

 

Engana-se quem pensa que a típica fantasia sexual feminina se fica por idílicas noites de amor em areais desertos à luz do luar. Aliás: não existe típica fantasia sexual feminina. Há quem fantasie com sexo forçado, quem goste de dominar o parceiro ou de sexo em grupo.

O universo erótico feminino é tão complexo e multifacetado que chega a espantar. Estas foram as conclusões a que chegou a jornalista e escritoraIsabel Freire, autora de ‘Fantasias Eróticas - Segredos das Mulheres Portuguesas' (Esfera dos Livros) um livro que tenta desvendar os segredos do universo erótico feminino.

 

"Os sexólogos dão muita importância às fantasias sexuais", observa. "Sabemos que mesmo as paixões avassaladoras não mantêm a mesma intensidade para sempre. Por isso, ou a mulher opta por viver paixões umas atrás das outras ou arranja ferramentas, como recorrer à fantasia, que podem produzir o mesmo efeito em relações longas. Este livro serve para mostrar que as fantasias sexuais não são uma coisa feia, má ou medíocre."

 

"Não queria fazer uma caderneta de cromos"

"Entendi este trabalho como uma grande reportagem", explica Isabel, que já tinha investigado o mundo das orgias nos ‘quartos escuros' clandestinos das saunas masculinas. O desafio foi lançado por e-mail e no blog que Isabel criou, o ‘Sexualidade Feminina', no qual pedia que lhe respondessem a um questionário de 60 perguntas. Dezoito testemunhos foram recolhidos por entrevista, frente a frente.

 

"Eu própria respondi ao questionário e percebi que era duro", confessa.

 

No final, tinha mais de mil páginas de material. A mais velha das entrevistadas tinha 58 anos; a mais nova, 16. "Sabia que não queria fazer apenas uma caderneta de cromos. Interessa também saber o que há atrás da fantasia." Por isso, pediu a colaboração de especialistas em sexologia, que explicaram práticas, fantasias e termos técnicos. "No livro há mulheres virgens, outras com uma sexualidade muito exuberante, outras que confessam ter muito pouca libido. O que as liga é uma vontade de se conhecerem a si próprias. Maioritariamente, têm formação superior e uma boa relação com as novas tecnologias e computadores. Mas há quem tenha respondido por carta escrita à mão, em pequenas localidades."

 

"Gostaria de experimentar um ménage à trois"

Isabel constatou que o número de mulheres bissexuais no seu livro chegava aos 15%, enquanto que as homossexuais ficavam pelos 10%. "Espantou-me. A bissexualidade é maior entre as mulheres. Mas ainda há muitas heterossexuais que me dizem ‘sou heterossexual até à data, mas concebo que outra mulher me seduza para uma relação erótica ou afectiva'", diz Isabel. Exemplo disso é a quantidade de entrevistadas que dizem fantasiar com uma situação de sexo a três, com um homem e outra mulher - ou até com dois homens. "Os especialistas dizem que as mulheres têm muita facilidade de erotizar as relações porque não centram tanto as relações na genitalidade. Para as mulheres o erotismo não passa só pelo corpo bonito e sedutor", observa Isabel.

Dominadoras e dominadas

Um clássico do imaginário sexual, e que merece o seu próprio capítulo no livro de Isabel, são as fantasias sadomasoquistas, em que várias mulheres referem excitar-se com a ideia de serem usadas como mulher-objecto ou, pelo contrário, dominarem sexualmente o parceiro. Mas pode fantasiar-se à vontade sem que nunca se tenha vontade de usar o chicote ou ser açoitada pelo namorado, como realça a psicóloga clínica Patrícia Pascoal, citada no livro.

Quem passa à acção sabe que o deve fazer com alguém de confiança e, normalmente, opta por práticas mais ligeiras, como ser algemada, vendada, beliscada, mordiscada ou por usar linguagem obscena. "Podemos perguntar como é possível que uma mulher que se diz independente e defensora dos direitos das mulheres, tenha a fantasia de ser mulher-objecto", observa Isabel. "Mas a fantasia é o espaço de liberdade maior e de possibilidade de transgressão absoluta.

O desejo também nasce da transgressão." Neste capítulo pode ler-se o testemunho de uma dominadora confessa. "Uma mulher contou-me que não se deixa penetrar, só penetra, e que gosta de usar um strap on dildo [pénis artificial preso a um cinturão] para penetrar homens e mulheres. E, por acaso, tem uma sexualidade mais bem resolvida. Tem um parceiro que até gosta daquela circunstância."

"Gostaria de ter sexo em público"

Neste caso a excitação é desencadeada pelo stress de ser apanhado em flagrante ou pela ideia de que outras pessoas - alguns dos testemunhos mencionam mesmo a palavra ‘multidão' - observem os actos sexuais praticados. Isabel cita um estudo levado a cabo em 20 países por uma editora, a Cora Publishing House, onde se concluiu que os maiores adeptos eram os noruegueses: 66% diziam ter sexo em locais públicos. As suas entrevistadas também relatam fantasiar com esta situação... e pô-la em prática em vários locais: no cinema, no chão de um bar depois da hora de fecho, na casa de banho do dentista, no escritório do companheiro, no campismo ou na praia, dentro de água.

"A minha fantasia é adormecer nos braços de alguém..."

Isabel Freire afirma que o capítulo consagrado às fantasias românticas é o que custa mais a ler. "Foi aquele em que mais situações traumáticas foram relatadas: anorexia, bulimia, violações consumadas, tentativas de violação, abuso sexual na infância."

Aqui, as mulheres idealizam romances em ilhas tropicais, sexo terno na praia, dentro de uma piscina. "São fantasias idílicas, pouco elaboradas ou transgressivas, nalguns casos vividas com muita excitação. Nestas fantasias o filme é romântico, o envolvimento é sentimental, os corpos são belos, sensuais e tudo é quente como no paraíso", escreve Isabel Freire no seu livro. São primeiros passos tímidos na imaginação erótica, onde nada é perverso ou penalizante.

Particularmente tocante é o relato de uma seropositiva com mais de 40 anos, que relata uma vida sexual bem recheada e cheia de alegrias. Hoje, luta contra a sida e as fantasias mudaram. "Actualmente, do que sinto mais falta é do afecto, da ternura, do carinho. A minha fantasia adormecer nos braços de alguém. Ter um homem que me beije e me acaricie. Dançar encostada ao som da música. Tudo se tornou mais básico", pode ler-se.

Por tudo isto, ‘Fantasias Eróticas' tem o efeito quase terapêutico de pôr as leitoras a pensar na sua sexualidade e vida afectiva. Isabel continua a receber testemunhos, mesmo depois do livro estar editado e sem projectos para um novo volume. Para já, corre o risco de ter o maior acervo nacional sobre o imaginário erótico feminino.

 



publicado por olhar para o mundo às 21:16 | link do post | comentar

Domingo, 03.04.11

Fantasia sexual

 

Uma das maneiras mais gostosas e interessantes de se apimentar a relação é fazer uso das fantasias sexuais. O objetivo é liberar a criatividade do casal, colocando um fim na rotina, além de ajudar muito a mulher a descobrir sua sensualidade, colocando para fora a deusa do sexo existente em toda mulher.

O que é uma fantasia sexual? A fantasia sexual pode ser entendida como sendo um conjunto de imaginações referentes a sexo que trazem estímulos para o prazer. São representações mentais, em que a pessoa se vê protagonista de situações que a estimulam e despertam os seus desejos mais ardentes.

Segundo Joseph LoPiccolo, autor do livro “Descobrindo o Prazer”: “A fantasia sexual é um meio de envolver o corpo e a mente para o prazer sexual”. Por que é bom ter fantasias sexuais? São indispensáveis para a relação, pois têm grande capacidade afrodisíaca e servem de estimulantes para a relação sexual.

As fantasias sexuais ajudam a potencializar a sexualidade trazendo formas novas de viver a relação; ajuda na busca de um prazer maior; estimula as idéias sobre situações; ajuda no modo de se produzir tornando-se mais atraente e se sentindo mais segura. Tudo isso acaba melhorando a auto-estima do casal. Eles se tornam cúmplices um do outro e se tornam cada vez mais íntimos, melhorando muito o relacionamento.

Segundo especialistas, as fantasias sexuais quando bem aproveitadas ajudam a desenvolver a sexualidade e permitem que as pessoas desafiem tabus.

Segundo pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana (SBRASH), com 200 homens e 832 mulheres entre 16 e 59 anos, todos têm fantasias sexuais. É inerente ao ser humano, independente de idade. São reflexos saudáveis das necessidades e desejos não satisfeitos por imposições e repressões de uma sociedade conservadora.

Geralmente as fantasias masculinas dão ênfase ao contato erótico e na relação sexual em si. As fantasias que traduzem o desejo de sexo são as preferidas pelos homens. E traduzem sempre a afirmação da masculinidade, ou seja, “o ser bom de cama” , “o máximo”.

Segundo a pesquisa feita pela SBRASH, as fantasias preferidas dos homens são:
- Transar com duas mulheres ao mesmo tempo; (47%)
- Fazer sexo com mulheres famosas; (21%)
- Fazer sexo em grupo;(12%)

Enquanto o homem se excita com algo que se relacione diretamente com o sexo e o poder masculino, a mulher é mais romântica, ela vai ligar a fantasia a lugares e situações românticas.

Mesmo a mulher bem sucedida profissionalmente, a mulher moderna, deseja ser amada e se imagina em situações cheias de amor e desejo. Geralmente as fantasias femininas dizem respeito aos respectivos parceiros. Até nas fantasias as mulheres são mais fiéis aos sentimentos.

A pesquisa revelou que as principais fantasias femininas são:
- Fazer sexo em lugar romântico (cabana, praia, lago) – 36%
- Fazer sexo com homens famosos – 24%
- Fazer sexo dominada pelo parceiro – 13%

Não importa qual seja a sua fantasia, o importante é respeitar seus limites. Se o casal estiver bem sintonizado a fantasia vai funcionar muito bem. Agora se o parceiro ou parceira não concordam, pode ser frustrante. Por isso o casal precisa estar sempre dialogando sobre o que é bom para os dois, inclusive o local para realização da fantasia.

Quando o assunto é sexo em lugar inusitado, o elevador é campeão. Embora haja situações mais apimentadas, também a prática cotidiana, como lugares diferentes na própria residência também podem ser uma ótima fantasia.

Não importa qual seja a sua fantasia sexual, o importante é vivê-la da melhor maneira possível.

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:07 | link do post | comentar

Sábado, 02.04.11

Os riscos do sexo anal

 

A penetração anal mexe com a fantasia dos homens, mas ainda é tabu para muitas mulheres.

 

Quando a parceira não está relaxada ou com vontade de praticar esse tipo de sexo, pode sentir dores e afugentar de vez o prazer.

 

E para quem não sabe, o sexo anal pode ser a porta de entrada para doenças graves. "Quem pratica este ato sem o uso de preservativo pode contrair HIV, Hepatite B e C, sífilis, herpes e HPV. Isso porque o ânus é um local com pouca lubrificação, aumentando o atrito e fissuras", explica Dra. Carolina Ambrogini, ginecologista, sexóloga e coordenadora do Projeto Afrodite, ambulatório de sexualidade feminina da UNIFESP.

O cuidado com a higiene pode ajudar a reduzir o número de infecções. "Se o casal fizer sexo anal, precisa trocar a camisinha antes de fazer o sexo vaginal, para que a mulher não se contamine com as fezes. Caso contrário, ela pode ter corrimentos e até problemas no útero", alerta Dra. Carolina.

A médica aproveita para derrubar certos tabus. Por exemplo, sexo anal não provoca hemorróida. "Porém, se ela já existe, a penetração pode complicar ainda mais e originar sangramentos", esclarece. O ato também não provoca incontinência, mas se a mulher introduzir objetos muito longos e pontiagudos no ânus, corre o risco de perfurar o reto. "É importante ressaltar que o pênis não causa este tipo de lesão", diz a especialista.

A mulher que possui alguma doença na região anal, sente dores ou sangramentos deve evitar este tipo de penetração. "O sexo anal também não é indicado quando a mulher está com diarréia, porque vai potencializar o problema, ou com intestino preso, uma vez que as fezes estão mais duras e compactadas, podendo causar dores".


Para diminuir o desconforto, a Dra. Carolina indica o uso de lubrificantes. "É importante ressaltar que o produto ajuda o pênis deslizar com mais facilidade, mas não reduz o risco de infecções. Por isso, a regra é usar sempre camisinha", ratifica.

 

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 01.04.11
Posições sexuais opinião feminina

 

Antes de começar, vale o recado. Não há certo e errado quando o assunto é sexo.


Não existe melhor ou pior posição sexual, já que todo mundo é diferente, tem gostos diferentes e se atrai, consequentemente, por coisas diferentes. Mas há algumas situações que, no geral, podem sim ser encaradas de outra maneira pelos parceiros, pensando na satisfação da mulher. Não adianta, por exemplo, imitar cena de filme pornô - muita coisa só funciona na ficção mesmo e tentar copiar pode levar à decepção.

 

Outra coisa que pode confundir a cabeça dos homens é quanto ao peso do próprio corpo sobre a mulher. Recado para os moços de plantão: a maioria delas gosta e quer sentir tudo bem de perto, curte o atrito, então nada de se preocupar com isso. Homens precisam cuidar apenas para equilibrar tudo de maneira que não sufoque a parceira, claro.

 

Ser passivo e deixar a mulher realizar todo o serviço sozinha é reclamação de 11 em 10 mulheres quando o assunto são os deslizes deles. "Sexo é para ser feito a dois, né? Quando o homem se acha o dono da situação e vê a mulher como submissa, tende a imaginar que ela vai dar conta do recado sem ele fazer muito esforço. Tem muito homem por aí assim", reclama Soraia, de 37 anos. "É claro que, às vezes, a gente gosta de encarnar uma ‘dominatrix’, mas sempre, fica complicado", completa amiga dela, Maria Elis, de 33.

 

Além disso, a mulher, no geral, gosta do homem que toma iniciativa, puxa, levanta, vira, "domina" mesmo. Quando ele não faz nada disso, algumas mulheres se sentem menos desejadas. "Já pensou se o cara não se mexe, não sugere posições? Aí não é sexo. É outra coisa", alfineta Roberta, de 25. "Eu nem imagino como é transar com alguém que não tem pegada. Mulher adora mesmo essa dominação combinada".

 

Mas pegada não significa ter carteirinha do Cirque Du Soleil. Ser malabarista na cama é pra poucos, nem vale inventar. E como nem todo mundo consegue se contorcer como gostaria, surge mais um deslize dos homens. "Tive um namorado que sempre queria complicar, inventar moda que era fisicamente impossível. A gente perdia o clima quase sempre", lamente Marilda, 29. Nessa hora, outro probleminha comum surge, na opinião das mulheres. "Muitos ficam insistindo em alguma coisa que já mostramos não gostar. Aí desanima e não tem jeito de segurar o tesão". E você, o que colocaria na listinha de reclamações?

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 22:22 | link do post | comentar

Quinta-feira, 31.03.11
Sexo e sedentarismo: uma parceria perigosa para o coração
 
Pessoas que não se exercitavam regularmente são três vezes mais propensas a sofrer um ataque cardíaco quando fazem exercícios ou sexo
Pessoas que não se exercitam regularmente correm mais riscos de sofrer um ataque cardíaco quando praticam alguma atividade física repentina, como correr ou fazer sexo. É o que afirmam pesquisadores do Tufts Medical Center, em Boston, nos Estados Unidos. 

A pesquisa foi publicada na Associação Médica Americana. A equipe analisou dados de 14 estudos que examinavam a ligação entre sexo e o risco de problemas cardíacos e descobriu que as pessoas que não se exercitavam regularmente são três vezes mais propensas a sofrer um ataque cardíaco ou uma morte cardíaca súbita quando fazem exercícios repentinos, incluisive sexo. 

No caso do sexo, os pesquisadores comprovaram que essas pessoas têm 2,7 vezes mais chances de sofrer um ataque cardíaco durante o sexo ou imediatamente após, em comparação com os que não fazem. Essas descobertas não valem para morte cardíaca súbita. 

Os estudiosos afirmam que os riscos aumentam somente por uma ou duas horas durante e depois da atividade física súbita ou prática sexual. 

Eles declararam ainda, que é importante equilibrar as descobertas com outros estudos, por exemplos os que mostram que atividade física regular reduz em 30% os riscos de ataques cardíacos e morte cardíaca súbita. 

O estudo reforça a tese de que os indivíduos que não fazem exercícios regularmente não podem começar uma atividade física moderada ou pesada de forma repentina. A intensidade dos exercícios deve ser lenta e gradual. 

Exercícios aeróbicos dão resistência 

Caminhar, correr, nadar, pedalar, dançar ou realizar outras atividades aeróbicas é essencial para garantir boa forma e saúde. 

Esses exercícios aceleram o metabolismo contribuindo para o emagrecimento e melhoram o condicionamento físico, fazendo com que ações cotidianas como subir escadas, correr até o banco e carregar sacolas de supermercado sejam realizadas com menos esforço. 

Além disso, diminuem a chance de doenças cardiovasculares e aumentam a expectativa de vida. Por isso, pessoas de todas as idades devem incluir exercícios aeróbicos em seus treinos levando em consideração, claro, seu preparo físico. 

Antes de começar qualquer tipo de atividade, porém, o professor da academia Bio Ritmo Alécio Sales recomenda procurar um médico para realizar uma avaliação física e um profissional de educação física para obter uma orientação sobre as opções mais adequadas para você e os limites que deve respeitar. 

Providenciar roupas confortáveis para a prática de exercícios e uma garrafa de água para manter o corpo hidratado também são essenciais. O personal trainer Júnior Brandão garante que 30 minutos de exercícios três vezes por semana são suficientes para que os resultados sejam notados a partir dos primeiros 45 dias. 

Segundo ele, iniciantes devem procurar mesclar modalidades, até para não perderem a motivação por acharem que a atividade está monótona. Assim, aliar dois dias de caminhada com um de pedalada, por exemplo, é perfeito.
 
Via Bonde


publicado por olhar para o mundo às 21:12 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.03.11

Hipnose e prazer sexual

 

Hipnose do prazer

 

Uma técnica conhecida como hipnose erótica parece estar se popularizando na Argentina, como ferramenta para induzir experiências sensuais e ajudar pessoas com disfunções sexuais.

Sem o uso de clichês, como um relógio balançando ou alguém dizendo "você está se sentindo cansado", a técnica é utilizada para obter algo próximo de uma experiência sexual sem contato físico.

"A hipnose erótica está na moda agora, e vemos isso pelo interesse que vem despertando em publicações especializadas ou na mídia", afirmou à BBC o psicólogo clínico Carlos Malvezzi Taboada, do Instituto Gubel, de Buenos Aires.

Hipnose por palavras

O terapeuta explica que o famoso relógio usado para hipnotizar nada mais é que ficção.

Na verdade, a técnica é uma modalidade comunicacional em que o profissional, por meio da palavra, leva a pessoa a um estado de meditação profunda, aumentando sua capacidade de percepção.

"Mas a pessoa sabe permanentemente quem é e nunca perde a consciência", diz Malvezzi.

Para ele, na clínica onde trabalha, o uso da hipnose não tem como objetivo aumentar o estímulo erótico, mas sim ajudar a quem sofre de disfunções sexuais.

"A pessoa é guiada, e a ela é proposto que faça um relato erótico por meio de um estado de distensão em que ela está mais receptiva", diz o especialista. Segundo ele, isto faz com que a pessoa se abra mais em relação a aspectos que ficam reprimidos quando está em vigília.

 

Anorgasmia


Malvezzi diz que, quando uma paciente que sofre de anorgasmia (inibição do orgasmo) está em relaxamento profundo, ela possivelmente comentará sobre temas sem relação direta com sexo, que a permitiriam reviver as etapas do encontro sexual de maneira metafórica, levando a uma mudança no comportamento.

Já se o caso é de um homem com disfunção erétil, o especialista busca evocar momentos de satisfação e lembranças de experiências prazerosas para que, no estado de hipnose, a pessoa volte a se sentir capaz e reduza sua angústia.

 

Críticas à hipnose erótica


A técnica da hipnose erótica tem seus críticos. "Há certo exagero no uso da hipnose clínica para tratar os problemas sexuais", disse à BBC o sexólogo e professor da Universidade de Buenos Aires Juan Carlos Kusnetzoff.

"Ela pode ser usada, mas alternada com outros procedimentos que fazem parte da terapia sexual", afirmou.

"Depende muito também da habilidade do profissional e da capacidade de reação do paciente, já que nem todas as pessoas são sensíveis à hipnose. Isto apenas atinge uma percentagem pequena da população sobre a qual se atua".

À primeira vista, é difícil determinar se uma pessoa está em um estado de meditação profunda qualificada como hipnose. Para constatar isto, especialistas defendem que se faça uma tomografia de emissão de pósitrons - antipartícula do elétron - para medir os fluxos sanguíneos no córtex cerebral.

 

Existe grande oferta de livros e vídeos, principalmente nos Estados Unidos, para que a pessoa entre em hipnose erótica sozinha. Especialistas não recomendam isto, além de criticar as clínicas que operam esta técnica sem a presença de médicos.

"Na Argentina, como na maioria dos países da América Latina, somente médicos podem realizar hipnose", diz Malvezzi.

 

Perigos da hipnose


Entre os principais riscos apontados por especialistas, está a possibilidade do paciente entrar em um estado tão profundo de hipnose que não consiga sair, como se fosse uma hibernação.

Outro motivo de preocupação é que o indivíduo comece a preferir a experiência sexual com hipnose e não a realizada com outra pessoa. "Se vejo que a pessoa tem fortes rasgos de narcisismo, o mais provável é que adquira um vício, como se fosse uma droga", diz o psicólogo.

Os médicos também advertem para o perigo do abuso que pode ocorrer em uma situação de hipnose erótica com alguém sem experiência, que possa se deixar levar pela situação que esteja recriando.

 

Via Diário da saúde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Terça-feira, 29.03.11

Liberte-se: os sex toys estão aí para isso!

 

Mas não se tratam de amigos de carne e osso, mas de todos os acessórios que podem ajudar a criar um clima de maior erotismo

 

Sim, é verdade: não vão sozinhos para a cama! Levem por companhia as centenas de acessórios que apimentam o sexo. Falamos da tradicional venda, das algemas, dos vibradores, das bolinhas chinesas, que se adquirem em sex shops. Bem, não se assuste! Não tem de os levar consigo para a cama todos ao mesmo tempo, além de que só o deve fazer caso se sinta confortável e sempre com o pressuposto de que vai experimentar: se não gostar, pára de imediato.

E não parta do pressuposto que os brinquedos sexuais podem substituir a relação física entre si o seu companheiro - eles constituem mais uma forma de explorar o vosso prazer – ou que estão associados a qualquer tipo de ‘desvio’ – os estudos comprovam que são as pessoas com relações estáveis que mais recorrem a eles.

 

Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 23:53 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.03.11

 

História dos vibradores

 

Você conhece ou já usou um vibrador? Não! Muita curiosidade e pudor giram em torno do seu uso. Mas você sabia que eles foram idealizados com fins médicos? O invento surgiu em meados do século XIX, a partir de um massageador a vapor, para tratar da histeria, distúrbio feminino causado pela ansiedade e irritabilidade.

 

Percebendo que esses estímulos também poderiam ser reproduzidos com impulsos elétricos, em 1969 surgem os primeiros vibradores elétricos. Com o tempo, passaram a funcionar com baterias, tornando-se aparelhos mais portáteis. Relacionados à saúde e bem-estar, esses aparelhos foram elevados a uma categoria bem importante para a época.

Em 1920, passam a aparecer em filmes pornôs e o uso dos vibradores com função sexual passa a ser publicamente reconhecido. Com isso, alguns tabus surgem e esses objetos começam a ser recriminados pela sociedade e seus usuários tidos como doentes e depravados.

Com a revolução sexual, em 1960 as mulheres se viram mais livres para usar esses brinquedinhos, conquistando assim, mais autonomia na sua vida sexual. Em 1998, eles começam a ocupar um espaço tão expressivo na vida das mulheres que, até a mídia passa a dar lugar de destaque ao acessório, como na série Sex and the City, quando suas protagonistas adquirem algum desses produtos.

Hoje, apesar do termo vibrador constranger muita gente, podemos encontrar inúmeros modelos, tamanho e funções para esses aparelhos. Eles podem ser a reprodução fiel de um pênis, ter o formato de bolinhas coloridas que você pode carregar na bolsa ou o formato de um batom. Há até modelos com dispositivos interativos, como os que são ativados com mensagens enviadas pelo celular ou conectados ao ipod, que reproduzem vibrações de acordo com a música que está sendo reproduzida.


Dica:
Sempre aplique um gel ou uma pomada lubrificante para usar o aparelho. Isso facilitará a penetração do vibrador, prevenindo possíveis irritações.

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Domingo, 27.03.11

Parafílias

 

Sabem aqueles caras insuportáveis que entram em ônibus e vagão de trem/metrô lotados e estacionam atrás da gente prá ficar se roçando? Pois é. Pode ser apenas um cara que merece uns tabefes, como pode ser um cara que tem na verdade um transtorno psiquiátrico.

 

Imagine que o seu companheiro comece a insistir para que você se vista sempre de colegial, ou outras roupinhas de adolescente na hora da transa? Pode ser uma fantasia, algo para apimentar a relação, mas se ele começar a se comportar também como adolescente... hummm...

Ou então que comece a lhe assediar justamente na época da menstruação, e você perceba que a freqüência e intensidade das relações sexuais é maior justamente nessa época...

 

A linha entre o normal e o anormal é tênue, e vai naquilo que pode ou não interferir na vida da pessoa para além das quatro paredes, que interfere na vida social, nos relacionamentos em geral, no que ele sente, em como ela age, etc.

 

Em linhas gerais, podemos dizer que as parafilias ou transtornos de preferência sexual são distúrbios diretamente relacionados à "escolha" do objeto sexual. Não é uma situação esporádica : é uma necessidade para se chegar a uma determinada resposta sexual. A maioria dos praticantes da parafilia são os homens.

 

Uma pessoa que sofre de uma parafilia só consegue ter prazer sexual mesmo fazendo aquela prática específica, então ela cria situações onde aquilo ocorrerá. Não é apenas a ejaculação que conta, mas o real prazer, a satisfação.

Por isso existem sádicos que espancam de verdade, e fazem o inferno da vida da esposa, e masoquistas (tem muita mulher), que fica em relacionamentos ruins, por necessidade de sofrimento, acreditem, é de fundo sexual! Há uma troca mórbida em que uma pessoa doente pode induzir a doença no outro!!!!

 

Nas comunidades de internet podem haver doentes que agem como predadores, criando situações para satisfazer sua necessidade de satisfação. O consenso é tudo, é verdade, mas há de se ter cuidado com o limite da doença, da destruição da personalidade, dos limites, e até da lei!

 

Há vários tipos de parafilia. Muitas são aceitas pela sociedade pois não ferem os costumes nem outras pessoas.
Mostraremos aqui as características das mais conhecidas:

 

Fetichismo


Uso, ou fantasias de uso, de objetos inanimados com a finalidade de estímulo para a realização sexual; muitas vezes os objetos são extensões do corpo humano, como por exemplo, meias ou luvas. Mas cuidado, alguns podem ferir.

 

Exibicionismo


Exposição da genitália a estranhos, com o intuito de chocar. Geralmente é um homem heterossexual, muitas vezes casado e com uma vida sexual ativa. Pode gerar ações por atentado ao pudor.

 

Pedofilia


Preferência sexual por crianças pré-puberes ou no início da puberdade. Alguns autores estabelecem uma idade máxima de treze anos para a caracterização de pedofilia. O interesse pode ser por meninas, meninos, ou ambos. Se o comportamento é estabelecido por outra criança, ou um adolescente, deve-se tomar muito cuidado para estabelecer este diagnóstico, pois pode se tratar de um acontecimento isolado. As vezes este quadro também pode ser caracterizado como incestuoso.

 

Sadomasoquismo


Alguns autores dividem em quadro separados, sadismo e masoquismo, outros não. Envolve submissão e/ou inflição de dor, humilhação ou sofrimento. O sufocamento como forma de aumentar o prazer pode ser incluído como um comportamento sadomasoquista. O sufocamento se chama auto-asfixia erótica, e pode levar à morte não intencional; infelizmente já aconteceu algumas vezes... na alemanha uma mulher foi condenada por homicídio culposo de seu namorado.

 

Tranvestismo fetichista


Uso de roupas do sexo oposto para a obtenção de prazer sexual. Geralmente é um homem heterossexual, que após a masturbação ou o ato sexual desvencilha-se das roupas. Não deve ser confundido com o que popularmente chamamos de travesti, que é um homossexual que se veste de mulher com o intuito de atrair outros homens. Nem deve ser confundido, também, com transexual

 

Voyeurismo


Ato de observar, sem a anuência ou consentimento, uma pessoa despir-se, ou em atividade sexual. Geralmente é acompanhada de masturbação. Atitudes esparsas de voyeurismo na adolescência é comum e não deve ser considerada anormal. O uso de filmes ou revistas pornográficas para a excitação sexual, também não deve ser considerado patológico ou voyeur, tendo em vista que são confeccionados para esta finalidade. Existem pessoas que gostam de ser olhadas por voyeurs, em potencial, não verem quem as olha, mas permitir o olhar. É uma modalidade de parceria múltipla no ato sexual.

 

Zoofilia


Praticar sexo com animais é o que dá prazer aos praticantes da zoofilia. Assistir cópulas de animais também pode ser fator de excitação para eles. Em algumas regiões, principalmente nas rurais, é comum pessoas que mantém relacionamento com animais. A prática desaparece quando o indivíduo inicia um relacionamento com humanos. Existem clubes, legalizados, de zoofilia nos EUA. Já houve morte por danos aos órgãos internos, quando os auxiliares perderam o controle do animal (literalmente) que sodomizava um dos sócios.

 

Necrofilia


Os necrófilos são tidos, quase sempre, como psicóticos e sofrem desse distúrbio considerado grave. Eles só alcançam o prazer ao manter relações sexuais com cadáveres. As relações sexuais normais não interessam a eles. No Brasil existem relatos de aluguel de corpos em necrotérios e IMLs. Se é verdade, eu não sei...

 

Frotteurismo


Excitação advinda do ato de encostar os órgãos sexuais ou esfregá-los no corpo de pessoas desconhecidas em meio à multidão. Ocupa o 4º lugar na lista de incidência de pacientes em tratamento. Os safados dos ônibus e trens lotados, shows, etc...

 

Coprofilia


O indivíduo excita-se e obtém prazer através do contato com excrementos ou inalação de seu cheiro. Quando a estimulação erótica se dá através do cheiro da urina, pode ser chamada de renifleurismo; se a urina for ingerida, chama-se urofilia. Mais comum do que se pensa.

 

Acrotomofilia


Preferência por pessoas que tenham alguma parte de seus corpos amputada, pois a excitação é proporcionada justamente pela falta daquela parte. Quando a excitação acontece quando um membro do próprio corpo é amputado, chama-se apotemnofilia ou amelotatista. Existem revistas só com amputados e membros amputados para esse público, é algo que pode chegar ao crime ao se associar ao sadismo.

 

Agalmatofilia


Excitação provocada pela observação de estátua ou modelo representativo de pessoa nua. Se a excitação acontece não apenas com a observação, mas com o uso da estátua, pode ser chamado de pigmalionismo.

 

Autonepiofilia


A pessoa se excita ao fingir que é um bebê de fraldas e seu parceiro a trata como tal. Outras variações neste estilo são o infantilismo parafílico, quando a pessoa finge ser uma criança, de qualquer idade, ou juvenilismo parafílico, quando se finge ser um adolescente. Já vi um documentário de uma prostituta especializada em algumas parafilias que tinha clientes só dessa classe. Usam fraldas, pedem para ser amamentados, tomar palmadinhas...

 

Misofilia


O indivíduo se sente excitado se cheirar, mastigar ou realizar outra ação com roupas sujas, suadas ou com artigos de higiene menstrual (absorventes, toalhas higiências etc).

 

Via Vila Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Sábado, 26.03.11

Masturbação: vença o último tabu

 

 

Rodeada ainda de preconceitos, a masturbação feminina é também uma forma de quebrar a rotina sexual do casal

  

Não, não faz mal à saúde. Não, não é viciante. Não, não substitui o prazer a dois. A masturbação no feminino é, acima de tudo, uma forma da mulher conhecer melhor o seu corpo e os seus pontos erógenos. Por outro lado, não tem de ser um acto solitário, mas tem espaço no âmbito da vida do casal.


A visão do corpo feminino desperta nos homens o desejo e a volúpia. E, apesar de alguns terem pudor em reconhecer, o facto de verem a mulher que amam a acariciar-se a si mesma é uma imagem que os excita mais ainda. Por isso, proporcione-lhe essa pequena prenda, atingindo o prazer sem a sua ajuda. Além disso, é uma forma de combater a rotina, bem como uma 'ajuda' extra quando o seu parceiro está muito 'cansado'. Porque não se atreve a experimentar?

 

Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.03.11

Falta de sexo atrapalha relacionamentos longos

 

Os australianos heterossexuais, que estão em um relacionamento longo, não andam muito satisfeitos com sua vida sexual. Cientistas entrevistaram 3.420 homens e 3.304 mulheres que eram casados, que viviam com seus parceiros ou que já estavam há um bom tempo num relacionamento, sobre a vida sexual deles. Além de acharem que não estão fazendo sexo suficiente, eles também estão descontentes com seus relacionamentos.

 

A maioria dos homens, 54%, e 42% das mulheres responderam que eles não estavam contentes com a frequência com que faziam sexo. Para os homens, a reclamação principal era que eles não estavam fazendo sexo tanto quanto gostariam. Entre as mulheres insatisfeitas com a frequência das relações sexuais, dois terços responderam que não estavam fazendo sexo o suficiente, enquanto um terço reclamou que estava fazendo demais.

 

Das pessoas que participaram do estudo, 73% eram casados e 60% estava com seu companheiro a mais de 10 anos. Homens com idade entre 35 e 44 anos, que estavam a mais de seis anos ou mais com a mesma mulher eram os mais insatisfeitos. Além disso, os homens e as mulheres que não estavam contentes com o número de relações sexuais também não estavam felizes com o relacionamento de maneira geral.

 

“A maioria das pessoas nos estudos queriam fazer mais sexo do que estão fazendo”, disse o professor da Universidade de Melbourne, Anthony Smith. “Percebemos que há uma distância entre a frequência que as pessoas definem como ideal e o número real de vezes que elas fazem sexo dentro de um relacionamento”. E o problema não está ligado ao gênero, ambos sexos estão tendo que dividir seu tempo entre o relacionamento, o sexo e as obrigações do dia-a-dia. Quem sai perdendo é o casal.

 

“Eu acho que os casais não estão encontrando tempo para fazer sexo. Não é possível forçar cada vez mais atividades no cotidiano das pessoas e acreditar que elas vão ter tempo para fazer sexo com qualidade”, acredita o Smith.

 

O co-autor do estudo, Anthony Lyons, acredita que os casais precisam aprender a se comunicar melhor sobre sua vida sexual. “Eles precisam conversar frequentemente e abertamente sobre sexo para achar um meio termo sobre a quantidade de relações. Isto pode trazer muita satisfação”, opina Lyons.

 

Para Smith, uma saída seria marcar um tempinho para o sexo como fazemos com as nossas refeições e atividades em família. “Os casais precisam se perguntar entre si: ‘quanto tempo nós queremos gastar fazendo sexo e o que a gente pode eliminar da nossa rotina para ter este tempo livre?’. Se as pessoas valorizarem o sexo como algo importante em suas vidas a dois, e a maioria o faz, eles devem empurrar as atividades sexuais para o topo da lista de prioridades”, conclui.

 

Via HypeScience



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.03.11

Orgasmo feminino não está ligado somente ao ato físico

 

A pa­la­vra ‘‘­prazer’’ é com­pos­ta de mui­to ­mais do que sim­ples­men­te se­xo. Ca­da pes­soa pre­ci­sa des­co­brir o que lhe dá pra­zer, o que lhe dei­xa bem, o que re­põe ­suas ener­gias. 

Gos­to de com­pa­rar a pes­soa com um au­to­mó­vel. O car­ro, pa­ra an­dar, pre­ci­sa es­tar mi­ni­ma­men­te equi­pa­do e, é cla­ro, com com­bus­tí­vel! Há pes­soas que vi­vem com o ‘‘car­ro na ­reserva’’ e sem­pre quan­do abas­te­cem co­lo­cam o su­fi­cien­te pa­ra o car­ro ­sair da re­ser­va. Es­sas são aque­las que ao in­vés de vi­ver a vi­da ape­nas so­bre­vi­vem a ela. Ci­to Os­car Wil­de: ‘‘Vi­ver é a coi­sa ­mais ra­ra do mun­do, a maio­ria das pes­soas ape­nas ­existe’’. 

É pre­ci­so des­co­brir o que te abas­te­ce, e é pre­ci­so pra­ti­car es­sas coi­sas pa­ra que es­te­ja abas­te­ci­do pa­ra vi­ver. Eu dis­se, VI­VER e não so­bre­vi­ver! Po­de­mos, en­tão, ser ­mais di­re­tos no te­ma pra­zer e fa­lar­mos do or­gas­mo fe­mi­ni­no pro­pria­men­te di­to. 

Exis­tem al­gu­mas teo­rias, re­gras e téc­ni­cas pa­ra que uma mu­lher atin­ja o or­gas­mo. Mas não é so­bre is­so que es­te tex­to tra­ta­rá. Ca­da mu­lher é úni­ca, tem sua sin­gu­la­ri­da­de. É cla­ro que há coi­sas em co­mum, por exem­plo: no pe­río­do pré-mens­trual a gran­de maio­ria ado­ra ‘‘ata­car um ­chocolate’’. 

O ato se­xual em si co­me­ça no ama­nhe­cer, ao di­zer ‘‘bom ­dia’’. As pre­li­mi­na­res tam­bém con­tam mui­to. As mu­lhe­res ado­ram um ges­to sim­ples, co­mo um elo­gio ver­da­dei­ro, uma lem­bran­ci­nha (men­sa­gem pe­lo ce­lu­lar, uma ­flor em um dia qual­quer, etc). 

Mas o que que­ro di­zer é que, ­além de to­dos os pon­tos co­muns, ca­da mu­lher é di­fe­ren­te, é real­men­te úni­ca uma das ou­tras e pre­ci­sa ser vis­ta e sen­ti­da as­sim. Pon­de­ran­do tu­do is­so, aí vão al­gu­mas di­cas. Mui­tas ve­zes o que ser­vi­rá pa­ra vo­cê não ser­vi­rá pa­ra seu(ua) me­lhor ami­go(a). 

Mu­lher: des­cu­bra-se. O au­to­co­nhe­ci­men­to é fun­da­men­tal pa­ra se ter su­ces­so nas ­mais di­ver­sas ­áreas da vi­da, in­clu­si­ve na ­área se­xual. Ques­tio­ne-se: ‘‘o que me agra­da, o que eu gos­to, o que eu es­pe­ro que meu par­cei­ro fa­ça an­tes, du­ran­te e ­após o ato se­xual; o que me ex­ci­ta, ­etc’’. 

Par­cei­ro: des­cu­bra sua mu­lher, ela com cer­te­za te dá vá­rias di­cas so­bre o que ela gos­ta e es­pe­ra. Fi­que aten­to a ­elas! E fa­ça-as. 

Ca­sal: Use sua cria­ti­vi­da­de, a ro­ti­na ten­de a ser en­te­dian­te. Use lin­ge­rie di­fe­ren­te, ló­gi­co que res­pei­tan­do seu jei­to de ser; e que es­sa lin­ge­rie te dei­xe con­for­tá­vel e não preo­cu­pa­da(o) se es­tá exa­ge­ran­do. Se vo­cê es­ti­ver se sen­tin­do bem, pas­sa­rá is­so ao ou­tro, e os ­dois sen­tir-se-ão bem. Pre­pa­re o am­bien­te, use aro­ma­ti­zan­tes (al­go sua­ve), co­lo­que uma mú­si­ca (­quem sa­be, uma tri­lha so­no­ra ex­clu­si­va do ca­sal). 

E, por úl­ti­mo, co­me­ce sem­pre do me­nos pa­ra o ­mais. Se des­cu­bra, se sol­te, cur­ta ca­da mo­men­to co­mo se fos­se o úl­ti­mo da sua vi­da! Vi­va e não so­bre­vi­va! 

Gis­le­ne Re­gi­na Is­quier­do - psi­có­lo­ga clí­ni­ca e or­ga­ni­za­cio­nal es­pe­cia­lis­ta em Psi­co­te­ra­pia Com­por­ta­men­tal (Lon­dri­na)

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.03.11

Dê lhe a volta à cabeça... na cama

 

Umas "jogadas" mais arrojadas no campo do sexo e nem vai reconhecer o homem que tem a seu lado

 

*Mantenha algumas peças vestidas. Podem ser umas meias, um soutien, uma tanga. Não mostre logo todos os seus trunfos porque aquilo que se adivinha e não se vê é um poderoso afrodisíaco, Outra possibilidade consiste em sair de casa... sem nenhuma lingerie vestida, mas apenas o revelar na altura certa (numa situação pública, como no restaurante, em que ele não pode fazer nada...!).

*Sussurre-lhe ao ouvido aquilo que quer que ele lhe faça. Pode usar todas as palavras, mesmo aquelas que jamais se atreveria a dizer em voz alta.

*Tome o control. Há ou não uma Mrs Robinson dentro de nós? Mostre-lhe aquilo que ele nem podia sonhar que você era capaz de fazer.Porque existem momentos em que ele deve simplesmente assistir...

*Coloque um espelho no quarto para ele a conseguir ver.. de todos os ângulos. Afinal, os olhos também têm direito a gozar.

* Fujam a toda a velocidade da rotina. Nada de chegar a casa e despachar o jantar, quando podem fazer um pequeno desvio... e ficar um pouco pelo quarto. Ou tomar um duche juntos enquanto relaxam do stresse causado por um dia de trabalhos. O pensamento chave consiste em quebrar rotinas.

 

Via Activa.pt


publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Sexo a três

'Fetiches' secretos: o qu...

6 certezas sobre sexo que...

Sexo, Não finja que está ...

Dicas para quem gosta de ...

Como evitar seis erros qu...

Karezza: sexo com carinho...

Fantasias: elas querem ro...

Sexo em locais diferentes

Sexo, Porquê se devem uti...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados