Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

28
Mar10

Orgasmos: 4 minutos ..fazem toda a diferença...

olhar para o mundo

Orgasmos, de 3 a 7 minutos

 

Em média, um homem com ejaculação precoce atinge o orgasmo no máximo em três minutos, quando a mulher precisa de sete. Uma solução é trabalhar o 'pára-arranca'.

Há muito mais de instinto de sobrevivência no homem do que se pensa. No que diz respeito ao acto sexual, os homens mais "apressados" não conseguem evitar a ejaculação após três minutos de penetração. E isso separa-os da mulher, que precisa de uma média de sete para ter satisfação. "Nunca se encontram", refere o urologista Vaz Santos. O médico descarta, no entanto, que este intervalo seja uma doença e aconselha a trabalhar o que separa o homem do animal: o erotismo. Simplificando, o pára- -arranca durante o acto sexual.

A ejaculação precoce afecta um em cada cinco homens dos 18 aos 64 anos. O urologista do Hospital de São José e da Pelviclinic, em Lisboa, é taxativo: "Não é uma doença. O homem está apenas mais próximo da escala animal, porque este é um momento em que pode ser atacado e morrer", refere. Actualmente, já existem drogas para atrasar este processo. Mas "apenas o fazem por dois minutos, o que significa que há sempre incompatibilidade com a mulher", refere.

Este é um dos vários problemas que afectam o "diálogo sexual", um idioma que só as duas pessoas envolvidas entendem. "Nem todos os casais estão vocacionados para fazerem sexo. Pode não funcionar e faltar a tal química. Há algo mais do que a parte psicológica. Há uma parte orgânica."

Esta constatação diz tudo sobre a postura do médico. A sua visão é fisiológica, orgânica e contraria o que é um atraso no País: "Uma visão demasiado centrada na abordagem psicológica." A mesma que tem atrasado o conhecimento da mulher e dos seus problemas.

Vaz Santos refere que o pénis é "o termómetro da saúde. Quando falha é porque geralmente está doente. Muitas mulheres dizem que se ele não consegue é porque tem outra. Mas isto é mentira em 80% dos casos. Se estiver saudável e mesmo que não goste da mulher cumpre o dever, porque o período refractário (período entre a ejaculação e a capacidade de ter uma nova relação sexual) oscila entre uma e cinco horas aos 30 anos, até 24 horas se o homem for muito mais velho", refere.

A produção de óxido nítrico, que propicia o relaxamento muscular e a libertação de sangue para os corpos cavernosos, é essencial à erecção. Há substâncias conhecidas que propiciam essa libertação. "Quando isso não acontece, pode haver doenças cardiovasculares. A erecção deixa de ser o problema, mas a sobrevivência." Ao que tudo indica, o uso de medicamentos como o Viagra "podem ajudar a resolver muitos problemas associados à rigidez das artérias. Em muitos casos, não só tratam o problema da erecção como reduzem os riscos cardiovasculares dos doentes", afirma.

Fazer a mulher 'salivar'

O médico refere que 30% das mulheres sentem desejo sexual, mas são incapazes de sentir um estímulo mental para iniciar a actividade sexual. O universo é demasiado grande. Mas o urologista acredita que também não é uma doença. "São as mulheres que não estão para aí viradas na cama. No caso, não sentem o estímulo propiciatório, seja ele visual ou acústico. E compara o sexo a uma refeição: "A mulher pode ter fome, mas olha para os pratos e não tem vontade de comer. Se isso não causa sofrimento, não é doença", refere.

O problema é resolvido "dando a provar o prato. Começa a comer e até se torna agradável. Sente a estimulação local e começa a salivar". Se a mulher não se excitar, aí sim, estamos perante doença, que afecta 5% a 10% das mulheres e tem de ser tratada. "Algumas têm dor antes da relação, só de pensar", adianta Vaz Santos, que enumera os casos de vaginoses e outras infecções que também causam dor e têm de ser tratados (ver caixa).

 

Via DN

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D