Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

15
Jan10

Dez sítios para gays encontrarem marido ou mulher

olhar para o mundo

Sitios para os gays encontrarem marido ou mulher

 

 Porto



01. Zoom (discoteca)

Abriu em Junho do ano passado e "tem funcionado bastante bem", garante Mário de Carvalho, um dos sócios. O público masculino está sempre em maioria, embora as mulheres, lésbicas ou não, também por aqui passem. Correndo o risco de exagerar, pode dizer-se que é hoje a principal discoteca gay do Porto (não a única: o Pride ou o Moinho de Vento não devem ser esquecidos). A música vai da pop à house. E o ambiente, pelo menos por enquanto, não é pesado. O que quer dizer que o acasalamento se pode, e deve, fazer nas calmas.

Beco Passos Manuel, 40.

Sexta e sábado (e vésperas de feriados), 00h00/6h00. Entrada: 5 euros.

02. Boys'r'Us (bar)

É discutível chamar-lhe discoteca. Bar é com certeza. Um dos mais conhecidos do Norte do país. Às sextas e sábados é uma coisa: a música, sempre comercial, deixa o espectáculo de travestis em segundo plano. Às quartas e domingos, é outra: o show da decana Nani Petrova é o que leva os clientes à casa. Juntamente com ela, actuam Lady Slim, Ricardo Madonna e Roberta Kinsky. Há quem se queixe de que a casa pede reformulação (leiam--se os comentários no site Portugal Gay), mas não é por isso que as pessoas deixam de aqui vir.

Rua Barbosa de Castro, 63. 

Quarta e Domingo, 22h30/2h00; Sexta e sábado. Entrada: 5 euros (ao domingo é livre).

03. Armazém do Chá (bar)

Tem três andares, cafetaria, bar, palco para pequenos concertos e mesas de DJ espalhadas por vários sítios. O edifício onde está instalado é centenário e já albergou uma fábrica de torrefacção. Daí lhe vem parte do charme que o transformou num sítio in, dos mais badalados do Porto, e bastante gay friendly. Existe há cerca de quatro anos. A decoração é retro e inclui os resquícios industriais de outros tempos. Nestes sofás antigos senta-se muito homem e muita mulher à espera de casório.

Rua José Falcão, 180. Segunda a sexta, 10h00/2h00; sábado, 18h00/4h00. 222 444 243.

Lisboa


04. TRUMPS (discoteca)

A caminho dos 29 anos (em Março), não desarma: conheceu altos e baixos, mas prossegue como principal discoteca gay de Lisboa, faça ou chuva ou faço sol. Local iniciático para muitos gays masculinos (sempre o foi), é conhecido por deixar entrar todo o género de pessoas e com isso favorecer uma boa mistura, incluindo de homens e mulheres. Tem duas salas: numa pode fumar-se e ouvir house comercial; na outra, só não fumadores e muita Madonna.

Rua da Imprensa Nacional, 104. 

Sexta e sábado, 23h45/6h00. 213 971 059.

Entrada: 10 euros.

05. Lux (discoteca)

Não é uma discoteca gay, mas que interessa isso? É aqui que vem toda a Lisboa que gosta de boa música - alta, baixa, magra, gorda, gay, hetero, etc., etc. No escuro da pista de dança, no piso inferior, juntam-se muitos casais gay e muitos solteiros à procura de companhia. Talvez a idade dos clientes esteja cada vez mais reduzida, que é como quem diz, talvez o Lux se esteja a tornar uma discoteca de putos. Ou seremos nós que estamos a ficar mais velhos?

Av. Infante D. Henrique, Cais da Pedra.

Quinta a Sábado, 22h00/6h00. 218 820 890.

06. Maria Lisboa (discoteca)

É a única discoteca lésbica de Lisboa (no mundo LGBT português não é difícil, por enquanto, encontrar coisas que sejam únicas). E talvez por isso está sempre cheia ou, pelo menos, composta. A casa tem três anos de vida como Maria Lisboa, mas já foi Rockline e Fama (e a clientela era outra). Ao sábado apresenta várias vezes números de transformismo com Jenny Larrue e Patricia Russel, entre outros convidados. Tem um ambiente festivo e aberto a todas as vontades.

Sexta e Sábado, 23h45/6h00. Rua das Fontainhas, 86, 213 622 560. Entrada: 10 euros.

07. Les Suites du Bairro Alto

(residencial)

Bed-and-breakfast não exclusivamente gay, mas bastante. São quatro andares, com cerca de 70 metros quadrados (o quarto andar é um pouco mais pequeno). Têm três quartos cada, com cama de casal, cozinha, WC, varanda, ar condicionado e ligação à internet. Uma das vantagens para os hóspedes é a de poderem levar companhia para o apartamento, a meio da noite, sem necessidade de avisar. O período mínimo de permanência é de três noites e o preço 125 euros por apartamento e noite. No rés-do-chão do edifício fica o muito parisiense café Les Mauvais Garçons.

Rua da Rosa, 35, 912 300 132.

Algarve

08. Pride (discoteca, Albufeira)

"Albufeira é a capital gay do Algarve", afirma Jorge Gomes, gerente da discoteca Pride. Porquê? "Sempre foi uma cidade aberta e está no centro do Algarve", justifica. Daí que a Pride, existente desde o Verão, se tenha tornado famosa em três tempos. Muitos homens, de Faro, Huelva, Ayamonte, costumam acorrer, sobretudo ao sábado. "Nessa noite costumamos ter uma média de 200 pessoas", informa o gerente. À sexta, há show de transformismo, com Alexyia Lollipop e Armani Divine. A música é sempre comercial.

Av. Sá Carneiro, lote 1B (1.º andar). Sexta e sábado, 22h00/3h00. 963 686 142. Entrada. 6 euros.

09. Thermas Pride

(residencial e sauna, Albufeira)

Mais do que residencial (ou guest house), trata-se de uma sauna. "A única sauna gay algarvia", diz o responsável, Jorge Gomes (sim, é o mesmo da discoteca Pride). Os hóspedes pagam entre 40 a 60 euros por noite e nesse preço está incluído o acesso à sauna. Os clientes externos, que só queiram vaporizar-se e apreciar as vistas, despendem oito euros. 

Av. dos Descobrimentos, lote 21 (junto à câmara municipal). Sexta, sábados (e vésperas de feriados), 20h00/4h00, 963 686 142. 

Todo o país



10. Praias

É verdade que o tempo não pede praia, mas a lei do casamento gay também ainda vai no adro. Por isso, pode ir já pensando no Verão. A mais célebre praia no que diz respeito aos romances gay, fugazes ou duradouros, chama-se 19 e fica na Costa da Caparica. Até filmes há sobre ela: "No Strings Attached", do realizador luso-alemão Alexandre Powelz (passou em 2007 no festival de cinema Queer Lisboa). A praia é grande, frondoso é o matagal. No Algarve, também há opção: a praia João d'Arens, em Alvor. Deserta, recôndita e limpa. Tem--se acesso a partir da alameda que liga Alvor a Portimão (junto ao hotel Prainha Clube). Mais a Norte sugerimos a praia de Mira, entre a Figueira da Foz e Aveiro.

 

Via Ionline


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D