Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

24
Jan11

A ciência do beijo

olhar para o mundo

A ciência do Beijo

 

Porque colar uma boca com outra? Um especialista americano tenta explicar as razões e a evolução do bem beijar. Um assunto com tantas vertentes que até deu um livro.

 

Para Tracy Clark-Flory, jornalista da revista digital "Salon", não há mesmo dúvidas: "Sejamos honestos, um beijo nunca é apenas um beijo", como dizia a canção. Por mais que o tempo passe.

A propósito do lançamento do livro "A Ciência de beijar: o que os nossos lábios nos estão a contar", de Sheril Kirshenbaum, investigadora da Universidade do Texas, a "Salon" fez uma entrevista com a autora, em busca dos detalhes e das curiosidades deste ato tão humano.

Aborda-se a imensa variedade de beijos à volta do mundo, desde os esquimós aos franceses, passando pelos macacos bonobos, que chegam lamber língua com língua durante 12 minutos! Em resumo, a autora classifica os lábios como "ecos genitais" e chega a abordar as alterações que potencialmente serão causadas pelas alterações tecnológicas.

O poder do vermelho

 

Parte da explicação pela intensa atração que os lábios causam virá, segundo Sheril Kirshenbaum, citando neurocientistas, do tom vermelho que já atraía os nossos ancestrais, à semelhança de alguns frutos da mesma cor. Tudo porque os espécimes que mostraram ter capacidades para identificar mais rapidamente que o resto do grupo o tom vermelho, acabavam por alimentar-se melhor, garantindo maiores hipóteses de sobrevivência.

A partir daí e com a preponderância do vermelho em algumas partes do corpo, esta se terá tornado uma cor associada a aspetos sexuais, sobretudo por ser indicadora em várias espécies da maturidade da fêmea para procriar. Outra explicação vem da ligação entre o beijo e a amamentação, sobretudo devido à libertação que ambas as atividades fazem de oxitocina.

Os beijos ditos sociais - aqueles sem contextos românticos - são classificados pela autora como "um dos mais poderosos instrumentos de conexão entre indivíduos". Quanto às diferenças culturais reveladas pelas distintas formas de beijar, Sheril Kirshenbaum retoma a explicação de Charles Darwin de que esta será uma prática universal, nas suas mais variadas formas.

Até porque quando se beija, a pulsação acelera, as pupilas dilatam e talvez seja mesmo por isso que, em geral, as pessoas fecham os olhos. O nível de dopamina sobe, relaxando as tensões corporais e provocando uma ansiedade em repetir a sensação prazeirosa.

Depois, há as diferenças de género. Os homens preferem beijos molhados. As mulheres dão-lhes maior significado e prestam atenção a aspetos como os dentes do parceiro ou a sua respiração.

 

Via Expresso

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D