Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

Livros grátis no Kindle

 

Eis uma adivinha: como se faz de um livro um best-seller no Kindle?


Resposta: Oferecem-se exemplares.

É isso mesmo. Mais de metade dos livros mais vendidos no Kindle, o leitor electrónicos da Amazon, estão disponíveis gratuitamente. Embora alguns dos títulos sejam versões digitais de livros do domínio público, como "Orgulho e Preconceito", de Jane Austen, muitos são de autores que ainda estão a tentar ganhar a vida com o que escrevem.

Esta semana, por exemplo, o primeiro e segundo lugar da lista dos best-sellers do Kindle foram ocupadas por "Cape Refuge" e "Southern Storm", ambos romances de Terri Blackstock, escritora de livros de suspense de temática cristã. O preço Kindle: €0. Até ao fim do mês, a editora de Blackstock, a Zondervan, uma divisão da HarperCollins Publishers, está a oferecer aos leitores a oportunidade de transferirem os livros para o Kindle de graça (ou para as aplicações Kindle do iPhone ou Windows).

Outras editoras, como a Harlequin, a Random House e a Scholastic estão oferecer versões gratuitas de livros digitais à Amazon, à Barnes & Noble e a outros retalhistas da internet, bem como a websites de autores, como forma de permitir que os leitores experimentem ler a obras que desconheçam. A justificação para esta iniciativa? A esperança de que os clientes gostem do que leram e comprem outro título, pagando-o.

"Dar ás pessoas uma amostra é uma óptima maneira de as prender e de as levar a comprar mais", diz Suzanne Murphy, editora de grupo da Scholastic Trade Publishing, que ofereceu downloads gratuitos de "Suite Scarlett", um romance para adultos da autoria de Maureen Johnson, durante três semanas, para criar expectativa quanto ao livro seguinte da série, "Scarlett Fever", que será lançado no dia 1 de Fevereiro. O livro atingiu o terceiro lugar da lista dos Kindle mais vendidos da Amazon.

As borlas digitais surgem numa altura em que as editoras estão em pânico com a pressão exercida sobre os livros electrónicos. A Amazon e outros retalhistas online estabeleceram em 9,99 dólares (€7) o preço-base dos e-books, para novos lançamentos e best-sellers. Às editoras preocupa que esse valor acabe por criar junto dos consumidores a impressão de que os livros novos já não valem, por exemplo, 25 dólares (cerca de €17, o preço médio de um livro novo de capa dura) ou mesmo 13 dólares (€9, padrão para livros de bolso de capa mole).

"Numa altura em que estamos a resistir ao preço de 9,99 dólares para os e-books", diz David Young, principal executivo do grupo livreiro Hachette, que edita James Patterson e Stephenie Meyer, "é ilógico oferecer livros". Na mesma linha, um porta-voz do Penguin Group USA, explica: "A Penguin não ofereceu nem vai oferecer livros. Achamos que o valor do livro é importante demais para que se faça isso."

Mas alguns editores encaram os livros digitais gratuitos como acções meramente promocionais, do mesmo modo que as provas que distribuem aos livreiros e revisores, para criar expectativa em redor de um novo autor.

"A maioria das pessoas compra livros porque alguém recomendou o título", diz Steve Sammons, vice-presidente executivo da Zondervan responsável pela interacção com os consumidores.

A Amazon e os outros retalhistas de e-books também não ganham dinheiro com essas ofertas. Mas é uma maneira de atrair clientes para os seus dispositivos de leitura electrónica.

Os e-books gratuitos também são uma maneira de promover um autor menos conhecido, que normalmente é abafado pelas brutais campanhas de marketing dos livros mais populares.

"É preciso mostrar coisas às pessoas porque há muita concorrência", diz Johnson, autor de "Suite Scarlett" e de outras sete obras. "Quem entrar numa livraria verá 4 mil livros com a cara de Robert Pattinson na capa", acrescentou ela, referindo-se aos movie-tie-ins (livros estreitamente ligado às respectivas versões cinematográficas) da série "Twilight" de Meyer. "E aí o meu livro ficará enterrado por baixo deles."

E se um e-book gratuito chegar ao topo da lista dos mais vendidos da Kindle - ou à lista de e-books gratuitos da Barnes & Noble - o autor ganha automaticamente mais visibilidade.

"Quando se chega à posição cimeira de qualquer lista de obras mais vendidas, o próprio facto parece atrair publicidade", diz Brandilyn Collins, que escreveu os romances "Exposure" e "Dark Pursuit", livros que estiveram no primeiro e segundo lugar da lista Kindle de Janeiro, continuando no Top 10 (e ainda disponível gratuitamente).

A maioria das ofertas diz respeito a títulos mais antigos de um autor, no pressuposto de que a sua leitura irá produzir novos adeptos, que vão comprar os livros lançados mais recentemente. Mesmo que só uma pequena percentagem das pessoas que transferem um livro gratuito acabe por comprar um novo, "trata-se de dinheiro em caixa", diz Steve Oates, vice-presidente de Marketing da Bethany House Publishers, uma divisão da Baker Publishing Group, cujas autoras Beverly Lewis e Tracie Peterson tiveram títulos gratuitos na lista de mais vendidos Kindle esta semana.

A Samhain Publishing, uma editora de romances cor-de-rosa e eróticos, tem disponibilizado gratuitamente um e-book de duas em duas semanas, há mais de um ano. Christina Brashear, a editora, diz que as ofertas têm provocado um visível aumento nas vendas.

Em Outubro, o mês mais recente para o qual ela tem estatísticas, Brashear diz que a Samhain ofereceu três versões digitais de "Giving Chase", um romance cor-de-rosa de Lauren Dane, o que deu origem a 26 897 downloads. Mas a venda de outros romances de Dane aumentou exponencialmente. O seu mais recente romance, "Chased", que vendeu 97 exemplares em Setembro, vendeu 2 666 exemplares digitais em Outubro; e outro livro anterior, "Taking Chase", que tinha vendido 119 exemplares em Setembro, vendeu 3 279 no mês em que foi disponibilizado um download gratuito.

Embora os e-books ainda só representem cerca de 5% do total dos livros comercializados, os dados relativos ao efeito das ofertas digitais ainda são inconclusivos. Brian O'Leary, responsável da Magellan Media Consulting Partners, que dá consultoria a editoras, diz que embora pareça que as transferências gratuitas conduzem a uma subida da real compra de livros, há o risco de que a leitura gratuita venha a "suplantar a leitura paga".

Com efeito, diz Brian Murray, principal executivo da HarperCollins, "a gratuidade não é um modelo comercial".

Os autores sentem-se divididos entre a vontade de experimentar novos formatos e quererem proteger os seus rendimentos. Charlie Huston, autor da trilogia de crime Henry Thompson e de uma série de livros sobre Joe Pitt, um detective vampiro, diz que "a minha faceta sindical - sou oriundo de uma família de sindicalizada - ainda se sente por vezes a fazer auto-sabotagem, ao sancionar as ofertas digitais da minha editora, a Random House". Mas, diz, "acho que a minha atitude neste momento pode ser uma de duas: ter medo do que está para vir ou de algum modo tentar abraçar esse futuro da maneira mais agressiva possível". Charlie concorda que, em certos casos, os e-books gratuitos funcionam. Pamela Deron, assistente administrativa de 29 anos, da Florida, diz que transferiu uma edição gratuita de "Already Dead", o primeiro título da série Joe Pitt, para o seu Kindle este mês.

"Há tantos autores por aí que caem no esquecimento", escreveu Deron numa mensagem de correio electrónico. "Ninguém os conhece, pura e simplesmente, e alguns leitores hesitam em comprar um autor de que nunca ouviram falar. Os livros gratuitos permitem-nos apreciar o autor no seu conjunto e não só através de uma pequena amostra."

E acrescenta: "Cinquenta dólares depois, eis-me proprietária de toda a série Joe Pitt."

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

DEOLINDA - Novo disco ac...

Orq. Gulbenkian & Orq. Ge...

UHF no Cineteatro Munici...

Bar ACERT - Café-Concerto...

Tsunamiz - I Don't Buy It

Biruta - DATAS em JULHO -...

Itinerário do Sal - ópera...

Junho traz concerto de Pe...

Sarah Nery edita EP homón...

Candeio apresentam novo s...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados