Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

24
Jun10

Como entreter os filhos de borla?

olhar para o mundo

Bilhetes esgotados, não há festinhas de anos, está a chover. Cenários de pânico para quem faltam ideias para entreter os filhos num dia de folga. Siga as minhas 15 sugestões e passehoras divertidas com a criançada, sem sequer gastar dinheiro.

 

 

Muitos pais nem sempre sabem o que fazer para entreter os filhos, sobretudo quando as alternativas mais comuns falham (cinema, espectáculos, etc) ou quando os programas já se repetiram tantas vezes que deixaram de ter piada (zoológico, oceanário, etc).

A ideia de que é preciso gastar dinheiro, enfrentar trânsito e stress para as crianças se divertirem não podia estar mais errada. Tudo o que pequenotes querem é passar umas horas divertidas, especialmente com os pais, em jogos e gargalhadas que, se forem bem programadas, normalmente não custam um cêntimo e dão prazer a toda a família.

Portugal no seu melhor

 

Não vale a pena apontar muito o dedo a quem escolhe salas de cinema em shoppings apinhados de gente para enfiar os miúdos. Simplesmente porque o nosso país também não ajuda nada no que toca ao funcionamento de espaços como museus, bibliotecas ou locais onde se realizem workshops para as crianças. Escandalosamente, aos fins de semana muitos dos locais onde seria interessante levar as crianças encontram-se enecerrados. O melhor exemplo destas medidas perfeitamente descabidas são os museus: encerram aos domingos e feriados. Palavras para quê? Esta é de facto uma das principais queixas de muitos pais. Têm parte da razão, mas não toda. Mas sobre isso, já falamos mais à frente.

Os restaurantes são mais um local onde não existe tradição de pensar nas crianças. Não têm nem horários livres nem um cantinho próprio para os mais pequenos se entreterem enquanto os pais almoçam ou jantam calmamente. O único local que ainda pensa nas crianças, e sem aplicar os tradicionais horários rígidos das cozinhas, é o McDonalds.

Os miúdos divertem-se com actividades simples, desde que sintam o envolvimento genuíno dos pais
Os miúdos divertem-se com actividades simples, desde que sintam o envolvimento genuíno dos pais

Mas será que estaremos condenados a comer fast food quando queremos começar um programa de uma tarde bem passada com uma refeição calma, onde as crianças estejam entretidas? Infelizmente, acho que em Portugal ainda não é possível.

Embora não seja o tema principal deste texto, o exemplo das salas de espera nos consultórios médicos também vem ajudar a este cenário pouco favorável ao entretenimento que qualquer criança precisa e merece. Refiro-me ao facto de ainda serem poucos os  consultórios médicos que têm imaginação para receber os seus pacientes mais novos.

Em países mais evoluídos, as crianças são as primeiras a quererem voltar ao consultório médico onde levaram uma "pica" qua até doeu. É que em troca receberam uma surpresa ou, enquanto esperavam não ficaram ansiososos, pois puderam usufruir de brinquedos divertidos e diferentes.

Mas tudo isto parece ainda não ter chegado a Portugal. Pelo menos por enquanto, a mentalidade neste aspecto tem muito que evoluir.

A chuva e frio não atrapalham nada

 

Esqueça o shopping num domingo à tarde só porque está a chover. Aliás,esqueça o shopping de todo. Deve haver poucos sítios além das grandes superfícies comerciais que consigam provocar com tanto sucesso uma tamanha carga de stress numa família inteira.

teatro ou o cinema são de facto boas alternativas, mas não é para todos os bolsos - sobretudo em crise - e nem sempre há bilhetes ou sessões interessantes.

Procure soluões ao ar livre. Mesmo que esteja a chover (aguaceiros, naturalmente, não em caso de trombas de água), sair com um traje acondicionado é muito saudável para todos, acredite. Lembre-se que começa logo pelo facto de os miúdos adorarem chapinhar com galochas em poças de água.

Eu passei a infância na Alemanha e recordo-me que além de chover e nevar imenso, fazendo sempre muito frio, passava a vida na rua a brincar. Sempre agasalhadíssima, tal como os muitos outros meninos com quem brincava e com os pais a acompanharem-nos. O resultado destes passeios "frescos" eram: um regresso a casa com asbochechas rosadas e geladas, mas com serenidade, satisfação e felicidade. No final destes dias, o resultado era favorável para toda a família: um sono tranquilo e relaxado.

 

Uma ajudinha para pais com menos imaginação

Não acha que cinco idas ao zoo por ano é muito? Por outro lado, já pensou que o tubarão do oceanário é capaz de já ter decorado a cara do seu filho, de tantas foram as vezes que já ali foi? Claro que estou a brincar, ambos os locais são interessantes e recomendam-se, mas também são caros e há mais vida para além da bicharada.

 

Via Expresso

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D