Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um olhar sobre o Mundo

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Porque há muito para ver... e claro, muito para contar

Um olhar sobre o Mundo

30
Out09

Antes de casar com a filha, ponha os olhos na mãe

olhar para o mundo

Antes de casar com a filha, olhe para a mãe e saberá o que o espera.

 

 O sucesso, a longo prazo, de uma relação pode depender da forma como um homem olha para a sogra. O casamento está marcado e a noiva é atraente. Pelo menos por enquanto. Antes de dar o grande passo, observar com atenção os olhos da sua sogra pode dar-lhe pistas sobre aquilo que o espera daqui a uns anos. 


A Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos publicou no último fim-de-semana um estudo que confirma aquilo que o senso comum e a sabedoria popular há muito reivindicavam. A ciência comprova agora que afinal o ditado "tal mãe, tal filha" se aplica na perfeição quando o assunto é o envelhecimento das mulheres. 

O estudo, realizado por uma equipa do Centro Médico da Loma Linda University (Califórnia), foi apresentado em Seatlle e resultou da análise ao rosto de vinte mulheres - dez mães e dez filhas -, com idades compreendidas entre os 15 e os 90 anos.

Os investigadores concluíram que as filhas tendem a envelhecer da mesma forma que as mães e ficam com rugas nos mesmos sítios da cara que as suas progenitoras. As conclusões são particularmente evidentes na zona de contorno dos olhos e nas pálpebras, onde verificaram também a mesma perda de volume e o mesmo nível de flacidez.

Para chegar a esta conclusão, os cirurgiões plásticos usaram fotografias do rosto de 20 mulheres ao longo das várias fases da vida e construíram no computador imagens a três dimensões, que permitiram analisar passo a passo o processo de envelhecimento de mães e filhas. "Até agora os estudos ligados ao envelhecimento do rosto eram, em grande parte, subjectivos e meramente de observação", defendeu a equipa do Centro da Loma Linda University durante a apresentação das conclusões do estudo. "Esta investigação permitiu aplicar imagens faciais a modelos tridimensionais de computador para medir, passo a passo, as mudanças no envelhecimento do rosto feminino", explicaram.

O facto de mães e filhas terem estruturas ósseas muito semelhantes e a mesma formação celular parece ser a principal razão para que o processo de envelhecimento seja parecido.

Os investigadores - Matthew Camp, Zachary Filip, Wendy Wong e Subhas Gupta - todos cirurgiões plásticos na Califórnia, confirmaram que a perda de volume nas pálpebras começou, na esmagadora maioria dos casos, quando as mulheres analisadas passaram dos 30 anos e foi sempre progredindo à medida que a idade avançou. Consegue-se perceber que existe um padrão comum a mães e filhas no que diz respeito ao aparecimento de rugas no contorno dos olhos: as rugas surgem mais ou menos na mesma idade e têm o mesmo desenho. 

A descoberta, acreditam os investigadores, pode ter outra utilidade que não apenas confirmar o senso comum e ajudar noivos desconfiados. O estudo, explicaram os promotores em Seatlle, pretende servir de guia para a indústria de cosméticos - que todos os anos promete novas receitas milagrosas para o rejuvenescimento da zona dos olhos. 

O ano passado, de acordo com dados apresentados pela Sociedade Americana de Cirurgiões, citados pela agência noticiosa Reuters, as cirurgias de olhos - ligadas à beleza e à cosmética - foram as mais requisitadas nos Estados Unidos. Outra das conclusões apresentadas pelo mesmo grupo de investigadores - numa altura em que o Botox faz 20 anos - revela que as caras das mulheres são mais ovais na juventude e tendem a ficar quadradas com o avançar dos anos. Já os homens têm mais tendência a ter rostos quadrados e a mantê-los intactos ao longo da vida.

 

Via ionline

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D