Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

15
Jan10

Dez sítios para gays encontrarem marido ou mulher

olhar para o mundo

Sitios para os gays encontrarem marido ou mulher

 

 Porto



01. Zoom (discoteca)

Abriu em Junho do ano passado e "tem funcionado bastante bem", garante Mário de Carvalho, um dos sócios. O público masculino está sempre em maioria, embora as mulheres, lésbicas ou não, também por aqui passem. Correndo o risco de exagerar, pode dizer-se que é hoje a principal discoteca gay do Porto (não a única: o Pride ou o Moinho de Vento não devem ser esquecidos). A música vai da pop à house. E o ambiente, pelo menos por enquanto, não é pesado. O que quer dizer que o acasalamento se pode, e deve, fazer nas calmas.

Beco Passos Manuel, 40.

Sexta e sábado (e vésperas de feriados), 00h00/6h00. Entrada: 5 euros.

02. Boys'r'Us (bar)

É discutível chamar-lhe discoteca. Bar é com certeza. Um dos mais conhecidos do Norte do país. Às sextas e sábados é uma coisa: a música, sempre comercial, deixa o espectáculo de travestis em segundo plano. Às quartas e domingos, é outra: o show da decana Nani Petrova é o que leva os clientes à casa. Juntamente com ela, actuam Lady Slim, Ricardo Madonna e Roberta Kinsky. Há quem se queixe de que a casa pede reformulação (leiam--se os comentários no site Portugal Gay), mas não é por isso que as pessoas deixam de aqui vir.

Rua Barbosa de Castro, 63. 

Quarta e Domingo, 22h30/2h00; Sexta e sábado. Entrada: 5 euros (ao domingo é livre).

03. Armazém do Chá (bar)

Tem três andares, cafetaria, bar, palco para pequenos concertos e mesas de DJ espalhadas por vários sítios. O edifício onde está instalado é centenário e já albergou uma fábrica de torrefacção. Daí lhe vem parte do charme que o transformou num sítio in, dos mais badalados do Porto, e bastante gay friendly. Existe há cerca de quatro anos. A decoração é retro e inclui os resquícios industriais de outros tempos. Nestes sofás antigos senta-se muito homem e muita mulher à espera de casório.

Rua José Falcão, 180. Segunda a sexta, 10h00/2h00; sábado, 18h00/4h00. 222 444 243.

Lisboa


04. TRUMPS (discoteca)

A caminho dos 29 anos (em Março), não desarma: conheceu altos e baixos, mas prossegue como principal discoteca gay de Lisboa, faça ou chuva ou faço sol. Local iniciático para muitos gays masculinos (sempre o foi), é conhecido por deixar entrar todo o género de pessoas e com isso favorecer uma boa mistura, incluindo de homens e mulheres. Tem duas salas: numa pode fumar-se e ouvir house comercial; na outra, só não fumadores e muita Madonna.

Rua da Imprensa Nacional, 104. 

Sexta e sábado, 23h45/6h00. 213 971 059.

Entrada: 10 euros.

05. Lux (discoteca)

Não é uma discoteca gay, mas que interessa isso? É aqui que vem toda a Lisboa que gosta de boa música - alta, baixa, magra, gorda, gay, hetero, etc., etc. No escuro da pista de dança, no piso inferior, juntam-se muitos casais gay e muitos solteiros à procura de companhia. Talvez a idade dos clientes esteja cada vez mais reduzida, que é como quem diz, talvez o Lux se esteja a tornar uma discoteca de putos. Ou seremos nós que estamos a ficar mais velhos?

Av. Infante D. Henrique, Cais da Pedra.

Quinta a Sábado, 22h00/6h00. 218 820 890.

06. Maria Lisboa (discoteca)

É a única discoteca lésbica de Lisboa (no mundo LGBT português não é difícil, por enquanto, encontrar coisas que sejam únicas). E talvez por isso está sempre cheia ou, pelo menos, composta. A casa tem três anos de vida como Maria Lisboa, mas já foi Rockline e Fama (e a clientela era outra). Ao sábado apresenta várias vezes números de transformismo com Jenny Larrue e Patricia Russel, entre outros convidados. Tem um ambiente festivo e aberto a todas as vontades.

Sexta e Sábado, 23h45/6h00. Rua das Fontainhas, 86, 213 622 560. Entrada: 10 euros.

07. Les Suites du Bairro Alto

(residencial)

Bed-and-breakfast não exclusivamente gay, mas bastante. São quatro andares, com cerca de 70 metros quadrados (o quarto andar é um pouco mais pequeno). Têm três quartos cada, com cama de casal, cozinha, WC, varanda, ar condicionado e ligação à internet. Uma das vantagens para os hóspedes é a de poderem levar companhia para o apartamento, a meio da noite, sem necessidade de avisar. O período mínimo de permanência é de três noites e o preço 125 euros por apartamento e noite. No rés-do-chão do edifício fica o muito parisiense café Les Mauvais Garçons.

Rua da Rosa, 35, 912 300 132.

Algarve

08. Pride (discoteca, Albufeira)

"Albufeira é a capital gay do Algarve", afirma Jorge Gomes, gerente da discoteca Pride. Porquê? "Sempre foi uma cidade aberta e está no centro do Algarve", justifica. Daí que a Pride, existente desde o Verão, se tenha tornado famosa em três tempos. Muitos homens, de Faro, Huelva, Ayamonte, costumam acorrer, sobretudo ao sábado. "Nessa noite costumamos ter uma média de 200 pessoas", informa o gerente. À sexta, há show de transformismo, com Alexyia Lollipop e Armani Divine. A música é sempre comercial.

Av. Sá Carneiro, lote 1B (1.º andar). Sexta e sábado, 22h00/3h00. 963 686 142. Entrada. 6 euros.

09. Thermas Pride

(residencial e sauna, Albufeira)

Mais do que residencial (ou guest house), trata-se de uma sauna. "A única sauna gay algarvia", diz o responsável, Jorge Gomes (sim, é o mesmo da discoteca Pride). Os hóspedes pagam entre 40 a 60 euros por noite e nesse preço está incluído o acesso à sauna. Os clientes externos, que só queiram vaporizar-se e apreciar as vistas, despendem oito euros. 

Av. dos Descobrimentos, lote 21 (junto à câmara municipal). Sexta, sábados (e vésperas de feriados), 20h00/4h00, 963 686 142. 

Todo o país



10. Praias

É verdade que o tempo não pede praia, mas a lei do casamento gay também ainda vai no adro. Por isso, pode ir já pensando no Verão. A mais célebre praia no que diz respeito aos romances gay, fugazes ou duradouros, chama-se 19 e fica na Costa da Caparica. Até filmes há sobre ela: "No Strings Attached", do realizador luso-alemão Alexandre Powelz (passou em 2007 no festival de cinema Queer Lisboa). A praia é grande, frondoso é o matagal. No Algarve, também há opção: a praia João d'Arens, em Alvor. Deserta, recôndita e limpa. Tem--se acesso a partir da alameda que liga Alvor a Portimão (junto ao hotel Prainha Clube). Mais a Norte sugerimos a praia de Mira, entre a Figueira da Foz e Aveiro.

 

Via Ionline


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D