Sexta-feira, 25.03.11

5 rituais de cortejo bizarros

 

As coisas evoluíram (ou simplesmente se apressaram), e hoje não é mais necessário escolher sua esposa durante a sua adolescência, passar anos pegando apenas em sua mão, ou casar-se com quem seus pais querem que você case. Ainda assim, a maneira de falar a alguém que ela é a escolhida continua sendo um momento embaraçoso para todo mundo. Não se importe se você acha que não sabe “xavecar” ninguém; como você ver a partir dessa lista, existe coisa pior.

 

1) MAÇÃS COM SUOR

 

Esqueça os bombons, as flores, o coração de pelúcia. Na Áustria rural, o caminho para o coração de um amor são maçãs mergulhadas no suor de axilas. As mulheres jovens praticam uma dança tradicional com fatias de maçã em suas axilas. Após a dança, elas dão uma fatia para o homem de sua escolha, e ele come. Ainda bem que a gente não mora na Áustria rural

 

2) CABANA DO AMOR

 

Na tribo Kreung, de uma região remota do Camboja, os pais constroem uma “cabana do amor” para suas filhas quando elas avançam na adolescência. Diferentes meninos passam a noite na cabana com a garota, às vezes mais de um na mesma noite, até que ela descubra com quem quer se casar. O divórcio não existe entre os Kreung; por esse motivo, os casais devem escolher a pessoa certa para passar o resto da vida. Deve ter gente que adoraria morar nessa tribo.

 

3)LIXAR OS DENTES

 

Quando atingem a puberdade, homens e mulheres jovens da sociedade hindu tradicional balinesa devem lixar os dentes. Em uma cerimônia supervisionada por um sacerdote brâmane, os caninos superiores dos jovens são lixados até o nível dos seus incisivos, um doloroso ritual destinado a livrá-los dos maus sentimentos ou tendências como cobiça, luxúria, ira, inveja e intoxicação. Só então os jovens são considerados prontos para casar.

 

4) “EMPACOTAR”

 

 

Ao invés de se sentar num sofá para ver um filme, uma prática comum de namoro no noroeste da Europa e da América Colonial era “empacotarem-se” e dormirem juntos. Com a supervisão dos pais, o casal passa a noite juntos na mesma cama, mas embrulhados em cobertores separados, às vezes com uma “placa” colocada entre eles. A situação permitia intimidade, mas definitivamente não relação sexual. Imagine se daria certo por aqui.

 

5) SERENATA E COBERTOR

 

 

O povo Dai da China pratica um ritual anual chamado “visitar as meninas”. Ele começa com jovens mulheres sentadas juntas em torno de uma fogueira, girando rodas. Um grupo de homens envolto em cobertores vermelhos e tocando instrumentos musicais aproxima-se delas, e cada homem escolhe uma mulher para fazer uma serenata. Se a mulher de sua escolha também gosta dele, ela tira um banquinho debaixo de sua saia e o convida para sentar-se. O homem então a envolve em seu cobertor vermelho, e eles passam a noite juntos, fazendo o que os casais fazem em todo o mundo: se encher de mimos e trocar juras de amor no pé dos ouvidos

 

Via HypeScience



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.03.11

Falta de sexo atrapalha relacionamentos longos

 

Os australianos heterossexuais, que estão em um relacionamento longo, não andam muito satisfeitos com sua vida sexual. Cientistas entrevistaram 3.420 homens e 3.304 mulheres que eram casados, que viviam com seus parceiros ou que já estavam há um bom tempo num relacionamento, sobre a vida sexual deles. Além de acharem que não estão fazendo sexo suficiente, eles também estão descontentes com seus relacionamentos.

 

A maioria dos homens, 54%, e 42% das mulheres responderam que eles não estavam contentes com a frequência com que faziam sexo. Para os homens, a reclamação principal era que eles não estavam fazendo sexo tanto quanto gostariam. Entre as mulheres insatisfeitas com a frequência das relações sexuais, dois terços responderam que não estavam fazendo sexo o suficiente, enquanto um terço reclamou que estava fazendo demais.

 

Das pessoas que participaram do estudo, 73% eram casados e 60% estava com seu companheiro a mais de 10 anos. Homens com idade entre 35 e 44 anos, que estavam a mais de seis anos ou mais com a mesma mulher eram os mais insatisfeitos. Além disso, os homens e as mulheres que não estavam contentes com o número de relações sexuais também não estavam felizes com o relacionamento de maneira geral.

 

“A maioria das pessoas nos estudos queriam fazer mais sexo do que estão fazendo”, disse o professor da Universidade de Melbourne, Anthony Smith. “Percebemos que há uma distância entre a frequência que as pessoas definem como ideal e o número real de vezes que elas fazem sexo dentro de um relacionamento”. E o problema não está ligado ao gênero, ambos sexos estão tendo que dividir seu tempo entre o relacionamento, o sexo e as obrigações do dia-a-dia. Quem sai perdendo é o casal.

 

“Eu acho que os casais não estão encontrando tempo para fazer sexo. Não é possível forçar cada vez mais atividades no cotidiano das pessoas e acreditar que elas vão ter tempo para fazer sexo com qualidade”, acredita o Smith.

 

O co-autor do estudo, Anthony Lyons, acredita que os casais precisam aprender a se comunicar melhor sobre sua vida sexual. “Eles precisam conversar frequentemente e abertamente sobre sexo para achar um meio termo sobre a quantidade de relações. Isto pode trazer muita satisfação”, opina Lyons.

 

Para Smith, uma saída seria marcar um tempinho para o sexo como fazemos com as nossas refeições e atividades em família. “Os casais precisam se perguntar entre si: ‘quanto tempo nós queremos gastar fazendo sexo e o que a gente pode eliminar da nossa rotina para ter este tempo livre?’. Se as pessoas valorizarem o sexo como algo importante em suas vidas a dois, e a maioria o faz, eles devem empurrar as atividades sexuais para o topo da lista de prioridades”, conclui.

 

Via HypeScience



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.03.11

Orgasmo feminino não está ligado somente ao ato físico

 

A pa­la­vra ‘‘­prazer’’ é com­pos­ta de mui­to ­mais do que sim­ples­men­te se­xo. Ca­da pes­soa pre­ci­sa des­co­brir o que lhe dá pra­zer, o que lhe dei­xa bem, o que re­põe ­suas ener­gias. 

Gos­to de com­pa­rar a pes­soa com um au­to­mó­vel. O car­ro, pa­ra an­dar, pre­ci­sa es­tar mi­ni­ma­men­te equi­pa­do e, é cla­ro, com com­bus­tí­vel! Há pes­soas que vi­vem com o ‘‘car­ro na ­reserva’’ e sem­pre quan­do abas­te­cem co­lo­cam o su­fi­cien­te pa­ra o car­ro ­sair da re­ser­va. Es­sas são aque­las que ao in­vés de vi­ver a vi­da ape­nas so­bre­vi­vem a ela. Ci­to Os­car Wil­de: ‘‘Vi­ver é a coi­sa ­mais ra­ra do mun­do, a maio­ria das pes­soas ape­nas ­existe’’. 

É pre­ci­so des­co­brir o que te abas­te­ce, e é pre­ci­so pra­ti­car es­sas coi­sas pa­ra que es­te­ja abas­te­ci­do pa­ra vi­ver. Eu dis­se, VI­VER e não so­bre­vi­ver! Po­de­mos, en­tão, ser ­mais di­re­tos no te­ma pra­zer e fa­lar­mos do or­gas­mo fe­mi­ni­no pro­pria­men­te di­to. 

Exis­tem al­gu­mas teo­rias, re­gras e téc­ni­cas pa­ra que uma mu­lher atin­ja o or­gas­mo. Mas não é so­bre is­so que es­te tex­to tra­ta­rá. Ca­da mu­lher é úni­ca, tem sua sin­gu­la­ri­da­de. É cla­ro que há coi­sas em co­mum, por exem­plo: no pe­río­do pré-mens­trual a gran­de maio­ria ado­ra ‘‘ata­car um ­chocolate’’. 

O ato se­xual em si co­me­ça no ama­nhe­cer, ao di­zer ‘‘bom ­dia’’. As pre­li­mi­na­res tam­bém con­tam mui­to. As mu­lhe­res ado­ram um ges­to sim­ples, co­mo um elo­gio ver­da­dei­ro, uma lem­bran­ci­nha (men­sa­gem pe­lo ce­lu­lar, uma ­flor em um dia qual­quer, etc). 

Mas o que que­ro di­zer é que, ­além de to­dos os pon­tos co­muns, ca­da mu­lher é di­fe­ren­te, é real­men­te úni­ca uma das ou­tras e pre­ci­sa ser vis­ta e sen­ti­da as­sim. Pon­de­ran­do tu­do is­so, aí vão al­gu­mas di­cas. Mui­tas ve­zes o que ser­vi­rá pa­ra vo­cê não ser­vi­rá pa­ra seu(ua) me­lhor ami­go(a). 

Mu­lher: des­cu­bra-se. O au­to­co­nhe­ci­men­to é fun­da­men­tal pa­ra se ter su­ces­so nas ­mais di­ver­sas ­áreas da vi­da, in­clu­si­ve na ­área se­xual. Ques­tio­ne-se: ‘‘o que me agra­da, o que eu gos­to, o que eu es­pe­ro que meu par­cei­ro fa­ça an­tes, du­ran­te e ­após o ato se­xual; o que me ex­ci­ta, ­etc’’. 

Par­cei­ro: des­cu­bra sua mu­lher, ela com cer­te­za te dá vá­rias di­cas so­bre o que ela gos­ta e es­pe­ra. Fi­que aten­to a ­elas! E fa­ça-as. 

Ca­sal: Use sua cria­ti­vi­da­de, a ro­ti­na ten­de a ser en­te­dian­te. Use lin­ge­rie di­fe­ren­te, ló­gi­co que res­pei­tan­do seu jei­to de ser; e que es­sa lin­ge­rie te dei­xe con­for­tá­vel e não preo­cu­pa­da(o) se es­tá exa­ge­ran­do. Se vo­cê es­ti­ver se sen­tin­do bem, pas­sa­rá is­so ao ou­tro, e os ­dois sen­tir-se-ão bem. Pre­pa­re o am­bien­te, use aro­ma­ti­zan­tes (al­go sua­ve), co­lo­que uma mú­si­ca (­quem sa­be, uma tri­lha so­no­ra ex­clu­si­va do ca­sal). 

E, por úl­ti­mo, co­me­ce sem­pre do me­nos pa­ra o ­mais. Se des­cu­bra, se sol­te, cur­ta ca­da mo­men­to co­mo se fos­se o úl­ti­mo da sua vi­da! Vi­va e não so­bre­vi­va! 

Gis­le­ne Re­gi­na Is­quier­do - psi­có­lo­ga clí­ni­ca e or­ga­ni­za­cio­nal es­pe­cia­lis­ta em Psi­co­te­ra­pia Com­por­ta­men­tal (Lon­dri­na)

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 21.03.11

a idade não impõe limite para o prazer

 

 

A mente é a responsável pela ausência ou presença do prazer sexual. E este depende das emoções de cada pessoa. 

O idoso também gosta de sexo. Negar por quê? O idoso pode e dever ter suas fantasias sexuais. Idade não impõe limite para sentir prazer. 

A sexualidade se faz presente enquanto existir vida. É evidente que se modifica com o decorrer do tempo. 

A pressão social moralista e preconceituosa impõe como verdade que o velho não precisa de sexo. A mulher, então, sofre mais preconceitos ainda. 

Podemos dizer que as limitações físicas, tais como queda hormonal ou falta de ereção, apenas modificam a vida sexual, mas não acabam com ela. Sexo é vida. A libido existe no indivíduo desde que nasce até a morte. 

 

Alguns fatores físicos modificam o desempenho sexual do idoso, tais como: 

Na mulher: ressecamento vaginal (pode ser tratado com reposição hormonal ou com cremes apropriados); 

No homem: ereção menos duradoura e o tempo para outras ereções é também maior. Mas nada impede o prazer total. 

A idade não impõe limite para sentir prazer. Tanto homens quanto mulheres apresentam um estado emocional mais saudável quando estão envolvidos em relacionamentos íntimos e afetivos. O envelhecimento não depende da idade cronológica do indivíduo. 

É importante que as pessoas com mais idade saibam que todo ser humano tem direito de usufruir da própria sexualidade. Esta pode e deve ser vivenciada em todas as etapas da vida. 

Este tema é pouco tratado apesar de ser tão importante. É cheio de concepções falsas, temores, crendices, mitos e angústias que não podem persistir nos dias de hoje. 

Marilandes Ribeiro Braga, psicóloga e terapeuta sexual, membro da Sociedade Brasileira de Estudos da Sexualidade Humana (Rondonópolis - MT)

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Domingo, 20.03.11

Sexo entre amigos

 

Muitos anos atrás, lá estava eu, no canto de uma festa, cabisbaixa. Tinha acabado de levar o fora e ser substituída por uma mulher tão feia, mas tão feia, que nem Picasso conseguiria reproduzir suas assimetrias. Então um amigo se sentou a meu lado e pegou na minha mão. Eu me lembro da primeira coisa que disse a ele:

 

- Parece que enfiaram uma faca no meu estômago.

 

E, naquela noite, ele tirou a tal faca de mim. Tirou magnificamente, como só um grande amigo poderia fazer. Eu nunca disse obrigada - que coisa feia.

 

Quando o assunto é sexo entre amigos, cada um tem sua opinião. Uns são a favor; outros, contra; uns dizem que a amizade acaba; outros, que continua; uns se casam com amigos e acham a melhor coisa do mundo e outros ainda juram que não há decepção mais amarga do que uma amizade que degenerou em romance infeliz. Quem está com a razão, afinal? Todo mundo. Em matéria de gente, tudo pode acontecer e, creia, tudo acontece mesmo.

 

Existe, porém, uma regra que ajuda a prevenir possíveis relâmpagos e trovadas. E é tão simples, mas tão simples que até surpreende. Essa panacéia se chama conversar. Se vocês repararem, todo casal que se dá bem - seja amigo, colega, namorado, ex - trava longas conversas com naturalidade.

 

A pior coisa que pode acontecer é você ter algo com seu amigo, se apaixonar e não dizer a ele. Numa certa noite, um vinho aqui, uma disposição diferente ali, uma mão na coxa acolá e pronto. Quando amanhece, tudo está como era antes, menos você. Passa-se uma semana e ele aparece com uma novidade: a ex-namorada está voltando de Estocolmo e isso o balançou. Dias depois, ele liga e conta, em detalhes, como foi o reencontro com ela. No mês seguinte, vocês vão tomar um café porque ele está na dúvida se larga ou não tudo e vai para a Suécia com a fulana.

 

E você lá, com cara de paisagem, bancando a amiga enquanto por dentro está aos pedaços. E tudo por quê? Porque não conversou, não foi sincera, não disse o que sentia. Por medo de perder a convivência com o alvo do seu amor, você prefere continuar no papel de amiga por fora quando não é mais apenas uma amiga por dentro. Abrir o jogo pode resultar numa grata surpresa. Pode também causar dor, mas é sempre melhor do que fingir só para continuar por perto - afinal, quem vive de migalha é pomba.

 

O que acaba mesmo com qualquer amizade não é o sexo e sim usar o outro, não ser franco, atiçar e cair fora, fazer falsas promessas, fingir que nada mudou, quando mudou. Está certo que amigo de verdade não faz essas coisas, mas nós somos um poço de contradições. Em matéria de gente, tudo pode acontecer e, creia, tudo acontece mesmo. Ainda bem.

 

Stella Florence nasceu em 67, tem uma filha, 30 tatuagens e oito livros, entre eles "Hoje Acordei Gorda" e "32 - 32 anos, 32 homens, 32 tatuagens". A mescla de humor e drama, além do verbo ácido, se tornou a marca registrada de sua literatura. Stella é tão alucinada por Gabriel García Márquez que sua cama (sim, sua cama!) tem o mesmo apelido do escritor colombiano: Gabo. Cada louco com sua mania... www.stellaflorence.kit.net

 

Via Itodas



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Sábado, 19.03.11

Os pontos do prazer

 

Há lugares escondidinhos da nossa anatomia que provocam sensações pra lá de prazerosas, mas são pouco explorados pela cabeça, corpo e principalmente pelos parceiros. "Cada mulher tem que descobrir o seu próprio ponto de prazer, porque não há um lugar fixo para todas as mulheres. Por tentativa, cada uma deve perceber de que jeito é mais gostoso e estimula melhor a vagina, já que não há uma posição específica que dê certo para todas", afirma Glene, lembrando que a cada 100 mulheres que conseguem atingir o orgasmo, 70% delas atingem o clitoriano, centro óbvio do prazer feminino. "O corpo humano é um abecedário completo de prazer", conclui.

 

Depois dessa matéria, você vai poder mostrar exatamente onde ele deve tocar e pagar na mesma moeda, tocando nos pontos G, H, Y, Z. Enfim, um monte de letrinhas para chegar a uma só: o T, dos grandes. Desvende-o!

 

Ponto G

 

O ponto de Grafemberg foi apelidado carinhosamente de ponto G para os mais íntimos. Segundo a sexóloga Marilene Vargas, ele está localizado na entrada da vagina, mais ou menos a 3 centímetros da porta de entrada: "Imaginando um relógio, está entre as 11 e 13 horas. É formado por seguimentos nervosos e glândulas de Skene. Apresenta uma textura diferente, mais fofa, que se incha quando estimulada".

 

Ela compara o ponto G ao botão de start do motor do orgasmo vaginal. Sobre a polêmica acerca do tema e o fato de alguns médicos alegarem que o ponto G não existe, Marilene é taxativa: "Todo mundo tem ponto G, quem diz o contrário é porque não soube procurar direito!", provoca.

 

Ponto P

 

Bem pertinho do ponto G, só um pouco mais adiante, fica o ponto P. Já ouviu falar? "Formado pelos ramos da glândula de Skene, é um ponto um pouco menor e, para conseguir detectá-lo, é preciso conhecimento do corpo e muita prática", afirma a sexóloga. Uma vez frente a frente com o tal ponto, ninguém vai ter dúvidas de que achou o danado: segundo a sexóloga, a sensação de prazer obtida é muito diferente do comum e há relatos de ondas crescentes de prazer. Oba!

 

Ponto Y

 

No fundo da vagina fica localizado o chamado ponto Y, perto do colo do útero. "Durante o orgasmo ocorre o descolamento do muco cervical e o homem sente um jato quente derramando-se na ponta do pênis", explica Marilene, acrescentando que isso costuma acontecer entre o 10º e o 18º dia do ciclo menstrual, quando a quantidade de muco é maior. Ao contrário do que se pode imaginar, a médica garante que não é necessário que o parceiro seja do time dos bem-dotados para conseguir alcançar o ponto lá no fundo. "Basta que o casal seja compatível anatomicamente", afirma ela.

 

Ponto S

 

É mais conhecido pelas sociedades hindus e chinesas. "Sabe-se pouco sobre o ponto de Saspandra. Apenas que ele fica no terço posterior da vagina e é mais um lugar a ser explorado e provocar sensações prazerosas", resume Marilene, uma vez que não há um estudo histológico mais aprofundado nesse caso.

 

Via Itodas



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.03.11

Conheça as zonas eróticas do homem e da mulher

 

Fundamentais para o prazer mútuo, as zonas erógenas são imprescindíveis para a mulher. Qualquer parte do corpo em que se tem sensibilidade constitui uma zona erótica em potencial, mas algumas classificadas como primárias são comuns a todos e incluem, claro, as regiões genitais. 

No homem essas zonas são a glande, a bolsa escrotal a face interna das coxas, o ânus, o períneo e as nádegas. Entre as mulheres estão os grandes e pequenos lábios, a região posterior da vagina a haste do clitóris e a área próxima aos pelos conhecida como monte de Vênus. Os seios, quando estimulados, desencadeiam uma reação que atinge todo o aparelho genital, o útero se contrai, o clitóris se enche de sangue e se enrijece, os mamilos se entumecem. 

Outro ponto altamente erótico, para o homem e para a mulher é a nuca que também se classifica como uma zona erótica primária já que essa sensibilidade tem origem primitiva. 

Já as zonas eróticas secundárias variam de cultura para cultura e até de pessoa para pessoa. O beijo, por exemplo, é um costume tipicamente ocidental. Há quem fique excitado com uma mordida na orelha, uma confidência no ouvido e até um cafuné. 

O estímulo das zonas eróticas não pressupõe uma ação forte, rápida e repetida. Isto não excita ninguém. A carícia é muito mais gostosa quando feita suave e lentamente. 

O clitóris e o ponto G são os principais focos do prazer feminino. O primeiro tem a função de transmitir o estímulo erótico. O segundo, que recebeu esse nome em homenagem a seu descobridor, o ginecologista alemão Ernst Grafenberg, proporciona orgasmos muito mais intensos, desde que bem estimulado. 

O ponto G fica na parte anterior do canal vaginal, a mais ou menos cinco centímetros da entrada da vagina. Tem uma textura diferente, mais encrespada. Quando a mulher está excitada, essa área se intumesce e o tecido se torna duro, adquirindo uma forma ovalada. 

Para senti-lo, deve-se pressioná-lo. Para melhor localizá-lo, a mulher deve sentar-se ou agachar-se. A estimulação do ponto G leva a um orgasmo mais intenso, porque contrai toda a musculatura pélvica. Pode até mesmo acontecer um orgasmo simultâneo, se ambos forem estimulados ao mesmo tempo. 

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17.03.11

Masturbação também é assunto de Mulher

 

Adultos pensam coisas ruins quando ouvem a palavra masturbação. Pensam em suas vidas adultas e em seus conflitos sobre a sexualidade, e em específico a autoerotização. Adultos não pensam nas crianças e adolescentes tendo uma sexualidade. Compreendem que elas não podem ''ter sexualidade'', porque adulto pensa que ''ter sexualidade é igual ter sexo'', e fazer sexo não é para crianças e adolescentes. 

Isto é muito mais negativo para com as meninas. Elas são desestimuladas a tocarem-se com finalidades eróticas e sexuais. A vigília é maior contra elas. Mas como uma mulher adulta desenvolve a sexualidade? Como é que uma mulher adulta aprende a sentir prazer? 

Desenvolver a sexualidade e aprender a sentir prazer inicia-se na infância. E a maneira mais natural é através do treino da auto-percepção. É tocando-se, com frequência, o corpo todo, que uma criança e depois um adolescente aprende como são os caminhos do prazer adulto. 

Ser criança e ser adolescente são fases de preparo para sermos adultos. Aprendemos como agir e como fazer coisas para sermos adultos úteis. O que não aprendermos faltará na vida adulta. 

Pela curiosidade individual, crianças e adolescentes podem aprender como reconhecer as sensações que conduzem ao prazer sexual. A maneira de se aprender é tocar o corpo todo, muitas e muitas vezes, aprendendo como as sensações táteis, físicas que precisam ser provocadas e se associam a emoções e pensamentos. Estas associações não acontecem de uma única vez, numa única oportunidade. Precisa haver um treino, e este treino precisa de muito tempo, e ocorre ao longo de alguns vários anos. 

As mulheres adultas que tem mais facilidade em ter orgasmos são as que puderam ter este treino desde infância, e em especial na fase da adolescência. 

Meninas precisam saber que podem e devem aprender como as partes do corpo trazem sensações de prazer. São os adultos, pais e mães que precisam apontar estas possibilidades para as filhas. Esta responsabilidade é enorme e extremamente importante para a vida sexual das filhas quando adultas. 

Pais também devem mostrar que existem normas e regras que protejam suas filhas. Privacidade e respeito à privacidade dos outros são pontos importantes. A autoerotização deve ser feita em privacidade, provavelmente no banheiro ou no quarto, fechados, para permitir liberdade de pensamento, sem preocupações. Afinal, uma atividade de cunho sexual precisa de privacidade e deve ocorrer sem sentimentos ou pensamentos negativos. Ou o desempenho sexual adulto será comprometido. 

Pais e mães: precisamos pensar em como facilitar que as filhas cresçam para serem adultas sexualmente adequadas. Muitas mulheres adultas têm suas dificuldades sexuais e talvez isso ocorra pela falta que meninas têm de se conhecerem e treinarem os corpos para reconhecerem as sensações de prazer tátil que podem aprender sozinhas. 

 

Via Bonde



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Terça-feira, 15.03.11

Como enlouquecer um homem na cama?

 

1. Descubra a arte de escolher um bom filme
Homens e mulheres têm gostos diversos. Em linhas gerais, moças gostam de filmes eróticos com enredo, já os rapazes apreciam as cenas de sexo explícito. Então, se a ideia é surpreendê-lo com um filminho, nada de água com açúcar. Que tal perder a vergonha e entrar logo na salinha escondida da videolocadora? Títulos como “Sexxxy Angels” e “Excalibur 2” figuram em listas dos mais pedidos.

 

2. Se jogue na pista
E invista sem medo de ser feliz em um momento fetichista. Colegial, enfermeira, faxineira, policial e noiva entram na lista das fantasias que fazem mais sucesso nas sex shops.

 

3. Incremente o estoque de brinquedinhos eróticos
Anéis penianos com vibradores são campeões de vendas nas lojas de produtos eróticos por terem dupla função: o anel ajuda o homem a manter a ereção por mais tempo, enquanto o vibrador estimula o clitóris da mulher. Algemas, vendas e chibatas também costumam fazer sucesso entre quatro paredes.

 

4. Escolha uma lingerie poderosa

Luciana Keller, proprietária da boutique erótica Constantine, em São Paulo, diz que é preciso ir aos poucos nessa área. “Quando o homem compra lingerie para uma mulher, geralmente escolhe modelos minúsculos de calcinhas nas cores preta ou branca”, diz. “Só os que têm cabeça mais aberta apostam nos modelos vermelhos”. Por isso, ela dá a dica para não errar no primeiro encontro: vá de pretinho básico e, depois de sentir o grau de entusiasmo do rapaz, parta para peças mais abusadas. “Não dá para ir rápido demais e pular da calcinha branca para o corselet vermelho com cinta-liga logo de cara”, diz Luciana. Mas uma coisa é certa: todo homem gosta de mulher vestida com uma lingerie bacana. Se ela for combinada com um scarpin de salto altíssimo, o efeito é ainda mais avassalador.

 

5. Invista em uma nécessaire erótica
Óleos de massagem, gel lubrificante com sabor, gel que esquenta ou esfria o pênis e velas que, derretidas, liberam um óleo morno com aroma de baunilha estão entre os muitos produtos vendidos nas sex shops para embalar uma boa noite de sexo.

 

6. Aprenda a pompoar
Essa técnica oriental, derivada do tantra, consiste na contração e relaxamento dos músculos circunvaginais. É um excelente exercício que aumentará seu poder de controle sobre a cena sexual – o que, acredite, é estimulante para ele também.

 

7. Momento Cleópatra
Faça como a rainha do Egito no épico estrelado por Elizabeth Taylor e convide seu Marco Antônio para um banho de banheira inesquecível à luz de velas e com direito a essências aromáticas estimulantes, como laranja ou baunilha.

 

8. Domine alguma arte erótica
E surpreenda com um bom striptease, para deixar seu parceiro enlouquecido de vontade. O burlesco é uma forma de striptease mais teatral, que tem a ver com provocação, contar uma história e a maneira como a performer interage com o público.

A dançarina Sweetie Bird, expert em burlesca, dá algumas dicas para um strip bem-sucedido. “É preciso ter cara de pau e usar do seu talento com paixão, o resto vem naturalmente”, ensina Sweetie.

 

9. Na hora do striptease, o segredo é o bom humor
A dançarina burlesca Sweetie Bird aponta segredos para um show privé:
- Escolha um tema para o seu show. Inspire-se nas famosas pin-ups, por exemplo;
- O figurino deve ser sexy e composto por peças fáceis de serem tiradas;
- Ensaie antes e com a trilha sonora escolhida para pontuar os movimentos;
- Toda mulher pode ficar extremamente sexy em um figurino que valorize seu corpo. Preste atenção aos seus pontos altos e aposte em roupas que destaquem cada um deles. Seios fartos pedem decotes generosos, marque a cintura, dê destaque para o bumbum, para as pernas... Você é a melhor crítica das suas virtudes!
- E o mais importante: não se leve a serio. Tudo o que tem a ver com sexo pede espontaneidade e bom humor acima de tudo. A ideia é se divertir e não seguir regras rígidas. Sweetie Bird recomenda: “Mantenha o ar de naturalidade com um pé no cômico”.

 

10. Não tenha pressa na hora do sexo ral
Homens ficam loucos com sexo ral, adoram. E quanto mais tempo você se dedicar a esse tema, mais aumentam as chances de uma boa noite de sexo selvagem na sequência. O segredo é ser delicada, mas manter movimentos vigorosos ao mesmo tempo. Gel comestível com algum sabor deixa essa parte da brincadeira ainda mais gostosa. Não tenha pressa, faça movimentos de vai-e-vem constantes, alternados com suaves lambidas, desça mais um pouco, retorne ao topo. Aproveite o momento para atiçar, além da vontade dele, também a sua. E, acima de tudo, não tenha pressa.

 

11. Passo a passo básico para o sexo orl

 

 

Via 180 Graus



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Domingo, 13.03.11

Como lidar com o sexo casual

 

Conheci Lucas, um gatíssimo instrutor de mergulho, nas minhas férias no Caribe. Ele tinha olhos lindos e alegava ser capaz de prender a respiração durante vários minutos sem voltar à superfície para tomar ar - o que comprovou depois na cama. Eu me sentia bem quando o deixei na manhã seguinte. Exatamente porque não estava obcecada em ser a "namorada perfeita" e, focando no prazer dele, fiz sexo oral pela primeira vez. Nunca mais o vi.

Olhando para trás, recontando todos os drinques que tomei, fiquei surpresa ao perceber como uma noite de sexo sem compromisso lembrava um porre: ambos me deixam intoxicada, maliciosa e de pernas bambas. E não são experiências que eu gostaria de repetir toda noite. Cientistas comparam a liberação de dopamina de quando nos apaixonamos com a de usar cocaína. Para mim, a explosão de oxitocina pós-orgasmo do sexo casual é como uma noite de bebedeira. E não só porque alguns homens já vêm com advertências do tipo "Se beber, não dirija".

Algumas amigas não transam sem expectativa de bis por causa da culpa que sentiriam depois. Outras parecem imunes ao efeito colateral. É o debate Sex and the City: você fica no grupo das devoradoras de homens que vivem amores efêmeros, como Samantha, ou no das que-amam-todos-os-homens-com-quem-dormem, como Charlotte?Muitas mulheres escolhem o meio do caminho. "Essa decisão tem muito a ver com seu desejo no momento: ter um relacionamento ou aproveitar ao máximo sua sexualidade", diz o terapeuta sexual Ian Kerner, autor de She Comes First: The Thinking Man’s Guide to Pleasuring a Woman (inédito no Brasil).

 

Em um estudo recente da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, um quinto dos entrevistados disse que sua última relação havia sido casual. A felicidade emocional dessa parcela não era menor que a de quem fez sexo com amor.

A verdade é que muitas mulheres gostam de rala e rola sem compromisso, mas têm vergonha de admitir. "Durante o último ano do meu relacionamento, o sexo era péssimo", conta Emma, 27 anos. Depois que terminou, ela arrumou três passatempos, um deles um jovem músico. "Ele era bem mais novo do que eu e ainda morava com os pais, então não tinha nenhum potencial de virar meu namorado. Mas eu pensava que passar uma noite com ele era melhor do que transar com um cara com quem eu pudesse me sentir envolvida depois. Fizemos sexo a noite inteira e ele não parava de repetir que meu corpo era lindo", diz.

Já é senso comum que você deve saber seu limite para o álcool. A mesma lógica se aplica aqui. "Ter um homem nu na sua cama não é um atalho para uma conversa", alerta a minha amiga Sarah, que já fez test-drive de muitos caras. "Minha tática era me perguntar antes: vou me importar se ele não ligar no dia seguinte? Se a resposta fosse ‘Sim’, escapava."

Nesse estágio inicial, não deve haver (na teoria) investimento emocional, pois vocês mal se conhecem. Mas, como Sarah diz, quando alguém está dentro de você, pode parecer mais íntimo do que de fato é. O truque: prever quando a noite vai deixá-la com ressaca emocional.

Antigamente, se eu encontrasse alguém interessante, mas que não era o homem, dormiria com ele só para ter a experiência sexual. Mas o que me levava ao êxtase cinco anos atrás me deixa com um gosto amargo na boca hoje. Assim como fazemos com a bebida, é preciso saber a hora de deixar uma festa. Estou atingindo o estágio em que é melhor ir pegar meu casaco na chapelaria.

 

Kerner afirma que "se o que você procura é estar em um relacionamento amoroso, sexo casual pode reforçar a sensação de solidão. E cuidado ao fazer sexo com ex-namorados ou para superar um fora. Pode fazê-la sentir falta do sexo que estava tendo com alguém que amava".

Minha amiga Katie, 32 anos, ficou catando migalhas depois que levou um tchau do amado. "Fui para casa com um cara que conheci numa festa", conta. "Ele nem era muito atraente, mas fiquei machucada quando não ligou. Rejeitada de novo?" Tal reação é comum. Nós, mulheres, liberamos oxitocina, substância que faz com que a gente se ligue afetivamente a um parceiro mais facilmente que eles. "Há um pico da substância durante o orgasmo, o que aumenta a sensação de intimidade", diz Kerner.

Às vezes, homens também são perseguidos pelo fantasma de uma noite de sexo casual. Nunca vou esquecer o dia em que saí com um advogado e acordei com ele olhando para mim. "Bom dia, linda. Estava vendo você dormir. Quer almoçar com meus pais?" Saí correndo.

O lado bom dessa história é que nossa atitude está sempre mudando. O advogado? Péssima experiência. Mas meus dois últimos romances começaram assim. Prova de que não importa se você é abstêmia ou o tipo de mulher que dança até o chão. É a única pessoa que pode decidir como sua vida sexual deve ser.

 

Minhas superlições

1. Tenha cuidado - se você está emocionalmente vulnerável, agora pode não ser uma boa hora.

2. Se ele abusar da sua hospitalidade, sinta-se livre para vestir pantufas e apresentá-lo ao Teddy, seu ursinho de pelúcia.

3. Terem trocado fluidos corporais não significa que você pode pular as boas maneiras. Sempre pergunte antes de pegar a escova de dentes dele emprestada.

4. Não beba demais. Qual a graça de fazer sexo para refrescar a mente se você não se lembrar de nada no dia seguinte?

5. Essa é a sua chance de colocar em prática uma nova fantasia. E se ele cair na risada? Você não tem planos de vê-lo de novo, certo?

 

 

Via Cosmopolitan

 



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 12.03.11

Porquê os homens gostam tanto de sexo anal?

 

O prazer masculino vai muito além das fronteiras do proibido, do fetiche. Simplicar o furor anal a constante recusa da maioria das mulheres – quando em ambientes públicos, logicamente – seria por demais freudiano.

 

Homens são conquistadores. 

 

Aí você vai começar a encontrar a ponta de sua resposta. A cruel realidade é que não temos espamos ejaculatórios ao enfiar nossos paus em um local apertado, escuro e, por vezes, sujo.

 

O real prazer está na conquista. Mais especificamente na entrega. Sexo anal é o mais consensual de todos. A mulher precisa de confiança plena para se doar a seu parceiro e relaxar o suficiente para permitir a penetração. É um ato louco de amor, tesão e submissão, divido não igualmente entre as três partes.

 

Alcançar esse nível de intimidade é de uma satisfação similar a escalar o everest com as próprias mãos, sem equipamentos e sem ajuda dos guias Sherpas. Afinal, o caminho só pode ser trilhado em dupla. Não há vagas para uma torcida, “Vai, está indo bem, um pouco mais de força, campeão!”.

 

A entrada é suave, e em partes, pequenos estágios que podem se dividir em mais de uma noite, até que a dama esteja suficientemente preparada para que o fato se conume em toda sua extensão. Leia-se, ir até o final, em um gozo não-hollywoodiano, mas ainda sim animalesco, intenso, único.

 

O pós-sexo será seguido por um longo abraço e pedido de aconchego por parte dela. Ele, de peito estufado, um pavão em toda sua glória, diante da fêmea. Vão arfar em conjunto, sincronizar a respiração e compartilhar um momento lindo, verdadeiramente lindo. Ela vai rever sua posição sobre o assunto, afinal, descobriu que pode sentir prazer. Ele, vai se sentir um mestre. Pois se tornou um pequeno homem ao comer sua primeira namoradinha. Mas só agora pode dizer que realmente entende a alma feminina – e nem de longe entende. Vai fazer um olhar assim meio Nelson Rodrigues e se virar de lado, contemplando a beleza da situação.

 

Ter uma mulher completamente entregue em nossos braços. Esse sim é o gozo supremo!

 

Via Sexo e Prazer



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 11.03.11
Quando a fantasia sexual vira traição


Tirar os pés do chão e pensar em outros homens - sejam eles celebridades ou amigos próximos - nem sempre é sinal de que a fidelidade ao seu parceiro está sendo deixada de lado.

 

Se analisarmos as fantasias pelo lado bom, ela ajuda a apimentar a relação e a melhorar o envolvimento com o parceiro.

 

Na verdade, as fantasias são mais comuns do que se imagina. "Pode ser algo até saudável. Quando a fantasia for esporádica não representa ameaça para a relação. O problema surge quando uma pessoa passa a querer realizar esse desejo com outra pessoa que não a parceria, o que muda totalmente o quadro", alerta o psicólogo e psicoterapeuta Marcelo Toniette.

Ter uma fantasia não significa necessariamente uma atração. A fantasia remete-se mais a um aspecto subjetivo, sendo que a atração já parte para algo mais físico, mais intenso. "Desse modo, fantasiar é imaginar, criar mentalmente situações que nos gerem sensações das mais diversas. Cada pessoa tem uma forma e intensidade própria de praticá-la. E utilizar este recurso pode fortalecer ainda mais a intimidade e a felicidade do casal", garante o psicoterapeuta.

 

E quando a mulher para de fantasiar e passa a sentir atração física por outro homem, já é indício de que algo não anda bem no relacionamento. Segundo o especialista, a traição, de certo modo, acontece antes mesmo de uma atração física por outra pessoa. "Muitas vezes essa atração surge quando a relação já está desgastada, ou mesmo atravessa um momento de crise, e os parceiros não se dão conta de que é longa a distância entre eles", comenta.

O psicólogo diz ainda que quando este distanciamento não é resolvido por ambos, um dos parceiros procura uma alternativa - entrega-se à atração por outra pessoa como meio de encontrar a satisfação - quebrando o contrato de fidelidade firmado no início do relacionamento.

 

"A atração sexual por outra pessoa mostra que já passou da hora de o casal procurar novas possibilidades que favoreçam a relação". E esclarece: "Quando se percebe um aumento na frequência e na intensidade da atração, o casal precisa tomar fôlego e lidar com a situação, a fim de encontrar formas de fortalecer a relação, caso este seja o desejo dos dois. Caso contrário, é preciso analisar se este não é momento certo de cada um trilhar caminhos distintos", orienta Toniette.

 

Via Vila Dois



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Quarta-feira, 09.03.11

Fantasias sexuais

 

Tenho fantasias sexuais e me excito quando penso nelas. Também já sonhei que estava transando com meu namorado e cheguei ao orgasmo. No entanto, quando estamos na cama de verdade, não fico excitada, nem tenho um orgasmo. O que pode estar acontecendo comigo? - Carla Aghengui, São Paulo

 

Nosso estímulo ao sexo passa basicamente por três fases: a do desejo que vem quando pensamos na possibilidade de uma relação sexual, a do o preparo do ambiente e/ou dos acessórios que serão usados, e a de imaginar as fantasias sexuais sobre o ato que será vivenciado. Geralmente, aprendemos que as fantasias sexuais são secretas e servem apenas para estimular a atividade sexual, sem necessariamente ser essa atividade em si. Falar sobre elas ainda é um tabu social. O que devemos entender é que ela pode, sim, ser utilizada na hora do sexo, ajudando mais facilmente na manutenção do desejo e na chegada ao orgasmo.

 

 

 

Uma explicação possível para seu caso seria a de quevocê não acredita que suas fantasias possam ser vivenciadas junto de seu parceiro. Você já tentou levar para a cama suas fantasias? Existe alguma possibilidade de conversar com seu parceiro sobre suas necessidades? Muitas vezes basta este pedido para que a fantasia passe a fazer parte da vida sexual de vocês, sendo um facilitador do seu orgasmo.


Há um livro muito bom sobre isso chamado “No Jardim do Desejo”, dos autores americanos Wendy Maltz e Suzie Boss. A história fala sobre as diversas possibilidades de pensarmos e fantasiarmos sobre nossos desejos sexuais, com o objetivo de buscar e obter o máximo de prazer possível na hora da relação. É uma boa leitura sobre o assunto.

 

Diferentemente do que a sociedade, em geral, nos leva a pensar, a fantasia sexual não é uma espécie de traição a seu parceiro, mas sim uma maneira de nos reconhecermos enquanto mulheres e aprendermos sobre nossas necessidades. Cuide das suas e traga para sua relação a dois. Se acreditar que seu parceiro pode ouvir, conte a ele. Se achar que ele não pode ou não deve ouvir, guarde para você. O que passa e acontece dentro da sua cabeça ninguém poderá controlar, é um mundo apenas seu. Lembre-se que vale a pena ser feliz sexualmente e buscar qualidade de vida sexual junto do seu parceiro.

 

Via Marie Claire



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 08.03.11

Anorgasmia

 

Com o avançar dos anos a mulher evoluiu muito no seu papel na relação sexual entre um casal, mas mesmo assim a estatística aponta para uma percentagem um pouco elevada daquelas que têm dificuldades em chegar ao orgasmo (cerca de 30% das mulheres brasileiras segundo pesquisa feita em 2003 pelo Prosex – Projeto de Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo).

 

O que pode ter em conta para evitar esta situação?

- Os problemas da vida moderna – depressão, ansiedade e stress – são os principais condicionantes desta situação. Por isso se sofre de anorgasmia tente relaxar ao máximo, pratique exercícios físicos calmos (como caminhar, Yoga, natação) e tente abstrair-se daquilo que a preocupa.

- No entanto tenha em conta que a anorgasmia pode surgir mesmo em condições ideais, só porque a mulher fica distante. Se se identifica mais com esta situação tente não pensar em coisas do dia-a-dia (trabalho, alimentação, no que ainda lhe falta fazer, por exemplo).

- A inexperiência pode ter alguma influência, mas se for este o caso não se preocupe. É normal que leve algum tempo a sentir-se à vontade com o seu parceiro. Por mais cliché que seja este conselho, o mais importante é que “seja sempre sincera com o seu parceiro e lhe diga tudo o que a excita, tudo o que gostaria de experimentar e tudo aquilo que não gostou”.

- O desinteresse é um factor propulsionador para sofrer de anorgasmia. Se este é o seu caso experimente coisas novas. Pense naquilo que a excita, imagine situações que gostaria de experimentar, puxe pela sua imaginação. Se o problema for desinteresse pelo seu parceiro, então se calhar o melhor é pensar seriamente na sua relação. Não se esqueça que a parte sexual é muito importante.

- A falta de tempo não ajuda a um relaxamento mental e muito menos, não ajuda no caso daquelas mulheres que precisam de um pouco mais tempo para atingir o orgasmo. Previna-se e tente arranjar uma altura na sua agenda que não tenha nada a fazer a seguir. Desligue telefones, não oiça campainhas de porta… vocês está apenas para si e para o seu companheiro.

- Escolha um local adequado… a si. Por mais surpreendente que seja recebemos muitas mensagens de mulheres que só conseguem atingir o orgasmo num lugar com muita confusão. Mas tenha cuidado e tente ser discreta. Não corra riscos legais e puxe pela imaginação.

- Alguns psicólogos afirmam que o conhecimento do próprio corpo é muito importante. “A mulher precisa pensar e dar importância à sua sexualidade, tocar o próprio corpo, se descobrir sexualmente e saber o que lhe dá prazer. O orgasmo não chega do nada, é preciso aprender a conquistá-lo” alerta Rosana Simões, ginecologista, professora doutora e coordenadora do sector de sexualidade feminina da Unifesp.

- Disfunções hormonais, alcoolismo, tabagismo ou outros problemas orgânicos, além do uso de medicamentos que diminuem a libido (caso dos remédios para depressão e diabetes) influenciam na ausência de desejo.

- A falta desejo pode também decorrer da rotina e do desgaste emocional do casal. Mesmo amando seu parceiro, a mulher pode não sentir vontade de ter uma relação sexual com ele. Neste caso, é necessário contar-lhe o que está a faltar, perguntar do que ele gosta. “Sexo é comunicação, é compartilhar, é entrega” aconselha a ginecologista Rosana.

- No entanto, é preciso destacar que o sexo pode satisfazer uma mulher, dando-lhe todo o prazer do mundo, mesmo se não tiver um orgasmo.

 

Via Truques de Mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Domingo, 06.03.11
SEXO a TRêS...

Uma decisão meio complicada de se tomar.
Para isso o casal tem que ser muito intimo, na minha opinião é uma experiencia mais para o casal, se seu companheiro lhe propor isso não aceite só para agrada-lo será legal somente se a vontade partir dos dois, mas antes de dizer não ao seu companheiro pense.
Se ele está com voce e tem essa fantasia de fazer com duas mulheres e incluiu vc como uma delas,pense ele gosta de vc o q significa q voce não precisa ficar com aquela neura "e vá que ele acabe gostando mais da outra" pois com vc ele irá fazer amor e com a outra apenas sexo.
Aposto que esta experiencia vai deixar vc e ele muito mais intimos, mas antes conversem bem sobre esse assunto para não virar de uma experiencia gostosa para um truma sexual.
Fica dica: se for fazer faça só se vc tbm quiser se não, não rola.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Sexta-feira, 04.03.11

Sonhos Eróticos

 

Acordar transpirando e agitada depois de uma noite de sexo intensa com o chefe pode ser algo perturbador. Principalmente se, ao abrir os olhos, quem estiver ao seu lado na cama for o marido ou namorado. A primeira sensação é a de culpa — as mulheres tendem a carregar esse sentimento quase como um acessório. Depois, a dúvida. Será que estou atraída pelo meu chefe? É bem provável que não. Ao contrário do que pensamos, sonhar com sexo raramente significa uma atração física ou tensão sexual reprimida . “Os sonhos são uma ferramenta para levar questões do inconsciente ao consciente”, diz o psicoterapeuta junguiano Ascânio Jatobá. “E na maioria das vezes essa transmissão ocorre por meio de metáforas.”


Então, sonhar que está transando com o chefe significa que a pessoa está se tornando ciente de seu poder, está ganhando confiança. Uma noite tórrida (em sonho) com ator famoso pode refletir algum talento oculto e ainda desconhecido que está prestes a desabrochar. Mas, se a celebridade em questão for a Angelina Jolie (e você for mulher e hétero), o sonho quer dizer que você está cada vez mais confiante e confortável com a sua sexualidade ou, para Jatobá, que você está interessada em saber mais sobre você mesma e seus medos. “Não denota nenhuma tendência homossexual, isso é certo.” Sendo assim, sonhar que está transando com o ex não é motivo para colocar em xeque o namoro atual e entrar em dúvida sobre os sentimentos. “O inconsciente funciona como um arquivo morto, então esse tipo de sonho geralmente representa a identificação de características em comum entre o antigo e o atual relacionamento”, diz Jatobá. Não necessariamente comparações sobre o desempenho na cama, que fique claro. 

A interpretação dos sonhos, apesar de algumas definições mais comuns a todos, pode variar de acordo com o contexto de cada um, dificilmente ela é universal. Então, a melhor forma de interpretar os sonhos é olhar para dentro de si mesma enquanto se está acordada – e não entrar em pânico se, vez ou outra, dividir a cama com o chefe (metaforicamente!).

 

Via Marie Claire



publicado por olhar para o mundo às 21:02 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.03.11

O sexo oral e o prazer

 

Somos um pouco conservadores, por isso não praticamos sexo oral. Gostaria de saber se o clitóris é sensível, e se existe o risco de machucá-lo. Não tem perigo de beijar muito e dar irritações?

A principal função do clitóris é dar prazer. Ele é um órgão projetado para este fim. A cabeça ou glande do clitóris apresenta, normalmente, oito mil feixes de fibras nervosas, tendo, aproximadamente, o dobro do encontrado no pênis.

Essas terminações nervosas o deixam muito sensível ao toque direto ou de pressão. É fundamental o cuidado com as unhas e com os dentes nele, a não ser que isso faça parte do jogo erótico.

Então, use os dedos indicadores e médios para puxar a pele que reveste o clitóris para fora, deixando-o exposto, pronto para ser acariciado. Só que, antes, é importante deixá-lo bem úmido. Tem que saber sugar com jeito, usando os lábios, e saber usar a língua para acariciá-lo. Não vale a pena rever esse conservadorismo?

 

Via Hora de Santa Catarina



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.02.11

tudo o que nunca lhe contaram sobre o pénis

Pode ser o melhor amigo do homem - e da mulher - mas ainda há muito que não sabemos sobre ele.

 - Sim, pode partir-se: apesar de não haver nenhum osso no pénis, se ouvir um estalo e um uivo de dor, leve-o já às urgências. Pormenor: acontece mais na masturbação do que numa relação sexual, pelo que raramente a culpa é das mulheres. É que eles até com eles próprios são mais brutos... De qualquer maneira, é sempre melhor ir com calma. Ou enfim. A calma possível.

- Se ele não consegue levantá-lo, isso nem sempre é sinónimo de cansaço ou desinteresse. Pode ser sintoma de um coração a precisar de ajuda. A disfunção erétil também pode ser sinal de outras doenças crónicas como diabetes ou hipertensão.

- Não é um músculo: não pode aumentá-lo com flexões ou pesos. Quando muito, seria uma tortura medieval. Talvez o levasse a confessar muita coisa, mas de certeza que não lhe tornava o pénis num XL. Comprimidos, ampolas e pomadas, idem. Mesmo o tradicional pó de chifre de rinoceronte (pobres rinocerontes!) servirá quando muito para exterminar mais alguns rinocerontes ou para vender gesso em lugar do dito pó. Mais uma vez, o pénis ficará na mesma. A cirurgia parece que funciona, mas mesmo assim é uma pequena diferença, e além disso é caríssimo.

- A melhor maneira de aumentar o tamanho do pénis? Perder barriga...

- Não se pode aumentar o pénis mas pode-se diminuí-lo. Atenção machos fumadores: está provado que o tabaco pode fazer encolher o pénis até 1 cm! A razão é simples de entender: uma ereção é feita de sangue que corre pelas artérias. O tabaco calcifica as artérias, o que faz com que a circulação se faça com mais dificuldade, o que faz com que o sangue chegue mais devagar onde é preciso, ou que faz com que... pronto, já perceberam. Por isso, se morrer novo não o assusta, pode ser que isto o convença a deixar os cigarros...

- Além disso, o grande drama à volta do tamanho parece que não faz sentido nenhum, porque, dizem os especialistas, os pénis, quando eretos, são quase todos... do mesmo tamanho. Quer se seja alto ou baixo, gordo ou magro, enorme ou pequenino, pronto, já perceberam a ideia. O tamanho do pénis não varia tanto de uns homens para outros.

- O que acontece é que há dois tipos de pénis: um parece mais pequeno mas expande quando ereto, outro já é grande e não muda muito com a ereção. Facto nº2: o primeiro tipo é de longe o mais comum.

- Ah, e já agora, de uma vez por todas, não há relação nenhuma entre o tamanho do pénis e o tamanho do nariz, do pé, da mão ou do dedo mindinho! Escusado será dizer que é igualmente inexistente a sua relação com o tamanho do carro, do ego ou da conta bancária.

- É, sim, verdade que muitos deles curvam ligeiramente para a esquerda ou para a direita, o que é normalíssimo. Mas se for mais parecido com a curva do Mónaco, leve-o ao médico.

- A masturbação é saudável porque... mantém o equipamento em bom estado. Pronto. Basicamente é isto.

- O pénis tem vida própria? Quase... Não é tão facilmente controlável como um braço ou uma perna, porque não responde ao mesmo ‘centro de comandos'. De facto, o pénis responde ao sistema nervoso simpático (isto não é uma piada), que também controla, por exemplo, o bater do coração e a circulação do sangue. E o que se passa nesta zona nem sempre é consciente: daí as ereções involuntárias.

- Claro que, como também pode crescer sem o consentimento do dono, também pode encolher sem pedir licença, como num ambiente muito frio (meninas: aquelas cenas tórridas de sexo na piscina ou no mar acontecem mais no cinema que na realidade. A não ser que a piscina seja aquecida e o mar seja em Lagos para aí a 25 de Agosto...). Da mesma maneira, o stress é um poderoso anti-ereção, e tem o mesmo efeito de um duche gelado.

- Então qual é o top 10 dos inimigos da ereção? Em primeiro lugar, a depressão. Curiosamente, muitos dos medicamentos anti-depressão são também anti-ereção... Em segundo, álcool em excesso, em terceiro alguns medicamentos bem como alguns tipos de droga como cocaína, anfetaminas e marijuana. Em quarto, o stresse, em quinto a raiva (leva o sangue a todas as partes do corpo menos a que naquela altura interessa e além disso não é muito romântica), em sexto a ansiedade, em sétimo a obesidade, em oitavo falta de autoestima (só em oitavo? Hmmm....), em nono a falta de libido (sim, a dor de cabeça também lhes calha a eles), em décimo a falta de saúde geral (dah...).

 

Via Activa



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Domingo, 27.02.11

 

Que sexo é bom, todo mundo sabe, mas dizem por aí que pode ficar melhor. Não acredita? Então a gente te fala o que fazer, você faz o teste e conta se era tudo verdade, pode ser?

Segundo alguns sexólogos, o ponto G dos machos é a próstata, mais especificamente a área do períneo. Agora você perguntou: “pe o que?”, não foi? Períneo é um lugar do seu corpo, sabia? É... ele fica entre o ânus e os testículos e é um pequeno ponto macio naquela área sem pêlos. Lembrou dele?

Os nervos que controlam as reações sexuais, como a ereção, o orgasmo e ejaculação, vão todos no sentido da próstata e do períneo. Isso quer dizer que a área é o “centro de comando” para o seu prazer sexual, rapaz!

Dizem os historiadores que, desde sempre, massagear a próstata é uma maneira usada para manter e aumentar a saúde sexual dos homens. E diz o pessoal de sex shop que essa massagem mágica pode causar o orgasmo mais incrível da sua vida, conhecido como "orgasmo dos sonhos" ou "super O".

Como fazer? 


Você tem duas opções: pedir para sua namorada, amiga com vantagens ou seja lá quem faz sexo com você, para massagear a área com os nós dos dedos. Não precisa ter medo, ela não tem que colocar nada dentro de lugar nenhum. Na-da, entendido? Basta massagear a área certa com movimentos circulares e mudando a pressão exercida. Se isso for feito na hora exata do orgasmo, ele deve se estender por algum tempo a mais do que você está acostumado.

Outra opção é brincar sozinho e pra isso você pode usar um pequeno aparelho denominado “G-Men”. Esse grande amigo dos homens foi projetado originalmente para massagear a próstata, aliviar a congestão do fluido e promover a saúde geral do órgão. Mas como tudo pode ter outra utilidade... o aparelho tem sido descrito pelos usuários como responsável por proporcionar orgasmos inacreditáveis. A melhor parte é que não existe risco de o brinquedo escorregar para onde você não quer. 


E então, preparado para testar uma das melhores sensações da sua vida?

 

Via Guia da mulher



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Sábado, 26.02.11

Um dos mitos sobre a terceira idade diz que os idosos ou são assexuados ou, se têm alguma manifestação sexual, são "depravados". A verdade, porém, é que a sexualidade se mantém até ao fim da vida. Mesmo assim, há médicos que nada perguntam e lares que separam casais. O idoso acamado a quem uma auxiliar vai fazer a higiene e tem uma erecção "é uma situação naturalíssima". Por Catarina Gomes

 

Nunca ninguém lhe tinha perguntado isso na vida mas sim, Luísa Abreu, de 65 anos, masturba-se. "Continuo a ter desejo, mais quando aquece o tempo, preciso de me sentir mais despida". Não nega que é difícil arranjar momentos de intimidade estando a viver num lar de idosos, ainda mais a partilhar quarto com outra senhora - os quartos individuais são mais caros - mas lá se consegue.

Se dúvidas houvesse, nos três anos que leva na Casa do Artista, um lar de idosos em Lisboa que alberga profissionais do meio artístico, foi amealhando provas de que não é só ela, de que a sexualidade se mantém activa até ao final da vida, mesmo em situações de extrema debilidade.

Não olhemos para o seu caso, já que está bem de saúde, e teve uma vida que não seguiu as regras do seu tempo, as regras do não-faças-que-parece-mal-o-que-é-que-as-pessoas-vão-dizer. Foi "bailarina ligeira" no Parque Mayer, actriz e deu aulas, foi mãe solteira aos 20 anos, com o único amor da sua vida, nunca casou.

Um dia entrou-lhe no quarto do lar uma auxiliar esbaforida. "A senhora vinha em pânico", descreve Luísa, que gosta de ouvir desabafos e "resolver problemas". A funcionária vinha naquele estado porque tinha entrado num quarto para tratar de um senhor acamado, "que nem come com a mão dele", e encontrou-o a masturbar-se. Luísa conseguiu acalmá-la, explicando-lhe: "É natural, filha". "O desejo foi mais forte do que a fragilidade da doença", conclui.

De outra vez ia a passar numa sala da instituição e ouviu um trecho de diálogo, melhor dizendo, dois trechos de diálogo. Uma insuspeita idosa, com perto de 90 anos, "mal se segura de pé, move-se de andarilho, sofre do coração, tem problemas renais, talvez depressão", desabafava com uma colega. Ainda tinha desejo. "Como é que eu faço aqui?". Do outro lado "não encontrou abertura", só um "ai, que porcarias" e, "coitada", calou-se.

Luísa Abreu não se fez conhecer, mas lamentou aquela senhora. "Poucas pessoas conseguem falar do que sentem, do que lhes vai na alma. Não se fala, é como se não existisse." Mas existe.

Num "lar que não existe"

Luísa Abreu pensa que era importante "sossegar a senhora", dizer-lhe que o que sente é normal, que "é da natureza humana, não está sozinha, é do mundo". Era bom que a sexóloga que conheceu na semana passada nas rodagens de uma série para a RTP não fosse uma personagem de ficção e lhe dissesse a ela e às outras as coisas que diz às idosas também ficcionadas e que até fizeram um clube para discutir sexo mascarado de grupo para discutir tricot e lavores: "Que em qualquer idade temos o direito de fazer sexo".

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 24.02.11

Tenho fantasias sexuais e me excito quando penso nelas. Também já sonhei que estava transando com meu namorado e cheguei ao orgasmo. No entanto, quando estamos na cama de verdade, não fico excitada, nem tenho um orgasmo. O que pode estar acontecendo comigo? - Carla Aghengui, São Paulo

 

Nosso estímulo ao sexo passa basicamente por três fases: a do desejo que vem quando pensamos na possibilidade de uma relação sexual, a do o preparo do ambiente e/ou dos acessórios que serão usados, e a de imaginar as fantasias sexuais sobre o ato que será vivenciado.

 

Fantasias sexuais

 

 

 

Geralmente, aprendemos que as fantasias sexuais são secretas e servem apenas para estimular a atividade sexual, sem necessariamente ser essa atividade em si. Falar sobre elas ainda é um tabu social. O que devemos entender é que ela pode, sim, ser utilizada na hora do sexo, ajudando mais facilmente na manutenção do desejo e na chegada ao orgasmo.

 

Uma explicação possível para seu caso seria a de que você não acredita que suas fantasias possam ser vivenciadas junto de seu parceiro. Você já tentou levar para a cama suas fantasias? Existe alguma possibilidade de conversar com seu parceiro sobre suas necessidades? Muitas vezes basta este pedido para que a fantasia passe a fazer parte da vida sexual de vocês, sendo um facilitador do seu orgasmo.

 

Há um livro muito bom sobre isso chamado “No Jardim do Desejo”, dos autores americanos Wendy Maltz e Suzie Boss. A história fala sobre as diversas possibilidades de pensarmos e fantasiarmos sobre nossos desejos sexuais, com o objetivo de buscar e obter o máximo de prazer possível na hora da relação. É uma boa leitura sobre o assunto.

 

Diferentemente do que a sociedade, em geral, nos leva a pensar, a fantasia sexual não é uma espécie de traição a seu parceiro, mas sim uma maneira de nos reconhecermos enquanto mulheres e aprendermos sobre nossas necessidades. Cuide das suas e traga para sua relação a dois. Se acreditar que seu parceiro pode ouvir, conte a ele. Se achar que ele não pode ou não deve ouvir, guarde para você. O que passa e acontece dentro da sua cabeça ninguém poderá controlar, é um mundo apenas seu. Lembre-se que vale a pena ser feliz sexualmente e buscar qualidade de vida sexual junto do seu parceiro.

 

Via Marie Claire



publicado por olhar para o mundo às 21:01 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.02.11

Swing, um excitante segredo partilhado por cada vez mais casais

 

Leonor e Francisco têm um segredo que os «uniu ainda mais»: trocam de casal em festas organizadas pela comunidade swinger, nas quais se faz (muito) sexo, mas também «grandes amizades».

Ela tem 24 anos e ele 28. A viverem juntos há dois anos, chegaram a esta prática «por curiosidade». Começaram por ir ver as festas, onde encontraram «gente bem disposta a divertir-se» e «sem tabus».

Os locais são secretos e só os membros da comunidade os conhecem. Em Lisboa, Porto e Coimbra há meia dúzia de discotecas que só funcionam para a comunidade swinger e apenas abrem as portas para estes encontros, normalmente temáticos.

Estas festas, garantem, têm em comum com todas as outras da noite portuguesa a música, o bar, as luzes. Mas distinguem-se pela existência de um privado onde se pode trocar de parceiro sexual.

A troca não é, contudo, fácil. Todos - os quatro - têm de estar de acordo. Se o homem vê uma mulher que lhe agrada, mas não à sua parceira, nada feito. E é este acordo implícito que, diz quem pratica, garante a «fidelidade» aos princípios do swing.

Se o espaço é semelhante ao das outras discotecas, as pessoas são substancialmente diferentes: «Elas vão mais despidas, os homens com roupas mais explícitas», disse Francisco.

Muito corpo e roupa interior provocante à vista e uma atitude descontraída e «muito sensual» marcam a diferença. Postura que obriga a um cuidado permanente com o corpo e não permite desleixos.

Como explica Leonor, as mulheres normalmente cuidam-se para o Verão: «Nós estamos sempre bem tratadas».

Os homens também têm atitudes proibidas: «É normal ao fim de uns anos de casados, os homens ganharem barriga e desleixarem-se. Aqui não há espaço para isso».

Francisco enumera ainda outra diferença: «Nas outras festas [nãoswingestá toda a gente com vontade de partir a louça, mas não o faz. Nós fazemos o que queremos, porque o queremos».

Os mais novos fazem mais o que querem e com quem querem, pois têm mais opção. «Uma pessoa com 50 anos não tem tanta escolha», adiantou.

E são cada vez mais novos os swingers portugueses: a maior parte dos 3.000 casais registados no site que se apresenta como «o mais activo e em mais rápido crescimento da Península Ibérica»tem entre 22 e 35 anos.

A internet é, aliás, a principal porta de acesso a este mundo e é através dela que, segundo um dos administradores do site, os casais são «certificados».

O objectivo desta «certificação» é garantir, nomeadamente, que os casais são quem dizem que são, o que «é possível, graças ao recurso a webcams e outros instrumentos».

Tudo isto para garantir a «privacidade» por que anseiam osswingers portugueses, que se destacam dos de outras nacionalidades pela discrição.

«Portugal é o país mais interessante para o swing», disse o administrador, que solicitou anonimato.

Este responsável sublinha que os swingers portugueses buscam o bom das festas, mas essencialmente o equilíbrio numa vida stressante.

«Estamos enfiados um dia inteiro no escritório, com grandes responsabilidades, mas durante o tempo que estamos nas festas de swing não pensamos em mais nada».

Leonor e Francisco garantem que não é só o sexo o motor que busca estes casais, mas reconhecem que a maioria troca de parceiro nas festas e é sobre esse tema que comunica na internet:«Fazem-se grandes amigos».

 

Via Sol

 



publicado por olhar para o mundo às 21:43 | link do post | comentar

Segunda-feira, 21.02.11

Já passaram alguns anos. Mas há um momento específico que ficará para sempre gravado na memória de Diana Cruz. Num certo verão, quando chegou à praia onde toda a vida passara férias, à medida que caminhava em direção ao mar, ouviu à sua passagem: "Olha, agora esta é fufa!"

Hoje, ao lembrar-se desse sussurro sem a violência que foi ouvir aquilo, dito daquela maneira, no momento em que acabara de se apaixonar, pode até recordar a cena e dizer a frase como se nada fosse. Mas quando as palavras lhe saem da boca passa-lhe subitamente um brilho cortante pelos olhos claros.

"O que me custou mais", diz Diana enquanto vai dando pequeninos golos no chá de jasmim, "foi perceber como era difícil eu própria aceitar. O confronto com os outros foi terrível." Faz uma pausa e enumera: os amigos que deixaram de a convidar, os comentários de uns, a comiseração de outros que a olhavam como se estivesse doente, a irmã que deixou de lhe falar...

"Mas o confronto mais duro foi comigo própria. Estava convencida de que era uma pessoa absolutamente liberal. De repente, percebi que tinha imensos preconceitos e dava muita importância ao olhar dos outros. Não me julgava tão fraca. E isso entristeceu-me."

Paixão avassaladora

 

O que aconteceu a Diana, quase à beira dos 40, foi isto: "Reparava nela quando nos cruzávamos no corredor. Nessa altura, ainda estava casada. Lembro-me de a ver no supermercado e de ter ficado a pensar. Talvez fosse o ar, uma certa androginia que me atraía inexplicavelmente. Um dia aconteceu. Ao princípio, achei que seria uma experiência, só por curiosidade. Na minha cabeça, uma relação com uma mulher não era uma equação, estava totalmente fora do meu universo. Mas depois apaixonei-me. E foi tão avassalador que não tive hipótese de fugir."

Poderíamos dizer que o mundo desabou, mas não foi exatamente esse o caso. Porque o mundo não desaba assim, apenas recomeça de um modo diferente: "As pessoas perguntavam-me: 'O que é que te aconteceu? Sempre gostaste de mulheres e tinhas medo de assumir?' Exigiam-me definições, ninguém gosta da ambiguidade. E eu também me interrogava: 'Será que andei estes anos todos a fugir?' Depois percebi que não. Os homens não deixaram de me interessar. Tenho a nostalgia da masculinidade, ainda hoje quando chego a um sítio a minha atenção vai para os homens. Mas também passei a ter mais consciência da presença das mulheres. Não sei se voltarei a ter uma relação assim com outra mulher, mas também não sei se conseguirei voltar a estar com um homem com a displicência e a naturalidade com que estava. Nesta relação fui a sítios emocionais a que nunca tinha ido e se passarmos ao plano físico posso dizer, sem vacilar, que foi a minha relação mais libertadora e mais plena. Não me arrependo um segundo."

Ainda é cedo, Diana acabou de largar os filhos na escola, os seus gémeos de 7 anos. Daqui a pouco terá de ir trabalhar. É publicitária, anda atordoada de trabalho e, esta manhã, ao sentar-se à mesa com uma estranha para lhe contar uma parte da sua vida, tão íntima, dá-se conta da dimensão do desabafo: "O que me custa mais é pensar que a minha felicidade pode custar o sofrimento dos meus filhos. Ainda são pequenos, não percebem, pensam que é uma amiga como tantas outras, mas e depois? Gostava de pensar que um dia terei a coragem de ter uma vida em família com esta mulher. Mas ainda há um longo caminho a percorrer..."

Ser ou não ser, eis a questão

 

Luís Antunes diz ao telefone que o seu testemunho talvez possa interessar: "Toda a vida me senti homossexual. Mas há dois anos apaixonei-me por uma mulher e casei", explicou. Aparece ao encontro depois de ter passado a noite inteira no hospital. É enfermeiro, tem 26 anos. "Eu próprio fique muito surpreendido quando percebi que era bissexual." Porquê a surpresa? "Desde pequeno, toda a aproximação amorosa foi com rapazes: os jogos, os contactos, os primeiros beijos..." Aos 16 anos, o primeiro namoro. E um dia, à hora do jantar, com a família toda reunida, disse: "Tenho uma coisa para vos contar." Pensou que seria simples, que iriam aceitar, "fui muito ingénuo", recorda. "O meu pai negou, as minhas irmãs reagiram mal, a minha mãe não disse nada, mas acabou por fazer um grande esforço para aceitar. Sempre pensou que tinha sido uma falha na educação."

Quando o namoro acabou, já na Faculdade, Luís percebeu que começava a sentir-se atraído por uma das suas amigas do curso. Parecia-lhe que ela sentia o mesmo, e aquilo perturbou-o. "Não sabia se conseguiria relacionar-me a nível sexual." Contou-lhe: "Não me sentia bem em avançar sem dizer nada. Durante umas semanas, isso baralhou tudo. Depois confessei-lhe que estava apaixonado e começámos a sair juntos." Ao princípio foi difícil. A dúvida se seria ou não capaz de corresponder como homem na intimidade com uma mulher mantinha-se. Depois foi acontecendo e acabou por não ser tão linear. "Eu já tinha feito um percurso com um homem e construído toda a minha identidade sexual nesse percurso e na idade adulta fui confrontado com a heterossexualidade. O corpo feminino era-me estranho e tive de redescobrir a minha sexualidade como se fosse a primeira vez."

Também estranhou a visibilidade que agora este namoro podia ter. Sem segredos nem proibições: "Ao princípio, até andar na rua de mão dada me fazia confusão. Não estava habituado a poder ter demonstrações de afeto no espaço público e a namorar às claras sem constrangimentos. Ao comparar as duas situações, percebi quão injusto é para um casal homossexual não poder relacionar-se do mesmo modo. Achei chocante. Se tivesse continuado com aquele namoro, ter-me-ia casado com ele, agora é permitido." E, antes de se ir embora, diz sem hesitar: "Não procurei a normalidade. Aconteceu normalmente. Não passei de homo a hetero. Simplesmente encontrei o meu lugar da bissexualidade."

"Só há poucos anos é que a bissexualidade começou a ser encarada como uma orientação sexual e não como uma zona de transição", explica Joana Almeida, psicóloga na ILGA. "Por isso mesmo, sofria de dupla discriminação entre homo e heterossexuais, por ser considerada uma forma de não se conseguir assumir o lado homossexual. O mais difícil de aceitar é a indefinição. Ninguém gosta da ambiguidade." Também Pedro Frazão, psicólogo clínico, especializado em questões de género, concorda que, entre todas as orientações sexuais, a bissexualidade é a mais difícil de definir. "Na comunidade académica e científica era entendida como uma imaturidade. A partir do Relatório Kinsey publicados entre 1948 e 1953, a nossa sexualidade começou a ser observada como um mapa que se vai construindo e delineando ao logo da vida, sobretudo no percurso das mulheres", afirma o psicólogo. "É um dado que a sexualidade feminina é mais complexa, e nas mulheres a orientação sexual decorre com maior fluidez do que nos homens."

É in ser 'bi'?

 

Podemos interrogar se a bissexualidade está na moda como tendência entre a população mais jovem, por exemplo, que, livre de preconceitos, é seduzida pela ideia da experiência? "Penso que não", diz Pedro Frazão. "O que acontece é que, em Portugal, a discussão sobre as questões de género têm vindo a conquistar cada vez mais espaço na discussão política. Neste sentido, todas as questões relacionadas com a orientação sexual ganharam visibilidade, o que permite às pessoas sentirem-se mais livres para assumirem as suas escolhas. Não é uma questão de moda."

"A androgenia é uma tendência. A bissexualidade está na moda e vende", diz Alexandra Santos, 24 anos, voluntária na rede ex aequo, a associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros (LGBT). Ela trabalha no Projeto Educação da rede e percorre as escolas do país a debater identidade de género: "A orientação sexual é um tema que se discute muito durante a adolescência, e a bissexualidade tem o apelo de ser interessante: sugere mente aberta, capacidade de experimentar... Mas, para além deste aspeto mais superficial, muita gente tem dúvidas sobre a sua identidade, e a bissexualidade é a caixinha da confusão. Mas não basta ter uma experiência homossexual para se ser 'bi'."

Apesar da tendência e da confusão, Alexandra Santos, assistente social, sabe o que sente. Afirma sem vacilar: "Não traio, não sou promíscua, tenho relações duradouras. Gosto de homens e de mulheres em igual percentagem." Soube que a atraíam ambos os sexos quando entrou na Faculdade e começou a perceber "que aqueles sentimentos giros que sentia pelas minhas amigas não eram só amizade". Aí, sim, a confusão instalou-se. Nada tinha ainda acontecido e já ela desesperava. "Ai, ai, o que vai ser da minha vida? Porque todos desejamos a normalidade. Assusta muito perceber que nem sempre é assim", conta Alexandra, agora descontraidamente sentada num café do Chiado. "Depois de me questionar se não seria só uma fase, fiz uma viagem à Bélgica para participar num programa entre jovens europeus, conheci uma rapariga e percebemos que tínhamos muita coisa em comum. Principalmente a nossa fé. Quando voltei, continuámos a falar no Messenger e combinámos encontrarmo-nos. Namorámos alguns meses entre cá e lá e depois terminou."

Foi nessa altura que se aproximou da rede ex aequo. Queria encontrar outras pessoas que sentissem coisas semelhantes e perceber que identidade era aquela. A questão do pecado preocupava-a. Um dia ouviu esta frase de uma crente: "Deus manifesta-se em cada um de nós quando estamos bem e fazemos bem aos outros." Sentiu que poderia ter essa força e arriscou clarificar. Em casa, começou a espalhar discretamente as revistas distribuídas pela rede LGBT até a mãe perguntar: "Aquelas revistas que trazes cá para casa são o quê?" Alexandra falou na ex aequo e explicou o projeto: "E o teu pai sabe disso?" Nessa noite, ao jantar, com as três irmãs e o pai já sentados à mesa, a mãe voltou à carga: "Tu és alguma dessas coisas?" Ela disse: "Tanto poderia casar com um homem como com uma mulher." A mãe ainda tentou dar um ar de normalidade: "Se fosses homossexual, eu aceitava." O pai disse logo que não aceitava e uma das irmãs perguntou-lhe: "O que é que te deu para dizeres uma coisa dessas aos pais?" Alexandra encolheu os ombros: "Porque é verdade."

Hoje acredita que para a sua família seria menos complicado se ela fosse homossexual. Pelo menos, seria uma coisa só. Agora aquilo assim... "Como é que se consegue gostar de homens e de mulheres ao mesmo tempo? Lá está, a questão da promiscuidade. Mas eu sou monogâmica e não tenho namorados e namoradas em simultâneo." Tenta explicar que cada sexo tem as suas diferenças, e ela gosta dessas diferenças. "Sinto-me atraída por pessoas e não por géneros", diz Alexandra. Depois dá conta da frase e desata a rir: "Este é o verdadeiro cliché dos 'cotonetes', não é?"

Pedro Frazão, o psicólogo, esclarece: "Esse é precisamente o discurso da bissexualidade. Interessa é o que se sente por determinada pessoa, independentemente do sexo. Como há uma maior abertura em relação à homossexualidade, essa abertura reflete-se, naturalmente, nos jovens, e observo que cada vez os discursos são menos estanques em relação aos rótulos identitários. Nestas faixas etárias tem-se, naturalmente, menor dificuldade em definir atrações e experiências e há uma noção cada vez mais clara de que todos os percursos são diferentes."

Os pomossexuais. "Já ouviu falar em pomossexualidade?", pergunta Ruben. Espreitamos a Wikipédia: "Pomossexual é um neologismo que descreve pessoas que evitam rótulos restritos como hetero, homo ou bissexual."

Ruben Santos, Raquel Bravo, Marta Cardoso: 19, 17 e 20 anos, respetivamente. São estudantes associativos e muito empenhados em causas cívicas. Ruben e Marta conheceram-se na Associação do Liceu Padre António Vieira. Raquel é animadora de teatro comunitário e amiga de Marta. Os três afirmam perentoriamente que não gostam de definições: "Os rótulos são muito limitadores. Acredito que, ao longo da vida, qualquer pessoa pode sentir emoções pelo sexo de que é suposto gostar e pelo que é suposto não gostar. Não conheço ninguém da minha idade que não sinta essa atração", conta Marta, referindo o seu interesse por raparigas e a maneira como gosta de viver cada uma das suas relações. Por agora está menos interessada no género masculino. Mas, aos 18 anos, ainda nada precisa de ser definitivo.

Também Raquel Bravo tem dificuldade em usar claramente uma palavra que a classifique: "Sei o que não sou", diz, tentando clarificar. "Não sou hetero, nem homo. Durante cinco anos tive um namoro fortíssimo com um rapaz que morreu e depois a minha relação com os homens mudou. Era como se estivesse a traí-lo. Quando entrei no meio artístico, tive as minhas primeiras relações lésbicas", conta Raquel descontraidamente: "Não quero casos. Quero definitivamente estar com alguém que seja minha e eu dela. Não sei se será um homem ou uma mulher, também não me preocupa. Gostar é simplesmente gostar."

Ruben Santos, o rapaz que também não sabe se é ou não homossexual, tem a teoria de que todas as pessoas, se pudessem, seriam 'bi' e acredita que só não são por uma questão de educação. "Como é que uma pessoa pode dizer sim ou sopas se não experimentou?", interroga. "Se temos várias opções, porquê aceitar uma só?" Excluir, logo à partida, a possibilidade de atração por pessoas do mesmo sexo pode ser uma construção. "Para um rapaz, custa muito aceitar. Cheguei a ter nojo de mim. Fazia-me confusão a ideia de uma relação estável ou de envelhecer ao lado de um homem. Agora, embora ainda sinta algum medo desse quotidiano, já não penso tanto nisso."

Marta, que em breve irá para a universidade e tem ideias muito próprias sobre o amor, conta que nunca se sentiu excluída ou posta de lado quando está com uma rapariga. Os amigos todos sabem e aceitam. Afirma que na sua geração é normal nos liceus os casais homo andarem abraçados: "Ninguém liga. Nem os professores."

Ruben, apesar das dúvidas, por agora não lhe interessa pensar em escolhas. Neste momento, namora com um rapaz. Mas sabe que quer ter filhos seus. E não é só isso: "Gosto do masculino e do feminino. De proteger e de me sentir protegido quando me deito num abraço", reflete.

"A bissexualidade é a zona invisível", diz Joana, a terapeuta. "A ânsia de sabermos o que somos, de nos definirmos, tem a ver com a eterna necessidade de tentarmos perceber porque nos apaixonamos por A ou por B. Nunca sabemos porque nos apaixonamos, e mesmo para a ciência continua a ser um grande mistério."

(Nota - Diana Cruz, Luís Antunes e Marta Cardoso são nomes fictícios.)

Publicado na Revista Única de 29 de Janeiro de 2011

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 00:56 | link do post | comentar

Sábado, 19.02.11

- Posição de Andrômaca

 



COMO FAZER: seu parceiro deve se deitar de costas no chão ou na cama e você se sentar sobre ele – de frente – oferecendo-se para a penetração. 
POR QUE AJUDA A ATINGIR O ORGASMO ?
Por ficar por cima, a mulher pode, além de liberar as fantasias femininas de dominação, conduzir todo o ritmo da transa, impondo a velocidade e os movimentos (que podem ser em círculos ou lateralmente) que mais facilitem a intensidade do seu prazer. As sensações podem ser manipuladas de acordo com o que for conveniente, aumentando ou diminuindo a profundidade da penetração. Os músculos da vagina podem ser conduzidos ao orgasmo através do movimento de pompoarismo.
Como nesta posição as mãos fi cam livres, se preferir a mulher pode se masturbar ou pedir que o companheiro a estimule acariciando os seu seios e o clitóris. Este ângulo também é um dos favoritos para estimular o ponto G. 

- A colher (de ladinho)

 



COMO FAZER: o casal deita-se lado a lado com a mulher de costas para o homem. Ele afasta suas pernas e a penetra por trás. 
POR QUE AJUDA A ATINGIR O ORGASMO ?
Os movimentos devem ser suaves e coordenados e a penetração, lenta e profunda. Um dos pontos altos é que favorece as carícias, que podem variar entre os seios, barriga e, finalmente, o clitóris. Além disso, o homem pode aumentar o erotismo beijando a mulher na nuca e atrás da orelha. O ângulo da penetração garante a fricção contínua do clitóris, além de permitir que ela mesma se masturbe durante a penetração. Para o homem, as sensações também são intensas já que as pernas juntas da mulher permitem que a compressão do pênis seja maior e mais prazerosa.

- Posição da bigorna

 



COMO FAZER: com as pernas levantadas, a mulher é penetrada e o parceiro, em seguida, as coloca esticadas sobre os seus ombros. 
POR QUE AJUDA A ATINGIR O ORGASMO
Para esta posição, é muito importante que a mulher esteja completamente lubrifi cada antes que seu parceiro a penetre, caso contrário pode ser um pouco incômodo. A vantagem é que proporciona uma excitação absoluta para o casal. O homem pode variar seus movimentos até atingir a penetração completa. O fato de o contato genital se intensificar, pois os testículos golpeiam suavemente os glúteos da mulher e o clitóris pode ser pressionado pelo corpo do homem, a posição promove recursos sufi ciente para que seja possível atingir o orgasmo.

- Posição de lótus

 



COMO FAZER: o homem se senta com as pernas cruzadas (ou esticadas) e a mulher se senta sobre seu pênis de frente para ele.
POR QUE AJUDA A ATINGIR O ORGASMO ?
Este truque pode levar a mulher a experimentar uma sensação altamente prazerosa por vários motivos. Um deles é que a posição permite momentos de grande afetividade, já que os corpos ficam bem colados e o casal pode manter os olhos nos bolhos, observando a resposta do prazer que estão dando um ao outro. Aqui, a penetração não é tão profunda, mas os músculos da vagina ficam mais tensos e isso é muito estimulante para ambos. Por estar por cima, a mulher fi ca livre para conduzir
a sua musculatura ao orgasmo

 

 

 

 

 

Para a mulher ter orgasmos, ela precisa ser abraçada, tocada, ouvida, receber muito carinho, ouvir sussurros e dizeres eróticos ao pé do ouvido e, principalmente, se sentir muito à vontade e desejada” Cláudya Toledo, terapeuta sexual



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 03.02.11

Já passaram alguns anos. Mas há um momento específico que ficará para sempre gravado na memória de Diana Cruz. Num certo verão, quando chegou à praia onde toda a vida passara férias, à medida que caminhava em direção ao mar, ouviu à sua passagem: "Olha, agora esta é fufa!"

Hoje, ao lembrar-se desse sussurro sem a violência que foi ouvir aquilo, dito daquela maneira, no momento em que acabara de se apaixonar, pode até recordar a cena e dizer a frase como se nada fosse. Mas quando as palavras lhe saem da boca passa-lhe subitamente um brilho cortante pelos olhos claros.

"O que me custou mais", diz Diana enquanto vai dando pequeninos golos no chá de jasmim, "foi perceber como era difícil eu própria aceitar. O confronto com os outros foi terrível." Faz uma pausa e enumera: os amigos que deixaram de a convidar, os comentários de uns, a comiseração de outros que a olhavam como se estivesse doente, a irmã que deixou de lhe falar...

"Mas o confronto mais duro foi comigo própria. Estava convencida de que era uma pessoa absolutamente liberal. De repente, percebi que tinha imensos preconceitos e dava muita importância ao olhar dos outros. Não me julgava tão fraca. E isso entristeceu-me."

Paixão avassaladora

 

O que aconteceu a Diana, quase à beira dos 40, foi isto: "Reparava nela quando nos cruzávamos no corredor. Nessa altura, ainda estava casada. Lembro-me de a ver no supermercado e de ter ficado a pensar. Talvez fosse o ar, uma certa androginia que me atraía inexplicavelmente. Um dia aconteceu. Ao princípio, achei que seria uma experiência, só por curiosidade. Na minha cabeça, uma relação com uma mulher não era uma equação, estava totalmente fora do meu universo. Mas depois apaixonei-me. E foi tão avassalador que não tive hipótese de fugir."

Poderíamos dizer que o mundo desabou, mas não foi exatamente esse o caso. Porque o mundo não desaba assim, apenas recomeça de um modo diferente: "As pessoas perguntavam-me: 'O que é que te aconteceu? Sempre gostaste de mulheres e tinhas medo de assumir?' Exigiam-me definições, ninguém gosta da ambiguidade. E eu também me interrogava: 'Será que andei estes anos todos a fugir?' Depois percebi que não. Os homens não deixaram de me interessar. Tenho a nostalgia da masculinidade, ainda hoje quando chego a um sítio a minha atenção vai para os homens. Mas também passei a ter mais consciência da presença das mulheres. Não sei se voltarei a ter uma relação assim com outra mulher, mas também não sei se conseguirei voltar a estar com um homem com a displicência e a naturalidade com que estava. Nesta relação fui a sítios emocionais a que nunca tinha ido e se passarmos ao plano físico posso dizer, sem vacilar, que foi a minha relação mais libertadora e mais plena. Não me arrependo um segundo."

Ainda é cedo, Diana acabou de largar os filhos na escola, os seus gémeos de 7 anos. Daqui a pouco terá de ir trabalhar. É publicitária, anda atordoada de trabalho e, esta manhã, ao sentar-se à mesa com uma estranha para lhe contar uma parte da sua vida, tão íntima, dá-se conta da dimensão do desabafo: "O que me custa mais é pensar que a minha felicidade pode custar o sofrimento dos meus filhos. Ainda são pequenos, não percebem, pensam que é uma amiga como tantas outras, mas e depois? Gostava de pensar que um dia terei a coragem de ter uma vida em família com esta mulher. Mas ainda há um longo caminho a percorrer..."

Ser ou não ser, eis a questão

 

Luís Antunes diz ao telefone que o seu testemunho talvez possa interessar: "Toda a vida me senti homossexual. Mas há dois anos apaixonei-me por uma mulher e casei", explicou. Aparece ao encontro depois de ter passado a noite inteira no hospital. É enfermeiro, tem 26 anos. "Eu próprio fique muito surpreendido quando percebi que era bissexual." Porquê a surpresa? "Desde pequeno, toda a aproximação amorosa foi com rapazes: os jogos, os contactos, os primeiros beijos..." Aos 16 anos, o primeiro namoro. E um dia, à hora do jantar, com a família toda reunida, disse: "Tenho uma coisa para vos contar." Pensou que seria simples, que iriam aceitar, "fui muito ingénuo", recorda. "O meu pai negou, as minhas irmãs reagiram mal, a minha mãe não disse nada, mas acabou por fazer um grande esforço para aceitar. Sempre pensou que tinha sido uma falha na educação."

Quando o namoro acabou, já na Faculdade, Luís percebeu que começava a sentir-se atraído por uma das suas amigas do curso. Parecia-lhe que ela sentia o mesmo, e aquilo perturbou-o. "Não sabia se conseguiria relacionar-me a nível sexual." Contou-lhe: "Não me sentia bem em avançar sem dizer nada. Durante umas semanas, isso baralhou tudo. Depois confessei-lhe que estava apaixonado e começámos a sair juntos." Ao princípio foi difícil. A dúvida se seria ou não capaz de corresponder como homem na intimidade com uma mulher mantinha-se. Depois foi acontecendo e acabou por não ser tão linear. "Eu já tinha feito um percurso com um homem e construído toda a minha identidade sexual nesse percurso e na idade adulta fui confrontado com a heterossexualidade. O corpo feminino era-me estranho e tive de redescobrir a minha sexualidade como se fosse a primeira vez."

Também estranhou a visibilidade que agora este namoro podia ter. Sem segredos nem proibições: "Ao princípio, até andar na rua de mão dada me fazia confusão. Não estava habituado a poder ter demonstrações de afeto no espaço público e a namorar às claras sem constrangimentos. Ao comparar as duas situações, percebi quão injusto é para um casal homossexual não poder relacionar-se do mesmo modo. Achei chocante. Se tivesse continuado com aquele namoro, ter-me-ia casado com ele, agora é permitido." E, antes de se ir embora, diz sem hesitar: "Não procurei a normalidade. Aconteceu normalmente. Não passei de homo a hetero. Simplesmente encontrei o meu lugar da bissexualidade."

"Só há poucos anos é que a bissexualidade começou a ser encarada como uma orientação sexual e não como uma zona de transição", explica Joana Almeida, psicóloga na ILGA. "Por isso mesmo, sofria de dupla discriminação entre homo e heterossexuais, por ser considerada uma forma de não se conseguir assumir o lado homossexual. O mais difícil de aceitar é a indefinição. Ninguém gosta da ambiguidade." Também Pedro Frazão, psicólogo clínico, especializado em questões de género, concorda que, entre todas as orientações sexuais, a bissexualidade é a mais difícil de definir. "Na comunidade académica e científica era entendida como uma imaturidade. A partir do Relatório Kinsey publicados entre 1948 e 1953, a nossa sexualidade começou a ser observada como um mapa que se vai construindo e delineando ao logo da vida, sobretudo no percurso das mulheres", afirma o psicólogo. "É um dado que a sexualidade feminina é mais complexa, e nas mulheres a orientação sexual decorre com maior fluidez do que nos homens."

É in ser 'bi'?

 

Podemos interrogar se a bissexualidade está na moda como tendência entre a população mais jovem, por exemplo, que, livre de preconceitos, é seduzida pela ideia da experiência? "Penso que não", diz Pedro Frazão. "O que acontece é que, em Portugal, a discussão sobre as questões de género têm vindo a conquistar cada vez mais espaço na discussão política. Neste sentido, todas as questões relacionadas com a orientação sexual ganharam visibilidade, o que permite às pessoas sentirem-se mais livres para assumirem as suas escolhas. Não é uma questão de moda."

"A androgenia é uma tendência. A bissexualidade está na moda e vende", diz Alexandra Santos, 24 anos, voluntária na rede ex aequo, a associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros (LGBT). Ela trabalha no Projeto Educação da rede e percorre as escolas do país a debater identidade de género: "A orientação sexual é um tema que se discute muito durante a adolescência, e a bissexualidade tem o apelo de ser interessante: sugere mente aberta, capacidade de experimentar... Mas, para além deste aspeto mais superficial, muita gente tem dúvidas sobre a sua identidade, e a bissexualidade é a caixinha da confusão. Mas não basta ter uma experiência homossexual para se ser 'bi'."

Apesar da tendência e da confusão, Alexandra Santos, assistente social, sabe o que sente. Afirma sem vacilar: "Não traio, não sou promíscua, tenho relações duradouras. Gosto de homens e de mulheres em igual percentagem." Soube que a atraíam ambos os sexos quando entrou na Faculdade e começou a perceber "que aqueles sentimentos giros que sentia pelas minhas amigas não eram só amizade". Aí, sim, a confusão instalou-se. Nada tinha ainda acontecido e já ela desesperava. "Ai, ai, o que vai ser da minha vida? Porque todos desejamos a normalidade. Assusta muito perceber que nem sempre é assim", conta Alexandra, agora descontraidamente sentada num café do Chiado. "Depois de me questionar se não seria só uma fase, fiz uma viagem à Bélgica para participar num programa entre jovens europeus, conheci uma rapariga e percebemos que tínhamos muita coisa em comum. Principalmente a nossa fé. Quando voltei, continuámos a falar no Messenger e combinámos encontrarmo-nos. Namorámos alguns meses entre cá e lá e depois terminou."

Foi nessa altura que se aproximou da rede ex aequo. Queria encontrar outras pessoas que sentissem coisas semelhantes e perceber que identidade era aquela. A questão do pecado preocupava-a. Um dia ouviu esta frase de uma crente: "Deus manifesta-se em cada um de nós quando estamos bem e fazemos bem aos outros." Sentiu que poderia ter essa força e arriscou clarificar. Em casa, começou a espalhar discretamente as revistas distribuídas pela rede LGBT até a mãe perguntar: "Aquelas revistas que trazes cá para casa são o quê?" Alexandra falou na ex aequo e explicou o projeto: "E o teu pai sabe disso?" Nessa noite, ao jantar, com as três irmãs e o pai já sentados à mesa, a mãe voltou à carga: "Tu és alguma dessas coisas?" Ela disse: "Tanto poderia casar com um homem como com uma mulher." A mãe ainda tentou dar um ar de normalidade: "Se fosses homossexual, eu aceitava." O pai disse logo que não aceitava e uma das irmãs perguntou-lhe: "O que é que te deu para dizeres uma coisa dessas aos pais?" Alexandra encolheu os ombros: "Porque é verdade."

Hoje acredita que para a sua família seria menos complicado se ela fosse homossexual. Pelo menos, seria uma coisa só. Agora aquilo assim... "Como é que se consegue gostar de homens e de mulheres ao mesmo tempo? Lá está, a questão da promiscuidade. Mas eu sou monogâmica e não tenho namorados e namoradas em simultâneo." Tenta explicar que cada sexo tem as suas diferenças, e ela gosta dessas diferenças. "Sinto-me atraída por pessoas e não por géneros", diz Alexandra. Depois dá conta da frase e desata a rir: "Este é o verdadeiro cliché dos 'cotonetes', não é?"

Pedro Frazão, o psicólogo, esclarece: "Esse é precisamente o discurso da bissexualidade. Interessa é o que se sente por determinada pessoa, independentemente do sexo. Como há uma maior abertura em relação à homossexualidade, essa abertura reflete-se, naturalmente, nos jovens, e observo que cada vez os discursos são menos estanques em relação aos rótulos identitários. Nestas faixas etárias tem-se, naturalmente, menor dificuldade em definir atrações e experiências e há uma noção cada vez mais clara de que todos os percursos são diferentes."

Os pomossexuais. "Já ouviu falar em pomossexualidade?", pergunta Ruben. Espreitamos a Wikipédia: "Pomossexual é um neologismo que descreve pessoas que evitam rótulos restritos como hetero, homo ou bissexual."

Ruben Santos, Raquel Bravo, Marta Cardoso: 19, 17 e 20 anos, respetivamente. São estudantes associativos e muito empenhados em causas cívicas. Ruben e Marta conheceram-se na Associação do Liceu Padre António Vieira. Raquel é animadora de teatro comunitário e amiga de Marta. Os três afirmam perentoriamente que não gostam de definições: "Os rótulos são muito limitadores. Acredito que, ao longo da vida, qualquer pessoa pode sentir emoções pelo sexo de que é suposto gostar e pelo que é suposto não gostar. Não conheço ninguém da minha idade que não sinta essa atração", conta Marta, referindo o seu interesse por raparigas e a maneira como gosta de viver cada uma das suas relações. Por agora está menos interessada no género masculino. Mas, aos 18 anos, ainda nada precisa de ser definitivo.

Também Raquel Bravo tem dificuldade em usar claramente uma palavra que a classifique: "Sei o que não sou", diz, tentando clarificar. "Não sou hetero, nem homo. Durante cinco anos tive um namoro fortíssimo com um rapaz que morreu e depois a minha relação com os homens mudou. Era como se estivesse a traí-lo. Quando entrei no meio artístico, tive as minhas primeiras relações lésbicas", conta Raquel descontraidamente: "Não quero casos. Quero definitivamente estar com alguém que seja minha e eu dela. Não sei se será um homem ou uma mulher, também não me preocupa. Gostar é simplesmente gostar."

Ruben Santos, o rapaz que também não sabe se é ou não homossexual, tem a teoria de que todas as pessoas, se pudessem, seriam 'bi' e acredita que só não são por uma questão de educação. "Como é que uma pessoa pode dizer sim ou sopas se não experimentou?", interroga. "Se temos várias opções, porquê aceitar uma só?" Excluir, logo à partida, a possibilidade de atração por pessoas do mesmo sexo pode ser uma construção. "Para um rapaz, custa muito aceitar. Cheguei a ter nojo de mim. Fazia-me confusão a ideia de uma relação estável ou de envelhecer ao lado de um homem. Agora, embora ainda sinta algum medo desse quotidiano, já não penso tanto nisso."

Marta, que em breve irá para a universidade e tem ideias muito próprias sobre o amor, conta que nunca se sentiu excluída ou posta de lado quando está com uma rapariga. Os amigos todos sabem e aceitam. Afirma que na sua geração é normal nos liceus os casais homo andarem abraçados: "Ninguém liga. Nem os professores."

Ruben, apesar das dúvidas, por agora não lhe interessa pensar em escolhas. Neste momento, namora com um rapaz. Mas sabe que quer ter filhos seus. E não é só isso: "Gosto do masculino e do feminino. De proteger e de me sentir protegido quando me deito num abraço", reflete.

"A bissexualidade é a zona invisível", diz Joana, a terapeuta. "A ânsia de sabermos o que somos, de nos definirmos, tem a ver com a eterna necessidade de tentarmos perceber porque nos apaixonamos por A ou por B. Nunca sabemos porque nos apaixonamos, e mesmo para a ciência continua a ser um grande mistério."

(Nota - Diana Cruz, Luís Antunes e Marta Cardoso são nomes fictícios.)

Publicado na Revista Única de 29 de Janeiro de 2011

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 02.02.11

 

 

Recomendações sobre sexo na gravidez

 

O sexo na gravidez é "geralmente seguro, com poucas complicações".

Esta é a mensagem que consta de uma nova cartilha elaborada para médicos, publicada hoje pelo Jornal da Associação Médica do Canadá.

O objetivo da cartilha é dar aos médicos as informações científicas mais recentes para o aconselhamento seguro às pacientes sobre sexo na gravidez.

 

Riscos do sexo na gravidez


Os riscos do sexo durante a gravidez, embora "incomuns", segundo a cartilha, incluem trabalho de parto prematuro, doença inflamatória pélvica, hemorragia na placenta prévia (quando a placenta cobre parte do colo do útero) e coágulos sanguíneos.

Embora as evidências sejam limitadas e até contraditórias entre os diversos estudos científicos sobre o assunto, o documento desaconselha o ato sexual para mulheres em risco de parto prematuro.

Nas mulheres com baixo risco inicial de parto prematuro, a relação sexual frequente mostrou-se associada com um maior risco de parto prematuro apenas nas mulheres com infecções do trato genital.

Nas mulheres com maior risco - esperando mais de um bebê, com incompetência cervical ou com um histórico de trabalho de parto prematuro - as evidências encontradas até agora são muito limitadas para fundamentar as recomendações.

"Em grupos com maior risco de parto pré-termo, não há evidências que sugiram um benefício claro de restrições da atividade sexual. No entanto, esta é uma intervenção simples que não causa dano e pode ser uma recomendação razoável até que surjam melhores evidências," afirma o documento endereçado aos médicos.

Em casos raros, alguns tipos de atividade sexual que empurram ar para dentro da vagina podem resultar em um coágulo de sangue do útero, que geralmente é fatal, com riscos para o bebê e para a mãe.

 

Disposição e conforto


"Sexo na gravidez é normal," escrevem os autores. "Existem muito poucas contra-indicações comprovadas e riscos do intercurso em gestações de baixo risco e, portanto, estas pacientes devem ser tranquilizadas," diz o documento.

"Em gestações complicadas por placenta prévia ou com um maior risco de parto prematuro, as evidências são suficientes para embasar a recomendação de abstinência, mas é uma recomendação benigna razoável dadas as consequências teoricamente catastróficas," escrevem os especialistas, ligados à Universidade de Toronto.

Eles afirmam que não há nenhuma evidência para a teoria de que o sexo na gravidez possa induzir o parto, e que não se conhecem resultados negativos para as mulheres com gravidezes de baixo risco.

Os autores concluem que o nível de conforto e a disposição para se engajar na atividade sexual por parte da mulher devem ser os principais guias tanto para o sexo durante a gravidez quanto para o período pós-parto.

 

Via Diário da saúde



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Segunda-feira, 31.01.11

 

Sexo, as opções que não escolhemos

 

Muitas questões podem ser escolhidas e alteradas ao longo do tempo, das coisas mais simples, como a cor do cabelo, o estilo da roupa que vamos vestir, até questões mais complexas como escolher os amigos que nos acompanharão pela vida, o marido ou a esposa, se vamos querer ter filhos, a profissão que vamos seguir, a religião que mais nos agrada, se vamos ser honestos ou desonestos, se vamos ser mentirosos ou verdadeiros, se vamos ter bom caráter ou não e por aí vai.

 

 

A homossexualidade, assim como a bissexualidade, a transexualidade e a heterossexualidade não é algo que escolhemos desenvolver ao longo da vida. Trata-se de uma característica nata, isto é, nascemos com um tipo de orientação sexual e só a descobriremos durante o nosso crescimento, com a ajuda das experiências que tivermos. O que pode ser escolhido, neste caso, é se vamos aceitar ou não a nossa orientação sexual e que tipo de relações afetivas teremos.

 

As pessoas costumam generalizar e atribuir problemas psicológicos e sociais aos homossexuais e transexuais, pois muitos ainda acreditam ser algum tipo de desvio moral,  de personalidade, falta de uma boa educação, traumas de infância e outros absurdos, mas o que poucos conseguem perceber é que o maior causador de transtornos psicológicos e sociais entre os homossexuais é a discriminação.

 

O grande mal é deixar que as pessoas julguem o que é melhor para os outros, baseando-se em idéias e escritos antiquados, em religiões que cegam, em arrogância e fobias infundadas. São essas concepções que devem ser alteradas para uma aceitação maior, um respeito pela vida e sua diversidade cultural, racial, social, sexual, entre tantas outras.

 

Não estamos violando nada, não prejudicamos a ninguém, não estamos revolucionando coisa alguma, pois a diversidade sexual existe, sempre existiu e sempre existirá. Este é um fato que sociedade alguma tem como negar, então o que resta é aceitar e reparar um erro que tem se repetido por séculos, que é negar a igualdade de direitos  aos homossexuais e criminalizar a homofobia.

 

 

Criar um novo conceito dá trabalho e leva tempo, mas se não começarmos de algum modo, estaremos perpetuando crimes bárbaros como os de “estupro corretivo” que vem acontecendo na África do Sul, por exemplo. No Brasil ainda é comum ver gays e lésbicas apanhando nas ruas, fazendo com que um simples beijo em público ou andar de mãos dadas seja algo arriscadíssimo de se fazer.

 

 

A homossexualidade é tão natural e espontânea quanto a heterossexualidade, isto é, fomos concebidos assim e educação alguma altera a orientação sexual de uma pessoa. Heterossexuais que possuem segurança no que sentem, que tem a convicção de que nasceram assim e que não irão mudar sua orientação sexual, conseguem entender que o mesmo ocorre com os homossexuais e sabem respeitá-los mesmo não entendendo como ocorre essa diferença.

 

Quem acredita que é possível “curar” um homossexual, deve acreditar que é possível um heterossexual adquirir a homossexualidade um dia, isto é, não possuem segurança alguma quanto ao seu gosto pelo sexo oposto.

 

Ser homossexual, bissexual, transexual, heterossexual, branco, negro, oriental, homem ou mulher, não é uma questão de escolha, mas respeitar ou discriminar o outro, é. Saibamos sempre vigiar as nossas próprias escolhas, os nossos atos, pois é isso que determinará o quanto evoluímos no final das nossas jornadas.

 

Que todas as pessoas saibam, acima de tudo, respeitar sua própria natureza e fazer dessa experiência algo engrandecedor para si mesmo e para a sociedade que ainda tem muito o que aprender.

 

Via Parada Lsbica



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 30.01.11

Dicas para apimentar o sexo

 

Quatro garotas de programa contam o que os homens costumam pedir na cama. Aproveite essas experiências e apimente sua vida sexual

Se você perguntar para uma mulher que vende sexo a razão pela qual os homens a procuram, ela provavelmente dirá: "Ora, faço o que esposas e namoradas não ousam". Mas qual será, afinal, a tática? Yasmin, uma morena de 21 anos; Marcela, loira de 23; Ana, 29 anos e 1,75m; e Grazieli, de apenas 18 anos e 59 kg revelam seus segredos para enlouquecer o rapaz. Confira:

 

Preliminares
"Um bom jeito de iniciar uma transa é fazer uma massagem com óleo, começando nas costas e passando pelo corpo inteiro", aconselha Ana Paula. "Eles gostam bastante de strip-tease e massagem tailandesa (carícia que a mulher faz passando a vulva pelo corpo do homem)", diz Yasmim. Já Marcela aposta que falar bastante sacanagem é a melhor maneira de excitá-los. "Eles adoram ouvir besteira. O que não vale é falar de trabalho e de problemas." E todas as garotas concordam: os locais que eles mais gostam de ser acariciados são o bico do peito, entre o saco e o ânus e, claro, o pênis. Aí vale tudo: mãos, língua, boca... Aliás, o sexo oral é um dos mais pedidos. Como fazer um "profissional"? Tem de ser no pênis inteiro, ensinam elas.

 

Posições
Essas moças são cheias de energia. Juram que em uma relação trocam até quatro vezes de posição. As mais pedidas: de quatro, de lado, de pé e o famoso 69 (quando os dois fazem sexo oral ao mesmo tempo). O tal papai-e-mamãe não costuma agradar muito. "Eles preferem coisas mais salvagens", afirma Marcela.

 

Fantasias
Se investigarmos com os homens qual a principal fantasia deles, a maioria responderá: transar com duas mulheres ao mesmo tempo. No entanto, nossas entrevistadas revelaram outras predileções que os moços não topam partilhar com a esposa ou a namorada. Ana conta que é muito comum seus clientes pedirem para ela se vestir de homem e usar um vibrador ou o dedo para estimular a região anal deles. Grazieli diz que às vezes o próprio cliente leva o consolo. Marcela vai além: muitos adoram levar umas boas palmadas. Mas seja cuidadosa caso decida abordar seu parceiro sobre esses temas tão delicados. Eles costumam ficar envergonhados ou mesmo agressivos, pois temem que esses desejos afetem sua masculinidade.

 

O que eles mais querem
Unanimidade: todas as "consultoras" afirmaram que nove de cada dez homens que as procuram querem fazer sexo anal. "Acho que as mulheres deles não topam por causa do tabu", explica Ana. "Alguns nem querem saber de sexo vaginal, pedem para chegar logo nisso." O assunto é polêmico. A ala feminina alega sentir dor e não ter prazer nenhuma com tal prática. A dica das profissionais é usar muito lubrificante e começar bem devagar (a mulher deve assumir o controle da situação a fim de não correr o risco de se machucar). Se mesmo assim não gostar, tudo bem. Entre duas pessoas que se querem, vale o que faz bem aos dois.

 

Via Sexo More Info



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Sábado, 29.01.11

Sexo e gravidez, a sexualidade

 

A barriga cresce, o desejo flutua e as dúvidas da mulher – e do seu parceiro – na cama começam a se multiplicar. Tudo absolutamente normal. O importante é saber que essa mudança radical não é um empecilho para o prazer debaixo dos lençóis. Veja como manter essa chama acesa ao longo da gestação.

 

Sexo na gravidez. Muita coisa muda. Não é só a mamãe que fica confusa com tanta sensação nova. O papai também tem dificuldade para lidar com essas novas informações que acontecem nessa etapa da vida do casal.

 

As transformações acontecem desde o início da gravidez, tanto no corpo como na mente. Os hormônios jogados no corpo da mulher a deixam com sensações que podem diminuir a libido e a vontade de fazer sexo. É comum ela sentir náuseas, vômitos, cansaço e seios doloridos. A mais nova mamãe pode achar que fazer sexo pode prejudicar o bebê ou mesmo ocasionar um aborto.

 

Já o papai pode ter a sensação de ser o "protetor", olhando a sua mulher como mãe e não mais como amante, se afastando sexualmente dela para protegê-la e não prejudicar o bebê. Agora, se com o papai está tudo bem em fazer sexo com sua mulher grávida, mas ela ainda não quer, saiba que carinho, atenção, paciência e diálogo são fundamentais nesse período.

 

Corpo em ebulição - Já no segundo trimestre da gestação, as sensações incômodas que aconteciam no início cessam e a libido da mulher volta ao normal ou mesmo pode aumentar ainda mais, como relatam algumas mulheres. A região da vagina está sensível por causa da maior vascularização da região e é um dos motivos do apetite sexual aumentar.

 

Se o papai ainda tem algumas dúvidas em relação ao sexo, a mamãe pode tentar aos poucos mostrar para ele que o sexo na gravidez é bom e não prejudica o bebê.

 

Se o papai não tinha "neuras" e agüentou pacientemente os enjôos e vômitos da mamãe passarem, a hora é agora para aproveitar o aumento da libido da mulher e ficar "nas nuvens" com os novos peitos da sua amada que estão maiores. Só cuidado com eles, pois a sensibilidade está maior e pode doer mais facilmente.

 

Gangorra - A libido pode voltar a diminuir no último trimestre da gravidez; a barriga já está grande e incômoda, o cansaço volta, as dores da coluna aumentam e a mulher pode não estar satisfeita com o seu corpo e peso, achando que seu companheiro não a acha mais atraente.

A preocupação em machucar o bebê na penetração volta e o medo do orgasmo em ocasionar um parto prematuro também são motivos para evitar o sexo. Sexo não prejudica o bebê e não acarreta parto prematuro.

 

Muitos homens acham que sua mulher grávida é uma das coisas mais atraentes que existe. Outros têm medo de que seu pênis machuque o bebê na penetração. Outros não sabem que posição fazer sexo com aquele barrigão da sua mulher.

 

Sexo é muito bom durante toda a gravidez. Fortalece os músculos do períneo que ajudam na hora do parto, deixa a mamãe feliz e relaxada, e o bebê sente tudo o que a mamãe sente. Se a mamãe está feliz, o bebê está bem. A cumplicidade do casal pode aumentar.

 

Dicas


Conversa é tudo. Homem e mulher devem colocar o que sentem para que tudo caminhe com cumplicidade e entendimento com os sentimentos do outro.

 

Sexo é bom desde que não seja uma obrigação. Às vezes, um beijo ou um simples carinho vale mais que tudo.

A penetração não prejudica o bebê que está protegido por uma bolsa de água que amortece qualquer contato.

 

 

Via Sexo More Info

 



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Sexta-feira, 28.01.11

 

Preliminares: A pressa é inimiga do prazer

 

Os preliminares são a primeira fase do acto sexual, mas por vezes, muitos homens descartam a sua importância para o prazer do casal.

 

Os preliminares e sua importância são encarados de maneira diferente quer se seja homem ou mulher.


Os homens têm uma necessidade sexual muito específica, e todo o acto tem como objectivo principal atingir o orgasmo, o clímax do prazer. Assim, desde que se inicia o acto sexual até ao momento final, a sua concentração está exclusivamente dedicada ao orgasmo.

Para a mulher as coisas não são bem assim. Uma parte significa douniverso feminino tem dificuldades em atingir o orgasmo, e para além disso, a relação sexual é encarado como um acontecimento mais emocional. 

O casal, e principalmente o homem tem que se conscializar que os preliminares são parte integrante de qualquer acto sexual, aumentando a tensão e o prazer para ambas as partes.

Desde um abraço mais apertado, a um beijo mais longo, tudo conta para desencadear o desejo. A troca de carícias pode dar origem a umaexcitação que permite aos parceiros terem muito mais prazer na relação sexual.

No entanto, o mais importante é não ter pressa naquilo que se está a fazer, nem se deixar levar pela monotonia. E porque lá diz o ditado: “a pressa é inimiga da perfeição”, neste caso particular, do prazer. 

Dedique tempo e atenção ao que está a fazer, investigue cada parte do corpo do parceiro dando asas à imaginação e à espontaneidade.


Para além de tornar a relação mais excitante, os preliminares tambémdesenvolvem a intimidade do casal, partilhe fantasias e falem ao ouvido um do outro, troquem ideias e desejos.


É possível afirmar que os preliminares tornam o acto sexual muito mais intenso ao mesmo tempo que fortalece a relação entre o homem e a mulher.


Guarde tempo para eles.

 

Via Sexualidade Femenina



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

sexo na gravidez

As 10 principais fantasia...

30 DICAS SOBRE SEXO PARA ...

Aqueça a sua vida sexual

Fazer o próprio vídeo eró...

Sexo e prazer sem pudores

Há quem tenha preguiça se...

Saiba o que fazer quando ...

SEXO, PROIBIDO É MAIS GOS...

Escola do Sexo no Porto

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados