Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

12
Mar11

"É de esperar grandes sismos onde já ocorreram"

olhar para o mundo

 

O alerta soou um minuto antes do sismo, porque só depois dos primeiros sismogramas detectarem o epicentro. O sismo que ontem abalou o Japão era "previsível", mas não foi possível prevê-lo. O paradoxo continua a dar luta aos cientistas, concordam os sismólogos contactados pelo i. Depois de tentativas de previsão e evacuação nos anos 1970, a opção apoiada pela ciência foi evitar alarmes falsos. Susana Custódio, sismóloga da estação do Instituto Geofísico da Universidade de Coimbra, nomeia três problemas: os métodos não precisos o suficiente, evacuar uma determinada região em falso pode ter efeitos tão dramáticos - em termos de perda económica e de vidas - como o próprio desastre e corre-se o risco de "descredibilizar" as autoridades.

Vários trabalhos têm reforçado a tese de que é possível prever um sismo, sobretudo os de grande dimensão. A dificuldade está em perceber os sinais exactos que indicam um sismo iminente. "Neste caso do Japão houve mais de 15 sismos com magnitude superior a 5 nos últimos dias, entre eles um de magnitude 7,2. A forma como definimos sismo precursor, sismo principal e réplica ainda é empírica", diz ao i Susana Custódio. "Só o conseguimos fazer a posteriori." A ideia de que os grandes sismos se repetem em intervalos regulares também tem lacunas, como a ausência de medições precisas até há 50 anos. Onno Oncken, especialista do Centro de Investigação em Geociências da Alemanha, revelou ao i a última tese na área, ainda sem grande fundamentação: clusters de sismos violentos, que sugerem uma correlação entre placas. "Sismos como este, o do ano passado no Chile ou o de Samatra há sete anos parecem cair neste intervalo de uma a duas décadas. Já foi possível identificar outro cluster nos anos 50 e 60 (o do Chile ou o do Alasca) e outro no início do século passado (o terramoto de São Francisco, entre outros)." Danijel Schorlemmer, geocientista da Universidade da Califórnia do Sul, é mais pragmático. "A melhor coisa a fazer é estar preparado, ter mantimentos e água para vários dias." Construir tendo em conta o risco sísmico e usar alertas precoces, mal se detectam os primeiros abalos, para desactivar infra-estruturas sensíveis como centrais nucleares são outras recomendações. Susana Custódio também aposta no lado pedagógico: pequenos e grandes sismos servem para alertar a população que tende a esquecer-se das regras básicas. "Se este sismo fosse em Portugal as consequências seriam muito maiores." E o risco existe: "Em Portugal temos falhas de todos os tipos", diz a sismóloga. Schorlemmer resume: "Não conseguimos medir quando uma falha está ''pronta''. Ainda assim, em todos os sítios onde este tipo de eventos já foram observados, é de esperar que voltem a acontecer. Só não sabemos quando." M. F. R.

 

Via Ionline

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D