Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

25
Mai10

O Facebook vai voltar a mudar os critérios de privacidade

olhar para o mundo

O criador do Facebook em cartoon

A chuva de críticas que se abateu sobre as definições de privacidade do Facebook vai ter resultados já esta semana, quando a maior rede social da net revelar novas modificações na protecção dos utilizadores. Uma das principais diferenças será a concentração das definições num único sítio, uma espécie de página mestra de controlo, com o objectivo de simplificar o processo. Foi isto que disse ao Finacial Times Simon Davies, do grupo lobista Privacy International, que tem estado em contacto com o Facebook nos últimos dias. 

"Está a ser feita uma revisão fundamental na forma como a empresa aborda a privacidade", garante Davies, que indica alguns detalhes do novo sistema: o utilizador poderá escolher se partilha o conteúdo apenas com amigos, amigos de amigos ou todos. Actualmente, é preciso escolher uma destas definições para dezenas de categorias (informações pessoais, de contacto, ligações, vídeos, fotos, etc). 

A simplificação poderá responder às queixas de que é demasiado complexo proteger um perfil na rede, mas claramente os grupos defensores da privacidade e os reguladores que estão a pressionar o Facebook querem mais. Muito mais. É que a grande polémica está centrada na funcionalidade de "personalização instantânea", que partilha automaticamente informações dos perfis com sites fora do Universo do Facebook. Por exemplo, uma rádio online saberá de imediato que o perfil X ou Y gosta de certa banda (até agora, os parceiros confirmados são a rádio Pandora, o site de reviews Yelp e Microsoft Docs) . Segundo explica Davies, o Facebook tentará tornar mais fácil sair desta personalização instantânea. O problema, como sempre, é que a esmagadora maioria dos utilizadores nunca mexe nas definições que vêm por defeito nas redes. E ao contrário dos grandes rivais, o Facebook tem sido acusado de ser demasiado permissivo nesse aspecto. 

As críticas já vêm de antes, mas nunca como agora a rede fundada pelo então quase adolescente Mark Zuckerberg esteve sob tanta pressão, com escrutínio do congresso norte-americano, Fedetal Trade Commission e até de grupos ligados à Comissão Europeia. 

E não se trata apenas de uma exposição exagerada dos perfis, da política de privacidade que é mais longa que a constitução dos Estados Unidos ou da complexa tarefa de proteger todos os aspectos do perfil. Há também acusações de que o Facebook "facilita" informações dos seus utilizadores a sites terceiros e principalmente a anunciantes. Isto mesmo constou de uma denúncia enviada há dias à FTC pelo professor de Harvard Benjamin Edelman, segundo a qual clicar num anúncio alojado no Facebook revela ao anunciante o nome ou ID de utilizador de quem clicou. 

O desafio de Zuckerberg é encontrar o equilíbrio entre a satisfação dos seus utilizadores, que estão perto dos 500 milhões em todo o mundo, e o apetite dos anunciantes e das empresas que se querem associar ao fenómeno (com aplicações, jogos, ligações directas...). Na semana passada, o jovem de 26 anos assinou um acordo histórico com a Zynga,empresa que inventou o jogo FarmVille e que tinha ameaçado tirá-lo do Facebook caso Zuckerberg se tornasse demasiado ganancioso. 

Por outro lado, o Facebook tem provado ser muito mais capaz de transformar notoriedade em receitas que o Twitter, mas menos tacto com os utilizadores. O MySpace, destronado pelo Facebook em 2008, já aproveitou esta onda de protestos simplificando as definições de privacidade e piscando o olho aos milhares de cibernautas que ameaçam desistir do Facebook nas próximas semanas.

 

Via ionline

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D