Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

31
Mar10

A tecnologia 4G está aí a chegar

olhar para o mundo

O 4G está a chegar

 

Descarregar o "Estado de Guerra" para o telemóvel em dois segundos, ver três canais em alta definição ao mesmo tempo ou participar numa conferência de vídeo em tempo real com a máxima qualidade. Estas são algumas das coisas que vai poder fazer quando a quarta geração (4G) chegar aos telemóveis e às placas de banda larga para portáteis, em 2011. 

"É a fibra no móvel", simplificava ontem Alfredo Baptista, administrador da PT, durante aquela que foi a primeira demonstração pública de 4G em Portugal. Feita pela operadora móvel do grupo, TMN, a demonstração será seguida de testes-pi-loto em Portugal e no Brasil já nos próximos meses. Tudo está a ser feito com apoio de sete parceiros-chave - Cisco, Alcatel-Lucent, Nokia Siemens Networks, Motorola, Ericsson, Huawei e ZTE. São os maiores players do mercado e vão permitir à TMN ser uma das primeiras empresas no mundo a avançar. 

O 4G está a ser desenvolvido desde 2004 e, na verdade, chama-se LTE (que significa Long-Term Evolution), uma evolução natural do 3G. "O LTE tem a particularidade de ser um standard já estabilizado, que será adaptado por todos", explicou Alfredo Baptista, adiantando que se trata de "um salto qualitativo". Por ser em tecnologia IP (protocolo internet) e não na tradicional TDM, será verdadeiramente possível a tão falada convergência fixo-móvel. 

Além disso, a adopção mundial vai acabar com as diferenças de tecnologia móvel entre as várias zonas do globo - GSM na Europa, CDMA na América, W-CDMA no Japão. Porque tem uma arquitectura diferente, é possível adaptar o hardware existente nas redes das operadoras e pô-lo a funcionar em 4G, bastando modificar o software. Antes, o hardware de segunda geração só funcionava com software de segunda geração e o mesmo para o 3G. Resultado: as operadoras não terão de fazer migrações complicadas e disruptivas do serviço para passar a oferecer velocidades estonteantes.

Não é um exagero. Em Portugal, já há ofertas de 100 megas nas ligações fixas, mas a média ronda os oito a dez megas. Com a LTE, estamos a falar de 100 megas no telemóvel ou portátil: muito mais que os actuais 7,2 megas da 3,5G. E não se ficará por aqui. "O débito vai evoluir para 300 megas e depois para um giga", adiantou Alfredo Baptista. Com base na nova infra-estrutura e capacidade da rede, as operadoras vão poder oferecer muito mais serviços. Os clientes da PT que têm MEO, por exemplo, poderão aceder a tudo no portátil ou telemóvel tal e qual fariam se estivessem em casa. Com a mesma qualidade e rapidez. 

Por outro lado, a latência será muito mais baixa (o tempo de trânsito da informação). Isto é particularmente importante para jogar videojogos online, já que quem tiver as conexões de resposta mais rápida ganhará vantagem. Além disso, a arquitectura diferente permite que o débito que chega às estações-base não dependa da largura de banda. 

O que falta

A tecnologia já está madura, mas ainda não estão reunidas todas as condições necessárias. É preciso que haja cada vez mais telemóveis e placas de banda larga para o LTE. Depois, falta que a Anacom lance o leilão para atribuir o espectro - a LTE funciona nas frequências 2,6 GHz e 800/900 MHz. Estas últimas, o chamado dividendo digital, ficarão livres quando a televisão analógica for desligada, em 2012. 

Os preços não deverão ser muito diferentes dos já praticados. A massa crítica vai permitir preços razoáveis, até porque haverá lugar a maior integração de serviços e pacotes. Na primeira oferta comercial de LTE, lançada pela sueca Teliasonera em Dezembro de 2009, os clientes pagam 60 euros por 30 megas (embora a oferta vá até aos 80).

 

Via ionline

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D