Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

21
Jul09

Sexo no museo

olhar para o mundo

Sexo no museo

 

São mais de 120 peças para todos os géneros, orientações e perspectivas. "Lágrimas de Eros" é uma exposição que aborda o lado obscuro do Deus do amor e que constrói uma ligação entre o sexo... e a morte. E há obras para todos os gostos, desde o surrealismo, a mestres do século XIX, até a artistas contemporâneos. Se a pintura não lhe agrada, não se preocupe: a exposição também engloba fotografias de vários artistas, em poses sensuais. São salas e salas repletas de erotismo, mais ou menos explícito, à espera de serem descobertas.

 

Via ionline

20
Jul09

O juiz decide: com ou sem preservativo?

olhar para o mundo

Pornografia, Com ou sem preservativo?

 

Na guerra dos preservativos, é agora o juiz quem tem a última palavra. Depois de mais uma actriz americana ter descoberto, no mês passado, estar infectada com o VIH, a indústria pornográfica e as autoridades sanitárias estão de novo em guerra. O motivo: usar ou não usar preservativo durante a rodagem de filmes pornográficos. 


Na sexta-feira, a AIDS Healthcare Foundation (AHF) apresentou queixa no Tribunal Superior de Los Angeles, na Califórnia, que terá agora de tomar uma decisão. A organização pede que seja tornado "obrigatório" o uso de preservativos durante a rodagem de cenas de "sexo duro". 

Em Porn Valley (em português Vale da Pornografia, alcunha do Vale de São Fernando devido à grande concentração de empresas XXX), as últimas semanas trazem à memória os acontecimentos de 2004. Nesse ano, o actor Darren James regressava da rodagem de um filme no Brasil e, imediatamente, entrava numa outra película, já nos EUA. Semanas depois, descobriu estar infectado. Pelo caminho, espalhou o vírus por quatro actrizes. A série de contágios forçou o encerramento da produção durante quatro semanas. O resultado foram milhões de dólares em prejuízos e o pânico semeado na indústria.

O terreno estava perfeito para a entrada em cena das associações religiosas e conservadoras. Estas organizações encheram os ecrãs das televisões e as páginas dos jornais a exigir o fim da indústria. Outras, menos radicais, reclamaram a imposição do uso do preservativo e lançaram a dúvida. É mesmo melhor ao natural? 

A resposta imediata das empresas foi: não. A maioria começou a produzir filmes em que os actores usavam preservativo. Mas, à medida que a memória dos acontecimentos se ia desvanecendo, os preservativos também iam desaparecendo dos cenários. Hoje, cinco anos depois, poucos filmes são feitos nestas condições em Porn Valley. 

A Wicked Pictures é actualmente a única casa que o faz. Fez a opção em 2004 e não se arrepende, apesar de reconhecer o impacto nas vendas. O presidente da empresa, Steve Orenstein, admitiu numa entrevista: "Quando fizemos a mudança, as vendas foram definitivamente afectadas, especialmente na Europa. Hoje, ainda tenho a certeza de que existe um efeito, mas já não é tão significativo."

Agora, a AHF argumenta dizendo que 3800 pessoas foram infectadas com gonorreia, herpes, clamídia e sífilis nos últimos cinco anos. Darren James, o actor que propagou o vírus, diz que 22 actores foram infectados nesse período de tempo. Apesar destes dados, o Departamento de Saúde de Los Angeles diz em comunicado que "continua a apoiar a legislação do estado". 

Na Califórnia, os actores são obrigados a fazer um teste ao VIH todos os meses. Durante esses 30 dias, as actrizes podem ter um parceiro por dia e os homens dois. Esta situação estimula a reclamação da AHF. "Estamos na capital do porno e não há qualquer intenção de tornar os sets de rodagem mais seguros", garante o presidente da organização, Michael Weinstein. "Não queremos censurar nada, apenas garantir que os trabalhadores estão seguros."

A indústria pornográfica tem agora de encontrar uma solução para estes problemas. Enquanto uns defendem testes mais regulares, outros apoiam a obrigatoriedade do preservativo. Esta última medida só têm de ultrapassar um obstáculo: o consumidor.

 

Via ionline

14
Jul09

As 13 fintas históricas do futebol. E uma de bónus

olhar para o mundo

Fintas para a historia

 

Como hoje é dia 13, seguem as 13 fintas mais famosas do mundo mais uma de bónus, com o futsal. Algumas arriscadas e bem sucedidas, outra nem tanto. E até os jogadores mais defensivos gostam de se exibir.

Higuita 
Colômbia-Camarões, Mundial-90

O excêntrico guarda-redes colombiano recebeu a bola longe da sua baliza e passou a Perea. Este devolveu-a para Higuita, que, apertado por Milla, tentou o drible maravilha. Nunca mais viu a bola, nem Milla. Foi o 2-0.

Cafu 
Lazio-Roma, campeonato italiano-99

Há dez anos, o defesa brasileiro mostrou todos os seus atributos técnicos, com três chapéus seguidos ao desorientado checo. Só foi travado em falta. Cada vez que há um dérbi romano, esse lance vem à baila.

Sorín 
Argentina-Brasil, qualificação para Mundial-2006
Se Ronaldinho fintasse Sorín, ainda vá... Mas foi o contrário! O argentino humilhou Dinho com dois toques de mestre e a bola passou por baixo das pernas do brasileiro, que não gostou do baile e deu-lhe um estalo.

Redondo 
Manchester United-Real Madrid, Liga dos Campeões-2000

O argentino sempre foi um sonho de jogador. Era Abril em Old Trafford mas o "príncipe" passou por May (o corpo deste fez "tilt") com um toque de calcanhar, seguido de cruzamento na linha de fundo e golo de Raúl. Má-gi-co.

Ronaldinho 
Barcelona-Albacete, Liga espanhola-2007

Impossível é uma palavra que não faz parte do dicionário de determinados artistas. O que Ronaldinho fez aos dois pobres defesas do Albacete não se faz. Até o comum telespectador tem de ver a repetição para entender esta finta.

Rivelino 
Fluminense-Vasco da Gama, Carioca-75

Todos os Ronaldos já fizeram o elástico. O Cristiano. O gaúcho. E o fenómeno, durante um Atlético-Barça em 1996. No final, disse que se inspirou no compatriota Rivelino, que fez a finta da vida dele frente a Alcir. E foi golo.

Bergkamp 
Newcastle-Arsenal, Premier League-2002

Dabizas, o defesa do Newcastle, admitiu que por muitas repetições que veja nunca entenderá como é que o holandês fez "aquilo". Uma finta genial e confusa culminada com um toque de classe para golo. Não tente fazer isso em casa.

Zidane 
Sparta Praga-Bordéus, Taça UEFA-96

A roleta do francês não é russa, é "made in" República Checa. Foi lá que Zizou deu nas vistas pela primeira vez com aquela finta a meio-campo. Enzo, o filho dele, também já sabe fazer na perfeição, nos juvenis do Real Madrid.

Robinho 
Santos-Corinthians, Brasileirão-2002

A jogada começou no capitão Léo (futuro lateral esquerdo do Benfica). A bola sobrou para Robinho, que pedalou, pedalou, pedalou, pedalou e pedalou à frente de Rogério (futuro Sporting). Foi penálti e imortalizou-se o "pedala Robinho".

Romário 
Barcelona-Real Madrid, Liga espanhola-1994

O baixinho queria ir ao Carnaval carioca. E fez uma aposta com Cruijff: "Se marcar três golos, eu vou." O técnico concordou e o brasileiro cumpriu. No 3-0, Alkorta foi batido pela "colher" de Romário.

Villa 
Valencia-Sevilha, Liga espanhola-2007

Dois toques à brasileira bastaram para confundir o lateral-direito brasileiro Daniel Alves. Na sequência do golpe de mestre, a jogada perdeu-se. "Só me faltou cruzar de rabona [com um pé atrás do outro]", disse o avançado dos valencianos.

Riquelme 
Libertad-Boca Juniors, Taça Libertadores-2002

Até os adeptos paraguaios do Libertad deliraram com a "caneta" do número 10, junto à linha lateral. Também já fez a mesma finta no clássico com o River Plate mas foi atropelado por um rival no segundo seguinte.

Blanco 
México-Itália, Mundial-2002

O irreverente mexicano trava a bola entre os dois pés e ultrapassa os adversários com um salto. É bola presa? Até hoje, nenhum árbitro assinalou falta e Blanco mais Blanco não há. É a "Cuauhtemiña"

Falcão 
Brasil-Roménia, Grand Prix-2009

O futsal também conta. E o brasileiro é um verdadeiro artista com as famosas lambretas, que consiste em passar a bola por cima do seu corpo num movimento com os dois pés. A última vítima foi a Roménia, há semana e meia.

Via Ionline

Não se deixem enganar, o cristiano Ron aldo só está na fotografia para encher, o protagonista é mesmo o Zidane... antes da cabeçada

 

13
Jul09

Dez piscinas para quem não gosta da confusão das praias

olhar para o mundo

Piscinas de verão

No pico do Verão uma ida à praia pode ser dolorosa. Arranjar espaço para estender a toalha é difícil e chegar ao mar pode ser como atravessar descalço o deserto escaldante. Nesta altura do ano sabe bem um mergulho na piscina. Tem a garantia de que não partilhará a água com peixes-aranha e de que, ao fim do dia, não leva um pequeno monte de areia para casa. Para quem quer evitar a confusão da praia, o i dá a conhecer as melhores piscinas do país. Com escorregas, água salgada e vista para a o mar.

01 Piscina Oceânica Arriba
Morada: Estrada do Guincho Horário: das 10h00 às 19h30
Preço: até ?17,50 (adultos e crianças a partir dos 4 anos)
Nada melhor do que um mergulho de fim de tarde na piscina do Guincho. Veja o pôr-do-sol na praia e aproveite para  acabar de ler aquele livro que não larga há meses. A água é salgada e a temperatura nem se compara à do mar: 20 graus muito mais convidativos.

02 Aquashow
Morada: EN 396, Quarteira- Loulé
Horário: das 10h00 às 18h30
Preço: ?22 adultos, ?15 crianças (dos 5 aos 10 anos) 
Para quem não se importa de boiar com centenas de pessoas à volta, tem aqui um programa para um dia de férias no Algarve. Os miúdos vão adorar: há uma piscina de ondas e até a maior montanha russa de água da Europa.

03 Piscina do Hotel Arribas 
Morada: Hotel Arribas, Praia Grande, Colares
Horário: 9h00 à 19h00
Preço: até ?9,50 adultos, ?6 crianças (dos 5 aos 9 anos)
Na Praia Grande, o Hotel Arribas orgulha-se de ter umas das maiores piscinas de água salgada da Europa (com 100 metros de comprimento). Cuidado com as ondas que às vezes invadem a piscina.

04 Piscina Oceânica de São Pedro de Moel 
Morada: R. António José Boiça
Horário: das 10h00 às 19h00
Preço: ?8 adultos, ?5 crianças As festas do Snoobar, em São Pedro de Moel acabam sempre dentro de água. De dia faz-se luz: quatro piscinas de água salgada com uma vista espectacular para o mar.

05 Piscina-Praia de Castelo Branco
Morada: Rua da Piscina
Horário: das 9h15 às 19h30
Preço: ?3,25 adultos, ?2,25 crianças (dos 5 aos 11 anos)
Há tanto espaço como numa praia: 3950 metros quadrados de água e 80 hectares para estender a toalha.

06 Aqualand
Morada: EN 125, Alcantarilha
Horário: das 10h00 às 18h00
Preço: ?19,5 adultos, ?15 crianças (dos 4 aos 12 anos) O sapo Zappy é atracção da nacional 125 e acena aos carros que passam. Dentro do parque a mascote perde o protagonismo: há um Rio Congo de 300 metros, uma piscina semi-olímpica e dezenas de escorregas para quem gosta de adrenalina.

07 Praia das Maçãs
Morada: Avenida Eugene Lévy, Colares
Horário: das 10h00 às 19h00 
Preço: até ?9,60 adultos, ?4,60 crianças (6 aos 10 anos) 
Até Setembro há duas piscinas para evitar as ondas gigantes da Praia das Maçãs: uma olímpica com zona de saltos e outra para miúdos até aos 10 anos, com três escorregas pequenos e um cogumelo que é uma cascata.

08 Piscina Oceânica de Oeiras
Morada: Estrada Marginal, Praia da Torre, Oeiras
Horário: das 10h00 às 19h30
Preço: até ?17,50 adultos e crianças a partir dos 4 anos
Nesta piscina há quatro pranchas de saltos, a maior com 7,5 metros. Além disso, tem espreguiçadeiras e 1500 m2 de água do mar.

09 Piscinas Públicas do Vimeiro
Morada: Termas do Vimeiro
Horário: Terça a Sábado, das 10h00 às 20h00
Preço: ?8 adultos, ?3,20 crianças (dos 7 aos 12 anos) 
Fique a boiar de barriga para cima e contemple as encostas verdes à sua volta. É impossível não se sentir zen. Até a água vem das termas.

10 Piscina do Hotel Palácio 
Morada: Palácio Estoril Hotel, Rua Particular, Estoril 
Horário: das 9h00 às 19h
Preço: ?30 adultos, ?15 crianças (dos 7 aos 10 anos)
Nem só os hóspedes do hotel podem dar umas braçadas nesta piscina. Há um relvado enorme ideal para uma sesta.

Via ionline

13
Jul09

Um pénis normal tem rugas?

olhar para o mundo

 Como se mexe a lingua num linguado?

 

O telemóvel começa a vibrar. São adolescentes anónimos a enviar perguntas sobre sexo por sms. 


"Se tomar um duche antes de fazer sexo, há menos probabilidades de engravidar?"; "Um pénis normal tem rugas?"; "O meu namorado não gosta que eu faça barulho durante o sexo, mas eu não consigo evitar, o que posso fazer?"

Cada pergunta receberá uma resposta cautelosa, sem juízos de valor, devolvida por texto directamente para os telemóveis. Quem responde é um adulto sem nome nem cara, da Campanha de Prevenção da Gravidez Juvenil, da Carolina do Norte.

Namoradeiros "Porque é que os rapazes pensam que é fixe dormir com uma rapariga e ir contar aos amigos?"

James Martin é o membro da equipa que está de serviço às mensagens de texto esta semana. Tem 31 anos, é casado e pai de um bebé de poucos meses. Envia as respostas à pergunta anterior. "Na maioria dos casos, porque acreditam que fazer sexo faz deles tipos fixes", digita, acrescentando, "a maioria dos rapazes ultrapassa essa fase".

A educação sexual nas salas de aula, dizem os especialistas americanos, é ineficaz ou simplesmente insuficiente.

Nos últimos 15 anos, responsáveis das escolas e políticos têm debatido agressivamente a questão dos programas de educação sexual. Entretanto, perante a deterioração dos comportamentos sexuais de risco dos adolescentes, têm-se procurado formas de alargar a educação e informação para além da sala de aulas americanas.

Algumas universidades e hospitais criaram páginas na internet para responder às perguntas dos adolescentes. Recentemente, os investigadores começaram a explorar formas de se chegar aos jovens através de redes sociais.

E agora, explicam-nos os especialistas em educação sexual, o último projecto é este novo serviço onde se podem difundir por telemóvel informações de natureza íntima e prática aos adolescentes.

"A tecnologia diminui a vergonha e o embaraço", diz Deb Levine, director de uma organização sem fins lucrativos que lançou vários programas de saúde assentes em tecnologia. "É indicado para jovens. Sob o ponto de vista cultural não é com prelecções de adultos que ficam a saber alguma coisa sobre o assunto."

"Gosto de raparigas" O que mais preocupa Bill Brooks, presidente do Conselho de Política Familiar da Carolina do Norte, é a falta de supervisão. "Se eu não conseguisse controlar o acesso a estas informações, desactivava o serviço de mensagens de texto", explica. "No caso da Internet, os pais são aconselhados a criarem bloqueios nos computadores e a colocarem os aparelhos num lugar central da casa. Mas os miúdos têm acesso a esse tipo de coisas através dos seus próprios telemóveis - e isso não se pode controlar."

Os membros das equipas estabeleceram directrizes. Não dar conselhos médicos - incentivar os inquiridores a falarem com um médico. Não promover o aborto. Se necessário, reencaminhar as pessoas para clínicas locais, para sites ou para números de emergência. Dar conselhos bem pensados e afectivos. Ler as respostas duas vezes antes de as enviar. Nunca usarem o sarcasmo. 

O Centro permitiu que um repórter do "New York Times" lesse alguns registos dos contactos telefónicos, depois de terem sido retiradas as indicações de números de telemóvel e de localidade. As perguntas abrangiam todo o espectro da adolescência, desde o tonto ao terrível. Aliando a capacidade que os adolescentes têm de falar sem rodeios à concisão das mensagens de texto, as perguntas eram por vezes brutalmente directas: "É dela que gosto ou do sexo?" Ou: "O que acontece quando se engole um bocado de preservativo?" 

Algumas questões poderiam ter sido enviadas a revistas para adolescentes de há 50 anos: "Porque é que as raparigas não gostam de rapazes baixos?" "Cmo se mexe a língua qdo se dá 1 linguado?" Mas muitas perguntas vão além do manual de treino básico: "Gosto de rapazes, mas também gosto de raparigas. O que devo fazer?" ("Algumas pessoas gostam de quem gostam. Só a própria pessoa pode ter a certeza e saber o que está certo para ela", foi a resposta do serviço.)

A primeira vez O que ressalta vivamente dos registos dos contactos telefónicos é o desejo dos adolescentes de se libertarem de um peso. Uma noite, quando Martin se preparava para se ir deitar, o telemóvel vibrou. Ele leu a mensagem e sentou-se de repente. "Violaram-me na infância e só fiz sexo há pouco tempo, será que tecnicamente a minha primeira vez foi a violação, ou foi há pouco, quando fiz sexo?"James Martin escreveu três rascunhos. Uma hora depois, respondeu por texto: "A primeira vez é o que cada um faz dela. Acho que a primeira vez pode ser muitas coisas (boa, má, embaraçosa, maravilhosa), mas deve ser sempre consensual. A primeira vez de uma pessoa é a primeira vez que opta por fazer sexo e não quando uma pessoa horrível a forçou."

 

Via ionline

11
Jul09

O caso de amor da formiga Argentina

olhar para o mundo

O caso de amor da formiga Argentina

 

Uma formiga americana, uma japonesa e uma europeia encontram-se e esfregam as antenas umas nas outras. O encontro não é casual. Um grupo de cientistas japoneses juntou-as na mesma sala para confirmar uma suspeita. Todas descendem da formiga argentina que um dia saiu do seu país e invadiu o mundo. Esse laço mantém-se e, mesmo com origens geográficas tão distintas, quando se encontram reconhecem as colegas graças _ao cheiro semelhante que todas elas _exalam. A experiência foi realizada por investigadores da Universidade de Tóquio e o resultado do trabalho foi publicado a semana passada na revista científica “Insectes sociaux”. 

Ao contrário do que se pensava, os milhões de Linepithema humile – conhecida como formiga argentina – espalhados pelos três continentes pertencem a uma mesma família. Juntas, formam a maior supercolónia alguma vez registada entre todos os tipos de insectos. “A enorme extensão desta população de formigas só encontra paralelo na sociedade humana”, escrevem os investigadores no artigo.
A história desta invasão começou no século 19. Foi no final de 1800 que um grupo de navegadores espanhóis partiu da terra do tango com alguns tripulantes clandestinos nos navios. O professor José Carlos Franco, do Instituto Superior de Agronomia (ISA), conta que “não são precisas muitas formigas, desde que acompanhadas por uma rainha, para dar início a uma nova colónia”. 

Segundo o mesmo professor, “a primeira paragem destas formigas fora da América do Sul  foi o arquipélago da Madeira”. Atravessado o oceano, as formigas adaptaram-se com muita facilidade ao clima europeu e depressa se espalharam por todos os continentes à excepção da Antárctida. “Tornaram-se uma espécie invasora.” Os motivos deste sucesso não são segredo.

“Há várias características que justificam o sucesso da espécie”, explica José Carlos Franco. “Uma das respostas é que, ao contrário de outras espécies, estas formigas podem ter várias rainhas. Isso aumenta muito a sua capacidade de reprodução. Outra justificação é a ausência de competição intra-específica.” Traduzindo: “Quando existe um recurso alimentar extenso, estas formigas toleram o recrutamento de indivíduos de outras colónias para o explorar sem qualquer agressividade.” Trabalhadoras incansáveis, as formigas argentinas conseguem transportar até 14 vezes o seu peso. 

Praga A conquista do palco mundial  por estes seres minúsculos (2,5 mm) não é uma questão pacífica. A formiga argentina é considerada uma praga no campo e nas cidades. Os formigueiros que escavam em volta das plantas isolam as raízes e provocam a sua morte. Além disso, “as relações mutualistas que estabelecem com outras espécies, como as cochonilhas e os pulgões, facilitam a luta destas espécies com os seus concorrentes naturais e possibilita a sua propagação”, explica o professor do ISA. Destroem plantações, atacam borboletas, besouros e reduzem a quantidade de pólen das flores de árvores de fruto ao passear sobre as suas pétalas.

Nas cidades, é o facto de serem omnívoras que as transforma numa praga urbana. “Alimentam-se de qualquer tipo de matéria orgânica. Quem tem um ninho destas formigas em casa não pode ter comida desprotegida porque elas contaminam tudo.” Não são, contudo, os seres humanos que mais as devem temer. Esta espécie dominante já causou a extinção de outras espécies de formigas no Havai, na África do Sul e até na ilha da Páscoa.

10
Jul09

A Bolha:Há quem venda os carros para jogar

olhar para o mundo

A bolha, o jogo

 

"Fui sem saber no que ia dar, mas confiei e ganhei." Quando C. começou a jogar, em Fevereiro de 2008, a bolha tinha acabado de chegar ao Porto, importada de Lisboa. Um amigo - "um dos fundadores" do popular esquema no Norte - convenceu-a a entrar. Na altura havia poucos jogadores. "Era gente ligada à noite, mas também havia empresários e médicos. Dizia-se que havia gente do Futebol Clube do Porto envolvida", recorda. 


A perspectiva de obter dinheiro fácil "foi aliciante" e pouco tempo depois C. já estava numa das primeiras reuniões, que aconteciam sempre à terça-feira num hotel da Maia. "Eram encontros que não tinham mais de 30 pessoas." Mesmo assim, encontrou pessoas conhecidas: "No início foi estranho, porque dei de caras com pessoas que nunca imaginei." 
As regras eram simples: a sala de reuniões devia ser reservada e paga pelos jogadores da semana - aqueles que recebiam. No espaço havia sempre uma demonstração de produtos de emagrecimento. "Eram dispostos em mesas e à entrada distribuíam panfletos promocionais." No entanto, C. garante que "nunca se falava nesses produtos, era só para disfarçar". Nos encontros também não se falava no jogo da bolha: "Era o curso." Quando chegava a altura de receber o dinheiro, os jogadores eram convidados a dirigir-se ao centro da sala "para serem graduados" ou, no caso de irem investir, para "pagar as propinas". 

Passadas três semanas, as reuniões juntavam 300 pessoas e realizavam-se "numa discoteca desactivada na zona industrial do Porto". Eram frequentadas por todo o tipo de pessoas. "Desde a elite da cidade a gente que não tinha muito dinheiro." No início, conta, era "gente mais velha". Só mais tarde é que a bolha começou a chegar às camadas jovens.

C. investiu 250 euros e em menos de três semanas conseguiu dois mil. Voltou a investir em três bolhas, mas só ganhou em duas. Feitas as contas, o esquema (que durou meio ano) rendeu-lhe perto de cinco mil euros. Para conseguir reaver o investimento, C. introduziu quase 40 pessoas no esquema. "Nunca enganei ninguém, explicava logo que não podia garantir que desse certo." Entretanto, o jogo tornou-se demasiado popular." Era cada vez mais difícil arranjar novos jogadores e "começaram a aparecer reportagens na comunicação social que deixaram as pessoas em pânico". Por isso, C. deixou de jogar. Porque, conta, "é dinheiro fácil, mas não tão fácil como se pensa". Depois, usou o dinheiro que ganhou para estudar no estrangeiro. Saiu de Portugal em Agosto do ano passado. 

Alguém tem de perder Em menos de cinco meses, R., na altura com 20 anos, ganhou 31 mil euros. Primeiro quis assistir a uma reunião. Sem compromisso. "Nem levei dinheiro porque estava de pé atrás." Terminado o encontro, só se arrependeu de uma coisa: "Não ter ido prevenido." 

Jogou logo na semana seguinte. Entrou com dois mil euros e recrutou tanta gente que se tornou "numa referência na zona". Propuseram-lhe bolhas de 10 mil euros, mas não aceitou. "Quanto maior era o investimento inicial menos pessoas se conseguia recrutar, por isso desisti", conta. 

No entanto, foi aliciado de várias formas: "Disseram-me que nem precisava de meter as oito pessoas, que metiam quatro por mim, porque já havia bolhas paradas." As reuniões duravam "uma ou duas horas" e eram convocadas 30 minutos antes, por SMS. Nos hotéis, encontrava-se "gente de todo o tipo" unidas pelo mesmo objectivo: ganhar dinheiro fácil. "Sei de muitas histórias de pessoas que venderam carros e pediram empréstimos para poder jogar." Até, porque, admite, "no meio daquilo tudo, alguém tem de perder".

 

Via ionline

07
Jul09

A dieta do bom humor

olhar para o mundo

Dieta do humor

 

A nutricionista Sonia Tucunduva Philippi, autora do livro "A Dieta do Bom Humor", dá algumas dicas sobre comida. Saiba que alimentos podem melhorar ou piorar o seu humor e o que deve comer quando estiver stressado

 

 -O que beber quando estiver com sede, em vez de refrigerantes?

Recomenda-se a ingestão de oito copos de água por dia.  
-O que comer quando se sentir triste ou deprimido, em vez de uma caixa de bombons?

Podemos comer chocolates desde que em pequenas quantidades. Se não conseguir resistir, mastigue lentamente e aprecie o sabor. Dê preferência aos chocolates amargos e sem recheio. A actividade física ajuda a libertar serotonina, uma substância comparável à transmitida pelo chocolate. Alimentos como bróculos, espinafres, pimenta, aveia, leite, banana, manga, melão, frutos secos, laranja, maracujá, alface e peixe também podem ser consumidos para ajudar a diminuir a necessidade de chocolate e para melhorar o humor.

 -O que comer quando precisa de trabalhar e produzir intensamente, em vez de café?

Quando houver necessidade de aumentar a intensidade de trabalho, o seu corpo gastará mais energia. Por isso, deve aumentar o consumo de todos os alimentos da dieta, mas de forma harmoniosa. O café é uma bebida estimulante e não deve ser ingerido em excesso.
 -O que comer quando estiver mal humorado?

Para reduzir o mau humor, alimentos como bróculos e aveia, que contêm triptofano, podem ajudar. Outros alimentos, como os espinafres, têm uma acção antidepressiva. O leite produz um efeito relaxante e a banana estimula a produção de serotonina.

Via Ionline

 

05
Jul09

Jogos Eróticos

olhar para o mundo

Jogos eróticos

 

Tudo pode começar como uma brincadeira. Na cama, entre beijos e amassos, ele tapa-lhe a cara com uma almofada. Ela debate-se, estrebucha - mas percebe que isso lhe dá prazer. Juntos começam a explorar. Estendem os períodos de asfixia, assumem papéis de submissa e de dominador. Os orgasmos são cada vez mais intensos. A certa altura trocam a almofada por uma mordaça. O breath play (jogo da respiração) é assumido - e sempre consensual, descreve bondarina, de 45 anos, submissa há oito, uma das figuras mais destacadas da comunidade de BDSM portuguesa.

BDSM é o acrónimo reconhecido em todo o mundo para Bondage Domínio Sadismo e Masoquismo. Entre as várias práticas sexuais que os membros do grupo adoptam, o breath play ou asfixia erótica, retratado no filme de Nagisa Oshima, "O Império dos Sentidos" (1976), é um dos mais comuns, adianta pelo telefone - mas não é exclusivo desta comunidade. Entre os casais baunilha (que não incorrem em rituais fetichistas ou de BDSM), diz, "há mulheres que só atingem o clímax quando os maridos lhes tapam a boca com a mão e vice-versa".

Euforia Quase todos os submissos procuram o estado eufórico causado pela redução de oxigénio no cérebro (ou hipoxia), mas nem todos os dominadores estão dispostos a satisfazê-los, continua bondarina (sempre com letra minúscula; só os nomes dos dominadores podem começar por maiúscula). Sabem que é tão excitante como arriscado. E a regra número um do BDSM é o bom senso, reforça. Por isso é que condena a prática irmã da asfixia erótica, a asfixia auto--erótica, que há um mês, com a morte do actor David Carradine, voltou a ser discutida. "É um comportamento um bocado desviante", diz. "Basta uma corda mal puxada ou um lenço mais apertado e há uma asfixia imediata ou uma traqueia partida."

Aos 72 anos, o protagonista da série "Kung Fu" foi encontrado morto dentro do roupeiro de um quarto de hotel em Banguecoque. Estava nu, tinha uma corda à volta do pescoço e outra a amarrar os órgãos genitais. A polícia tailandesa começou por suspeitar de suicídio. Quinta-feira passada, o patologista forense contratado pela família confirmou que a asfixia tinha sido a causa da morte, mas descartou a hipótese de ter sido voluntária. Só esta semana é que o Dr. Michael Baden, que investigou casos tão mediáticos como as mortes do presidente dos EUA, John F. Kennedy, e do vocalista dos Sex Pistols, Sid Vicious, vai divulgar as conclusões finais. Em 2003, a ex-mulher de Carradine já o acusara de "comportamento sexual desviante potencialmente mortal", lê-se no processo de divórcio divulgado pelo site The Smoking Gun.

Tanto a auto-asfixia erótica como a asfixia erótica são consideradas parafilias, ou seja, "preferências por estímulos sexuais pouco usuais e que podem ser consideradas um problema médico", avança o psiquiatra Afonso de Albuquerque no livro "Minorias Eróticas e Agressores Sexuais" (Dom Quixote). "Ao contrário de outras parafilias, [a auto-asfixia] é particularmente perigosa", lê-se, daí justificar-se "uma intervenção terapêutica urgente". Com um parceiro é "menos perigosa", continua, "mas mesmo assim a falta de oxigénio nunca pode ser benéfica para o corpo". A terapeuta sexual Patrícia Pascoal acrescenta: "Os comportamentos parafílicos são preocupantes quando se tornam exclusivos, rígidos e são sentidos como limitativos para a própria pessoa."

Orgasmos fatais Em Portugal, calcula-se que haja entre cinco e dez mortes anuais causadas pela asfixia auto-erótica, prossegue Afonso de Albuquerque. Nos EUA, os números são ainda mais impressionantes: entre 500 e mil mortes; a maior parte das vítimas têm entre 12 e 25 anos. Em todo o mundo há casos famosos, como o do vocalista da banda INXS, Michael Hutchence, encontrado morto em Sydney em 1997 (embora a versão oficial aponte para o suicídio) e o da japonesa Sada Abe, que asfixiou o amante nos anos 30 e inspirou o filme "Império dos Sentidos".

Bondarina recorda o caso de um casal amigo perto dos 40 anos que apanhou um susto valente em plena asfixia erótica quando a mulher perdeu os sentidos. "Ele ficou tão perturbado que durante um ano não quis saber do BDSM", conta. Defende que devia haver uma idade mínima para se entrar no sadomasoquismo, os 30 anos. Ainda assim, os acidentes são raros, assegura. "Há três premissas básicas. As práticas têm de ser sãs, seguras e consensuais", diz. Até porque se mal executadas quase todas são perigosas, do needle play (agulhas) ao wax play (cera), passando pelo branding (ferros em brasa).

A dominadora Foxy, de 30 anos, concorda. Defende que as únicas práticas que não envolvem riscos são a humilhação verbal e a chuva dourada. Por isso "é preciso estudar muito", diz. "Numa sessão de spanking [espancar] evito sempre a agressão em zonas perigosas." Uma vez, enquanto era amarrada com cordas (shibari), lembra-se de ter deixado de sentir o braço. Foxy gritou: "Soltem-me o braço, por favor!" Também podia ter usado uma safe-word, uma palavra combinada com antecedência que determina o fim do jogo. Afinal, apesar das fronteiras ténues, o que aqui está em jogo é o prazer, como diz bondarina: "Estou no BDSM enquanto não me sentir violentada. Pode haver mais riscos, mas vale a pena."

 

Via ionline

04
Jul09

Os blogs mais visitados são os mais estranhos

olhar para o mundo

Blogs estranhos

 

 

Pessoas que não sorriem na hora do flash, famílias que combinam os retratos mais inusitados de sempre, erros de moda ou até executivos desesperados. O que têm em comum estas imagens? São alguns dos blogues mais estranhos e de maior sucesso nos Estados Unidos e no Brasil. A revista Época fez uma selecção de alguns dos melhores. Vale a pena visitá-los:

 

- Happiest People Ever - pessoas que não riem para as fotos

- Awkward Family Photos - os retratos de família mais estranhos

- Look at this fucking hipster - pessoas que acham que lançam modas

-The Brokers With Hands On Their Faces - executivos desesperados

 

 

Via ionline

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D