Terça-feira, 04.03.14

fILHOS

 

Se, antes de ter filhos, eu soubesse…

Se eu soubesse as noites que ia passar em claro

Se eu soubesse a quantidade de fluidos corporais que ia limpar ao longo da infância dos meus filhos

Se eu soubesse o quanto o som da palavra “Mãe? Mãe? Mãe?” me ia pôr os nervos à flor da pele ao longo de uma década (mínimo)

Se eu soubesse que ia demorar mais na casa de banho, só para ter um tempinho para mim

Se eu soubesse que esses momentos roubados na casa de banho iam quase sempre ser interrompidos por algum dos meus filhos a bater ininterruptamente na porta

Se eu soubesse a quantidade de vezes que ia ter de repetir as mesmas ordens, os mesmos avisos e as mesmas chamadas de atenção

Se eu soubesse que a solução mágica para as queixinhas, choros, desobediências, faltas de respeito, e para a preguiça só ia ser eficaz apenas metade das vezes

Se eu soubesse que amar os meus filhos não significava gostar deles o tempo todo

Se eu soubesse que às vezes ia chorar no duche por ser o único sítio onde conseguia estar sozinha

Se eu soubesse que em determinada altura ia sentir-me, de tal maneira, “num oito” que só de pensar em entrar em ação com o meu marido, me causava arrepios

Se eu soubesse que nunca mais ia ser capaz de concentrar-me em nada de alma e coração, senão nos meus filhos

Se eu soubesse que a situação não fica mais fácil à medida que os filhos crescem, apenas se complica de formas diferentes

Se eu soubesse o quanto me ia preocupar a possibilidade de falhar enquanto mãe

Se eu soubesse que ser mãe ia ser, para sempre, um desafio permanente

Eu tinha tido os meus filhos na mesma. Porque se não os tivesse…

Não saberia o que é o milagre de ter uma vida a crescer dentro de mim

Não saberia que o cheirinho da cabeça de um recém-nascido faz-nos sentir no paraíso

Não saberia o que é a magia de ter um bebé a dormir nos meus braços, e nunca mais querer pô-lo no berço

Não saberia o que é a imensa felicidade de ver um filho a dar os primeiros passos, a comer sozinho, a andar de bicicleta, ou ler um livro inteiro pela primeira vez.

Não saberia que o riso dos meus filhos, pode alegrar o pior dos meus dias

Não saberia como um simples e inocente olhar de espanto, me derrete o coração

Não saberia o quão fantástico é assistir diariamente à evolução de uma criança que eu trouxe ao mundo

Não sentiria o orgulho de ver o meu filho a viver situações complicadas, e a desenvencilhar-se com base nos ensinamentos que lhe transmiti

Não viveria a alegria desenfreada que é ver os meus filhos a triunfar.

Não saberia o gratificante que é desafiar-me diariamente para ser uma mãe melhor.

Não saberia que ser mãe ia ajudar-me a entender algumas questões por esclarecer desde a minha infância.

Não saberia que ao transformar-me numa mãe ia encontrar uma versão mais profunda, mais forte, e mais verdadeira de mim própria.

Não saberia o que é o amor incondicional dos filhos.

Não sentiria a energia e a força desta poderosa forma de amar, que só uma mãe/pai conhece.

Não saberia que a dor e as armadilhas que nos aparecem no caminho são superadas pela beleza, alegria e pelas maravilha desta viagem.

Por tudo isto, se eu soubesse na verdade o que era a maternidade, eu teria feito tudo como fiz…!

 

Se calhar, teria aproveitado para dormir um pouco mais antes de ser mãe.

 

por Annie Reneau, Scary Mommy imagem Luna Belle



publicado por olhar para o mundo às 21:41 | link do post | comentar

Sexta-feira, 17.12.10

o que fazer quando as crianças descobrem o pipi

 

Ter um filho de cinco anos em casa tem destas coisas. Por muito que o pediatra diga que são comportamentos normais, Cátia Jorge, de 32 anos, vê-se "aflita" para responder a algumas perguntas do filho e, por muito que tente abordar "sem tabus" as temáticas ligadas ao sexo, confessa que nem sempre é fácil.

"Ele é muito curioso e às vezes até me parece precoce", conta a jornalista de Mafra. Apesar de ser criança, Diogo passa "muito tempo a olhar para a pilinha e a mexer-lhe". Cátia já teve até de engolir em seco quando o filho lhe disse: "Mãe, ela está viva" ou "Acho que está velhota e quase a morrer". Diogo até arranjou uma namorada na natação, um ano mais velha. "Um dia, apanhei-a a dizer: 'Diogo, vamos fazer sexy debaixo de água'", lembra. Pensou no pior: "Tenho de afastar esta mulher do meu filho." E depois: "Estarei a transformar-me na sogra mais bruxa do mundo?"

As crianças têm uma sexualidade e negar esse facto é meio caminho andado para que na idade adulta não saibam lidar devidamente com a intimidade e com o sexo. "Há sexualidade em todas as idades, embora as componentes que a envolvem, como a companhia, o erotismo, o bem-estar, a realização ou a procriação variem consoante as idades", explica o pediatra Mário Cordeiro. 

Logo no ventre materno e a partir do sétimo mês de gestação, o feto começa a ter erecções regulares, "que nada têm a ver com a libido, mas com o próprio amadurecimento do órgão genital", explica o pediatra Gomes Pedro. Enquanto recém-nascido e sobretudo depois de deixar as fraldas, o bebé percebe que sente prazer quando toca nos genitais. "Não se pode falar em masturbação, porque isso implicaria a existência de fantasias", esclarece Mário Cordeiro. Essa "manipulação" do corpo faz parte da descoberta da sexualidade e quando o bebé percebe, instintivamente, que "tem prazer", começa a repetir o gesto. 

Por volta dos quatro anos, as crianças começam a brincar aos médicos. Um comportamento normal, que favorece a descoberta do próprio corpo e do corpo do outro, mas que "apavora os adultos", admite a psicóloga infantil Rita Jonet. "Eles só querem perceber as diferenças, não se pode encarar essa curiosidade como uma experiência aflitiva", recomenda. Na maioria dos casos, as brincadeiras acontecem entre irmãos, vizinhos, primos e, frequentemente, entre crianças do mesmo sexo. "Porque nessas idades há maior intimidade entre rapazes ou entre raparigas do que com o sexo oposto", justifica a psicóloga. "É a descoberta através do corpo do outro. É tocar para sentir como será ser tocado", acrescenta Mário Cordeiro. 

Como lidar A resposta é simples, apesar de raramente ser fácil de aplicar: agir e reagir com naturalidade. Castrar estes comportamentos "por causa de moralismos, falsos ou verdadeiros, acabará por interromper, mais tarde, a sexualidade normal da pessoa", aconselha Mário Cordeiro. Gomes Pedro concorda: "Nunca se deve fazer mistério em torno dos assuntos. Por vezes, os adultos diabolizam, porque já se esqueceram de como eram." 

Mesmo assim, há dois sinais a que os pais devem estar atentos. O primeiro é se a masturbação acontecer em público. "Os pais têm de ensinar o valor da intimidade e da privacidade", refere Mário Cordeiro. "Explicando que o corpo é um tesouro que deve ser guardado", acrescenta Rita Jonet. O segundo é se a masturbação ou os contactos com outras crianças são demasiado frequentes. "Se chega a casa e abdica de outros entretenimentos ou tarefas e se começa a isolar", explica Rita Jonet. O mais indicado é distrair a criança. "Chamá-la para outras actividades, como ver televisão", recomenda. Caso o comportamento se mantenha, então será preciso consultar o médico ou um psicólogo. Normalmente, explica Gomes Pedro, as crianças que se tocam demasiadas vezes é porque estão sob stresse "e percebem que é uma forma de diminuir a ansiedade".



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Segunda-feira, 13.12.10

Bélgica proibe venda de tapetes-puzzle

 

A Bélgica decidiu proibir a venda dos tapetes-puzzle para crianças, devido à presença na sua constituição de partículas consideradas tóxicas, e a França deverá tomar uma decisão na segunda-feira, informaram fontes oficiais.

O debate sobre este tema começou na sexta-feira, quando as autoridades belgas decidiram retirar o produto dos locais de venda, devido a análises feitas ao produto que mostram a presença de partículas de formadima, uma substância química cancerígena.

O secretário de Estado francês do Consumo, Frédéric Lefebvre, citado hoje pela France Press, disse que deu indicações para se "proceder de imediato ao controlo de toxidade".

O governante francês disse que pediu também ao homólogo belga os resultados das análises feitas que sustentaram a decisão tomada por Bruxelas.

Está prevista para segunda-feira de manhã uma reunião para o Governo francês tomar uma decisão.

O presidente da Associação Francesa de Defesa dos Consumidores, Reine-Claude Mader, defendeu que é preciso "retirar de imediato os tapetes-puzzle de venda", recordando que já há uma decisão comunitária que vai proibir o uso da formadima a partir de 2013.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:59 | link do post | comentar

Terça-feira, 16.11.10

Uma em cada dez crianças que nasce nos Açores é filha de pais adolescentes, uma média que contribui para que Portugal ocupe o segundo lugar de gravidez na adolescência na Europa.

 

Para inverter este quadro, a câmara de Angra do Heroísmo, na Terceira, promoveu hoje uma acção de sensibilização sobre gravidez na adolescência, que reuniu cerca de meia centena de alunos do ensino secundário.

Na sessão, Irene Pires, enfermeira reformada do Hospital de Angra do Heroísmo, considerou "preocupante" o quadro de gravidezes precoces no arquipélago, que representam 10,2 por cento do total de crianças que nascem nos Açores, salientando que o número tende a aumentar.

"Cada vez mais [os jovens] têm experiências sexuais mais cedo e, por isso, também gravidezes indesejadas", afirmou, defendendo que "a gravidez na adolescência é um problema social que envolve os adolescentes, a família e a própria sociedade".

Para a antiga técnica de saúde, os jovens deviam requerer consultas de planeamento familiar nos centros de saúde da zona onde residem, recordando que "ainda são gratuitas", "tal como a pílula e os preservativos".

Irene Pires salientou que os jovens têm informação suficiente à sua disposição, mas "negligenciam os riscos", frisando, porém, que os pais são os "grandes responsáveis", porque "pensam que os adolescentes sabem tudo, mas não sabem".

"O sexo ainda é tabu em muitos casos e muitos pais também não têm conhecimento para falar nisso", acrescentou.

Nesta acção de sensibilização, a oradora convidada falou sobre as causas da gravidez na adolescência, os perigos, a prevenção e o papel dos pais na adolescência, alertando para a importância de um acompanhamento médico durante toda a gravidez, sobretudo na adolescência.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:54 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.11.10

Criança de 10 anos dá à luz

 

Uma criança com 10 anos de origem romena deu à luz um bebé no hospital de Gerez (Cádis) em Espanha – avança o jornal espanhol “El País”.

Segundo a conselheira do departamento para a igualdade da AndaluziaMicaela Navarro, o bebé ficará com a família. A técnica mostrou-se  surpreendida e confirmou que a mãe e o recém-nascido se encontram em “perfeitas condições de saúde.”

Entretanto o jornal “Diario de Jerez” já informou que o bebé nasceu com 2,9 quilos no hospital de Gerez na quarta-feira passada.

Em 2008 – o último ano para o qual o Instituto Nacional de Estatísticas espanhol disponibiliza dados - 48 menores de 15 anos deram à luz. Nesse mesmo ano, em Espanha, outras 177 menores deram à luz.

Em Portugal, mais de 10% das interrupções voluntárias de gravidez ocorrem emadolescentes com idades até aos 19 anos. Em 2009, 4347 jovens, entre os 12 e os 19 decidiram levar a gravidez até ao final, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

 

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:11 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.10.10

União Europeia aprova alargamento de licença parental para 20 semanas

 

Parlamento Europeu aprovou hoje em Estrasburgo a proposta de alargamento da licença de maternidade para 20 semanas, apresentada pela eurodeputada portuguesa Edite Estrela, que contempla também uma licença de paternidade obrigatória de duas semanas.

O texto final adotado pelo hemiciclo de Estrasburgo prevê o pagamento quase integral da licença de maternidade alargada, com o pagamento de 100 por cento nas primeiras 16 semanas e de 75 por cento nas derradeiras quatro.

As instituições europeias terão agora de chegar a um acordo para que a nova legislação entre em vigor.

Atualmente, o cenário é muito variado na União Europeia, havendo países onde a duração mínima da licença de maternidade é de 14 semanas.

Comissão Europeia propôs, por seu turno, um aumento para as 18 semanas, tendo hoje aassembleia adotado a proposta de uma licença de 20 semanas, já em vigor em Portugal.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Domingo, 03.10.10

Quando falar com os filhos sobre sexo?

 

O assunto sexo estranhamente ainda assusta pais e mães. Talvez reflexo de uma cultura não muito distante, quando levantar discussões em família sobre o tema implicaria constrangimentos. Pergunte a seus avós, ou mesmo àquela tia de idade mais avançada se na época em que eles tinham entre 20 e 30 anos era comum ouvir termos como ‘orgasmo’, ‘masturbação’; se na mídia em geral havia uma abordagem tão explícita como se vê, atualmente, em seriados, novelas, filmes e músicas. Certamente a negativa vai ser contundente.

A quebra desse tabu, hoje, é algo que soa com certa urgência. Psicólogos e sexólogos alertam que a falta de diálogo pode ser responsável por consequências que vão além da rebeldia ou de uma gravidez indesejada. O alerta fica principalmente para as crianças, cuja curiosidade insaciada pode levá-las a se tornar alvo de pedófilos.

 

A professora Ana Luzia Oliveira, mãe de quatro filhos – o mais velho com 24 anos, um de 20, outro de 18 e uma menina de 10 – revela que a criação recebida dos pais causou uma limitação no diálogo sobre a questão. “Quando me dei conta, já encontrei as camisinhas entre as roupas e mesmo assim não senti necessidade de falar sobre isso. Na minha criação sexo não existia, então acho que fiquei ‘bloqueada’. Na idade em que se encontram, eles acham que sabe de tudo”, diz.

Ana Luzia reconhece que o diálogo deveria partir dela, mas reconhece que falta coragem para orientá-los. “Não tenho arrependimento até porque nunca aconteceu nada que me fizesse repensar a atitude. Mas hoje só consigo focar no assunto prevenção, tanto com relação a uma gravidez indesejada ou até mesmo uma doença”, justifica. O desafio agora, para ela, é quebrar essa barreira com a filha de dez anos. “Não sei como vai ser [a conversa], porque ela já sabe muito mais do que eu quando tinha a mesma idade. Tudo é diferente hoje. Sexo não é mais uma ‘coisa de outro mundo’”, ressalta.

 

A vizinha da professora, a funcionária pública Carla Moraes Leal, que tem um casal de filhos com 20 e 16 anos, percebeu o momento de levantar o diálogo quando o filho, na época com 18 anos, estava sendo orientado pela turma de amigos. “Sabia que era saudável ele conversar com os amigos, mas isso estava ocorrendo de forma errada. Havia também a timidez dele, então tomei a iniciativa”, lembra.

A primeira conversa não foi fácil. Carla revela que ensaiou no espelho por diversas vezes como seria a abordagem. O resultado, hoje, é que a relação com ambos mudou para melhor. “Falamos sobre tudo agora. Somos mais abertos não só para falar sobre sexo, mas com qualquer outro assunto. A gente se trata de igual para a igual, com o respeito que deve existir entre mãe e filhos”, revela.

 

Responsabilidade dos pais

 

A funcionária pública reconhece que o diálogo veio tarde. No entanto, a psicóloga Edelvaisse Ferreira revela que não existe uma idade ideal para que haja a abordagem do assunto. A exposição diária das crianças à mídia, que apresenta uma enxurrada de imagens eróticas e sensuais, e o livre acesso à internet pode antecipar a curiosidade. “Os pais devem orientar os filhos na medida em que forem feitas as perguntas. Não há necessidade de adiantar nada porque a sexualidade se desenvolve naturalmente; não vai ser necessário nenhum empurrãozinho”, alerta.

O prejuízo nessas conversas iniciais pode vir com a maneira que elas vão decorrer.  Falar da ‘Cegonha’ ou inventar apelidos para os órgãos sexuais, por exemplo, também é algo fora de recomendação. A psicóloga explica que deve ser rejeitada a linguagem que não contemple a idade do filho.

“Para as crianças não existe o saber do ‘proibido’. Se a família preza pelo diálogo aberto, elas certamente colocarão as perguntas no momento em que sentirem curiosidade. Se não há o diálogo a criança pode ter receio em falar e os pais devem ficar atentos ao comportamento e à linguagem do filho para abordar o tema de maneira sincera e natural”, aconselha Edelvaisse.

 

Por Diógenes de Souza e Raquel Almeida



Via Infonet



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Sábado, 25.09.10

Bruna de volta à escola

 

Esqueceu-se bem depressa a Bruna despida a posar como veio ao mundo, a encher páginas de jornais e revistas.

Hoje li aqui que regressou á escola e curiosamente para bem perto de mim, Peniche.

Diz o artigo no Correio da Manhã que ela agrada a pais e alunos   que o passado dela não é importante? Que passado?..e porque não haveriam de estar satisfeitos?

Sentada aqui, a minha mente perversa já está a imaginar muitos penicheiros encostados ás esquinas só para a ver passar.

 

Via Sentaqui



publicado por olhar para o mundo às 10:23 | link do post | comentar

Terça-feira, 31.08.10

Pais erram nas doses de medicamentos

 

A maioria dos pais erra na dose de medicamentos que dá aos filhos. E muitos põem as crianças em risco ao abusarem de remédios de venda livre para a tosse, febre e constipação. A conclusão é de um estudo de uma equipa de investigadores da Universidade de Sydney, na Austrália, e foi apresentado no Congresso Mundial de Farmácia, que decorre esta semana em Lisboa.

Os investigadores estudaram quase 100 adultos - 53 mães, sete pais e 37 amas e outros responsáveis pelo acompanhamento de crianças entre os quatro e os cinco anos, durante o dia. E concluíram que os erros nas doses de medicamentos, em particular os xaropes, são responsáveis por um elevado número de intoxicações que ocorrem todos os anos.

A maioria usa colheres para medir a quantidade certa de tratamento, mas acaba por fazer mal as contas e administra uma dose errada. Sessenta e um por cento erram as medidas, 44% porque não dá o remédio suficiente, 17% porque exageram e levam as crianças a tomar medicamentos a mais.

A equipa australiana, liderada pela médica Rebekah Moles, testou ainda os conhecimentos dos pais na identificação das situações em que deve ser dada medicação. Criaram cenários hipotéticos - um exemplo era as crianças sentirem-se quentes, irritadiças, mas continuaram a brincar, a beber e a comer - e perguntaram aos responsáveis pelas crianças como agiriam se a situação fosse real. Durante a simulação, forneciam medicamentos de venda livre, várias colheres e outros instrumentos de medição. Os voluntários decidiam em que situações administrar medicamentos e eram depois convidados a medir a dose certa.

Para surpresa dos investigadores, 7% dos voluntários decidiram dar medicamentos às crianças sem medir a febre e outros 46% optaram por recorrer a tratamentos mesmo quando a temperatura estava abaixo dos 38oC. Contas feitas, apenas 14 dos adultos tomaram a decisão certa em cada cenário.

"Ficámos surpreendidos e preocupados ao concluir que há pessoas que pensam que os medicamentos são seguros só porque podem comprá-los sem receita médica", afirmou a coordenadora do estudo. Rebekah Moles deu ainda o exemplo de um pai que respondeu "que como o Panadol está disponível em todo o lado, dar o dobro da dose não poderia fazer qualquer mal à criança".

O estudo terá continuação, com os investigadores a visitarem farmácias e lojas de medicamentos sem receita, para perceberem se são dados os conselhos certos.

Remédios lideram no país Os números portugueses dos últimos anos apontam para uma média de 30 crianças intoxicadas por dia. Os medicamentos estão no topo da lista das intoxicações em crianças, à frente de detergentes, lixívias e produtos tóxicos. Mas os dados divulgados pelo Centro de Informações Antiveneno (CIAV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) não permitem perceber a forma como os bebés chegam aos remédios. Certo é que os medicamentos são responsáveis por mais de seis mil ocorrências num universo de cerca de 10 mil. É mais de metade dos casos que motivam chamadas para este serviço, o que levou o INEM a lançar há uns anos uma campanha nacional de prevenção para o fenómeno

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.07.10

Como responder aos filhos?

 

Há anos, quando era médica residente em pediatria, um adolescente perguntou-me se já tinha fumado erva. Não era uma pergunta amigável, mas antes uma reacção do tipo "ah, sim, isso é o que tu dizes" às minhas questões, como que a avisar-me.

Nenhum doente me perguntou tal coisa em décadas. Mas, recentemente, dei por mim no meio de várias conversas entre pediatras sobre como os pais devem lidar com as perguntas sobre o assunto.Médicos e pais precisam de uma forma de integrar os seus padrões de honestidade com o que sabemos sobre o abuso de drogas - e com investigações que tornam claro que sabemos hoje mais sobre o assunto.

Em particular, os cientistas compreendem melhor a neurobiologia do cérebro adolescente e os riscos de experimentar drogas e álcool na adolescência. Embora pensássemos que o cérebro era relativamente maduro aos 16/18 anos, na realidade continua a desenvolver-se até aos 25. O que se desenvolve cedo é a área de procura do prazer, o núcleo acumbente. As regiões que auxiliam o raciocínio abstracto, a tomada de decisões e a capacidade de julgamento estão ainda a amadurecer e, logo, com menos inclinação para inibir a procura de prazer. Pelo que as drogas e o álcool podem, de facto, levar a alterações permanentes no cérebro - em particular, dizem especialistas, uma maior propensão para a dependência em adulto. No entanto, dar conselhos a jovens nunca foi fácil, e quando a história dos pais vem à baila, fica ainda mais complicado.

Há uma questão moral para os adultos que se orgulham da honestidade e abertura. Há o medo de que, mesmo se explicarmos cuidadosamente a lição da nossa história, possamos estar a oferecer ao nosso filho uma lição implícita acerca da falta de consequências, uma espécie de parábola de eu fiz isso e estou bem. "O problema vem sempre à baila quando dou conselhos aos pais", diz Sharon Levy, directora do programa de abuso adolescente de substâncias no Children's Hospital Boston. "Eles dizem 'bem, o que lhe devo dizer - ou não?'" A investigação é limitada. Mas há provas que sugerem que quando os pais prestam mais informação e dão melhores conselhos desde cedo, o risco de abuso é menor. E um estudo de 2009 do centro Hazelden para o tratamento da dependência, concluiu que muitos adolescentes apontavam a honestidade dos pais acerca do álcool como influência positiva.

É claro que todos os pais, crianças e todas as situações são diferentes, e não existe uma regra que diz que pais e médicos devem revelar qualquer informação particular sobre o seu consumo de álcool e drogas, passadas ou actuais. Em vez disso, é importante perceber "porque é que perguntas? O que se passa contigo?", diz Janet F. Williams, professora de pediatria no Health Center da Universidade do Texas, e directora do comité para o abuso de substâncias da Academia de Pediatria. "O que nós pensamos que eles querem saber pode não ser aquilo que eles estão a perguntar", afirma. E, tal como sucede com outras conversas, tenha em conta o estado de desenvolvimento da criança; a resposta a uma criança de 12 anos ou a quem tem 22 anos é dada em termos e detalhes diferentes.

Porém, a maioria dos especialistas concorda que quando uma criança faz uma pergunta, o melhor é não mentir. "Diga sem glorificar", aconselha Levy, "e se acha que cometeu um erro, diga isso." Na realidade, uma criança que faz esta pergunta pode ter pensado muito em como e quando puxar do assunto. Trate a questão com respeito, utilize-a para fazer a conversa fluir. Pode não ser uma questão que queira ver levantada mas é uma conversa que, como pai, deve encorajar. (Sites úteis:teens.drugabuse.gov - informação para adolescentes; eteen-safe.org - conselhos sobre como falar com adolescentes.)

Então e o pesadelo familiar de todos os pais: o adolescente zangado que reage à disciplina ou à reprovação virando a conversa com uma acusação sobre as transgressões dos pais? Deborah Simkin, psiquiatra que faz a ligação ao comité Williams da Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente, faz a analogia com um alcoólico que resiste ao tratamento tentando trazer à baila os problemas dos outros. "O miúdo está a tentar desviar a atenção da intervenção oportuna por parte dos pais", diz. Em tais casos, a resposta dos pais deve ser clara: "Vamos discutir o que tu fizeste." 

O que queremos fazer como pais é transmitir sabedoria - mesmo que a tenhamos adquirido da maneira mais dura - sem que os filhos tenham de correr riscos. "Conduziu sem cinto de segurança e não morreu num acidente. Isso significa que quer que o seu filho conduza sem cinto?", pergunta Levy. Ou como diz Williams: "Se a forma como a questão é apresentada é 'Isto é arriscado e espero que não tenhas de colocar a mão no lume para descobrir que te podes queimar', eles não têm de tomar o mesmo risco." Por fim, depois de todos os cuidados e ansiedades, é essencial voltar ao lado positivo - "lembre-se sempre de reparar no que há de bom no seu filho", aconselha Williams. 

Afinal de contas, a mensagem mais importante não é sobre os erros que podem fazer descarrilar mas sim sobre o prazer de encontrar o próprio caminho. Diga ao seu filho, nas palavras de Simkin, que "preferiria que te dedicasses a descobrir a tua paixão, descobrir o que queres fazer na vida" - e celebrar esse potencial. E, por isso, diz Williams, "gostaria que tivessem todas as células cerebrais a que têm direito."

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Domingo, 25.07.10

Por vezes há pessoas más.. porque sim!

 

"Não sei o que fizemos de errado", disse-me a doente no meu gabinete de psiquiatria. Era uma mulher inteligente e que sabia expressar-se, com pouco mais de 40 anos, que me procurou com queixas de depressão e ansiedade. Ao discutir as pressões que enfrentava tornou-se claro que o filho adolescente era, há muitos anos, a mais importante.

Em miúdo, explicou, lutava muitas vezes com outras crianças, tinha poucos amigos íntimos e a reputação de mau. Ela esperara sempre que ele mudasse, mas na altura ele estava quase com 17 anos e ela sentia-se cada vez mais abatida. 

Perguntei-lhe o que queria dizer com "mau". "Detesto admiti-lo, mas ele é cruel e não tem compaixão pelos outros", respondeu. Em casa era provocador e mal-educado, muitas vezes insultava os familiares. 

Entretanto mandara avaliá-lo por vários pedopsiquiatras, que o submeteram a testes neuropsicológicos exaustivos. Os resultados eram sempre os mesmos: estava no escalão superior da inteligência, sem vestígios de dificuldades de aprendizagem ou doença mental. A mãe perguntava a si mesma se ela ou o pai teriam sido de alguma forma negligentes. 

Nem um nem o outro, ao que parecia, se tinham saído tão bem nas avaliações psiquiátricas como o jovem. Um terapeuta notara que não eram inteiramente coerentes no que dizia respeito ao filho, especialmente em termos de disciplina: ela era mais permissiva que o marido. Outro terapeuta sugeriu que o pai não estava suficientemente presente e insinuou que não era um modelo forte para o filho. 

Porém, havia um inconveniente com as explicações: este casal em teoria com dificuldades conseguira educar dois outros rapazes bons e adaptados. Como teriam conseguido, se eram tão maus pais?

A verdade é que tinham uma relação diferente com o filho difícil. A minha doente foi a primeira a admitir que se zangava muitas vezes com ele, algo que quase nunca acontecia com os irmãos. 

Havia outra questão fundamental em aberto: se o rapaz não sofria de nenhuma problema psiquiátrico demonstrável, o que se passava? 

heresia? A minha resposta pode parecer herética, vinda de um psiquiatra. Afinal tendemos a ver o mau comportamento como uma psicopatologia a exigir tratamento: não existem pessoas más, apenas doentes. Mas talvez este jovem não passasse de uma pessoa má. 

Durante anos, os profissionais de saúde mental foram treinados para ver as crianças como meros produtos do seu ambiente, intrinsecamente boas até serem influenciadas no sentido contrário. Por trás de um mau comportamento crónico estava um pai ou uma mãe. 

Contudo, embora não pretenda deixar os maus pais fora do assunto - infelizmente são demasiados, dos malignos aos apáticos -, permanece o facto de pais decentes poderem criar filhos malvados. 

Quando digo "malvados" não quero dizer psicopatas. A literatura científica é abundante em escritos sobre psicopatas, incluindo as histórias de abuso na infância, a tendência precoce para violar as regras e a crueldade com colegas e animais. Alguns estudos sugerem que este comportamento anti-social pode ser modificado com ajuda dos pais. 

No entanto, não se tem escrito muito acerca de pais bons com filhos doentios. 

resistir aos filhos Outro doente falou--me do filho, então com 35 anos, que, apesar dos muitos privilégios, tinha mau génio e era mal-educado com os pais - recusava-se a devolver telefonemas e emails, mesmo quando a mãe esteve muito doente. "Temos dado voltas à cabeça para perceber por que razão o nosso filho nos trata assim", contou-me. "Não sabemos o que fizemos para merecer isto." Aparentemente, muito pouco. 

Admiramos a criança resistente que sobrevive aos pais mais doentios e ao pior ambiente em casa e consegue ter êxito na vida. Contudo, o contrário - a noção de que algumas crianças podem ser as sementes más de pais decentes - é difícil de aceitar.

Vai contra a ordem normal, não apenas por parecer uma avaliação triste e pessimista, mas por violar a crença social de que as pessoas têm um potencial praticamente ilimitado para a mudança e para o auto-aperfeiçoamento. 

Nem toda a gente se revela brilhante - tal como nem todos se revelam simpáticos e amorosos. E isso não será necessariamente devido ao fracasso dos pais ou ao mau ambiente doméstico. Acontece porque os traços de carácter que revelamos no dia-a-dia, como todo o comportamento humano, têm componentes genéticas, que não podem ser inteiramente modeladas pelo melhor dos ambientes, e menos ainda pelos melhores psiquiatras.

"Os pedopsiquiatras, hoje, acreditam que a doença está muitas vezes na criança e que as reacções da família podem agravar o cenário, mas não criá-lo por completo", diz o meu colega Theodore Shapiro, pedopsiquiatra do Weill Cornell Medical College. "A era do 'não há crianças más, apenas pais maus', passou." 

Lembro-me de uma doente me confessar ter desistido de manter um relacionamento com a filha de 24 anos. Já não suportava as críticas contínuas. "Ainda a amo e tenho saudades dela", disse, com tristeza. "Mas na verdade não gosto dela." Para o melhor ou para o pior, os pais têm pouco poder para influenciar os seus filhos. Por isso não devem precipitar-se a assumir todas as culpas - ou créditos - por tudo aquilo em que os filhos se transformam.



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 22.07.10

governo não passa cheques-bebé. Os duzentos euros que prometeram aos papás pelo nascimento de um filho não existem. Nem se sabe se vão existir. Um cheque mais "careca" que alguns bebés.

 

 

O parto dos cheques-bebé deste governo pode vir a ser bem mais difícil do que foi o das mamãs, que agora esperam já de filho nos braços pelos duzentos euros prometidos. Depois de uma ecografia realizada ao governo eis a causa do atraso da medida anunciada com pompa na AR: "crise internacional".

Eu começo a achar que nas próximas eleições legislativas deveria existir no boletim de voto a opção "crise internacional" num quadradinho. Assim quem quisesse votava novamente em quem verdadeiramente nos governa - a crise internacional - e o PS livrava-se de uma vez dos problemas que tem de enfrentar e dos quais não tem culpa alguma. Porque no fundo este governo é apenas uma triste barriga de aluguer da crise internacional. Mas fica a sugestão: sempre podem anunciar que o cheque vai ser entregue pelo Pai Natal e quando as pessoas em Dezembro reclamarem perguntam-lhes se ainda acreditam nessas coisas.

Por este andar quando o cheque for finalmente (se alguma vez for) disponibilizado aos pais do "bebé", este já terá completado 33 anos e estará também ele à espera de receber dois cheques-bebé. Mas vá lá, não desanimem. E enquanto esperam pelo cheque ouçam esta musiquinha do Marquinhos Satã para descontrair.

 

 

Via 100 Reféns



publicado por olhar para o mundo às 13:44 | link do post | comentar

Sábado, 13.03.10

Protecção a mais afecta cérebro das crianças

 

Os pais excessivamente protectores não limitam apenas a liberdade dos filhos. As consequências do excesso de zelo do pai podem ser o desenvolvimento do cérebro em áreas associadas à doença mental. Segundo um estudo realizado pela Universidade de Gunma, no Japão, as crianças que têm pais demasiado protectores - ou, no outro extremo, negligentes - são mais susceptíveis a desenvolver perturbação psiquiátricas associadas a deficiências no córtex pré-frontal. As mães não têm a mesma influência negativa. 


Os investigadores estudaram os cérebros de 50 pessoas na casa dos 20 anos e pediram-lhes que preenchessem um questionário sobre a relação que cada uma teve com o pai até à adolescência. Os resultados mostram que aqueles que tiveram pais demasiado protectores apresentavam menos massa cinzenta numa área particular do córtex pré-frontal que aqueles que viveram relações equilibradas. Um pai negligente está na origem de irregularidades como as que se verificam nos casos de esquizofrenia e de outras doenças mentais. Segundo os investigadores da universidade japonesa, a razão é a libertação excessiva da hormona cortisol - quer por negligência quer por demasiada atenção - e uma produção reduzida de dopamina.

Para Anthony Harris, director da Unidade de Perturbações Clínicas no Hospital Westmead, em Sydney, na Austrália, o estudo é importante para elucidar as pessoas sobre o efeito do comportamento dos pais, a longo prazo, na vida das crianças. Sara Sanz Pinto

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 11:59 | link do post | comentar

Domingo, 07.03.10

Mãe, o meu namorado pode dormir cá em casa

 

 O tempo dos pais não é igual ao tempo dos filhos. Há três gerações, o namoro era fiscalizado no sofá da sala; há menos tempo ainda, o amor acontecia dentro de um carro, às escondidas dos adultos. Hoje os miúdos pedem aos papás para os namorados dormirem em casa. Perante o dilema, há dois grupos de pais. Os que estão preparados. E os que não estão. Ana Maria, mãe divorciada de 44 anos, sabia que esse momento iria chegar: "E chegou até mais tarde do eu esperava." Muito antes de o namorado de Sofia "fazer parte da família", mãe e filha conversaram muitas vezes sobre os assuntos do coração. 


Comunicar com os filhos é a primeira regra para os pais não serem apanhados desprevenidos, avisam os especialistas. "Falar desde cedo sobre as questões da sexualidade, afectos e cuidados a ter é uma preparação básica para esse momento", diz Maria João Moura, psicóloga da adolescência. A pergunta de Sofia chegou aos 18 anos, portanto, como mais uma etapa na vida da adolescente. E conhecer o rapaz foi um trunfo para a publicitária. O namorado aparecia para almoçar e jantar e, um dia, ficou até mais tarde: "Foi aí que surgiu o pedido, mas a minha filha já sabia que eu iria aceitar." Desde essa noite, na casa de Ana Maria, há lugar para mais uma escova de dentes e no frigorífico há também os iogurtes preferidos do namorado da filha. 

Houve fases em que Sérgio passou demasiado tempo em casa da namorada e fases em que o lugar da mãe no sofá da sala esteve seriamente ameaçado. As fronteiras foram redefinidas e agora há tempo para tudo: fins-de-semana para a filha passar com o namorado; fins-de-semana para a mãe passar com a filha e até saídas a três - a mãe, a filha e o namorado da filha.

Catarina, 18 anos, não fez nenhum pedido. Aos poucos foi mostrando à mãe que a mudança estava prestes a acontecer. Rute abriu a porta da sua casa aos amigos da filha. Catarina pedia para o namorado passar a noite quando ficava tarde: "O rapaz ficava no quarto dela e a minha filha comigo", conta a mãe de 53 anos. Uma noite, Rute acordou e a filha não dormia ao lado dela. Foi ao quarto ao lado e os dois dormiam juntos: "Foi o choque da minha vida!"A zanga saltou cá para fora no mesmo segundo: "Catarina!", gritou a mãe. Os adolescentes acordaram em sobressalto: "Nem sequer pediste a minha permissão", ralhou Rute. 

Catarina desfez-se em desculpas e, na manhã seguinte, foi a vez de a mãe também se desculpar: "Deveria ter esperado pelo dia seguinte para termos uma conversa." Mas, o arrependimento esconde mais razões. A mamã confrontou-se com uma imagem sua que desconhecia: "Eu, que sempre fui liberal, tive uma reacção intempestiva", confidencia Rute, assegurando que hoje "lida melhor" com o hóspede e as dormidas acontecem sempre com a sua autorização.

À distância de cinco anos, Rosarinho Correia, funcionária de um ginásio em Lisboa, nem se lembra "muito bem" do dia em que Carlota pediu para o namorado dormir "lá em casa". O namoro da filha durava há três anos e esse momento surgiu quando a adolescente completou 19 anos. "Muito antes disso, já o rapaz era da família", conta a mãe de 43 anos. Conhecer quem é que vai partilhar o mesmo tecto é condição para deixar qualquer mamã tranquila, mas não resolve todos os problemas: "Há sempre um desconforto, que tem a ver com a invasão do nosso espaço." A "estranheza" de encontrar o namorado da filha a tomar o pequeno-almoço na cozinha é um sentimento que nunca desapareceu: "O único pedido que fiz à minha filha foi que o convidasse nas noites em que estava a trabalhar." 

Gabriela Paiva, empresária de 56 anos, não teve de abrir a porta aos namorados das filhas. "Vou dormir em casa dele, mas não digas nada ao pai", pediram Mariana e Inês quando completaram 18 anos. A mãe não fez perguntas: "Senti-me privilegiada por me contarem." Gabriela é mãe de quatro filhos, logo passou quatro vezes pela mesma situação. 

Com os rapazes, foi diferente: "Nunca me disseram nada, mas sabia que dormiam em casa das namoradas. A única recomendação que fiz foi para terem os cuidados necessários." No caso das raparigas, as conversas sobre sexualidade começaram mais cedo: "Antes de tomarem a decisão, já tínhamos tido muitas conversas." Foi o suficiente para as filhas saberem que a mãe não iria julgá-las. E bastou para a mãe perceber que as filhas "sabiam o que estavam a fazer".

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 21:18 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.03.10

Tanto a associação de pais, como o conselho directivo da escola deveriam ter vergonha, como é possível que agora venham dizer que não sabiam de nada e que ninguém sabia de nada?

 

Vergonha.

 

Noticia do Público

 

O Ministério da Educação informou hoje que foi aberto um processo de averiguações ao caso da criança desaparecida no rio Tua em Mirandela para apurar o que "poderá ter ocorrido no recinto da escola antes do sucedido”.


O caso foi também remetido para as autoridades judiciais competentes para o efeito, segundo indicou à Lusa o gabinete de imprensa da ministra Isabel Alçada.

O Ministério da Educação refere que "é com consternação que recebe esta notícia" e avança que tem "no terreno meios para dar todo o apoio que, no âmbito da sua competência, a escola, a família, a comunidade educativa necessitem para ultrapassar esta situação".

O Ministério informa ainda que "no ano passado, a Escola Básica 2,3 Luciano Cordeiro, em Mirandela, registou apenas duas ocorrências, uma no primeiro período, outra no segundo, de injúrias a um funcionário".

A reacção do Ministério da Educação surge na sequência do desaparecimento, terça-feira, no rio Tua de uma criança de 12 anos que frequentava aquela escola de Mirandela.

O caso foi associado a uma alegada situação de "bullying" na escola não confirmada pelas autoridades que, que acreditam na possibilidade de acidente.

Nem a escola, nem a Comissão de Protecção de Menores e Jovens têm registo de casos de "bullying" (actos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objectivo de intimidar ou agredir outro indivíduo ou grupo de indivíduos).

O presidente da Associação de Pais, António José Ferreira, corroborou hoje a mesma informação, afirmando que neste órgão não existe qualquer queixa em relação à criança em causa.

O Ministério da Educação referiu ainda à Lusa que tem um Gabinete Coordenador da Segurança Escolar que monitoriza, dia-a-dia, a situação de segurança/violência, em todas as escolas do País.

"Quando haja indícios ou se identifica uma situação, é activado um conjunto de mecanismos para, seja a nível preventivo, seja ao nível da sua resolução, dar resposta aos casos concretos", segundo o Ministério.



publicado por olhar para o mundo às 17:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 22.02.10

Mentir aos nossos filhos nem sempre é feio

 

 

"Uma vez o meu filho perguntou-me se eu era amiga do pai dele, porque nunca nos via juntos. Eu fiquei muito atrapalhada, não sabia o que dizer", conta Adelaide Calvo, 40 anos, administrativa. Por um lado, a relação com o ex-marido não era a melhor, por outro queria proteger o filho de seis anos dos problemas dos adultos. "Acabei por mentir para lhe transmitir tranquilidade." Sentiu que naquela altura era a melhor solução. No entanto, passados oito anos, ainda se lembra da história. Nenhum progenitor gosta de sentir que está a enganar um filho. Neste caso, dizem os especialistas, o instinto maternal estava certo.


"Quando a verdade conduz a criança a sentimentos de ansiedade e medo, como as situações de doenças, os problemas financeiros e o desemprego", as mentiras e as omissões são aceitáveis, explica o pediatra Mário Cordeiro ao i. Nos casos de divórcio, é importante evitar as confusões: as relações conjugais não são o mesmo que as relações paternais, acrescenta. Os pais não podem permitir uma invasão da sua esfera privada. Devem, sim, ter a preocupação de dizer ao filho que "o adoram, que o vão proteger sempre, fazer cócegas, contar histórias e mandar lavar os dentes". Ou seja, ser pais.

a melhor resposta Às vezes dizer a verdade é complicado, ainda mais quando se trata de crianças. O ser humano diz, em média, 200 mentiras por dia. Um estudo realizado na Faculdade de Medicina da Pensilvânia, nos EUA, utilizando a ressonância magnética funcional do cérebro, mostra que conseguimos mentir, em média, uma vez cada cinco minutos. Existem mentiras piedosas, mentiras duras, omissões, mentirinhas e mentirolas. Os adultos usam as mentiras como saída de emergência, muitas vezes para criarem uma realidade menos cruel. Quantas vezes já mentiu ao seu filho? 

Para a psicóloga Annie Romantini os pais têm de ser claros e responder exactamente, e só, àquilo que os filhos perguntam. O problema é que não há fórmulas ou receitas milagrosas. E as crianças são peritas em perguntas difíceis. Vanessa Coutinho, 34, directora de um SPA e mãe de três miúdos de um, dez e 14 anos, sabe-o bem. Um dia o filho mais velho, então com cinco anos, surpreendeu-a: "Mãe porque é que a minha pilinha fica grande quando tocas nas minhas maminhas?" "Fiquei tão vermelha, nem sabia onde me havia de meter", conta. Passou a bola. "Como sou um bocado quadrada, quando acontecem coisas deste tipo digo logo para irem falar com o pai." O parceiro respondeu, mas optou pela explicação científica. Talvez não tenha sido a melhor estratégia. "Cada situação deve ser avaliada, assim como a linguagem utilizada", reforça a pedo- psiquiatra Isadora Pereira. 

PARTILHA DE PROBLEMAS Quando se separou do companheiro, Sónia Cardoso, 29 anos, jornalista, explicou tudo à filha, na altura com três anos. Sem entrar em pormenores. "Disse-lhe que já não estávamos bem juntos", lembra. "Agora sinto que ela percebe que somos mais felizes assim." Os especialistas aceitam que certas verdades possam ser camufladas para se tornarem mais suaves, evitando pormenores "sórdidos" e demasiado complicados, avança Mário Cordeiro. Até porque, continua, "há coisas que pertencem só ao mundo dos adultos" e não "vale a pena lançar sobre os ombros de uma criança aquilo que ela não entende mas a assusta". Ainda assim, alerta, não se deve subestimar a criança nem a sua capacidade instintiva de se aperceber da realidade. Ela tem de sentir que faz parte da família. Para isso é importante a partilha dos problemas. "Poupá-la em demasia pode gerar dificuldades em ultrapassar adversidades ou obstáculos."

 

Licença para mentir

Pai, alguma vez tomaste drogas? 
“Se a minha filha me perguntasse se já fumei um charro, eu dizia que não.” A psicóloga Annie Romantini não tem dúvidas: este é um dos poucos casos em que os pais podem mentir com todos os dentes sem se sentirem mal por causa disso. É importante manter o respeito, para mais tarde poderem dizer: “Isto é errado, não podes fazê-lo.”

 

Porque é qu agora nunca vais trabalhar?
As crianças têm uma grande capacidade intuitiva e percebem quando os pais não estão bem. Mas preocupá-las com coisas que não são para a sua idade pode assustá-las e tirar-lhes a tranquilidade. No caso de uma situação temporária, os pais devem  esconder a verdade e dar a ideia de que está tudo bem. 

 

Se tu e o pai são amigos, porque nunca saem juntos?
A resposta é simples:“Eu e o teu pai adoramos-te, queremos o melhor para ti.” Os pais devem fazer os filhos entender que podem não ser os melhores amigos, mas que se respeitam e que o conceito de amizade dos adultos é diferente do das crianças, reforça Mário Cordeiro.

 

Ouvi a mãe dizer que não temos dinheiro para pagar a casa. É verdade? 
“A omissão é positiva”, afirma a pedopsiquiatra Isadora Pereira. Os problemas financeiros são do mundo dos adultos e os filhos não devem nem precisam de saber de todos os problemas dos pais. “Temos dinheiro para te dar tudo aquilo de que precisas"é uma resposta possível.

 

Na escola tiravas muitas negativas? 
Poucos pais foram alunos perfeitos, mas quase todos gostariam que os filhos o fossem. A solução não é mentir, mas adoçar a verdade ou contornar a pergunta:
“Não importa se tirei ou não negativas. Isso não te dá o direito de as tirar também.” Outra hipótese: “Que diferença é que isso faz?”, sugere Annie Romantini.  

 

O tio está no hospital. Vai morrer? 
Pode explicar que o tio está doente, sem entrar em pormenores sobre o problema de saúde e contornando a questão da morte: “Todos esperamos que se cure”, por exemplo. “Há que sublinhar que as crianças apenas pretendem resposta para aquilo que perguntam e não mais que isso”, explica o pediatra Mário Cordeiro.

 

Ó mãe, já fizeste sexo oral? 
Quando menos espera, aparece a bomba – os miúdos falam de coisas que nunca imaginámos. Depois de vencer o embaraço, tente lembrar-se dos conselhos de Mário Cordeiro: a intimidade deve ser preservada. Quando as perguntas entram por territórios privados, “os pais podem omitir a verdade nua e crua”.

 

Quantas bebedeiras já apanhaste? 
“O meu filho começou a fazer este tipo de perguntas quando passou a ver telenovelas”, conta Adelaide Calvo, mãe do João, de 14 anos. A psicóloga Annie Romantini explica que aqui a mentira é benéfica. Mais uma vez, é importante dar o exemplo. O faz o que
eu digo e não o que eu faço raramente resulta.

 

És tu a fada dos dentes? 
Manter algumas “mentirinhas” que todos sabem o que são, mas que correspondem a fantasias infantis, como a Fada dos Dentes e o Pai Natal, é positivo. “Todas as crianças têm o direito de ter fantasias, e isso é bonito e é importante”, afirma Annie Romantini. Até quando? Até descobrirem a verdade por elas próprias.

 

Fumar é bom?
Apesar dos muitos problemas que pode trazer, por alguma razão tantos fumadores insistem em fazê-lo: sabe bem. O melhor para um pai fumador é reforçar os pontos negativos e evitar que o filho tenha curiosidade de experimentar. Mário Cordeiro aconselha-os a explicar que as pessoas não são perfeitas, mas que talvez um dia, com a ajuda do filho, consigam deixar o vício. 

Via Ionline

 



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Sábado, 07.11.09

O mengae a trois do Gosip Girl

 

A organização de pais norte-americana PTC, que luta pelo consumo responsável dos conteúdos televisivos, está a tentar evitar que um episódio da série "Gossip Girl", em que três personagens têm relações sexuais em conjunto, seja transmitido. Para Tim Winter, presidente da PTC, se a emissão, prevista para 9 de Novembro, for para o ar, será uma atitude “irresponsável e imprudente”, uma vez que os adolescentes não devem ver cenas “próprias de filme para adultos”.

Esta não é a primeira vez que a PTC critica a série "Gossip Girl", pela “grande carga sexual” que inclui. A série acompanha a vida de vários jovens de classe social alta de Nova Iorque. 
Por sua vez, o porta-voz do canal de televisão que emite "Gossip Girl", Paul McGuire, disse que a séria não se destina a adolescentes e que o público que mais assistia os episódios era formado por mulheres entre os 18 e os 34 anos.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 11:54 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.10.09

 Na principal enciclopédia, a palavra “amor” é contemplada com míseros 21 verbetes e sexo com 34.


Pergunte à sua criança. Na primeira reunião de pais do ano, a professora da minha filha anunciou que irá explicar "a reprodução". "Preparem-se para perguntas lá em casa!" Eu, que de parvo só tenho a cara, controlei o pânico e li uns 200 compêndios recentes. Aprendi imenso. Espero que o leitor não sofra de afânise, termo do freudiano Ernst Jones para definir "a extinção do desejo sexual", que ele (correctamente) identificava como a raiz de todos os males. Mas no tempo dele não havia Viagra – essa (literalmente) varinha-mágica.

Sabiam que nunca existiu o tal "direito do senhor", um mito da Idade Média no qual o aristocrata podia papar a noiva do servo na noite de núpcias? Tudo inventado por Voltaire, no século XVIII, e popularizado por folhetins e Hollywood! O prefixo "homo" sempre foi confundido por ter dois significados. No latim, quer dizer "ser humano"; no grego, "o mesmo" – daí ‘homossexual’. Apavorante é o índice real de falha dos contraceptivos em relação ao índice teórico. Se o índice teórico de falha da camisinha é de 5%, o real é de 15%!

Na principal enciclopédia, a palavra "amor" é contemplada com míseros 21 verbetes e "sexo" com 34. Apenas 26 são dedicados ao pénis e 41 à vagina (quase um monólogo da vagina!). Pasmem: 24 abordam a homossexualidade (mais do mesmo) e só 3 a heterossexualidade! Intrigante: há 48 tópicos para "coito", contra 21 para "orgasmo" (bem, talvez estejam a falar de casamento). O beijo na boca não é universal – não existe na cultura vietnamita. E aquele caso do presidente Coolidge, que já contei, tem outra versão.

Quando a senhora Coolidge perguntou com que frequência o touro podia montar uma vaca e a resposta foi "umas 40 vezes por dia", ela bradou: "Vá dizer isso ao meu marido!" Mas quando o presidente indagou se era sempre com a mesma vaca e ouviu que era uma vaca diferente de cada vez, rugiu: "Vá dizer isso à minha mulher!"

Paulo Nogueira, Cronista
 
Via Correio da manhã

 



publicado por olhar para o mundo às 20:08 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14.10.09

 Mãe má

 

MÃE MÁ


O texto abaixo foi entregue pelo professor de Ética e Cidadania da escola Objectivo/Americana, Sr. Roberto Candelori, a todos os alunos da sala de aula, para que entregassem a seus pais.A única condição solicitada pelo mesmo foi de que cada aluno ficasse ao lado dos pais até que terminassem a leitura.

“Um dia quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e mães, eu hei de dizer-lhes:
- Eu amei-vos o suficiente para ter perguntado aonde vão, com quem vão e a que horas regressarão.
- Eu amei-vos o suficiente para não ter ficado em silêncio e fazer com que vocês soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.
- Eu amei-vos o suficiente para vos fazer pagar os rebuçados que tiraram do supermercado ou revistas do jornaleiro, e vos fazer dizer ao dono: “Nós tirámos isto ontem e queríamos pagar”.
- Eu amei-vos o suficiente para vos deixar ver além do amor que eu sentia por vocês, o desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.
- Eu amei-vos o suficiente para ter ficado em pé, junto de vocês, duas horas, enquanto limpavam o vosso quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.
- Eu amei-vos o suficiente para vos deixar assumir a responsabilidade das vossas acções, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.
Mais do que tudo, eu amei-vos o suficiente para vos dizer NÃO, quando eu sabia que vocês poderiam me odiar por isso (e em alguns momentos até odiaram).
Estas eram as mais difíceis batalhas de todas. Estou contente, venci... Porque no final vocês venceram também! 
E qualquer dia, quando os meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e mães; quando eles lhes perguntarem se a sua mãe era má, os meus filhos vão lhes dizer:“Sim, a nossa mãe era má. Era a mãe mais má do mundo...
As outras crianças comiam doces no café e nós só tinhamos que comer cereais, ovos, torradas. 
As outras crianças bebiam refrigerante e comiam batatas fritas e sorvetes ao almoço e nós tinhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas. 
Tinha que saber quem eram os nossos amigos e o que nós fazíamos com eles.Insistia que lhe disséssemos com quem iamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos.
 Ela insistia sempre connosco para que lhe disséssemos sempre a verdade e apenas a verdade.E quando éramos adolescentes, ela conseguia até ler os nossos pensamentos. 
A nossa vida era mesmo chata!Ela não deixava os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos; tinham que subir, bater à porta, para ela os conhecer.
Enquanto todos podiam voltar tarde tarde da noite com 12 anos, tivemos que esperar pelos menos 16 para chegar um pouco mais tarde, e aquela chata levantava para saber se a festa foi boa (só para ver como estávamos ao voltar).
Por causa da nossa mãe, nós perdemos imensas experiências na adolescência.- Nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em roubo, em actos de vandalismo, em violação de propriedade, nem fomos presos por nenhum crime.
FOI TUDO POR CAUSA DELA!”Agora que já somos adultos, honestos e educados, estamos a fazer o melhor para sermos “PAIS MAUS”, como a minha mãe foi.

EU ACHO QUE ESTE É UM DOS MALES DO MUNDO DE HOJE: NÃO HÁ SUFICIENTES MÃES MÁS!

 

Recebido por mail



publicado por olhar para o mundo às 15:07 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Se antes de ter filhos eu...

Sexualidade. O que fazer ...

Bélgica proibe venda de t...

O estado da educação sexu...

Criança de 10 anos dá à l...

União Europeia aprova ala...

Sexo: Quando falar com os...

Bruna Real voltou á escol...

Mais de metade dos pais e...

"Pai... já fumaste droga?...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados