Terça-feira, 04.03.14

fILHOS

 

Se, antes de ter filhos, eu soubesse…

Se eu soubesse as noites que ia passar em claro

Se eu soubesse a quantidade de fluidos corporais que ia limpar ao longo da infância dos meus filhos

Se eu soubesse o quanto o som da palavra “Mãe? Mãe? Mãe?” me ia pôr os nervos à flor da pele ao longo de uma década (mínimo)

Se eu soubesse que ia demorar mais na casa de banho, só para ter um tempinho para mim

Se eu soubesse que esses momentos roubados na casa de banho iam quase sempre ser interrompidos por algum dos meus filhos a bater ininterruptamente na porta

Se eu soubesse a quantidade de vezes que ia ter de repetir as mesmas ordens, os mesmos avisos e as mesmas chamadas de atenção

Se eu soubesse que a solução mágica para as queixinhas, choros, desobediências, faltas de respeito, e para a preguiça só ia ser eficaz apenas metade das vezes

Se eu soubesse que amar os meus filhos não significava gostar deles o tempo todo

Se eu soubesse que às vezes ia chorar no duche por ser o único sítio onde conseguia estar sozinha

Se eu soubesse que em determinada altura ia sentir-me, de tal maneira, “num oito” que só de pensar em entrar em ação com o meu marido, me causava arrepios

Se eu soubesse que nunca mais ia ser capaz de concentrar-me em nada de alma e coração, senão nos meus filhos

Se eu soubesse que a situação não fica mais fácil à medida que os filhos crescem, apenas se complica de formas diferentes

Se eu soubesse o quanto me ia preocupar a possibilidade de falhar enquanto mãe

Se eu soubesse que ser mãe ia ser, para sempre, um desafio permanente

Eu tinha tido os meus filhos na mesma. Porque se não os tivesse…

Não saberia o que é o milagre de ter uma vida a crescer dentro de mim

Não saberia que o cheirinho da cabeça de um recém-nascido faz-nos sentir no paraíso

Não saberia o que é a magia de ter um bebé a dormir nos meus braços, e nunca mais querer pô-lo no berço

Não saberia o que é a imensa felicidade de ver um filho a dar os primeiros passos, a comer sozinho, a andar de bicicleta, ou ler um livro inteiro pela primeira vez.

Não saberia que o riso dos meus filhos, pode alegrar o pior dos meus dias

Não saberia como um simples e inocente olhar de espanto, me derrete o coração

Não saberia o quão fantástico é assistir diariamente à evolução de uma criança que eu trouxe ao mundo

Não sentiria o orgulho de ver o meu filho a viver situações complicadas, e a desenvencilhar-se com base nos ensinamentos que lhe transmiti

Não viveria a alegria desenfreada que é ver os meus filhos a triunfar.

Não saberia o gratificante que é desafiar-me diariamente para ser uma mãe melhor.

Não saberia que ser mãe ia ajudar-me a entender algumas questões por esclarecer desde a minha infância.

Não saberia que ao transformar-me numa mãe ia encontrar uma versão mais profunda, mais forte, e mais verdadeira de mim própria.

Não saberia o que é o amor incondicional dos filhos.

Não sentiria a energia e a força desta poderosa forma de amar, que só uma mãe/pai conhece.

Não saberia que a dor e as armadilhas que nos aparecem no caminho são superadas pela beleza, alegria e pelas maravilha desta viagem.

Por tudo isto, se eu soubesse na verdade o que era a maternidade, eu teria feito tudo como fiz…!

 

Se calhar, teria aproveitado para dormir um pouco mais antes de ser mãe.

 

por Annie Reneau, Scary Mommy imagem Luna Belle



publicado por olhar para o mundo às 21:41 | link do post | comentar

Segunda-feira, 27.02.12
Sugestões low-cost para entreter crianças em dias de sol  Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/sugestoes-ilow-costi-para-entreter-criancas-em-dias-de-sol=f706764#ixzz1nWX0y4AN

Tal como indicava o anúncio a uma conhecida bebida gaseificada, em Portugal por cada dia que chove há não sei quantos outros em que faz sol. Diria que neste inverno em particular esta estatística não poderia estar mais certa. Se já não me recordo do último dia em que choveu (alguém me dizia há dias a brincar que deve ter sido em 1991) e se tudo isto me parece altamente prejudicial para a agricultura, para a pecuária e afins, já não me parece tão prejudicial para quem, como eu, odeia dias cinzentos.

 

Sim, oficialmente odeio dias cinzentos. O argumento "é tão bom estar em casa enrolada na mantinha enquanto chove lá fora" para mim não cola. Se eu tivesse de fugir para um país qualquer seria certamente para um onde houvesse mais sol que em Lisboa (e sim, eu sei que Londres é espetacular mas é ainda melhor quando faz sol).

 

Mas acalmem-se almas desassossegadas que a crónica desta semana não é sobre o Sol mas sim sobre uma panóplia de ofertas que temos na capital para aproveitar dias frios e cheios de sol onde, não dando para ir à praia, dá pelo menos para sair de casa. E a situação torna-se particularmente sensível para quem tem crianças e precisa de urgentemente as retirar da frente do iPad, do televisor ou da cozinha cheia de bolos.

 

As desculpas como "temos pouco dinheiro" ou "eu nem sequer vivo em Lisboa" terão de ficar em casa. Algumas das sugestões são grátis ou a custo reduzido e Lisboa fica no máximo a 300 quilómetros de distância de onde está (uma viagem de comboio pode saber a férias numa temática "Viagens pela minha terra"), em alternativa, poderá sempre encontrar programas semelhantes perto da sua casa. Inspire-se e saia com as crianças para aproveitar o sol de inverno português.

 

Alerta: crianças para entreter!

Planetário de Lisboa - Tenho-o no coração e planeio regressar lá em breve (mesmo sem crianças). Aos domingos de manhã há sessões infantis até aos 12 anos. Entrada grátis.

 

Monumentos - O que não falta são monumentos em Lisboa para explorar com as suas crianças. Reveja as aulas de História com eles, faça pequenos passatempos e adivinhas para estimular a aprendizagem. Se acabou de sair do Planetário tem ali mesmo ao lado o Mosteiro dos Jerónimos. Num dia de sol, suba ao Padrão dos Descobrimentos (grátis para crianças até aos 12 anos) ou leve-os ao Cristo-Rei (2 euros por criança até aos 8 anos).

 

Jardins - Há uma infinidade de jardins em Lisboa onde se pode divertir com eles. Corram, dancem, cantem, façam jogos. Os jardins urbanos são um grande recreio para eles no meio do betão. Dependendo de onde mora, até poderá fazer o caminho a pé ou de transportes públicos: O da Gulbenkian (um mundo inteiro para descobrir com pequenos recantos, lagos e animais como patos, rãs e peixes),o Jardim da Estrela (com um relvado muito agradável e uma aranha que os vai fazer sentir autênticos super-heróis e queimar a energia), o do Campo Pequeno (um clássico renovado com espaço e instrumentos para mil brincadeiras), o Parque das Conchas (no Lumiar, para correrem à vontade)... A verdade é que são tantos que seria impossível nomeá-los todos aqui. Procure e descubra!

Para a família toda


Castelo de São Jorge: Visitas em Família: Trata-se de uma visita de exploração do castelo e do núcleo arqueológico, para maiores de 5 anos. Uma descoberta completa da História, das personagens e do património português. Próxima visita: amanhã, domingo, dia 26 de fevereiro às 11 horas. Valor: 3,5 euros. Para mais informações: castelodesaojorge@egeac.pt 

 

 

Centro Cultural de Belém: Mercadinho dos Talentos. A realizar-se no próximo 17 de março entre as 11h e as 17h no Jardim das Oliveiras. É um palco onde qualquer criança pode mostrar o seu talento! Podem apresentar projetos de dança, música, poesia, teatro... a imaginação é o limite! A entrada é livre! Para mais informações: www.ccb.pt 

 

Espaço Monsanto - Tesouros da Floresta: Para crianças entre os 3 e os 5 anos. Várias atividades que incluem a exploração do ambiente natural e recolha de material. Uma ótima forma de estimular a imaginação na natureza, respirar ar puro e ainda terminar o dia com (porque não?) um piquenique. A realizar-se sábados e domingos. Para mais informações: lisboaverde.cm-lisboa.pt/

Teatro, cinema e cultura: torne o programa inesquecível

As Aventuras de João Sem Medo: Para maiores de 6 anos, até 29 de fevereiro no Teatro Nacional D. Maria II . Um imaginário de gigantes, princesas, príncipes e fadas que não os vai deixar indiferentes. Mais informações em www.teatro-dmaria.pt

 

Cinemateca Júnior: Aqui poderá assistir a um sem número de filmes infantis, especialmente de animação, que eles irão adorar. Sugiro "Alice no País das Fadas", mas poderá encontrar muitos e muitos outros, para os gostos de qualquer criança. Os bilhetes variam entre os 3,2€ (adultos ) e os 1,10€ (até 16 anos). Para mais informações visite a Cinemateca Júnior no Palácio Foz nos Restauradores.

 

Marioneta Chinesas - Convento das Bernardas: aqui esconde-se um museu que vai fazer as delícias dos seus pequenos. O Museu das Marionetas. Assista a uma pequena peça de teatro de sombras chinesas com marionetas. Explique-lhes que as sombras chinesas são provavelmente uma das tradições de marionetas mais antigas do mundo e a sua origem deverá remontar o século III D.C.

 

Aproveito para lhe lembrar outro artigo que publicámos aqui, no blogue A Vida de Saltos Altos, com uma lista de sugestões para brincadeiras com crianças, também com a poupança como prioridade: Como entreter os filhos de borla? Digo-vos aqui e agora .


Agora diga lá: se até eu, que não tenho crianças, consegui encontrar todas estas atividades, quantas você (que é a especialista) consegue encontrar? Garanto-lhe que muitas mais. Aproveite o fim de semana, o sol e divirta-se com eles. Olhe que crescem num instantinho!

 

Via A Vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 08:56 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.02.11

 

 

Recomendações sobre sexo na gravidez

 

O sexo na gravidez é "geralmente seguro, com poucas complicações".

Esta é a mensagem que consta de uma nova cartilha elaborada para médicos, publicada hoje pelo Jornal da Associação Médica do Canadá.

O objetivo da cartilha é dar aos médicos as informações científicas mais recentes para o aconselhamento seguro às pacientes sobre sexo na gravidez.

 

Riscos do sexo na gravidez


Os riscos do sexo durante a gravidez, embora "incomuns", segundo a cartilha, incluem trabalho de parto prematuro, doença inflamatória pélvica, hemorragia na placenta prévia (quando a placenta cobre parte do colo do útero) e coágulos sanguíneos.

Embora as evidências sejam limitadas e até contraditórias entre os diversos estudos científicos sobre o assunto, o documento desaconselha o ato sexual para mulheres em risco de parto prematuro.

Nas mulheres com baixo risco inicial de parto prematuro, a relação sexual frequente mostrou-se associada com um maior risco de parto prematuro apenas nas mulheres com infecções do trato genital.

Nas mulheres com maior risco - esperando mais de um bebê, com incompetência cervical ou com um histórico de trabalho de parto prematuro - as evidências encontradas até agora são muito limitadas para fundamentar as recomendações.

"Em grupos com maior risco de parto pré-termo, não há evidências que sugiram um benefício claro de restrições da atividade sexual. No entanto, esta é uma intervenção simples que não causa dano e pode ser uma recomendação razoável até que surjam melhores evidências," afirma o documento endereçado aos médicos.

Em casos raros, alguns tipos de atividade sexual que empurram ar para dentro da vagina podem resultar em um coágulo de sangue do útero, que geralmente é fatal, com riscos para o bebê e para a mãe.

 

Disposição e conforto


"Sexo na gravidez é normal," escrevem os autores. "Existem muito poucas contra-indicações comprovadas e riscos do intercurso em gestações de baixo risco e, portanto, estas pacientes devem ser tranquilizadas," diz o documento.

"Em gestações complicadas por placenta prévia ou com um maior risco de parto prematuro, as evidências são suficientes para embasar a recomendação de abstinência, mas é uma recomendação benigna razoável dadas as consequências teoricamente catastróficas," escrevem os especialistas, ligados à Universidade de Toronto.

Eles afirmam que não há nenhuma evidência para a teoria de que o sexo na gravidez possa induzir o parto, e que não se conhecem resultados negativos para as mulheres com gravidezes de baixo risco.

Os autores concluem que o nível de conforto e a disposição para se engajar na atividade sexual por parte da mulher devem ser os principais guias tanto para o sexo durante a gravidez quanto para o período pós-parto.

 

Via Diário da saúde



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 01.02.11

 

Os homens também chora, ou, quando as vitimas são eles

Quem me conhece sabe que sou acérrima defensora dos direitos do Homem e que me indigno sempre que leio ou vejo mais uma notícia sobre a violência dos homens contra as mulheres. No outro dia falava sobre isso com um amigo meu e prometi-lhe escrever sobre o outro lado do espelho, mostrando que eles também sofrem.

 

Se por uma lado é desprezível que, em pleno século XXI, as mulheres continuem a ser vítimas de violência doméstica, hediondo é também o facto de, cada vez mais, se assistir à violência da mulher contra o homem, muitas vezes - se não na maior parte delas - através da pressão psicológica, manipulação e intrépidos joguetes familiares.

Do alto da sua masculinidade, eles ainda têm vergonha em afirmar que são violentados, alvo de perseguição e que esta violência não se mede em equimoses, mas em nódoas negras emocionais, que ferem o corpo, mas sobretudo a alma. E quando existem filhos, estes servem de desculpa para uma violência que não é física mas é psicologicamente atroz.

Palavra de homem

 

Quis falar com alguém para que as palavras não fossem apenas estatística e com o João troquei sentimentos e desabafos de uma vítima no masculino. Divorciado, com 40 anos e pai de dois filhos, de 4 e 6 anos.

Do testemunho fica algum pudor e até vergonha em falar a verdade mas, acima de tudo, a força de quem leva a vida em frente e desabafa: "Uma mulher consegue levar um homem à loucura na pressão incansável que faz sobre a sua família, a sua mãe, os seus amigos, as suas ações mais inofensivas. Em maior ou menor escala, praticamente todas o fazem. A constante insatisfação de uma mulher face ao que considera ser o homem ideal, incinera autoestimas dos seus companheiros diariamente. E, naturalmente, pode levar a questões muito mais graves".

É violência quando homem ou mulher privam o cônjuge de estar com filhos


Apesar da revolta diz que sempre esteve na linha da frente, no que respeita à defesa das mulheres, mas cansado de viver com o inimigo desabafou: "Se mudares o género verás que o crime é o mesmo e existe na mesma proporção, só que tem menos estatística por duas simples razões: os homens ainda têm vergonha de o denunciar; os homens perdem em tribunal se a mulher disser que é tudo mentira. Pior, se uma mulher for colocada perante um juiz e disser que é vítima destes crimes, o homem é culpado até prova do contrário. Se for o homem a denunciar, a mulher é inocente até prova do contrário. Como vês a violência contra os homens também toma várias formas, tanto pode ser física, como psicológica, emocional, verbal, económica e sexual. O objectivo da pessoa que agride é sempre o de controlar a vítima, isolá-la, torná-la frágil e insegura. O agressor é frequentemente a mulher, a companheira ou a namorada, mas também pode ser a ex-mulher, a ex-companheira, ex-namorada, mãe, irmã e filha".

 

"A coragem vê-se em quem defende minorias, não maiorias"


Perante este testemunho senti a obrigação de mostrá-lo aos homens, não para desculpá-los mas para lhes mostrar que a violência existe e que não devem temer denunciá-la, porque sempre que se calam tornam-se coniventes com uma situação inaceitável, quer seja no masculino quer no feminino.

"É violência quando homem ou mulher privam o cônjuge de estar com filhos. Após a separação é uma prática criminosa hedionda e nojenta aceite como algo normal entre as mulheres. Nunca vi ou tive conhecimento de uma amiga que tentasse demover outra de privar o marido de ver os filhos após a separação. Pelo contrário. Que espécie de ser joga com o que de mais sagrado há para um progenitor? Desculpa o desabafo, mas cada vez tenho menos esperança de ver uma mulher a escrever sem medo sobre o que as mulheres são capazes de fazer (e fazem) aos homens dentro e fora das quatro paredes. Não desprezo e jamais desprezaria a violência contra mulheres. Desprezo sim as análises que continuam a dar o enfoque nessa tónica, simplesmente porque há menos dados públicos do contrário. A coragem vê-se em quem defende minorias, não maiorias".

Tomei a liberdade de escrever. Não podia deixar um amigo silenciado na dor, se antes lhe tinha pedido para se colocar na linha da frente. A violência contra os homens existe, assim como contra as mulheres, como tal deve ser denunciada, as vítimas protegidas e os transgressores condenados.

 

Relembre a reportagem - Violência doméstica: Quando as vítimas são eles

 

Via A Vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 19:13 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Domingo, 23.01.11

Fundação de Serralves
Rua D. João de Castro, 210, Porto
Tel. 226 156 500
Percurso O Serviço Educativo da fundação, no âmbito do programa Serralves em Família 2011, oferece o percurso "Colecionar e Expor" aos mais novos e aos seus acompanhantes. Colecionar e expor são duas atividades centrais na vida de um museu. Os jovens vão poder observar, interpretar e explorar as obras expostas, a partir de diálogos dinâmicos e jogos de descoberta. No dia 23 de janeiro às 11h (acesso gratuito mediante levantamento de senha na receção do museu a partir das 10h). Ver mais informações em www.serralves.pt .

 

Balleteatro Auditório
Praça 9 de Abril, 76 (Jardim de Arca d'Água), Porto
Tel. 222 089 175
Frágil O Teatro de Marionetas do Porto apresenta, no Balleteatro Auditório, o seu mais recente trabalho, "Frágil", um espetáculo para crianças a partir dos 4 anos. Uma coisa às vezes não é aquilo que ela é. Às vezes as coisas gostam de ser outras coisas, por exemplo de serem como as pessoas. Gostam de se mexer, de rir, de gostar e de não gostar. As pessoas/coisas e as coisas/pessoas servem para contar histórias. No mundo Frágil, há histórias pequenas e grandes. As coisas querem ser levadas para lugares que não conhecem, e fazem pequenas e grandes viagens. No mundo Frágil, há pessoas/coisas que procuram coisas/pessoas. Há segredos que não se desvendam, ou que ficam para desvendar, há um universo aberto e fechado. Há coisas que saem de dentro de outras coisas. No mundo Frágil as regras não são o que são, são regras de imaginação. Até ao dia 6 de fevereiro, aos sábados e domingos às 16h (para escolas e grupos, de terça a sexta, às 10h30 e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.marionetasdoporto.pt .

 

Teatro da Vilarinha
Rua da Vilarinha, 1386, Porto
Tel. 226 108 924
Andersen A companhia Pé de Vento apresenta "O Rapaz do Espelho", peça baseada num conto de Hans Christian Andersen. Certa noite de verão, em Odense, na Dinamarca, o jovem Hans reparou que estava a nevar em casa do vizinho alfaiate; e não era uma partida da sua imaginação. O que seria, então? Soube-se, depois, que o misterioso Senhor das Neves encomendara um manto ao alfaiate e, como ele não ficou pronto a tempo, zangou-se e levou-lhe a alma. Foi assim que Hans partiu em busca do reino do Senhor das Neves, algures no Lado de Lá, para entregar o manto acabado de fazer e recuperar a alma do alfaiate. O Lado de Lá... Tudo tem um outro lado. Mas será que é a ele ou ao outro, o rapaz do espelho, do lado de lá, que tudo isto está a acontecer? Até ao dia 28 de janeiro, aos sábados às 16h e 21h30 e aos domingos às 16h. Ver mais informações em www.pedevento.pt .

 

Museu Nacional da Imprensa
Estrada Nacional 108, nº 206, Porto
Tel. 225 304 966 e 225 300 648
Oficinas O museu oferece aos mais novos várias oficinas permanentes e outras atividades, das quais destacamos duas que decorrem no mesmo horário. Uma delas é "Do Papel à Impressão: Oficinas de Reciclagem", para crianças dos 4 aos 14 anos, onde os participantes reciclam manualmente papel velho, adicionando-lhe pétalas, folhas secas e outros materiais, transformando-o de novo em papel utilizável, sendo aconselhável, para uma produção personalizada, que cada um traga de casa desperdícios reutilizáveis. A outra, são as "Oficinas Gutenberg", para crianças dos 4 aos 12 anos, onde os participantes são levados a fazer uma viagem no tempo até à Europa do século XV, onde terão a oportunidade de escolher entre a construção de um livro, através das antigas técnicas de impressão e encadernação, ou a construção de um tipo móvel, reinventando a imprensa. Até 31 de dezembro, todos os dias à tarde (inclusive domingos e feriados) das 15h às 20h, e pela manhã de terça a sexta das 10h30 às 12h30. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.museudaimprensa.pt .

 

Centro Multimeios de Espinho
Avenida 24, nº 800, Espinho
Tel. 227 331 190
Planetário O Planetário de Espinho propõe quatro interessantes sessões às crianças e às suas famílias até ao mês de dezembro. "O Mistério da Bola de Fogo", aos sábados, domingos e feriados às 15h, para maiores de 4 anos. "Viagem a um Buraco Negro", aos sábados, domingos e feriados às 16h, para maiores de 12 anos. "Acampar com as Estrelas", aos sábados às 17h, para maiores de 10 anos. E "Dois Pequenos Pedaços de Vidro", aos domingos e feriados às 17h, para maiores de 10 anos. E o Observatório Astronómico oferece a sessão "Observação do Sol", aos sábados às 15h30 e 16h30, sempre que as condições atmosféricas existentes não sejam adversas. Ver mais informações sobre as sessões em www.multimeios.pt .

 

Parque Temático Molinológico
Ponte da Igreja, Ul, Oliveira de Azeméis
Tel. 256 664 043 e 256 683 170
Moinhos Ao visitar o parque, as crianças poderão assistir à moagem de diferentes tipos de cereais em moinhos de água e à confeção do pão tradicional de Ul e ver os materiais expostos no Núcleo Museológico do Moinho e do Pão. De terça a sexta, das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30, e aos sábados e domingos, das 15h às 19h (encerrado às segundas e feriados). Para visitar todos os núcleos, é aconselhável fazer marcação prévia. Ver mais informações em www.moinhosdeazemeis.com .

 

Museu da Ciência - Laboratório Chimico
Largo Marquês de Pombal, s/n, Coimbra
Tel. 239 854 350
Ateliês O Museu da Ciência oferece aos mais novos em 2011 vários ateliês no âmbito do programa Sábados no Museu. Um deles vai ser "Fungos: Heróis ou Vilões?" Aurélio Quintanilha estudou fungos do género Synchytrium, um conhecido parasita da batata. Mas nem todos os fungos são vilões! Até pode dizer-se que alguns são verdadeiros heróis. Neste ateliê vai ser possível descobrir porquê. No dia 22 de janeiro, das 15h às 16h30, para crianças a partir dos 10 anos. E o outro vai ser "República a 3 dimensões". Numa época em que não existia televisão, um modo de tornar as notícias mais vivas era através da estereoscopia. Neste ateliê, os jovens vão perceber o que acontece quando simples fotografias parecem imagens reais. No dia 29 de janeiro, das 15h às 16h30, para crianças a partir dos 8 anos. Além disso, com o programa Aniversário no Chimico, o museu convida os jovens a vir fazer a festa de anos, durante três horas, nas suas instalações, aos sábados, das 10h às 13h, ou aos domingos, das 10h às 13h e das 15h às 18h. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações emwww.museudaciencia.pt .



publicado por olhar para o mundo às 10:15 | link do post | comentar

Onde levar as crianças Lisboa

 

MARIONETAS
Tik e Tak  são dois duendes dos bosques encantados que fazem de contadores de histórias, apresentando "A Polegarzinha" e "A Princesa e a Ervilha" de Hans Christian Andersen. Os jovens vão ser transportados para o mundo imaginário das histórias de encantar através de dois personagens, ladinos e com muita vida, que irão mostrar histórias conhecidas de todos.

 

Auditório do Espaço Monsanto
Parque Florestal de Monsanto, Lisboa
Tel. 218 460 738 e 966 004 227
Aviador A companhia Trupilariante de teatro-circo apresenta o espetáculo de 'teatro físico' "O Aviador Tresloucado". Na sua avioneta 100% elétrica, o aviador tresloucado corre o mundo tentando convencer tudo e todos à não utilização de veículos poluentes. Enquanto está a passear pelos céus azuis encontra uma bela donzela que viaja no seu AvionKar. O piloto se apaixona pela bela aviadora e, com grandes acrobacias aéreas, faz de tudo para a impressionar. Mas tem um rival de peso, o aviador poluente, que também está interessado na esbelta donzela e faz ousadas acrobacias. Quem será que vai conquistar o coração da jovem? Nos dias 22, 23, 29 e 30 de janeiro e 5, 6, 12, 13, 19, 20,26 e 27 de fevereiro, sempre às 15h (durante a semana, disponível para escolas e grupos às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.trupilariante.com .

 

Museu do Oriente
Avenida de Brasília, s/n, Lisboa
Tel. 213 585 299 e 213 585 200
Oficinas O museu oferece, no âmbito das comemorações do Ano Novo chinês, duas oficinas para crianças. Uma delas é "4709, o Ano do Coelho". 4709? Mas não estamos em 2011? E por que razão lhe chamam o ano do coelho? Estas são algumas das perguntas cujas respostas serão encontradas numa oficina que, de mistério em mistério, levará os jovens a descobrir, entre outras coisas, o calendário lunar. No dia 29 de janeiro, das 15h às 16h30, para crianças dos 6 aos 12 anos (é necessário fazer marcação prévia até ao dia 24 de janeiro). A outra oficina é "Lai-Si! Da China Para Ti!" Hong bao em mandarim, lai si em cantonês, são nomes diferentes para um mesmo presente. Na China, são distribuídos envelopes vermelhos durante a festa de Ano Novo. Oferecer um lai-si representa uma oferta para quem é presenteado e para quem presenteia, que chama assim, também, para si, a boa sorte. Mas afinal que trazem dentro estes envelopes? No dia 30 de janeiro, das 15h às 17h, para crianças dos 6 aos 12 anos(é necessário fazer marcação prévia até ao dia 24 de janeiro). Ver mais informações em www.museudooriente.pt .

 

Museu da Marioneta
Convento das Bernardas - Rua da Esperança, 146, Lisboa
Tel. 213 942 810
Marionetas A companhia Algazarra - Teatro e Marionetas apresenta o espetáculo "Tik-Tak", para crianças a partir dos 4 anos de idade. Tik e Tak  são dois duendes dos bosques encantados que fazem de contadores de histórias apresentando "A Polegarzinha" e "A Princesa e a Ervilha" de Hans Christian Andersen, transportando o público para o mundo imaginário das histórias de encantar através de dois personagens, ladinos e com muita vida, que nos vão mostrar histórias conhecidas de todos. Até ao dia 30 de janeiro, aos sábados às 16h e aos domingos às 11h30 (disponível para escolas e grupos de quarta a sexta às 10h30, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.museudamarioneta.pt .

 

LittleChef
Avenida Maria Helena Vieira da Silva, 46 A (Lumiar), Lisboa
Tel. 914 333 385 e 917 182 892
Culinária A cozinha não serve só para preparar comida. É também um espaço privilegiado para conversar, brincar e aprender, do qual as crianças não podem ser afastadas. E isto acontece na LittleChef, uma escola de culinária para crianças dos 3 aos 12 anos, com conteúdos pedagógicos apropriados, além de jogos e atividades sempre diferentes e originais. As aulas abordam, por exemplo, as Artes (moldar, decorar), ou História e Geografia (origem cultural dos alimentos, culinária do mundo), tendo também Ciência à mistura e, claro, Matemática, já que um bolo de chocolate ajuda a compreender as frações. Nestas aulas, as crianças aprendem a preparar receitas e depois degustam o que cozinharam. De terça a sexta das 15h às 19h. A escola de culinária também realiza workshops para pais e filhos, onde as famílias passam uma manhã de sábado completamente diferente a preparar refeições deliciosas. Além disto, a escola possibilita às crianças virem fazer a festa de anos nas suas instalações, às sextas, sábados e domingos. A LittleChef proporciona também atividades para escolas e grupos organizados durante a semana. Todas estas propostas exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.littlechef.pt .

 

Teatro Maria Matos
Avenida Frei Miguel Contreiras, 52, Lisboa
Tel. 218 438 801
História O Maria Matos apresenta o espetáculo Daqui Vê-se Melhor", onde é contada a história do teatro desde o antigo Egito até aos dias de hoje. O público vai ver e ouvir como o teatro surgiu e cresceu, num diálogo entre um narrador, uma atriz e um ilustrador, que desenhará esta história em tempo real. Os acontecimentos do mundo sempre influenciaram o teatro, porque a sua história confunde-se com a história do mundo. E por isso é tão difícil contá-la em 50 resumidíssimos minutos. Ainda assim, atrás do palco, foi montada uma potentíssima máquina do tempo que leva o público a viajar através dos séculos. O espetáculo começa por onde se começa sempre (pelo princípio) e chega até aos dias atuais, chamando ao palco as personagens e os cenários que fazem parte desta empolgante história. Nos dias 20 e 21 de janeiro às 10h, no dia 22 às 16h e no dia 23 às 11h. Ver mais informações em www.teatromariamatos.pt .

 

Teatro da Luz
Largo da Luz, s/n. Lisboa
Tel. 968 382 245
Tamanho A companhia Gato Que Ladra apresenta no Teatro da Luz o espetáculo "O Tamanho da Minha Altura", onde José Maria, o personagem, pergunta-se: "Qual deverá ser o tamanho certo para chegar ao botão do 5º andar do elevador do meu prédio? Quantos centímetros são necessários para chegar até às estrelas? Quantos milímetros me faltam para conhecer cada canto do mundo? Qual é o verdadeiro tamanho da minha altura?" Mas o personagem também revela: "Eu sou o José Maria e só com o bico de um lápis é que chego ao botão que me leva até casa. Pode parecer que sou pequeno, mas também é com esse lápis que chego às estrelas. E de lá consigo ver o nosso planeta e fazer viagens fabulosas." Um espetáculo fantástico para crianças a partir dos 4 anos. Até ao dia 27 de março, aos sábados às 16h e aos domingos às 11h (para escolas e grupos, de quarta a sexta, às 10h30 e 14h30, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.gatoqueladra.com .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 214 788 120 e 912 449 909
Alice A Companhia de Teatro Magia e Fantasia encena no Bocage a peça "Alice, Alice, Alice", uma versão de "Alice no País das Maravilhas" de Lewis Carroll. Nesta viagem pelo País das Maravilhas, Alice encontra estranhas criaturas e vive aventuras incríveis que se transformam em palco num colorido percurso com cenários e figurinos que constroem este fascinante mundo um tanto surrealista, onde surgem referências ao teatro do absurdo numa linguagem acessível às crianças. Esta adaptação livre do texto clássico aborda temáticas relacionadas com a filosofia para crianças, dando ao espetáculo, para além do cariz lúdico, a possibilidade de diálogo com os espetadores. Nos dias 22 e 29 de janeiro às 16h. Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 214 788 120 e 912 449 909
Felicidade A peça "Eu Sou Alegre e Sei Bem o Que Quero!" mostra o valor da felicidade para dois amigos. Maria é super bem-disposta e muito amiga de Luís Miguel, está sempre alegre e sempre a sorrir. Luís Miguel, por seu lado, adora animais e sabe bem o que quer: ser tratador de animais quando crescer. Mas a Maria não tem a mínima ideia do que quer ser quando for grande e por isso pede ajuda ao amigo Luís Miguel. Esta é uma história muito doce, que apela à importância de sermos alegres e felizes. Nos dias 23 e 30 de janeiro às 11h (para escolas e grupos, de segunda a sexta, às 10h30 e 14h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 214 788 120 e 912 449 909
Coragembullying e a violência escolar é o tema da peça "Vasco das Forças", sobre um menino chamado Vasco, pequenote e franzino, que era gozado no recreio pelos seus colegas mais altos e mais fortes. Inspirado na coragem e valentia do seu trisavô, a quem chamavam Saraiva das Forças, Vasco resolve enfrentar os colegas: sem recurso à violência e sem andar à pancada, utiliza a sua inteligência e rapidez de pensamento e ação para a sua própria defesa e a defesa dos mais fracos, passando a ser conhecido como Vasco das Forças. Nos 23 e 30 de janeiro às 16h (para escolas e grupos, de segunda a sexta, às 10h30 e 14h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Auditório Carlos Paredes
Avenida Gomes Pereira, 17, Lisboa
Tel. 210 970 654
Gato A companhia Teatro Papa-Léguas apresenta a peça "O Espantoso Gato de Botas", uma divertida história de um pobre rapaz que recebe um gato, por herança, e acaba por ficar rico e poderoso quase sem saber porquê. Se tem um gato em casa, tenha cuidado. Se não tem, trate de procurar um. A sorte pode bater-lhe à porta. Até ao dia 29 de janeiro, aos sábados às 16h. Ver mais informações em www.teatropapaleguas.net .

 

Teatro Tivoli
Avenida da Liberdade, 182, Lisboa
Tel. 213 304 152
Abelha A peça "Bzz, Bzz, Bzz - A União Faz a Força" conta uma divertida e colorida história sobre a importância do trabalho em grupo e o valor da amizade. As abelhas e os beija-flores há muito tempo viviam em rivalidade até ao dia em que Bela, uma jovem abelha, conhece Bento, um jovem beija-flor, e alheios ao antigo desentendimento que afastava as suas famílias, iniciam uma verdadeira amizade que levará à reconciliação das espécies. Até ao dia 30 de janeiro, sempre aos sábados às 16h. Ver mais informações em www.plano6.pt .

 

Teatro Nacional D. Maria II
Praça Dom Pedro IV, s/n, Lisboa
Tel. 213 250 835
Visita O teatro apresenta o espetáculo "A Visita", para crianças com mais de 6 anos, onde é possível espreitar o que normalmente não se vê. O espetáculo é um passeio ao interior do D. Maria II que dá a conhecer a história do teatro, a sua arquitetura, as suas especificidades técnicas e potencialidades artísticas, os bastidores, as lembranças de um tempo mais antigo e do tempo de agora, feito de memórias reais. Neste passeio encenado, os visitantes são guiados por personagens históricas e ficcionadas como Almeida Garrett e Amélia Rey Colaço, que revelam lugares e aspetos do teatro desconhecidos do público. Nos dias 22 e 29 de janeiro, 19 e 26 de fevereiro, 5, 12 e 19 de março e 28 de maio, sempre às 15h. Ver mais informações em www.teatro-dmaria.pt .

 

Teatro Politeama
Rua das Portas de Santo Antão, 109, Lisboa
Tel. 213 245 526 e 964 409 036
Musical O Teatro Politeama estreia o espetáculo "O Sítio do Picapau Amarelo", um dos maiores sucessos da TV do Brasil que apaixonou gerações de jovens em Portugal, agora transformado em musical. Os jovens vão voltar a encontrar a boneca de trapos Emília, a menina Narizinho Arrebitado, o primo Pedrinho, a avó Benta a cozinheira Ti Nastácia, o tio Barnabé, o boneco de milho Visconde de Sabugosa, a bruxa-jacaré Cuca, o Saci Pereré, a pequena Sereia e outros habitantes do Reino das Águas Claras. Até junho de 2011, aos sábados e domingos às 15h. Ver mais informações em www.teatro-politeama.com ou www.filipelaferia.pt .

 

Teatro Armando Cortez - Casa do Artista
Estrada da Pontinha, 7, Lisboa
Tel. 218 860 503 e 217 154 057
Musical O Teatro Infantil de Lisboa apresenta no Armando Cortez o espetáculo de teatro musical "O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos". A peça, criada a partir da música para bailado de Tchaikovsky, decorre na noite de Natal em São Petersburgo, no século XIX. Os jovens heróis, Clara e o seu Quebra-Nozes, vão enfrentar o terrível rei dos Camundongos, numa fantasiosa aventura onde também vão conhecer a Fada da Neve, três pinguins, o rei Bom-Bom, a rainha Boa-Boa, a princesa Açucarada, o príncipe Chocolate e, finalmente, o príncipe encantado. Até ao dia 22 de junho de 2011 aos sábados, domingos e feriados às 15h. Ver mais informações em www.til-tl.com .

 

Núcleo Arqueológico do Millennium bcp
Rua Augusta, 84, Lisboa
Tel. 211 131 004
Ossos A Fundação Millennium bcp, realizadora da exposição "Ossos que Contam História", decidiu prolongá-la até ao fim de janeiro. Esta mostra exibe vestígios arqueológicos de animais vertebrados que coexistiram e coexistem ainda com a espécie humana. A exposição apresenta, de forma pedagógica, fragmentos da história do Homem e dos animais 'contada' através dos ossos de animais recuperados no decurso das escavações realizadas no espaço atualmente ocupado pelo Núcleo Arqueológico, próximo do Arco da Rua Augusta. Tudo isto é apresentado sob a forma de jogos em que cada jovem assume o papel de arquezoólogo. A entrada é gratuita e a mostra vai estar patente até 31 de janeiro, de segunda a sábado das 10h às 13h e das 14h às 17h. Ver mais informações emwww.millenniumbcp.pt .

 

Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva
Alameda dos Oceanos, 2, Lisboa
Tel. 218 917 100
Sexualidade O Pavilhão apresenta também uma outra atividade aos mais novos, sobre a sexualidade. O que é estar apaixonado? Qual a diferença entre um beijo explosivo e um beijo distraído? O que acontece ao corpo dos rapazes e das raparigas quando chegam à idade do armário? Para que servem os espermatozoides? Será que dar as mãos é fazer sexo? E podemos obrigar alguém a gostar de nós? "Sexo... e Então?!" é uma exposição rigorosa, atrativa e sem tabus que explica o amor e a sexualidade de uma forma clara e divertida ao público pré-adolescente (dos 9 aos 14 anos) e às suas famílias. Associada à mostra decorrerão atividades complementares como debates, palestras e ateliês. Até ao dia 28 de agosto de 2011, de terça a sexta das 10h às 18h e ao fim de semana e feriados das 11h às 19h (encerra às segundas). Ver mais informações em www.pavconhecimento.pt .

 

Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56, Lisboa
Tel. 213 921 808 e 213 921 679
Jogos O museu oferece aos jovens uma exposição onde é possível aprender a utilizar jogos matemáticos com mais de mil anos! "Jogos Matemáticos Através dos Tempos" apresenta e interpreta 11 réplicas de elevadíssima qualidade dos jogos de tabuleiro mais antigos que se conhecem. Alguns desses jogos só existem em manuscritos antigos e foram construídos pela primeira vez para esta mostra. São individualmente explicados, quer do ponto de vista de regras, quer no que respeita ao contexto histórico e social de cada jogo. Os jogos são: Pentalfa (séc. IV a.C.), Stomachion (séc. III a.C.), Ludus Regularis (séc. X), Rithmomachia (séc. XI), Ludus Astronomorum (séc. XIII),Ludus Globi (séc. XV), Metromachia(séc. XVI), Ouranomachia(séc. XVI), Icosiano, duas versões (séc. XIX) e Hex (séc. XX). Em complemento às réplicas históricas, a mostra possui um espaço em que os visitantes podem jogar (sobretudo a dois) e divertir-se. Exposição permanente, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mc.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisbo
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Terra O museu apresenta a exposição "A Aventura da Terra: um Planeta em Evolução". A mostra interativa começa pela origem do próprio Universo e acompanha a evolução do planeta ao longo dos últimos 4.600 milhões de anos, com relevo para os primeiros sinais de vida na Terra e a sua posterior diversificação. Até dezembro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56/58, Lisboa
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Dinossáurio O museu apresenta "Allosaurus: Um Dinossáurio, Dois Continentes?", uma mostra que percorre os passos de uma investigação científica em curso até à descoberta de fósseis de Allosaurus fragilis em Portugal, com painéis informativos, fotografias, ilustrações científicas e 16 réplicas de esqueletos ou crânios de diversas espécies de dinossáurios. A exposição está patente até fevereiro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Centro Cultural Malaposta
Rua Angola, s/n, Olival Basto, Odivelas
219 383 100
Musical "A Ilha Encantada" é uma fantasia musical onde não falta a magia, o divertimento e o estímulo à imaginação. O espetáculo é contado e cantado em forma de lenda, que narra acontecimentos fantásticos. O público é convidado a entrar numa ilha misteriosa onde se destaca um castelo, um barco e o seu mais velho habitante, um simpático contador de histórias que, além de receber os visitantes, os convida a participar no jogo teatral do faz de conta. O mundo da ilha encantada tem, além do contador de histórias, outros habitantes como uma princesa, um dragão e uma viúva e o seu jovem e alegre filho, que vivem num barco e sonham com um futuro melhor. Até junho de 2011, aos sábados às 16h e aos domingos às 11h (durante a semana, disponível para escolas e grupos de terça a sexta às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.malaposta.pt .

 

Museu do Brinquedo
Rua Visconde de Monserrate, 26, Sintra
Tel. 219 242 171
Sons O Museu do Brinquedo apresenta, na Sala de Exposições Temporárias, a mostra "Brinquedos Sonoros e Musicais". Nesta exposição o público vai poder contemplar uma coleção de objetos lúdicos, produtores de som e oriundos de várias culturas. Até ao dia 26 de abril de 2011, de terça a domingo, das 10h às 18h. Ver mais informações em www.museu-do-brinquedo.pt

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 10:03 | link do post | comentar

Sexta-feira, 17.12.10

o que fazer quando as crianças descobrem o pipi

 

Ter um filho de cinco anos em casa tem destas coisas. Por muito que o pediatra diga que são comportamentos normais, Cátia Jorge, de 32 anos, vê-se "aflita" para responder a algumas perguntas do filho e, por muito que tente abordar "sem tabus" as temáticas ligadas ao sexo, confessa que nem sempre é fácil.

"Ele é muito curioso e às vezes até me parece precoce", conta a jornalista de Mafra. Apesar de ser criança, Diogo passa "muito tempo a olhar para a pilinha e a mexer-lhe". Cátia já teve até de engolir em seco quando o filho lhe disse: "Mãe, ela está viva" ou "Acho que está velhota e quase a morrer". Diogo até arranjou uma namorada na natação, um ano mais velha. "Um dia, apanhei-a a dizer: 'Diogo, vamos fazer sexy debaixo de água'", lembra. Pensou no pior: "Tenho de afastar esta mulher do meu filho." E depois: "Estarei a transformar-me na sogra mais bruxa do mundo?"

As crianças têm uma sexualidade e negar esse facto é meio caminho andado para que na idade adulta não saibam lidar devidamente com a intimidade e com o sexo. "Há sexualidade em todas as idades, embora as componentes que a envolvem, como a companhia, o erotismo, o bem-estar, a realização ou a procriação variem consoante as idades", explica o pediatra Mário Cordeiro. 

Logo no ventre materno e a partir do sétimo mês de gestação, o feto começa a ter erecções regulares, "que nada têm a ver com a libido, mas com o próprio amadurecimento do órgão genital", explica o pediatra Gomes Pedro. Enquanto recém-nascido e sobretudo depois de deixar as fraldas, o bebé percebe que sente prazer quando toca nos genitais. "Não se pode falar em masturbação, porque isso implicaria a existência de fantasias", esclarece Mário Cordeiro. Essa "manipulação" do corpo faz parte da descoberta da sexualidade e quando o bebé percebe, instintivamente, que "tem prazer", começa a repetir o gesto. 

Por volta dos quatro anos, as crianças começam a brincar aos médicos. Um comportamento normal, que favorece a descoberta do próprio corpo e do corpo do outro, mas que "apavora os adultos", admite a psicóloga infantil Rita Jonet. "Eles só querem perceber as diferenças, não se pode encarar essa curiosidade como uma experiência aflitiva", recomenda. Na maioria dos casos, as brincadeiras acontecem entre irmãos, vizinhos, primos e, frequentemente, entre crianças do mesmo sexo. "Porque nessas idades há maior intimidade entre rapazes ou entre raparigas do que com o sexo oposto", justifica a psicóloga. "É a descoberta através do corpo do outro. É tocar para sentir como será ser tocado", acrescenta Mário Cordeiro. 

Como lidar A resposta é simples, apesar de raramente ser fácil de aplicar: agir e reagir com naturalidade. Castrar estes comportamentos "por causa de moralismos, falsos ou verdadeiros, acabará por interromper, mais tarde, a sexualidade normal da pessoa", aconselha Mário Cordeiro. Gomes Pedro concorda: "Nunca se deve fazer mistério em torno dos assuntos. Por vezes, os adultos diabolizam, porque já se esqueceram de como eram." 

Mesmo assim, há dois sinais a que os pais devem estar atentos. O primeiro é se a masturbação acontecer em público. "Os pais têm de ensinar o valor da intimidade e da privacidade", refere Mário Cordeiro. "Explicando que o corpo é um tesouro que deve ser guardado", acrescenta Rita Jonet. O segundo é se a masturbação ou os contactos com outras crianças são demasiado frequentes. "Se chega a casa e abdica de outros entretenimentos ou tarefas e se começa a isolar", explica Rita Jonet. O mais indicado é distrair a criança. "Chamá-la para outras actividades, como ver televisão", recomenda. Caso o comportamento se mantenha, então será preciso consultar o médico ou um psicólogo. Normalmente, explica Gomes Pedro, as crianças que se tocam demasiadas vezes é porque estão sob stresse "e percebem que é uma forma de diminuir a ansiedade".



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

Segunda-feira, 13.12.10

Bélgica proibe venda de tapetes-puzzle

 

A Bélgica decidiu proibir a venda dos tapetes-puzzle para crianças, devido à presença na sua constituição de partículas consideradas tóxicas, e a França deverá tomar uma decisão na segunda-feira, informaram fontes oficiais.

O debate sobre este tema começou na sexta-feira, quando as autoridades belgas decidiram retirar o produto dos locais de venda, devido a análises feitas ao produto que mostram a presença de partículas de formadima, uma substância química cancerígena.

O secretário de Estado francês do Consumo, Frédéric Lefebvre, citado hoje pela France Press, disse que deu indicações para se "proceder de imediato ao controlo de toxidade".

O governante francês disse que pediu também ao homólogo belga os resultados das análises feitas que sustentaram a decisão tomada por Bruxelas.

Está prevista para segunda-feira de manhã uma reunião para o Governo francês tomar uma decisão.

O presidente da Associação Francesa de Defesa dos Consumidores, Reine-Claude Mader, defendeu que é preciso "retirar de imediato os tapetes-puzzle de venda", recordando que já há uma decisão comunitária que vai proibir o uso da formadima a partir de 2013.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 10:59 | link do post | comentar

Terça-feira, 16.11.10

Uma em cada dez crianças que nasce nos Açores é filha de pais adolescentes, uma média que contribui para que Portugal ocupe o segundo lugar de gravidez na adolescência na Europa.

 

Para inverter este quadro, a câmara de Angra do Heroísmo, na Terceira, promoveu hoje uma acção de sensibilização sobre gravidez na adolescência, que reuniu cerca de meia centena de alunos do ensino secundário.

Na sessão, Irene Pires, enfermeira reformada do Hospital de Angra do Heroísmo, considerou "preocupante" o quadro de gravidezes precoces no arquipélago, que representam 10,2 por cento do total de crianças que nascem nos Açores, salientando que o número tende a aumentar.

"Cada vez mais [os jovens] têm experiências sexuais mais cedo e, por isso, também gravidezes indesejadas", afirmou, defendendo que "a gravidez na adolescência é um problema social que envolve os adolescentes, a família e a própria sociedade".

Para a antiga técnica de saúde, os jovens deviam requerer consultas de planeamento familiar nos centros de saúde da zona onde residem, recordando que "ainda são gratuitas", "tal como a pílula e os preservativos".

Irene Pires salientou que os jovens têm informação suficiente à sua disposição, mas "negligenciam os riscos", frisando, porém, que os pais são os "grandes responsáveis", porque "pensam que os adolescentes sabem tudo, mas não sabem".

"O sexo ainda é tabu em muitos casos e muitos pais também não têm conhecimento para falar nisso", acrescentou.

Nesta acção de sensibilização, a oradora convidada falou sobre as causas da gravidez na adolescência, os perigos, a prevenção e o papel dos pais na adolescência, alertando para a importância de um acompanhamento médico durante toda a gravidez, sobretudo na adolescência.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:54 | link do post | comentar

Sábado, 13.11.10

Teatro do Campo Alegre
Rua das Estrelas, s/n, Porto
Tel. 226 063 000
Pássaros O Campo Alegre estreia "Vento & Pássaros", um espetáculo de leitura coreografada criado a partir do livro "A Verdadeira História dos Pássaros" de valter hugo mãe. A peça, onde a voz, o corpo, o canto e a dança se ligam, é uma história sobre o poder da amizade e da imaginação, cujo personagem principal é o vento que não suporta a solidão. Nos dias 13 e 14 de novembro às 16h (para escolas, nos dias 15 e 16 às 10h30 e 15h. Ver mais informações em http://seducativo-tca.blogspot.com .

 

Teatro de Belomonte
Rua de Belomonte, 57, Porto
Tel. 222 083 341 e 222 089 175
Óscar O Teatro de Marionetas do Porto apresenta no Teatro de Belomonte o espetáculo "Óscar", concebido para crianças a partir dos três anos de idade. Óscar é um menino que tem o seu lugar de brincadeira preferido num jardim onde constrói os seus mundos imaginários. Relaciona-se com os animais, as plantas e o Jardineiro Joaquim. Os amigos do Óscar são o Porco Cambalhota, o Ouriço Ribeiro, a Vaca Radical, a Laranjeira, o Capitão Iglo, as Flores, o Gigante e a Galinha Chocapic. O espetáculo estrutura-se ao longo das quatro estações e as histórias, a música, as cores, as palavras, os cheiros vão tomando a forma das sensações que caracterizam o jardim durante as diferentes fases do ano. Até ao dia 28 de novembro, aos sábados e domingos às 16h (para escolas, de terça a sexta às 10h30 e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações emwww.marionetasdoporto.pt .

 

Fundação de Serralves
Rua D. João de Castro, 210, Porto
Tel. 226 156 500
Percurso O Serviço Educativo, no âmbito do programa Famílias em Serralves 2010, oferece a o percurso "Arquitectar".Através de diálogos e jogos de exploração do espaço revela-se o processo de trabalho do arquiteto Álvaro Siza. Com base na planta do Museu de Serralves levantam-se paredes e reconfiguram-se lugares de exposição. No dia 14 de novembro, às 11h. (acesso gratuito, levantar senha na receção do museu a partir das 10h). Ver mais informações em www.serralves.pt .

 

Teatro d'Avenida
Avenida da República, 1435, Vila Nova de Gaia
Tel. 915 063 072
Patins A companhia Palco Partilhado apresenta o espetáculo "Cinderela - Musical em Patins", com um elenco composto por patinadores e atores profissionais. A peça, sobre a donzela que era tratada como escrava pela sua detestável madrasta e duas mesquinhas meias-irmãs, mas que conquista o coração do príncipe herdeiro, leva o público a um mundo onde o sonho se transforma em realidade. Nos dias 13 e 14 de novembro às 18h30, no dia 19 às 21h e nos dias 20 e 21 às 18h30 (para escolas, nos dias 18 e 19 de novembro às 10h30 e 14h30, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.palcopartilhado.pt .

 

Museu Nacional da Imprensa
Estrada Nacional 108, nº 206, Porto
Tel. 225 304 966 e 225 300 648
Oficinas O museu oferece aos mais novos várias oficinas permanentes e outras atividades, das quais destacamos duas que decorrem no mesmo horário. Uma delas é "Viagem ao Mundo do Papel", para crianças a partir dos 4 anos, onde os participantes reciclam manualmente papel velho, adicionando-lhe pétalas, folhas secas e outros materiais, transformando-o de novo em papel utilizável, sendo aconselhável, para uma produção personalizada, que cada um traga de casa desperdícios reutilizáveis. A outra, são as "Oficinas Gutenberg", para crianças dos 4 aos 12 anos, onde os participantes são levados a fazer uma viagem no tempo até à Europa do século XV, onde terão a oportunidade de escolher entre a construção de um livro, através das antigas técnicas de impressão e encadernação, ou a construção de um tipo móvel, reinventando a imprensa. Até 31 de dezembro, todos os dias à tarde (inclusive domingos e feriados) das 15h às 20h, e pela manhã de terça a sexta das 10h30 às 12h30. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.museudaimprensa.pt .

 

Centro Multimeios de Espinho
Avenida 24, 800, Espinho
Tel. 227 331 190
Planetário O Planetário de Espinho propõe quatro interessantes sessões às crianças e às suas famílias até ao mês de dezembro. "O Mistério da Bola de Fogo", aos sábados, domingos e feriados às 15h, para maiores de 4 anos. "Viagem a um Buraco Negro", aos sábados, domingos e feriados às 16h, para maiores de 12 anos. "Acampar com as Estrelas", aos sábados às 17h, para maiores de 10 anos. E "Dois Pequenos Pedaços de Vidro", aos domingos e feriados às 17h, para maiores de 10 anos. E o Observatório Astronómico oferece a sessão "Observação do Sol", aos sábados às 15h30 e 16h30, sempre que as condições atmosféricas existentes não sejam adversas. Ver mais informações sobre as sessões em www.multimeios.pt .

 

Parque Temático Molinológico
Ponte da Igreja, Ul, Oliveira de Azeméis
Tel. 256 664 043 e 256 683 170
Moinhos Ao visitar o parque, as crianças poderão assistir à moagem de diferentes tipos de cereais em moinhos de água e à confeção do pão tradicional de Ul e ver os materiais expostos no Núcleo Museológico do Moinho e do Pão. De terça a sexta, das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30, e aos sábados e domingos, das 15h às 19h (encerrado às segundas e feriados). Para visitar todos os núcleos, é aconselhável fazer marcação prévia. Ver mais informações em www.moinhosdeazemeis.com .

 

Museu da Ciência - Laboratório Chimico
Largo Marquês de Pombal, s/n, Coimbra
Tel. 239 854 350
Ateliês O Museu da Ciência oferece aos mais novos vários ateliês no âmbito do programa Sábados no Museu. Um deles, "SETI - Surpreendentes Extraterrestres Imaginários", pergunta: Será que existem extraterrestres? E se existirem, como serão? Afinal, o Projeto SETI busca extraterrestres usando radiotelescópios, mas aqui neste ateliê os jovens são convidados a soltar a imaginação e inventar um ET adaptado às características de um planeta à escolha de cada um. No dia 13 de novembro, das 15h às 16h30, para crianças a partir dos 6 anos. Um outro, "Mal Me Quer Ou Bem Me Quer?", conta a história de uma flor chamada Maria Papoila. Neste ateliê será possível conhecer a sua história e perceber porque é que as flores e as abelhas são tão amigas há milhares de anos. No dia 20 de novembro, às 15h, para crianças dos 3 aos 5 anos. Além disso, com o programa Aniversário no Chimico, o museu convida os jovens a vir fazer a festa de anos, durante três horas, nas suas instalações, aos sábados, das 10h às 13h, ou aos domingos, das 10h às 13h e das 15h às 18h. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.museudaciencia.pt .

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 12:43 | link do post | comentar

O Castelo de São Jorge, em Lisboa, apresenta o conto/ópera "O Polegarzinho", enquanto o Teatro do Campo Alegre, no Porto, propõe a leitura coreografada "Vento & Pássaros". Além destas, o Expresso apresenta aqui outras sugestões sobre locais onde poderá ir com as suas crianças para passarem bons momentos juntos.

 

 

PÁSSAROS
O Teatro do Campo Alegre apresenta um espetáculo de leitura coreografada "Vento & Pássaros", criado por Filipa Francisco a partir do livro "A Verdadeira História dos Pássaros" de valter hugo mãe sobre o poder da amizade e da imaginação. A personagem principal é o vento, que não suporta a solidão, neste trabalho coreográfico em que a voz, o corpo, o canto e a dança se ligam e misturam para contar a história. (ver roteiro Norte e Centro)

 

LISBOA E SUL

 

Castelo de São Jorge
Rua de Santa Cruz, s/n, Lisboa
Tel. 218 800 620
Ópera O programa Domingos em Família apresenta, numa produção da Companhia de Ópera do Castelo, pela primeira vez em Portugal, o conto/ópera "O Polegarzinho" de Isabelle Aboulker, a partir do conto de Charles Perrault. O espetáculo conta a história do pequeno filho de um lenhador que enfrenta um ogre, salva os irmãos de serem devorados e consegue fugir com as botas de sete-léguas do monstro. No dia 14 de novembro às 11h30. Ver mais informações em www.castelodesaojorge.pt .

 

Palácio Foz
Praça dos Restauradores, s/n, Lisboa
Tel. 213 462 157 e 213 476 129
Cinema Sábados em Família, o programa de sessões de cinema da Cinemateca Júnior, exibe o filme de animação "Anastasia". Exemplo de animação moderna, baseia-se no mito da sobrevivência de um membro da família imperial russa após a revolução de 1917. O filme acompanha as aventuras da jovem princesa Anastasia na sua luta pela vida, misturando humor, música e drama. No dia 13 de novembro às 15h. Ver mais informações emwww.cinemateca.pt/programacao.asp .

 

Museu do Oriente
Avenida de Brasília, s/n, Lisboa
Tel. 213 585 299 e 213 585 200
Tapeçaria O museu, no âmbito do programa Domingos em Família, oferece às famílias com crianças a partir dos 4 anos a oficina "Tapeçaria Mágica", que brinca com um episódio sobre o herói Ulisses na "Odisseia" de Homero. Enquanto Ulisses tardava em chegar, Penélope protegia-se do assédio de diversos pretendentes, afirmando que só casaria quando a sua tapeçaria estivesse concluída. e como só com Ulisses queria casar, tecia durante o dia e desfazia a tapeçaria de noite.. No dia 21 de novembro, das 11h às 12h30 (é necessário fazer marcação prévia até ao dia 15 de novembro). Ver mais informações em www.museudooriente.pt .

 

Auditório do Espaço Monsanto
Parque Florestal de Monsanto, Lisboa
Tel. 218 460 738 e 967 525 460
Espetáculos A companhia Trupilariante de teatro-circo apresenta três espetáculos neste fim de semana. "As Luzes de Natal" é um espetáculo de teatro e fantoches onde dois jovens têm de descobrir quem roubou a música de natal, já que não é possível haver alegria natalícia sem ouvirmos os sininhos a tocar. No dia 13, de novembro às 11h. "Desafio à Gravidade" é um espetáculo de teatro-circo com monociclos, magia, malabarismo e dança acrobática. No dia 13 de Novembro às 15h. E "O Aviador Tresloucado" é um espetáculo de 'teatro físico' onde um piloto corre o mundo tentando convencer tudo e todos à não utilização de veículos poluentes. No dia 14 de novembro às 15h. Ver mais informações em www.trupilariante.com .

 

Auditório Municipal Eunice Muñoz
Rua Mestre de Avis, s/n, Oeiras
Tel. 960 272 519 e 932 025 651
Dragão A peça infantil "Era Uma Vez um Dragão!" conta a história de quatro leais amigos que têm como lema 'um por todos e todos por um'. Mas como irão reagir se os seus medos se tornarem realidade, perante a ameaça do 'dragão' que um afirma que viu? A autoconfiança e a coragem serão as mesmas? De 13 de novembro até 12 de dezembro, aos sábados às 16h e aos domingos às 11 h com sessões especiais nos feriados de 1 e 8 de dezembro às 11h e 16h. Ver mais informações em http://dramaxproducoes.wordpress.com .

 

Teatro da Trindade
Largo da Trindade, 7A, Lisboa
Tel. 213 420 000 e 927 982 834
Aventuras O Teatro da Comuna e o Teatro da Trindade apresentam a peça "As Aventuras de João Sem Medo", encenada a partir da obra homónima de José Gomes Ferreira. O jovem João Sem Medo, que despreza os tiranos e os poderosos e inventa monstros para os destruir e vencer, é um rapaz dotado da verdadeira coragem, a força do coração. Até ao dia 18 de dezembro, aos sábados às 16h (para escolas e grupos, de quarta a sexta às 11h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.comunateatropesquisa.pt .

 

Teatro Tivoli
Avenida da Liberdade, 182, Lisboa
Tel. 213 304 152
Abelha A peça "Bzz, Bzz, Bzz - A União Faz a Força" conta uma divertida e colorida história sobre a importância do trabalho em grupo e o valor da amizade. As abelhas e os beija-flores há muito tempo viviam em rivalidade até ao dia em que Bela, uma jovem abelha, conhece Bento, um jovem beija-flor, e alheios ao antigo desentendimento que afastava as suas famílias, iniciam uma verdadeira amizade que levará à reconciliação das espécies. Até ao dia 30 de janeiro, sempre aos sábados às 16h (para escolas, de segunda a sexta às 11h e 14h30, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.plano6.pt .

 

Auditório do Espaço Monsanto
Parque Florestal de Monsanto, Lisboa
Tel. 218 460 738 e 967 525 460
Fantoches A companhia Trupilariante de teatro-circo apresenta o espetáculo de teatro e fantoches "As Luzes de Natal", cheio de muita interatividade com o público. Nesta época natalícia em que todas as estrelas brilham, as árvores de natal enchem o ar com o seu cheiro a verde e natureza e a música nos alegra o dia-a-dia, Rodolfo e Rosita são confrontados com um problema gravíssimo: alguém roubou a música de natal e não é possível haver alegria natalícia sem ouvirmos os sininhos a tocar. Muito preocupados os dois jovens, com a ajuda do público, vão partir numa grande aventura para tentar resolver este mistério antes que chegue o dia de Natal. Nos dias 13, 20 e 27 de novembro e 4 de dezembro às 11h (durante a semana, disponível para escolas e grupos às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.trupilariante.com .

 

Auditório do Espaço Monsanto
Parque Florestal de Monsanto, Lisboa
Tel. 218 460 738 e 966 004.227
Aviador A companhia Trupilariante de teatro-circo apresenta o espetáculo de 'teatro físico' "O Aviador Tresloucado". Na sua avioneta 100% elétrica, o aviador tresloucado corre o mundo tentando convencer tudo e todos à não utilização de veículos poluentes. Enquanto está a passear pelos céus azuis encontra uma bela donzela que viaja no seu AvionKar. O piloto se apaixona pela bela aviadora e, com grandes acrobacias aéreas, faz de tudo para a impressionar. Mas tem um rival de peso, o aviador poluente, que também está interessado na esbelta donzela e faz ousadas acrobacias. Quem será que vai conquistar o coração da jovem? Nos dias 14 de novembro, 15, 16, 22, 23, 29 e 30 de janeiro e 5, 6, 12, 13, 19, 20,26 e 27 de fevereiro, sempre às 15h (para escolas e grupos, durante a semana às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.trupilariante.com .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 214 788 120 e 912 449 909
Felicidade A peça "Eu Sou Alegre e Sei Bem o Que Quero!" mostra o valor da felicidade para dois amigos. Maria é super bem-disposta e muito amiga de Luís Miguel, está sempre alegre e sempre a sorrir. Luís Miguel, por seu lado, adora animais e sabe bem o que quer: ser tratador de animais quando crescer. Mas a Maria não tem a mínima ideia do que quer ser quando for grande e por isso pede ajuda ao amigo Luís Miguel. Esta é uma história muito doce, que apela à importância de sermos alegres e felizes. Nos dias 14 de novembro e 5, 12 e 19 de dezembro, sempre às 11h. Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 214 788 120 e 912 449 909
Coragembullying e a violência escolar é o tema da peça "Vasco das Forças", sobre um menino chamado Vasco, pequenote e franzino, que era gozado no recreio pelos seus colegas mais altos e mais fortes. Inspirado na coragem e valentia do seu trisavô, a quem chamavam Saraiva das Forças, Vasco resolve enfrentar os colegas: sem recurso à violência e sem andar à pancada, utiliza a sua inteligência e rapidez de pensamento e ação para a sua própria defesa e a defesa dos mais fracos, passando a ser conhecido como Vasco das Forças. Nos dias 14 de novembro e 5, 12 e 19 de Dezembro, sempre às 16h. Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Teatro Armando Cortez - Casa do Artista
Estrada da Pontinha, 7, Lisboa
Tel. 218 860 503 e 217 154 057
Musical O Teatro Infantil de Lisboa apresenta no Armando Cortez o espetáculo de teatro musical "O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos". A peça, criada a partir da música para bailado de Tchaikovsky, decorre na noite de Natal em São Petersburgo, no século XIX. Os jovens heróis, Clara e o seu Quebra-Nozes, vão enfrentar o terrível rei dos Camundongos, numa fantasiosa aventura onde também vão conhecer a Fada da Neve, três pinguins, o rei Bom-Bom, a rainha Boa-Boa, a princesa Açucarada, o príncipe Chocolate e. finalmente, o príncipe encantado. Até ao dia 22 de junho de 2011 aos sábados, domingos e feriados às 15h (para escolas e grupos, terças às 11h e de quarta a sexta às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.til-tl.com .

 

Centro Cultural Malaposta
Rua Angola, s/n, Olival Basto, Odivelas
Tel. 219 383 100
Musical "A Ilha Encantada" é uma fantasia musical onde não falta a magia, o divertimento e o estímulo à imaginação. O espetáculo é contado e cantado em forma de lenda, que narra acontecimentos fantásticos. O público é convidado a entrar numa ilha misteriosa onde se destaca um castelo, um barco e o seu mais velho habitante, um simpático contador de histórias que, além de receber os visitantes, os convida a participar no jogo teatral do faz de conta. O mundo da ilha encantada tem, além do contador de histórias, outros habitantes como uma princesa, um dragão e uma viúva e o seu jovem e alegre filho, que vivem num barco e sonham com um futuro melhor. Até junho de 2011, aos sábados às 16h e aos domingos às 11h (durante a semana, disponível para escolas e grupos de terça a sexta às 11h e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.malaposta.pt .

 

Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva
Alameda dos Oceanos, 2, Lisboa
Tel. 218 917 100
Sexualidade O que é estar apaixonado? Qual a diferença entre um beijo explosivo e um beijo distraído? O que acontece ao corpo dos rapazes e das raparigas quando chegam à idade do armário? Para que servem os espermatozoides? Será que dar as mãos é fazer sexo? E podemos obrigar alguém a gostar de nós? "Sexo... e Então?!" é uma exposição rigorosa, atrativa e sem tabus que explica o amor e a sexualidade de uma forma clara e divertida ao público pré-adolescente (dos 9 aos 14 anos) e às suas famílias. Associada à mostra decorrerão atividades complementares como debates, palestras e ateliês. Até ao dia 28 de agosto de 2011, de terça a sexta das 10h às 18h e ao fim de semana e feriados das 11h às 19h (encerra às segundas e nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1 de janeiro). Ver mais informações em www.pavconhecimento.pt .

 

Jardim Zoológico de Lisboa
Estrada de Benfica, 160, Lisboa
Tel. 217 232 960
Animais O Centro Pedagógico do Zoo oferece, até ao dia 30 de novembro, três novidades na área dos programas de animação para os mais novos. Um deles, "Sábados Selvagens", para famílias (crianças a partir dos 4 anos acompanhadas por adultos), permite aprender in loco, pela mão dos tratadores, treinadores e profissionais do Zoo um pouco mais sobre a vida animal (todos os sábados a partir das 10h). Um outro é o ateliê "Quando os Animais Saem dos Contos..." para crianças entre os 4 e os 10 anos, onde será contada uma história em que as personagens principais são espécies de animais que os pequenos poderão conhecer ao vivo no Zoo (todos os sábados e domingos das 10h às 13h). Quanto a "Safari no Zoo!", para crianças dos 6 aos 12 anos, inclui várias atividades como a ajuda na manutenção de alguns animais, o auxílio aos treinadores na preparação da apresentação de aves em voo livre e a visita aos bastidores da Baía dos Golfinhos (todos os sábados das 10h às 18h). Além disto, as crianças a partir dos 6 anos de idade podem fazer a festa de aniversário no Zoo, que oferece nove programas base de atividades variadas para os jovens, suas famílias e convidados. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.zoo.pt .

 

Núcleo Arqueológico do Millennium bcp
Rua Augusta, 84, Lisboa
Tel. 211 131 004
Ossos A Fundação Millennium bcp, realizadora da exposição "Ossos que Contam História", decidiu prolongá-la até ao fim do ano. Esta mostra exibe vestígios arqueológicos de animais vertebrados que coexistiram e coexistem ainda com a espécie humana. A exposição apresenta, de forma pedagógica, fragmentos da história do Homem e dos animais 'contada' através dos ossos de animais recuperados no decurso das escavações realizadas no espaço atualmente ocupado pelo Núcleo Arqueológico, próximo do Arco da Rua Augusta. Tudo isto é apresentado sob a forma de jogos em que cada jovem assume o papel de arquezoólogo. A entrada é gratuita e a mostra vai estar patente até 31 de dezembro, de segunda a sábado das 10h às 13h e das 14h às 17h. Ver mais informações emwww.millenniumbcp.pt .

 

Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56, Lisboa
Tel. 213 921 808 e 213 921 679
Jogos O museu oferece aos jovens uma exposição onde é possível aprender a utilizar jogos matemáticos com mais de mil anos! "Jogos Matemáticos Através dos Tempos" apresenta e interpreta 11 réplicas de elevadíssima qualidade dos jogos de tabuleiro mais antigos que se conhecem. Alguns desses jogos só existem em manuscritos antigos e foram construídos pela primeira vez para esta mostra. São individualmente explicados, quer do ponto de vista de regras, quer no que respeita ao contexto histórico e social de cada jogo. Os jogos são: Pentalfa (séc. IV a.C.), Stomachion (séc. III a.C.), Ludus Regularis (séc. X), Rithmomachia (séc. XI), Ludus Astronomorum (séc. XIII), Ludus Globi (séc. XV), Metromachia (séc. XVI), Ouranomachia (séc. XVI), Icosiano, duas versões (séc. XIX) e Hex (séc. XX). Em complemento às réplicas históricas, a mostra possui um espaço em que os visitantes podem jogar (sobretudo a dois) e divertir-se. Exposição permanente, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mc.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 58, Lisboa
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Terra O museu apresenta a exposição "A Aventura da Terra: um Planeta em Evolução". A mostra interativa começa pela origem do próprio Universo e acompanha a evolução do planeta ao longo dos últimos 4.600 milhões de anos, com relevo para os primeiros sinais de vida na Terra e a sua posterior diversificação. Até dezembro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56/58, Lisboa
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Dinossáurio O museu apresenta "Allosaurus: Um Dinossáurio, Dois Continentes?", uma mostra que percorre os passos de uma investigação científica em curso até à descoberta de fósseis de Allosaurus fragilis em Portugal, com painéis informativos, fotografias, ilustrações científicas e 16 réplicas de esqueletos ou crânios de diversas espécies de dinossáurios. A exposição está patente até fevereiro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Chapitô
Costa do Castelo, 1/7, Lisboa
Tel. 218 855 550
Ateliês O Chapitô oferece dois tipos de ateliês para crianças entre os 4 e os 12 anos. Um deles é o "Mundo da Fantasia e do Circo", onde poderão praticar diversos exercícios ligados ao mundo circense, às segundas-feiras, das 17h30 às 18h30. E o outro é "Capoeira", onde poderão juntar-se à roda viva da dança-luta brasileira, às quintas-feiras, das 17h30 às 18h30. Ver mais informações em www.chapito.org .

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 12:40 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.11.10

Criança de 10 anos dá à luz

 

Uma criança com 10 anos de origem romena deu à luz um bebé no hospital de Gerez (Cádis) em Espanha – avança o jornal espanhol “El País”.

Segundo a conselheira do departamento para a igualdade da AndaluziaMicaela Navarro, o bebé ficará com a família. A técnica mostrou-se  surpreendida e confirmou que a mãe e o recém-nascido se encontram em “perfeitas condições de saúde.”

Entretanto o jornal “Diario de Jerez” já informou que o bebé nasceu com 2,9 quilos no hospital de Gerez na quarta-feira passada.

Em 2008 – o último ano para o qual o Instituto Nacional de Estatísticas espanhol disponibiliza dados - 48 menores de 15 anos deram à luz. Nesse mesmo ano, em Espanha, outras 177 menores deram à luz.

Em Portugal, mais de 10% das interrupções voluntárias de gravidez ocorrem emadolescentes com idades até aos 19 anos. Em 2009, 4347 jovens, entre os 12 e os 19 decidiram levar a gravidez até ao final, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

 

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:11 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.10.10

União Europeia aprova alargamento de licença parental para 20 semanas

 

Parlamento Europeu aprovou hoje em Estrasburgo a proposta de alargamento da licença de maternidade para 20 semanas, apresentada pela eurodeputada portuguesa Edite Estrela, que contempla também uma licença de paternidade obrigatória de duas semanas.

O texto final adotado pelo hemiciclo de Estrasburgo prevê o pagamento quase integral da licença de maternidade alargada, com o pagamento de 100 por cento nas primeiras 16 semanas e de 75 por cento nas derradeiras quatro.

As instituições europeias terão agora de chegar a um acordo para que a nova legislação entre em vigor.

Atualmente, o cenário é muito variado na União Europeia, havendo países onde a duração mínima da licença de maternidade é de 14 semanas.

Comissão Europeia propôs, por seu turno, um aumento para as 18 semanas, tendo hoje aassembleia adotado a proposta de uma licença de 20 semanas, já em vigor em Portugal.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.10.10

Sogras de fugir
A rivalidade entre sogra e nora é um problema que já vem de tempos remotos. Ciúmes esensação de perda originam batalhas e cinismos do piorio. Mas calma, há formas de lidar com oproblema. Saiba quais são.

Por que é que, na maioria das vezes, a relação entre sogra e nora é  tão difícil?

É simples: a maioria das sogras têm um medo terrível de perder o seu filho querido para outra mulher.

O facto de deixarem de ter aquela atenção do filho (por pequena que fosse), ou já não serem consultadas para responder a perguntas como "Que camisa fica melhor aqui?",  provoca desde logo uma sensação terrível de perda e de ciúmes para com a próxima eleita: a nora (que passa rapidamente a vítima da ira da mãe do rapaz).

O problema começa na maioria das vezes logo no primeiro encontro. Há um preconceito de ambas as partes.

De um lado, a pal


avra sogra intimida mais do que a própria mulher em si. Do outro lado, saber que se vai conhecer a mulher que nos vai "substituir" chega a ser desesperante.

O certo é que há formas de lidar ou ultrupassar este problema tão comum, podendo reduzir as tensões e as hostilidades existentes com alguma boa vontade de ambas as partes.

Conselhos para a sogra, para a nora e para... ele

 

Para a sogra

O seu filho finalmente decidiu apresentar-lhe a namorada ou quem sabe, a futura mulher.

Deve respeitar a decisão dele, até porque já não é uma criança. Ele, tal como toda a gente, tem o direito de tentar construir o seu futuro. O que deve fazer é simples: jamais interferir nos problemas que ele possa vir a ter com a mulher, já que todos os casais os têm. Por isso, não seja mais uma carga adicional de stress na vida do seu filho.

Tome nota:

1. Viva a sua própria vida, para que o seu filho já adulto não seja a sua única razão de viver;

2. Lembre-se: sempre que critica a sua nora, você está a magoar também o seu filho;

3. Nunca dê a sua opinião sem lhe pedirem;

4. Deixe o seu filho ter a possibilidade de errar também, pois é com os erros que se aprende;

5. Procure ajudar a sua nora no seu novo papel de mulher casada. Lembre-se que não a ajuda com críticas, mas com o reconhecimento essencial e com bons exemplos;

6. Mesmo que você saiba mais do que ela no que toca a cuidar da casa e de um marido, dê-lhe o tempo que ela precisar para a adaptação;

7. Nunca entre em casa deles sem ser convidada e principalmente com ar de quem tem o direito a entrar sempre que quiser. A casa é dos dois e não apenas do seu filho;

8. Se não gosta da forma como a sua nora se arranja, seja tolerante e tenha presente que é o seu filho que tem de gostar e não você;

9. Ofereça a sua ajuda. Faça-os sentir que podem contar consigo sempre que seja necessário;

10. Saiba dizer não sempre que se sinta usada. Pois o seu filho também não tem o direito de abusar de si.

Para a Nora

A sua sogra faz-lhe a vida negra. Ela acha que você não está à altura do filho dela. O que ela tem é ciúmes. Lembre-se que você lhe "roubou" o filho querido. Aprenda a contornar isso:

1. Respeite a mãe do seu marido. Tenha presente que foi ela que o criou e que fez dele grande parte do homem que você ama;

2. Seja sempre delicada a falar com a sua sogra, mesmo que sinta que há uma fronteira entre vocês;

3. Nunca ponha o seu marido contra a mãe;

4. Se sente que ela se intromete demasiado na vossa vida e na vida dos vossas filhos, tente dizer-lhe isso de uma forma simpática ou faça com que ela perceba isso indirectamente;

5. Nunca fale mal da sua sogra aos seus filhos;

6. Tenha paciência para ela. Muita paciência.

Para o filho e marido

1. Tente ser mediador entre as duas partes: mãe e mulher, afinal de contas você ama as duas e gostaria que elas se entendessem;

2. Se a sua mãe não gosta da sua mulher, faça-a a perceber que isso não vai mudar em nada o amor que você tem pela sua mulher;

3. Não deixe a sua mãe abusar da sua mulher e nem o contrário;

4. Resolva os problemas conjugais em casa com a sua mulher. Não queira preocupar a sua mãe à toa.

 

Felizes das que vivem a exeção, como eu

 

Contudo, e felizmente, há sogras e noras a darem-se lindamente. Eu, por exemplo, tenho a sorte de ter uma sogra maravilhosa e vejo nela uma segunda mãe.

Deixo-vos um trailer de um filme bem apropriado para recordar. "Uma sogra de fugir" (Monster-in-law) com a brilhante interpretação de Jane Fonda (sogra má), Jennifer Lopez (nora) e Michael Vartan (filho). Um filme com humor que retrata bem estes conflitos.

 

 

Via A Vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 07.10.10

Barrigas de aluguer podem vir a ser legais em Portugal

 

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (PMA) vai propor que a maternidade de substituição, actualmente proibida em Portugal, possa ser possível "em casos excepcionais", revelou o presidente deste organismo.

 

Eurico Reis falava à margem do 4º Congresso Português de Medicina da Reprodução que decorre em Lisboa, até sábado, com o tema "Da técnica ao doente". De acordo com o presidente do CNPMA, este organismo irá propor em breve uma alteração legislativa que consagre a possibilidade de, "em casos excepcionais", a maternidade de substituição ser possível. "Queremos que seja discutida a possibilidade de, em casos excepcionais, ser possível a utilização da maternidade de substituição para satisfazer o desejo, e por ventura o direito, dos casais terem filhos", adiantou.

A legislação em vigor sobre PMA (Lei 32/2006) considera "nulos os negócios jurídicos, gratuitos ou onerosos, de maternidade de substituição". "Entende-se por maternidade de substituição qualquer situação em que a mulher se disponha a suportar uma gravidez por conta de outrem e a entregar a criança após o parto, renunciando aos poderes e deveres próprios da maternidade", lê-se na legislação.

Eurico Barros disse ainda que está em fase avançada as inspecções aos centros que praticam a PMA, tendo sido detectadas "algumas falhas" que, no entanto, "não afectam a qualidade das técnicas".

Este trabalho está a ser efectuado por elementos da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde e especialistas nas várias áreas envolvidas nas técnicas de PMA. Actualmente existem nove centros públicos e 18 privados autorizados a ministrar técnicas e PMA.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 15:06 | link do post | comentar

Domingo, 03.10.10

Quando falar com os filhos sobre sexo?

 

O assunto sexo estranhamente ainda assusta pais e mães. Talvez reflexo de uma cultura não muito distante, quando levantar discussões em família sobre o tema implicaria constrangimentos. Pergunte a seus avós, ou mesmo àquela tia de idade mais avançada se na época em que eles tinham entre 20 e 30 anos era comum ouvir termos como ‘orgasmo’, ‘masturbação’; se na mídia em geral havia uma abordagem tão explícita como se vê, atualmente, em seriados, novelas, filmes e músicas. Certamente a negativa vai ser contundente.

A quebra desse tabu, hoje, é algo que soa com certa urgência. Psicólogos e sexólogos alertam que a falta de diálogo pode ser responsável por consequências que vão além da rebeldia ou de uma gravidez indesejada. O alerta fica principalmente para as crianças, cuja curiosidade insaciada pode levá-las a se tornar alvo de pedófilos.

 

A professora Ana Luzia Oliveira, mãe de quatro filhos – o mais velho com 24 anos, um de 20, outro de 18 e uma menina de 10 – revela que a criação recebida dos pais causou uma limitação no diálogo sobre a questão. “Quando me dei conta, já encontrei as camisinhas entre as roupas e mesmo assim não senti necessidade de falar sobre isso. Na minha criação sexo não existia, então acho que fiquei ‘bloqueada’. Na idade em que se encontram, eles acham que sabe de tudo”, diz.

Ana Luzia reconhece que o diálogo deveria partir dela, mas reconhece que falta coragem para orientá-los. “Não tenho arrependimento até porque nunca aconteceu nada que me fizesse repensar a atitude. Mas hoje só consigo focar no assunto prevenção, tanto com relação a uma gravidez indesejada ou até mesmo uma doença”, justifica. O desafio agora, para ela, é quebrar essa barreira com a filha de dez anos. “Não sei como vai ser [a conversa], porque ela já sabe muito mais do que eu quando tinha a mesma idade. Tudo é diferente hoje. Sexo não é mais uma ‘coisa de outro mundo’”, ressalta.

 

A vizinha da professora, a funcionária pública Carla Moraes Leal, que tem um casal de filhos com 20 e 16 anos, percebeu o momento de levantar o diálogo quando o filho, na época com 18 anos, estava sendo orientado pela turma de amigos. “Sabia que era saudável ele conversar com os amigos, mas isso estava ocorrendo de forma errada. Havia também a timidez dele, então tomei a iniciativa”, lembra.

A primeira conversa não foi fácil. Carla revela que ensaiou no espelho por diversas vezes como seria a abordagem. O resultado, hoje, é que a relação com ambos mudou para melhor. “Falamos sobre tudo agora. Somos mais abertos não só para falar sobre sexo, mas com qualquer outro assunto. A gente se trata de igual para a igual, com o respeito que deve existir entre mãe e filhos”, revela.

 

Responsabilidade dos pais

 

A funcionária pública reconhece que o diálogo veio tarde. No entanto, a psicóloga Edelvaisse Ferreira revela que não existe uma idade ideal para que haja a abordagem do assunto. A exposição diária das crianças à mídia, que apresenta uma enxurrada de imagens eróticas e sensuais, e o livre acesso à internet pode antecipar a curiosidade. “Os pais devem orientar os filhos na medida em que forem feitas as perguntas. Não há necessidade de adiantar nada porque a sexualidade se desenvolve naturalmente; não vai ser necessário nenhum empurrãozinho”, alerta.

O prejuízo nessas conversas iniciais pode vir com a maneira que elas vão decorrer.  Falar da ‘Cegonha’ ou inventar apelidos para os órgãos sexuais, por exemplo, também é algo fora de recomendação. A psicóloga explica que deve ser rejeitada a linguagem que não contemple a idade do filho.

“Para as crianças não existe o saber do ‘proibido’. Se a família preza pelo diálogo aberto, elas certamente colocarão as perguntas no momento em que sentirem curiosidade. Se não há o diálogo a criança pode ter receio em falar e os pais devem ficar atentos ao comportamento e à linguagem do filho para abordar o tema de maneira sincera e natural”, aconselha Edelvaisse.

 

Por Diógenes de Souza e Raquel Almeida



Via Infonet



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 31.08.10

Pais erram nas doses de medicamentos

 

A maioria dos pais erra na dose de medicamentos que dá aos filhos. E muitos põem as crianças em risco ao abusarem de remédios de venda livre para a tosse, febre e constipação. A conclusão é de um estudo de uma equipa de investigadores da Universidade de Sydney, na Austrália, e foi apresentado no Congresso Mundial de Farmácia, que decorre esta semana em Lisboa.

Os investigadores estudaram quase 100 adultos - 53 mães, sete pais e 37 amas e outros responsáveis pelo acompanhamento de crianças entre os quatro e os cinco anos, durante o dia. E concluíram que os erros nas doses de medicamentos, em particular os xaropes, são responsáveis por um elevado número de intoxicações que ocorrem todos os anos.

A maioria usa colheres para medir a quantidade certa de tratamento, mas acaba por fazer mal as contas e administra uma dose errada. Sessenta e um por cento erram as medidas, 44% porque não dá o remédio suficiente, 17% porque exageram e levam as crianças a tomar medicamentos a mais.

A equipa australiana, liderada pela médica Rebekah Moles, testou ainda os conhecimentos dos pais na identificação das situações em que deve ser dada medicação. Criaram cenários hipotéticos - um exemplo era as crianças sentirem-se quentes, irritadiças, mas continuaram a brincar, a beber e a comer - e perguntaram aos responsáveis pelas crianças como agiriam se a situação fosse real. Durante a simulação, forneciam medicamentos de venda livre, várias colheres e outros instrumentos de medição. Os voluntários decidiam em que situações administrar medicamentos e eram depois convidados a medir a dose certa.

Para surpresa dos investigadores, 7% dos voluntários decidiram dar medicamentos às crianças sem medir a febre e outros 46% optaram por recorrer a tratamentos mesmo quando a temperatura estava abaixo dos 38oC. Contas feitas, apenas 14 dos adultos tomaram a decisão certa em cada cenário.

"Ficámos surpreendidos e preocupados ao concluir que há pessoas que pensam que os medicamentos são seguros só porque podem comprá-los sem receita médica", afirmou a coordenadora do estudo. Rebekah Moles deu ainda o exemplo de um pai que respondeu "que como o Panadol está disponível em todo o lado, dar o dobro da dose não poderia fazer qualquer mal à criança".

O estudo terá continuação, com os investigadores a visitarem farmácias e lojas de medicamentos sem receita, para perceberem se são dados os conselhos certos.

Remédios lideram no país Os números portugueses dos últimos anos apontam para uma média de 30 crianças intoxicadas por dia. Os medicamentos estão no topo da lista das intoxicações em crianças, à frente de detergentes, lixívias e produtos tóxicos. Mas os dados divulgados pelo Centro de Informações Antiveneno (CIAV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) não permitem perceber a forma como os bebés chegam aos remédios. Certo é que os medicamentos são responsáveis por mais de seis mil ocorrências num universo de cerca de 10 mil. É mais de metade dos casos que motivam chamadas para este serviço, o que levou o INEM a lançar há uns anos uma campanha nacional de prevenção para o fenómeno

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:13 | link do post | comentar

Sábado, 14.08.10

sexualidade feminina

 

O que pode uma mulher, no século XXI? Este é o tema comentado por Cláudia Riolfi, psicanalista e professora da Faculdade de Educação da USP. Segundo Riolfi, muitas mulheres estão no meio do caminho, perdidas.

 

Conseguiram realizar o feminino muito além do lar e ainda escorregam para soluções gastas dentro dele. Confundem a mulher com a mãe e viram enfermeiras de seus homens e de seus filhos. A conta costuma ser alta, para eles e para ela.

 

“Que pena! Existem outras maneiras de uma mulher viver sua sexualidade. Aquelas que insistem em encontrá-las injetam feminilidade nas veias do mundo. Graças a elas, assistimos ao nascimento de uma nova ética”. A psicanalista dá mais detalhes.

Por que as mulheres ainda confundem tanto o seu papel? Extrema exigência consigo mesma, mania de perfeição em tudo que fazem?

Com a globalização, não temos mais modelos de ser homem e de ser mulher. Vimos nascer uma cultura na qual as mulheres não precisam mais se ater às tarefas do lar e se satisfazer na maternidade e na enfermagem. As opções que se abrem a sua frente são múltiplas. Se, por um lado, isso é muito bom, por outro, gera indecisão. O que escolher? Privada do refúgio de uma identidade segura, uma mulher nunca sabe se está seguindo o caminho certo. Na tentativa de se garantir, corre ao guru da vez: as revistas femininas, os livros de auto-ajuda, as amigas. Procura por um conselho certeiro, um guia do bem fazer. Como nada disso funciona inteiramente, o risco é que recorra aos velhos modelos de ser mulher. Quer dar conta do presente sem abrir mão do passado. É muito para uma pessoa só. Trata-se de uma impossibilidade.

Quais as conseqüências?

As conseqüências são múltiplas. Isso atrapalha a todo mundo. Em primeiro lugar, ela está sempre insatisfeita consigo mesma, julga-se muito mal. Ela se sente sempre em falta para com aqueles a quem ama. Não importam os elogios, ela nunca se acha uma boa mãe, pensa que nunca fez o bastante. É um equívoco. Isso nasce da dificuldade de se deparar com os próprios desejos. Para se proteger de um desejo que julgam ser excessivo, escondem-se atrás de seus filhos. O tempo que dedicam ao trabalho lhes persegue. Julgam-se impedidas de sair, de passear, de dançar... Ora, quem não faz o que gosta torna-se amargo, ressente-se. As queixas se multiplicam e o ressentimento só cresce. A mulher de hoje está afogada em um copo de raiva. 

Que tabus ainda persistem quando se fala em sexualidade feminina?

Por parte das mulheres, ainda persiste o equívoco de que um homem está em melhores condições. Elas se iludem ao pensar que ser mulher é difícil enquanto ser homem é fácil. Não conseguem perceber que os homens estão tão ou mais perdidos do que elas. Assim, o encontro amoroso torna-se mais difícil ainda. É complicado se abrir ao prazer sexual quando a pessoa se sente explorada de algum modo. Aí está o germe da dificuldade que muitas mulheres encontram para obter prazer sexual.

De uma maneira geral, as mulheres ainda têm chances de ser feliz sexualmente falando, sem deixar de lado suas outras funções?

Gostaria de inverter esta pergunta. Proponho pensarmos que é justamente na medida em que ela consegue ser feliz sexualmente que conseguirá transferir o prazer que pode experimentar em seu corpo para suas outras funções. Uma mulher que está em paz com sua sexualidade é acolhedora, tem jogo de cintura, consegue inserir o feminino no mundo dos homens. Estávamos todos acostumados a viver em um mundo homossexual: os homens davam as regras e as mulheres ficavam fora da cultura. As primeiras feministas continuaram nesta lógica, reivindicando o direito de se tornarem iguais aos homens. O desafio agora é inventarmos um mundo onde haja lugar para os dois sexos.

 

Via Vila dois



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.07.10

Como responder aos filhos?

 

Há anos, quando era médica residente em pediatria, um adolescente perguntou-me se já tinha fumado erva. Não era uma pergunta amigável, mas antes uma reacção do tipo "ah, sim, isso é o que tu dizes" às minhas questões, como que a avisar-me.

Nenhum doente me perguntou tal coisa em décadas. Mas, recentemente, dei por mim no meio de várias conversas entre pediatras sobre como os pais devem lidar com as perguntas sobre o assunto.Médicos e pais precisam de uma forma de integrar os seus padrões de honestidade com o que sabemos sobre o abuso de drogas - e com investigações que tornam claro que sabemos hoje mais sobre o assunto.

Em particular, os cientistas compreendem melhor a neurobiologia do cérebro adolescente e os riscos de experimentar drogas e álcool na adolescência. Embora pensássemos que o cérebro era relativamente maduro aos 16/18 anos, na realidade continua a desenvolver-se até aos 25. O que se desenvolve cedo é a área de procura do prazer, o núcleo acumbente. As regiões que auxiliam o raciocínio abstracto, a tomada de decisões e a capacidade de julgamento estão ainda a amadurecer e, logo, com menos inclinação para inibir a procura de prazer. Pelo que as drogas e o álcool podem, de facto, levar a alterações permanentes no cérebro - em particular, dizem especialistas, uma maior propensão para a dependência em adulto. No entanto, dar conselhos a jovens nunca foi fácil, e quando a história dos pais vem à baila, fica ainda mais complicado.

Há uma questão moral para os adultos que se orgulham da honestidade e abertura. Há o medo de que, mesmo se explicarmos cuidadosamente a lição da nossa história, possamos estar a oferecer ao nosso filho uma lição implícita acerca da falta de consequências, uma espécie de parábola de eu fiz isso e estou bem. "O problema vem sempre à baila quando dou conselhos aos pais", diz Sharon Levy, directora do programa de abuso adolescente de substâncias no Children's Hospital Boston. "Eles dizem 'bem, o que lhe devo dizer - ou não?'" A investigação é limitada. Mas há provas que sugerem que quando os pais prestam mais informação e dão melhores conselhos desde cedo, o risco de abuso é menor. E um estudo de 2009 do centro Hazelden para o tratamento da dependência, concluiu que muitos adolescentes apontavam a honestidade dos pais acerca do álcool como influência positiva.

É claro que todos os pais, crianças e todas as situações são diferentes, e não existe uma regra que diz que pais e médicos devem revelar qualquer informação particular sobre o seu consumo de álcool e drogas, passadas ou actuais. Em vez disso, é importante perceber "porque é que perguntas? O que se passa contigo?", diz Janet F. Williams, professora de pediatria no Health Center da Universidade do Texas, e directora do comité para o abuso de substâncias da Academia de Pediatria. "O que nós pensamos que eles querem saber pode não ser aquilo que eles estão a perguntar", afirma. E, tal como sucede com outras conversas, tenha em conta o estado de desenvolvimento da criança; a resposta a uma criança de 12 anos ou a quem tem 22 anos é dada em termos e detalhes diferentes.

Porém, a maioria dos especialistas concorda que quando uma criança faz uma pergunta, o melhor é não mentir. "Diga sem glorificar", aconselha Levy, "e se acha que cometeu um erro, diga isso." Na realidade, uma criança que faz esta pergunta pode ter pensado muito em como e quando puxar do assunto. Trate a questão com respeito, utilize-a para fazer a conversa fluir. Pode não ser uma questão que queira ver levantada mas é uma conversa que, como pai, deve encorajar. (Sites úteis:teens.drugabuse.gov - informação para adolescentes; eteen-safe.org - conselhos sobre como falar com adolescentes.)

Então e o pesadelo familiar de todos os pais: o adolescente zangado que reage à disciplina ou à reprovação virando a conversa com uma acusação sobre as transgressões dos pais? Deborah Simkin, psiquiatra que faz a ligação ao comité Williams da Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente, faz a analogia com um alcoólico que resiste ao tratamento tentando trazer à baila os problemas dos outros. "O miúdo está a tentar desviar a atenção da intervenção oportuna por parte dos pais", diz. Em tais casos, a resposta dos pais deve ser clara: "Vamos discutir o que tu fizeste." 

O que queremos fazer como pais é transmitir sabedoria - mesmo que a tenhamos adquirido da maneira mais dura - sem que os filhos tenham de correr riscos. "Conduziu sem cinto de segurança e não morreu num acidente. Isso significa que quer que o seu filho conduza sem cinto?", pergunta Levy. Ou como diz Williams: "Se a forma como a questão é apresentada é 'Isto é arriscado e espero que não tenhas de colocar a mão no lume para descobrir que te podes queimar', eles não têm de tomar o mesmo risco." Por fim, depois de todos os cuidados e ansiedades, é essencial voltar ao lado positivo - "lembre-se sempre de reparar no que há de bom no seu filho", aconselha Williams. 

Afinal de contas, a mensagem mais importante não é sobre os erros que podem fazer descarrilar mas sim sobre o prazer de encontrar o próprio caminho. Diga ao seu filho, nas palavras de Simkin, que "preferiria que te dedicasses a descobrir a tua paixão, descobrir o que queres fazer na vida" - e celebrar esse potencial. E, por isso, diz Williams, "gostaria que tivessem todas as células cerebrais a que têm direito."

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Domingo, 25.07.10

Por vezes há pessoas más.. porque sim!

 

"Não sei o que fizemos de errado", disse-me a doente no meu gabinete de psiquiatria. Era uma mulher inteligente e que sabia expressar-se, com pouco mais de 40 anos, que me procurou com queixas de depressão e ansiedade. Ao discutir as pressões que enfrentava tornou-se claro que o filho adolescente era, há muitos anos, a mais importante.

Em miúdo, explicou, lutava muitas vezes com outras crianças, tinha poucos amigos íntimos e a reputação de mau. Ela esperara sempre que ele mudasse, mas na altura ele estava quase com 17 anos e ela sentia-se cada vez mais abatida. 

Perguntei-lhe o que queria dizer com "mau". "Detesto admiti-lo, mas ele é cruel e não tem compaixão pelos outros", respondeu. Em casa era provocador e mal-educado, muitas vezes insultava os familiares. 

Entretanto mandara avaliá-lo por vários pedopsiquiatras, que o submeteram a testes neuropsicológicos exaustivos. Os resultados eram sempre os mesmos: estava no escalão superior da inteligência, sem vestígios de dificuldades de aprendizagem ou doença mental. A mãe perguntava a si mesma se ela ou o pai teriam sido de alguma forma negligentes. 

Nem um nem o outro, ao que parecia, se tinham saído tão bem nas avaliações psiquiátricas como o jovem. Um terapeuta notara que não eram inteiramente coerentes no que dizia respeito ao filho, especialmente em termos de disciplina: ela era mais permissiva que o marido. Outro terapeuta sugeriu que o pai não estava suficientemente presente e insinuou que não era um modelo forte para o filho. 

Porém, havia um inconveniente com as explicações: este casal em teoria com dificuldades conseguira educar dois outros rapazes bons e adaptados. Como teriam conseguido, se eram tão maus pais?

A verdade é que tinham uma relação diferente com o filho difícil. A minha doente foi a primeira a admitir que se zangava muitas vezes com ele, algo que quase nunca acontecia com os irmãos. 

Havia outra questão fundamental em aberto: se o rapaz não sofria de nenhuma problema psiquiátrico demonstrável, o que se passava? 

heresia? A minha resposta pode parecer herética, vinda de um psiquiatra. Afinal tendemos a ver o mau comportamento como uma psicopatologia a exigir tratamento: não existem pessoas más, apenas doentes. Mas talvez este jovem não passasse de uma pessoa má. 

Durante anos, os profissionais de saúde mental foram treinados para ver as crianças como meros produtos do seu ambiente, intrinsecamente boas até serem influenciadas no sentido contrário. Por trás de um mau comportamento crónico estava um pai ou uma mãe. 

Contudo, embora não pretenda deixar os maus pais fora do assunto - infelizmente são demasiados, dos malignos aos apáticos -, permanece o facto de pais decentes poderem criar filhos malvados. 

Quando digo "malvados" não quero dizer psicopatas. A literatura científica é abundante em escritos sobre psicopatas, incluindo as histórias de abuso na infância, a tendência precoce para violar as regras e a crueldade com colegas e animais. Alguns estudos sugerem que este comportamento anti-social pode ser modificado com ajuda dos pais. 

No entanto, não se tem escrito muito acerca de pais bons com filhos doentios. 

resistir aos filhos Outro doente falou--me do filho, então com 35 anos, que, apesar dos muitos privilégios, tinha mau génio e era mal-educado com os pais - recusava-se a devolver telefonemas e emails, mesmo quando a mãe esteve muito doente. "Temos dado voltas à cabeça para perceber por que razão o nosso filho nos trata assim", contou-me. "Não sabemos o que fizemos para merecer isto." Aparentemente, muito pouco. 

Admiramos a criança resistente que sobrevive aos pais mais doentios e ao pior ambiente em casa e consegue ter êxito na vida. Contudo, o contrário - a noção de que algumas crianças podem ser as sementes más de pais decentes - é difícil de aceitar.

Vai contra a ordem normal, não apenas por parecer uma avaliação triste e pessimista, mas por violar a crença social de que as pessoas têm um potencial praticamente ilimitado para a mudança e para o auto-aperfeiçoamento. 

Nem toda a gente se revela brilhante - tal como nem todos se revelam simpáticos e amorosos. E isso não será necessariamente devido ao fracasso dos pais ou ao mau ambiente doméstico. Acontece porque os traços de carácter que revelamos no dia-a-dia, como todo o comportamento humano, têm componentes genéticas, que não podem ser inteiramente modeladas pelo melhor dos ambientes, e menos ainda pelos melhores psiquiatras.

"Os pedopsiquiatras, hoje, acreditam que a doença está muitas vezes na criança e que as reacções da família podem agravar o cenário, mas não criá-lo por completo", diz o meu colega Theodore Shapiro, pedopsiquiatra do Weill Cornell Medical College. "A era do 'não há crianças más, apenas pais maus', passou." 

Lembro-me de uma doente me confessar ter desistido de manter um relacionamento com a filha de 24 anos. Já não suportava as críticas contínuas. "Ainda a amo e tenho saudades dela", disse, com tristeza. "Mas na verdade não gosto dela." Para o melhor ou para o pior, os pais têm pouco poder para influenciar os seus filhos. Por isso não devem precipitar-se a assumir todas as culpas - ou créditos - por tudo aquilo em que os filhos se transformam.



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

Sexta-feira, 02.07.10

LISBOA E SUL

 

Palácio Foz
Praça dos Restauradores, s/n, Lisboa
Tel. 213 462 157 e 213 476 129
Cinema Sábados em Família, o programa de sessões de cinema da Cinemateca Júnior, exibe o filme de animação "As Aventuras de Wallace e Gromit". O filme reúne as três primeiras aventuras dos impagáveis Wallace, grande apreciador de queijo, e o seu cão Gromit, verdadeiro 'cão de guarda' que salva o dono de alguns disparates. Destaque especial para a última aventura em que os nossos heróis enfrentam um pinguim ladrão. No dia 3 de julho às 15h. Ver mais informações em www.cinemateca.pt/programacao.asp .

 

Museu do Oriente
Avenida de Brasília, s/n, Lisboa
Tel. 213 585 299 e 213 585 200
Oficinas O museu, através do conjunto de atividades Férias de Verão, propõe diversas oficinas aos mais novos. Duas delas estão incluídas no programa Oficinas de Longa Duração. "Patuá Di Macau, Unde Ta Vai?" sobre o patuá macaense, o crioulo português de Macau, salienta a mistura de diferentes culturas existentes na cidade. De 12 a 14 de julho das 10h às 13h e das 14h30 às 18h (é necessário fazer marcação prévia até ao dia 5 de julho). E "Viagem de Sabores: do Sushi ao Kimshi" conduz a uma viagem ao Oriente onde será possível saborear exóticas iguarias. Nos dias 15 a 16 de julho das 10h às 13h e das 14h30 às 18h (é necessário fazer marcação prévia até ao dia 8 de julho). A outra atividade está incluída no programa Sábados em Oficinas. "Os Segredos dos Brinquedos" aborda o mundo dos brinquedos do Japão e depois, através de diversas técnicas, os participantes vão construir um com as próprias mãos que poderá levar para casa. No dia 10 de julho das 11h às 13h (é necessário fazer marcação prévia até ao dia 5 de julho). Ver mais informações em www.museudooriente.pt .

 

Oceanário de Lisboa
Esplanada D. Carlos I, s/n, Lisboa
Tel. 218 917 002 e 218 917 006
Dormir A promessa é irresistível: as crianças dos 4 aos 12 anos podem passar as suas férias debaixo de água. Dez dias temáticos inspirados nos oceanos deixam nas mãos dos petizes os ofícios de pintores e atores, cientistas e historiadores, sem falar nos 'brindes', que incluem aulas de canoagem no Centro Náutico e passeios de teleférico. Até ao dia 10 de setembro, de segunda a sexta das 9h às 18h. Além disso, todas as sextas o programa pode ser prolongado com o interessante ciclo "Dormindo com os Tubarões", com atividades à hora de jantar e uma bizarra noite de sono. Só é preciso ter mais de 6 anos, uma escova de dentes, roupa confortável para dormir e um saco-cama. Ver mais informações em www.oceanario.pt .

 

Jardim Botânico da Ajuda
Calçada da Ajuda, s/n, Lisboa
Tel. 214 531 277 e 917 616 954
Heidi O Grupo de Teatro Infantil AnimArte apresenta a peça "Heidi", baseada na obra homónima de Johanna Spyri, um espetáculo cheio de música danças e travessuras. Heidi é uma menina que vai viver para o campo com o avô, que não conhecia, e aquilo que ao início parecia bastante assustador irá revelar-se como uma aventura fantástica para a jovem. Ela conhece Pedro, o pastor, a quem ensina a ler e este, em troca, revela a Heidi os segredos da vida no campo: a medicina natural, como fazer queijo ou ter uma alimentação equilibrada. Mais tarde, é obrigada a voltar para a cidade para fazer companhia a uma menina doente e convence a família da jovem a adotar os saudáveis hábitos campestres. Até ao dia 18 de julho, aos sábados, domingos e feriados às 16h (para escolas, de segunda a sexta, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.grupoanimarte.com .

 

Jardim Zoológico de Lisboa
Estrada de Benfica, 160, Lisboa
Tel. 217 232 960
Chitas O Zoo celebrou os seus 126 anos de existência com a inauguração de uma das únicas instalações de exibição e reprodução de chitas da Europa, com cerca de 100 metros de comprimento, visando a preservação de uma das espécies mais ameaçadas do planeta. A chita é o único felino diurno e o animal terrestre mais rápido do mundo, chegando a atingir os 120km por hora em curtas distâncias. O Zoo procurou respeitar as características do habitat natural da espécie e adequou a topografia e o substrato da instalação aos animais, com zonas mais elevadas, plantas, rochas e locais de sombra. Exibição permanente, todos os dias das 10h às 20h. Ver mais informações em www.zoo.pt .

 

Teatro Bocage
Rua Manuel Soares Guedes, 13-A, Lisboa
Tel. 912 449 909
Férias O Teatro Bocage propõe aos jovens o programa Férias no Teatro - ATL Verão 2010 que inclui uma semana de aprendizagem das noções básicas e dos instrumentos necessários à representação (o corpo, a voz, o movimento), exercícios de desinibição, concentração, memorização e relaxamento, desenvolvimento de trabalho de grupo e finalmente a criação de uma peça de teatro e seus personagens, encenação e apresentação à família e amigos no último dia de atividades. Até ao dia 17 de setembro, de segunda a sexta das 9h às 18h. Ver mais informações em www.teatrobocage.com .

 

Auditório do Espaço Monsanto
Parque Florestal de Monsanto, Lisbo
Tel. 218 460 738 e 967 525 460
Espetáculo A companhia Trupilariante de teatro-circo apresenta "Odisseia pelos Astros". O herói da peça, Fernão de Magalhães, numa aventura audaz, à semelhança da sua famosa viagem, decide acompanhar a velocidade da luz e desbravar o espaço profundo do Universo, atravessando buracos negros, desviando-se de meteoros e meteoritos e fugindo de nuvens de gases primordiais. Até ao dia 31 de julho, aos sábados e domingos às 16h. Ver mais informações em www.trupilariante.com .

 

Centro Cultural Malaposta
Rua Angola, s/n, Olival Basto, Odivelas
Tel. 219 383 100
Gato A peça de teatro infantil "O Gato das Botas" inspirada no conto de Charles Perrault, conta a história de um jovem que herdou da mãe um gato, que o convence a comprar-lhe um belo chapéu e umas lindas botas. Com um cenário mágico, um guarda-roupa fantasioso e bonitas canções, o divertido Gato das Botas vai mostrar que é possível ser bem-sucedido desde que se encare a vida com confiança. Até 25 de julho, aos sábados às 16h e aos domingos às 11h (para escolas, de terça a sexta às 10h30 e 15h, mediante marcação prévia). Ver mais informações em www.malaposta.pt .

 

Núcleo Arqueológico do Millennium bcp
Rua Augusta, 84, Lisboa
Tel. 211 131 004
Ossos A Fundação Millennium bcp oferece "Ossos que Contam História", uma mostra de vestígios arqueológicos de animais vertebrados que coexistiram e coexistem ainda com a espécie humana. A exposição apresenta, de forma pedagógica, fragmentos da história do Homem e dos animais 'contada' através dos ossos de animais recuperados no decurso das escavações realizadas no espaço atualmente ocupado pelo Núcleo Arqueológico, próximo do Arco da Rua Augusta. A entrada é gratuita e a mostra vai estar patente até setembro, de segunda a sábado das 10h às 13h e das 14h às 17h, exceto às quintas em que o período de abertura só vai das 15h às 17h. Ver mais informações em www.millenniumbcp.pt .

 

Museu do Brinquedo
Rua Visconde de Monserrate, 26, Sintra
Tel. 219 242 171
Transportes O museu apresenta a exposição "Meios de Transporte", composta por objetos em condições de reserva e por peças de coleções privadas que primam pela sua antiguidade, representatividade e raridade. A mostra revela como o Homem, para o seu próprio transporte e para o transporte de bens e mercadorias, melhorou técnicas, inventou materiais e construiu mecanismos capazes de se moverem pelos seus próprios meios na terra, no mar e no ar. Até 31 de outubro, de terça a domingo, das 10h às 18h. Ver mais informações em www.museu-do-brinquedo.pt .

 

Jardim Zoológico de Lisboa
Estrada de Benfica, 160, Lisboa
Tel. 217 232 960
Animais O Centro Pedagógico do Zoo oferece, até ao mês de novembro, três novidades na área dos programas de animação para os mais novos. Um deles, "Sábados Selvagens", para famílias (crianças a partir dos 4 anos acompanhadas por adultos), permite aprender in loco, pela mão dos tratadores, treinadores e profissionais do Zoo um pouco mais sobre a vida animal (todos os sábados a partir das 10h). Um outro é o ateliê "Quando os Animais Saem dos Contos..." para crianças entre os 4 e os 10 anos, onde será contada uma história em que as personagens principais são espécies de animais que os pequenos poderão conhecer ao vivo no Zoo (todos os sábados e domingos das 10h às 13h). Quanto a "Safari no Zoo!", para crianças dos 6 aos 12 anos, inclui várias atividades como a ajuda na manutenção de alguns animais, o auxílio aos treinadores na preparação da apresentação de aves em voo livre e a visita aos bastidores da Baía dos Golfinhos (todos os sábados das 10h às 18h). Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.zoo.pt .

 

Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56, Lisboa
Tel. 213 921 808 e 213 921 679
Céus O museu, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Matemática, apresenta a exposição "Medir os Céus para Dominar a Terra: a Astronomia na Escola Politécnica de Lisboa (1837-1911)". Esta mostra pretende não só dar a conhecer o ensino e a prática da Astronomia na Escola Politécnica durante o século XIX como também sensibilizar o público escolar para a relação estreita entre a Matemática e a Astronomia. Até ao dia 31 de agosto de 2010, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mc.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 58, Lisboa
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Terra O museu apresenta a exposição "A Aventura da Terra: um Planeta em Evolução". A mostra interativa começa pela origem do próprio Universo e acompanha a evolução do planeta ao longo dos últimos 4.600 milhões de anos, com relevo para os primeiros sinais de vida na Terra e a sua posterior diversificação. Até dezembro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56/58, Lisboa
Tel. 213 921 808 / 213 921 883 / 213 921 679
Dinossáurio O museu apresenta "Allosaurus: Um Dinossáurio, Dois Continentes?", uma mostra que percorre os passos de uma investigação científica em curso até à descoberta de fósseis de Allosaurus fragilis em Portugal, com painéis informativos, fotografias, ilustrações científicas e 16 réplicas de esqueletos ou crânios de diversas espécies de dinossáurios. A exposição está patente até fevereiro de 2011, de terça a sexta das 10h às 17h e sábados e domingos das 11h às 18h (encerra às segundas e feriados). Ver mais informações em www.mnhn.ul.pt .

 

Chapitô
Costa do Castelo, 1/7, Lisboa
Tel. 218 855 550
Ateliês O Chapitô oferece dois tipos de ateliês para crianças entre os 4 e os 12 anos. Um deles é o "Mundo da Fantasia e do Circo", onde poderão praticar diversos exercícios ligados ao mundo circense, às segundas-feiras, das 17h30 às 18h30. E o outro é "Capoeira", onde poderão juntar-se à roda viva da dança-luta brasileira, às quintas-feiras, das 17h30 às 18h30. Ver mais informações em www.chapito.org .


Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 10:00 | link do post | comentar

Fundação de Serralves
Rua D. João de Castro, 210, Porto
Tel. 226 156 500
Verão Com a chegada do verão, o Serviço Educativo de Serralves convida crianças e famílias a participarem num vasto conjunto de atividades como oficinas, visitas e conversas, que mudam todas as semanas. Estas atividades estão divididas em dois tipos de programas. Um deles, Serralves em Família, oferece a oficina "Investigar", onde os participantes vão conhecer a Estação Meteorológica do Parque de Serralves, dar o seu contributo para a plataforma europeia de Monitorização da Qualidade do Ar e terminar a sessão com experiências lúdicas para os mais novos. No dia 4 de julho das 10h às 13h (acesso gratuito e funcionamento contínuo: levantar bilhete na receção do museu). O outro programa, Férias de Verão em Serralves, propõe atividades que variam segundo as idades das crianças, todas elas a decorrer dos dias 5 a 9 de julho. Para crianças dos 4 aos 6 anos, "Bio... diversão" leva a semear plantas e descobrir cores, cheiros e surpresas, das 9h30 às 12h30, enquanto "Mãos na Massa" investiga alimentos e ensina a apurar o paladar e criar doces, das 14h às 17h. Para crianças dos 6 aos 9 anos, "Cidades Flexíveis" visa criar uma cidade mágica que nasce de uma construção coletiva, das 9h30 às 12h30 e das 14h às 17h. Para crianças dos 6 aos 12 anos, "Ecociência" conduz à descoberta e exploração de curiosidades da natureza, das 9h30 às 12h30, e "Criações Científicas" desafia cada um a mostrar o cientista que há em si, das 14h às 17h. Ver mais informações em www.serralves.pt .

 

Museu Nacional da Imprensa
Estrada Nacional 108, nº 206, Porto
Tel. 225 304 966 e 225 300 648
Oficinas O museu oferece aos mais novos várias oficinas permanentes e outras atividades, das quais destacamos duas que decorrem no mesmo horário. Uma delas é "Viagem ao Mundo do Papel", para crianças a partir dos 4 anos, onde os participantes reciclam manualmente papel velho, adicionando-lhe pétalas, folhas secas e outros materiais, transformando-o de novo em papel utilizável, sendo aconselhável, para uma produção personalizada, que cada um traga de casa desperdícios reutilizáveis. A outra são as "Oficinas Gutenberg", para crianças dos 4 aos 12 anos, onde os participantes são levados a fazer uma viagem no tempo até à Europa do século XV, onde terão a oportunidade de escolher entre a construção de um livro, através das antigas técnicas de impressão e encadernação, ou a construção de um tipo móvel, reinventando a imprensa. Até 31 de dezembro, todos os dias à tarde (inclusive domingos e feriados) das 15h às 20h, e pela manhã de terça a sexta das 10h30 às 12h30. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações em www.museudaimprensa.pt .

 

Zoo Santo Inácio
Rua 5 de Outubro, 4503, Avintes, Vila Nova de Gaia
Tel. 227 878 500
Natureza Passar as férias em contacto direto com a Natureza não é coisa comum. O Zoo Santo Inácio propõe um campo de férias de verão para crianças dos 6 aos 13 anos de idade que permite um contacto privilegiado com a natureza e os animais, além de inúmeras atividades educativas e lúdicas. Entre as atividades, destacam-se a alimentação e contacto próximo com vários animais, demonstração de animais mista com exibição de aves, répteis e mamíferos, ateliês de pintura e construção, histórias contadas no meio do bosque, horas de cinema e aulas de culinária. Até ao dia 13 de agosto, de segunda a sexta das 8h30 às 19h. Ver mais informações emwww.zoosantoinacio.com .

 

Centro Multimeios de Espinho
Avenida 24, 800, Espinho
Tel. 227 331 190
Planetário O Planetário de Espinho propõe quatro interessantes sessões às crianças e às suas famílias até ao mês de dezembro (nos meses de julho e agosto este programa passará a ser diário). "O Mistério da Bola de Fogo", aos sábados, domingos e feriados às 15h, para maiores de 4 anos. "Viagem a um Buraco Negro", aos sábados, domingos e feriados às 16h, para maiores de 12 anos. "Acampar com as Estrelas", aos sábados às 17h, para maiores de 10 anos. E "Dois Pequenos Pedaços de Vidro", aos domingos e feriados às 17h, para maiores de 10 anos. E o Observatório Astronómico oferece a sessão "Observação do Sol", aos sábados às 15h30 e 16h30, sempre que as condições atmosféricas existentes não sejam adversas. Ver mais informações sobre as sessões em www.multimeios.pt .

 

Parque Temático Molinológico
Ponte da Igreja, Ul, Oliveira de Azeméis
Tel. 256 664 043 e 256 683 170
Moinhos Ao visitar o parque, as crianças poderão assistir à moagem de diferentes tipos de cereais em moinhos de água e à confeção do pão tradicional de Ul e ver os materiais expostos no Núcleo Museológico do Moinho e do Pão. De terça a sexta, das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30, e aos sábados e domingos, das 15h às 19h (encerrado às segundas e feriados). Para visitar todos os núcleos, é aconselhável fazer marcação prévia. Ver mais informações em www.moinhosdeazemeis.com .

 

Museu da Ciência - Laboratório Chimico
Largo Marquês de Pombal, s/n, Coimbra
Tel. 239 854 350
Férias O museu oferece aos mais novos diversos programas de ocupação dos tempos livres durante as férias de verão. Um deles é "4 Dias, 4 Temas", e os temas vão ser 'Cor' (sobre tintas e as suas misturas), 'Ótica' (sobre objetos que orientam a luz), 'Sol' (sobre a estrela que nos ilumina) e 'Visão' (sobre o funcionamento deste sentido). De 6 a 9 de julho, das 10h às 13h para crianças dos 5 aos 7 anos e das 14h30 às 17h30 para crianças dos 8 aos 12 anos. Outro programa proposto é "Trilhos", onde em certos domingos de cada mês as crianças e suas famílias são convidadas a fazer um passeio à volta do Museu da Ciência e da Universidade de Coimbra. Desta vez o tema é "Passeio com a Botânica" e os participantes vão andar à procura desta surpreendente ciência nas ruas e nos jardins. No dia 4 de julho das 11h às 12h. E com o programa Aniversário no Chimico, o museu convida-o a vir fazer a festa de anos, durante três horas, nas suas instalações, aos sábados, das 10h às 13h, ou aos domingos, das 10h às 13h e das 15h às 18h. Estas atividades exigem marcação prévia. Ver mais informações emwww.museudaciencia.pt .

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 10.06.10

Filhos de lésbicas são melhores alunos

 

Que a adolescência é difícil é um facto. Foi com esta premissa, associada à ideia de que o desenvolvimento é tão problemático para as crianças criadas por pais homossexuais como para as que vivem com casais heterossexuais, que Nanette Gartrell, investigadora da Universidade da Califórnia, embarcou há 24 anos num estudo inédito sobre filhos de mães lésbicas. As conclusões foram publicadas esta semana na revista "Pediatrics", da Academia Americana de Pediatria, e são uma surpresa para os investigadores. Estes adolescentes, hoje jovens adultos, não só não apresentaram grandes diferenças ao longo do seu desenvolvimento em relação aos filhos de famílias tradicionais, como os superaram pela positiva em indicadores psicológicos, sociais e académicos.

A equipa dirigida por Gartrell e Henny Bos, da Universidade de Amesterdão, conseguiu a participação de 154 lésbicas e futuras mães, e submeteu-as a questionários de avaliação psicológica sobre o crescimento dos seus filhos. Aos 10 e aos 17 anos, os jovens também foram convidados a participar, e responderam de viva voz às questões. Hoje permanecem no estudo 77 famílias, com 78 filhos (dois gémeos) - e as suas respostas foram comparadas com uma avaliação semelhante de 93 crianças/jovens da mesma geração, mas filhas de pais tradicionais. 

Foi usado o método "Child Behavior Checklist" (CBCL), um questionário que avalia competências e problemas comportamentais e emotivos das crianças. "Quando comparámos os adolescentes com o padrão, descobrimos que os filhos de mães lésbicas estão a sair-se melhor", disse Gartrell, uma forma simples de resumir uma tabela que confronta resultados para parâmetros como escola, ansiedade ou problemas sociais. Em 14 itens de análise, os filhos de lésbicas vencem em 12, sendo, por exemplo, menos agressivos e desobedientes. Quanto ao estigma de terem pais do mesmo sexo - sentido por 41% -, concluiu-se que o pouco efeito que tinha no desenvolvimento psicológico e social das crianças aos 10 anos dissipa-se pelos 17 anos.

Para explicar os resultados, há para já poucos argumentos. A ideia de que estas mães terão antecipado o estigma social com uma maternidade mais empenhada é uma das leituras avançadas. "As nossas conclusões demonstram que não há qualquer justificação para restringir o acesso a tecnologias reprodutivas ou custódia parental com base na orientação sexual dos pais", sustentam ainda os investigadores. 

Há, contudo, algumas lacunas: a amostra não é aleatória - em 1986 a homossexualidade era menos assumida, pelo que o recrutamento das participantes foi muito localizado - e não estão representados pais homossexuais. Nada que invalide os resultados do trabalho, defendem, mas que obriga a mais estudos. "Apesar de três décadas de investigação a demonstrarem que o desenvolvimento das crianças não está relacionado com a orientação sexual dos pais, a legitimidade da paternidade biológica ou por adopção continua sob escrutínio", escrevem no artigo. E para Gartnell, não restam dúvidas: "estes pais são um sucesso", disse à imprensa.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 12:59 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.05.10

Adopção, mas não só. Aliás, nem sequer será mais importante do que os outros itens que a Marcha do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgender do Porto quer ver discutidos na sociedade e que constam do "Manifesto" ontem apresentado em frente ao Tribunal de Menores. Um manifesto que está na Internet e que será levado pela cidade no dia 10 de Julho, a partir das 16 horas.

"Queremos uma sociedade que reconheça a diversidade de modelos familiares com iguais oportunidades perante a lei", lê-se no documento. Paula Antunes faz questão de explicar. "É todo o tipo de parentalidade" que está em causa, "não é só a adopção". E fala dela própria. Vive há sete anos com Sofia e a filha dela. Que nasceu de um anterior relacionamento heterossexual de Sofia. A miúda, 13 anos, decidiu assumir na escola que era enteada de Paula. Valeu-lhe a aprovação dos colegas e a escolha do tema da homossexualidade num debate entre escolas do Porto.

"Não se trata só de situações hipotéticas. Há milhares de crianças portuguesas que têm pais homossexuais, sejam fruto de relacionamentos anteriores, seja da inseminação artificial feita noutro país". É o caso dos filhos de Fabíola. Aqui não podia. Daí outro ponto do manifesto. "Queremos que os processos de procriação medicamente assistida possam ser uma possibilidade para todas as mulheres que a desejem, independentemente da sua orientação sexual e de viverem ou não uma relação de casal".

Ora, com a lei acabada de promulgar retirando o exclusivo do casamento aos heterossexuais, a constituição de família fica riscada. No limite, "primeiro temos de adoptar (como candidato individual) e só depois podemos casar", resume João Paulo, activista da PortugalGay. A parentalidade foi eleita como a questão central do manifesto deste ano. Mas não a única. "Continua a haver imensa coisa em jogo. A única conseguida até agora foi o casamento", explica Catarina Castanheira. A sexualidade na terceira idade, a luta pela identidade do género, até em documentos oficiais de pessoas que mudem de sexo, a defesa de uma educação sexual efectiva nas escolas e da aceitação de pedidos de asilo de pessoas perseguidas por homofobia são alguns dos temas em cima da mesa.

 

Via JN



publicado por olhar para o mundo às 13:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.04.10

Hiperactividade e cafeina

 

Os cientistas já tinham concluído que o café tem propriedades que permitem prevenir algumas doenças neurodegenerativas, mas não havia estudos no âmbito de doenças como a hiperactividade e o défice de atenção. Até agora. Uma equipa de 15 investigadores do Centro de Neurociências da Universidade de Coimbra está a estudar os efeitos da cafeína no sistema nervoso central e prevê começar a realizar testes clínicos em crianças entre os nove e os 14 anos que tenham problemas como a hiperactividade e o défice de atenção.

Já foram recolhidos dados em modelos animais que "mostram a eficácia consistente da cafeína em casos de défice de atenção e hiperactividade", refere Rodrigo Cunha, líder da investigação. O investigador garante que serão administradas "cápsulas com uma libertação controlada de cafeína" para reduzir a probabilidade de ocorrerem efeitos tóxicos nas crianças. Acrescenta ainda que há "grupos crescentes de crianças incluídos para testar o benefício do consumo de pequenas doses de cafeína".

Rodrigo Cunha considera que o projecto "abre portas ao desenvolvimento de remédios mais selectivos e potentes que a própria cafeína, que, com doses muito mais baixas, imitem o que de bom faz aquela substância, anulando os problemas associados à toxicidade pelo consumo excessivo".

O estudo está a ser desenvolvido em cooperação com investigadores de Barcelona que já têm um vasto conhecimento na avaliação de crianças com este género de problemas.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:00 | link do post | comentar

Domingo, 11.04.10

A mulher do amigo é homem, então e a filha?

 

Arranjou-a bonita, sim senhor. Se me tivesse perguntado antes, dir-lhe-ia que nem pensasse em tal coisa. Porque, não me venha cá com histórias, só nos envolvemos com quem queremos envolver-nos, e não há testosterona ou lindos olhos que nos desviem do que nos convém. O amor não é nem altruísta nem desinteressado.

Por outro lado, não há nenhum mal no relacionamento em si, pois, sendo os dois adultos, pouco interessa que um seja mais adulto que o outro; é a percepção que as pessoas têm, especialmente o seu amigo e pai da menina, que constitui um problema sério. Desde já lhe digo que ele, a não ser que seja muito à frente, não vai levar a coisa a bem, nem pouco mais ou menos. Se você andasse com a mulher dele, provavelmente sentir-se-ia menos traído. É assim a natureza do homem. 

Antes de mais, certifique-se de que ela gosta mesmo de si e não está apenas a querer chatear o pai, que lhe perdoará a ela mas nunca o desculpará a si.

Se realmente a coisa é séria, vai ter de falar a sós com ele, e o mais depressa possível (se a coisa não for séria, então é um inconsciente e não precisa de conselhos, nem os merece). Não espere que lhe perdoe e aceite a coisa, mas mostre um mínimo de dignidade e aguente estoicamente a cena desagradável que fatalmente irá ocorrer. Claro que lhe vai dizer que gosta muito dela, que lutou contra a aproximação e que se sente envergonhado, mas nada do que disser anula o facto de que anda a dormir com a sua querida filha, para quem ele queria o melhor - e o melhor certamente não incluía um companheiro de farra com idade para ser pai dela. Não tente sequer a conversa de continuarem amigos, pois quem vai decidir se continuam é ele, e decidirá que não. 

Aconselho-o a mudar de bairro e a só aparecer quando tiver um filho nos braços, um lar montado e uma dedicação canina estampada no rosto. Um dia, daqui a muitos anos, pode ser que ele aceite.

A amizade está perdida; veja se a está a trocar pelo verdadeiro amor, ou vai acabar sem uma nem outro.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 20:41 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.03.10

Onde deixar os miúdos nas férias

 

Se os miúdos mandassem, os programas de férias não tinham actividades pedagógicas. Prefiriam ir a Los Angeles conhecer a Miley Cyrus, à Disney Paris, a Londres, ou simplesmente ao espaço. Como isso não é assim tão simples e não queremos provocar um ataque de nervos aos pais, escolhemos 15 actividades para ocupar as duas semanas de férias dos mais pequenos. De norte a sul do país ainda é possível encontrar vagas. Mas apresse-se a marcar.

Apesar de serem miúdos, já sabem bem o que querem. Assim, há férias para todos os gostos, até para quem gosta de tudo um pouco. Há aulas de surf e de caiaque para os mais audazes. Mas os pais não precisam de se preocupar, porque há sempre monitores atentos para amparar as quedas. Para acabar de vez com a ideia de que os vegetais nascem nas prateleiras dos supermercados, inscreva-os nos ateliers de jardinagem e horticultura. E se o seu filho tiver queda para salvar o ambiente e os animais, pode sempre levá-lo para a colónia de férias do Monte Selvagem, no Alentejo ou até ao Jardim Zoológico, para darem uma mãozinha aos tratadores. Quem tiver veia artística, não faltam opções por todo o país.

 

Indecisos

 

Fundação Serralves, Porto


Há brincadeiras para todos os gostos e idades. Dos 4 aos 12 anos, os miúdos podem ser protagonistas de umas férias criativas e diferentes, em Serralves. Desde oficinas de construção, de pintura e ciência, ao maravilhoso mundo dos insectos, passando pela decoração de T-shirts e confecção de guloseimas da Páscoa (quem é que nunca quis ter uns bigodes de chocolate?) e exercícios de expressão corporal, cheios de luzes, cores e ritmos, tal e qual como nos sonhos. 
Preço: entre €40 e €50 
Quando: 29 Março a 09 Abril
Contactos: 226156587

 

Oceanário de Lisboa


No maior aquário da capital, a Páscoa é feita de cinco dias temáticos: são quatro a descobrir os oceanos e um a fabricar super-heróis. Os miúdos dos 4 aos 12 anos vão explorar o Atlântico, Pacífico, Índico e os oceanos gelados, e todos os bichos que por lá habitam. Há pinguins, peixes de todas as cores, ursos polares e, cuidado, tubarões. Com viagens fantásticas entre submarinos e viagens de algas, qualquer um pode proteger o ambiente, basta pôr uma capa, reciclar e poupar água.
Preço: €40 por dia 
Quando: 29 Março a 09 Abril
Contactos: 218917002/06

 

Associação Académica da Universidade do Algarve


Em Faro a brincadeira fica por conta do “Campus em Férias”.
Basta ter entre 7 e 11 anos para poder passar uma Páscoa em grande. Para os mais intelectuais há a ciência, para os mais irrequietos há hipismo e todo o tipo de desporto. Para quem gosta de aprender, pode fazê-lo através dos vários workshops pensados especialmente para os mais novos. Os lanches e os almoços também não estão esquecidos, assim como um CD de fotografias, para mais tarde recordar.
Preço: €80 
Quando: 5 a 9 de Abril
Contactos:  289818606


Miúdos Radicais

Surf Camp de Matosinhos

Quem nunca se imaginou em cima de uma prancha de surf, é um ovo podre. Melhor do que imaginar, é fazer-se às ondas. Com a escola Onda Pura, na praia do Titan, os miúdos dos 7 aos 15 anos, podem tornar-se surfistas a sério e praticar toda a espécie de desportos: futvolei,  basquetebol, andar de patins em linha e de caiaque. 
Preço: entre €20 e €120 
Quando: 29 Março a 09 Abril
Contactos:  9121000 47

 

Campo de Férias Castor, Landeira

O nome do local já promete: Quinta Contente. Aqui, os miúdos dos 6 aos 17 anos podem ser verdadeiros heróis. Só precisam de coragem e determinação para o kartcross, canoagem, slide, tiro com arco e ponte de cordas que o campo oferece.
Preço: €197,05 
Quando: 5 a 11 de Abril
Contactos: 265913324

 

Ginásio C. Português, Lisboa


Depois destas férias os miúdos (dos 4 aos 12 anos) vão dormir que nem anjinhos. Durante duas semanas há um mundo de actividades para explorar, que vai desde a capoeira, ao jogo do pau, passando pelos trampolins.  
Preço: €180 
Quando: 29 Março a 09 Abril
Contactos: 213841580

 

Eco-Kids

Jardim Botânico da Ajuda
Aqui, os verdadeiros amantes da natureza, dos 4 aos 12 anos, podem aprender jardinagem, como funciona uma estufa, a fazer uma horta,  expressão plástica e jogos tradicionais, ao ar livre e rodeados de árvores e ar puro. Vão esquecer-se que estão em Lisboa.
Preço: varia entre €50 e €270  
Quando: 29 Março a 09 Abril
Contactos: 213622503

 

Parque Monte Selvagem

Para esta aventura em Montemor-o-Novo é preciso saco-cama, lanterna, chapéu, repelente e protector solar. Só com estas armas será possível sobreviver às maravilhas do mundo selvagem e da conservação do ambiente. Para miúdos dos 6 aos 12 anos. Cuidado, há crocodilos.  
Preço: €70
Quando: 5 a 11 de Abril
Contactos: 265894377

 

Jardim Zoológico, Lisboa


É uma espécie de safari sem sair da cidade e com animais mais dóceis. No Zoo, os miúdos podem fazer peddy-pappers e ajudar os tratadores e treinadores. Há percursos temáticos para saberem tudo sobre répteis e mamíferos. 
Preço: €40 (1 dia); €144 (4 dias) 
Quando: De 29 de Março a 4 de Abril
Contactos: 217 232 910

 

Putos Einstein

 

Museu de Ciência, Coimbra


Como é que uma espécie desaparece do planeta?_Evapora-se? Vai para a lua? O programa Férias no Chimico, em Coimbra, é dedicado à biodiversidade e vai encontrar resposta a esta e muitas outras perguntas. Os pequenos cientistas vão aprender o que é isso da extinção e que animais estão em risco. 
Preço: €25 (3 dias); 
€8,5 (1 dia)
Quando: De 30 de Março a 1 de Abril ou 6 a 8 de Abril
Contactos:  239 854 350

 

Visionarium, Sta. M. da Feira


É melhor que um teste psicotécnico. Nas oficinas de Páscoa, do Visionarium, em Santa Maria da Feira, os miúdos vão experimentar uma profissão por dia: geólogo, químico, matemático, biólogo e astrónomo. São cinco dias repletos de actividades, para crianças dos 6 aos 12.
Preço: € 25 (1 dia), €110 (4 dias) 
Quando: De 5 a 9 de Abril
Contactos: 256 370 607

 

Ciência Viva, Bragança


Plasticina caseira, batatas espumantes e balões aerostáticos. Estes são alguns dos novos brinquedos dos miúdos que se aventurem no Centro de Ciência Viva de Bragança. Nas oficinas de Páscoa vão ainda a observar ao microscópio a água do rio e analisar impressões digitais.
Preço: € 40 
Quando: De 29 de Março a 1 de Abril; 5 a 9 de Abril
Contactos: 273 313 169


Mini Picassos

Teatro Maria Matos, Lisboa
Se os adultos utilizam as revistas para ler, as crianças podem transformá-las em arte. A proposta da oficina de Páscoa do Maria Matos, para miúdos, entre os 6 e 8 anos, é criar um mapa com recortes de revistas, lápis de cera pastel. Para os mais velhos, recomenda-se uma actividade que mexe com todos os músculos: dança.  
Preço: € 20 
Quando: De 29 de Março 1 de Abril
Contactos: 218 438 800

 

CCB, Lisboa


Há estudos que garantem que a fofoca faz bem à saúde. Nada melhor do aprender desde cedo. Descanse. Do CCB_não vão sair paparazzis. A oficina é dedicada à representação e o tema é a bisbilhotice, cusquice, como lhe quiser chamar. “Há boas e más bisbilhotices?”
Preço: €115 
Quando: De 29 Março e 1 Abril ou 5 a 9 de Abril
Contactos: 213 612 400

Museu do Traje, Viana do Castelo


Não há Páscoa sem ovos pintalgados de cores. Se tem em casa um mini Picasso, inscreva-o no atelier de artes plásticas do Museu do Traje, onde há espaço para fazer ovos da Páscoa cubistas e ainda podem fazer os ramos da madrinha, com flores de papel.
Preço: €5 (por dia) 
Quando: De 29 de Março a 4 de Abril
Contactos: 258 809 300

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Sábado, 13.03.10

Protecção a mais afecta cérebro das crianças

 

Os pais excessivamente protectores não limitam apenas a liberdade dos filhos. As consequências do excesso de zelo do pai podem ser o desenvolvimento do cérebro em áreas associadas à doença mental. Segundo um estudo realizado pela Universidade de Gunma, no Japão, as crianças que têm pais demasiado protectores - ou, no outro extremo, negligentes - são mais susceptíveis a desenvolver perturbação psiquiátricas associadas a deficiências no córtex pré-frontal. As mães não têm a mesma influência negativa. 


Os investigadores estudaram os cérebros de 50 pessoas na casa dos 20 anos e pediram-lhes que preenchessem um questionário sobre a relação que cada uma teve com o pai até à adolescência. Os resultados mostram que aqueles que tiveram pais demasiado protectores apresentavam menos massa cinzenta numa área particular do córtex pré-frontal que aqueles que viveram relações equilibradas. Um pai negligente está na origem de irregularidades como as que se verificam nos casos de esquizofrenia e de outras doenças mentais. Segundo os investigadores da universidade japonesa, a razão é a libertação excessiva da hormona cortisol - quer por negligência quer por demasiada atenção - e uma produção reduzida de dopamina.

Para Anthony Harris, director da Unidade de Perturbações Clínicas no Hospital Westmead, em Sydney, na Austrália, o estudo é importante para elucidar as pessoas sobre o efeito do comportamento dos pais, a longo prazo, na vida das crianças. Sara Sanz Pinto

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 11:59 | link do post | comentar

Domingo, 07.03.10

Mãe, o meu namorado pode dormir cá em casa

 

 O tempo dos pais não é igual ao tempo dos filhos. Há três gerações, o namoro era fiscalizado no sofá da sala; há menos tempo ainda, o amor acontecia dentro de um carro, às escondidas dos adultos. Hoje os miúdos pedem aos papás para os namorados dormirem em casa. Perante o dilema, há dois grupos de pais. Os que estão preparados. E os que não estão. Ana Maria, mãe divorciada de 44 anos, sabia que esse momento iria chegar: "E chegou até mais tarde do eu esperava." Muito antes de o namorado de Sofia "fazer parte da família", mãe e filha conversaram muitas vezes sobre os assuntos do coração. 


Comunicar com os filhos é a primeira regra para os pais não serem apanhados desprevenidos, avisam os especialistas. "Falar desde cedo sobre as questões da sexualidade, afectos e cuidados a ter é uma preparação básica para esse momento", diz Maria João Moura, psicóloga da adolescência. A pergunta de Sofia chegou aos 18 anos, portanto, como mais uma etapa na vida da adolescente. E conhecer o rapaz foi um trunfo para a publicitária. O namorado aparecia para almoçar e jantar e, um dia, ficou até mais tarde: "Foi aí que surgiu o pedido, mas a minha filha já sabia que eu iria aceitar." Desde essa noite, na casa de Ana Maria, há lugar para mais uma escova de dentes e no frigorífico há também os iogurtes preferidos do namorado da filha. 

Houve fases em que Sérgio passou demasiado tempo em casa da namorada e fases em que o lugar da mãe no sofá da sala esteve seriamente ameaçado. As fronteiras foram redefinidas e agora há tempo para tudo: fins-de-semana para a filha passar com o namorado; fins-de-semana para a mãe passar com a filha e até saídas a três - a mãe, a filha e o namorado da filha.

Catarina, 18 anos, não fez nenhum pedido. Aos poucos foi mostrando à mãe que a mudança estava prestes a acontecer. Rute abriu a porta da sua casa aos amigos da filha. Catarina pedia para o namorado passar a noite quando ficava tarde: "O rapaz ficava no quarto dela e a minha filha comigo", conta a mãe de 53 anos. Uma noite, Rute acordou e a filha não dormia ao lado dela. Foi ao quarto ao lado e os dois dormiam juntos: "Foi o choque da minha vida!"A zanga saltou cá para fora no mesmo segundo: "Catarina!", gritou a mãe. Os adolescentes acordaram em sobressalto: "Nem sequer pediste a minha permissão", ralhou Rute. 

Catarina desfez-se em desculpas e, na manhã seguinte, foi a vez de a mãe também se desculpar: "Deveria ter esperado pelo dia seguinte para termos uma conversa." Mas, o arrependimento esconde mais razões. A mamã confrontou-se com uma imagem sua que desconhecia: "Eu, que sempre fui liberal, tive uma reacção intempestiva", confidencia Rute, assegurando que hoje "lida melhor" com o hóspede e as dormidas acontecem sempre com a sua autorização.

À distância de cinco anos, Rosarinho Correia, funcionária de um ginásio em Lisboa, nem se lembra "muito bem" do dia em que Carlota pediu para o namorado dormir "lá em casa". O namoro da filha durava há três anos e esse momento surgiu quando a adolescente completou 19 anos. "Muito antes disso, já o rapaz era da família", conta a mãe de 43 anos. Conhecer quem é que vai partilhar o mesmo tecto é condição para deixar qualquer mamã tranquila, mas não resolve todos os problemas: "Há sempre um desconforto, que tem a ver com a invasão do nosso espaço." A "estranheza" de encontrar o namorado da filha a tomar o pequeno-almoço na cozinha é um sentimento que nunca desapareceu: "O único pedido que fiz à minha filha foi que o convidasse nas noites em que estava a trabalhar." 

Gabriela Paiva, empresária de 56 anos, não teve de abrir a porta aos namorados das filhas. "Vou dormir em casa dele, mas não digas nada ao pai", pediram Mariana e Inês quando completaram 18 anos. A mãe não fez perguntas: "Senti-me privilegiada por me contarem." Gabriela é mãe de quatro filhos, logo passou quatro vezes pela mesma situação. 

Com os rapazes, foi diferente: "Nunca me disseram nada, mas sabia que dormiam em casa das namoradas. A única recomendação que fiz foi para terem os cuidados necessários." No caso das raparigas, as conversas sobre sexualidade começaram mais cedo: "Antes de tomarem a decisão, já tínhamos tido muitas conversas." Foi o suficiente para as filhas saberem que a mãe não iria julgá-las. E bastou para a mãe perceber que as filhas "sabiam o que estavam a fazer".

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 21:18 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.03.10

Tanto a associação de pais, como o conselho directivo da escola deveriam ter vergonha, como é possível que agora venham dizer que não sabiam de nada e que ninguém sabia de nada?

 

Vergonha.

 

Noticia do Público

 

O Ministério da Educação informou hoje que foi aberto um processo de averiguações ao caso da criança desaparecida no rio Tua em Mirandela para apurar o que "poderá ter ocorrido no recinto da escola antes do sucedido”.


O caso foi também remetido para as autoridades judiciais competentes para o efeito, segundo indicou à Lusa o gabinete de imprensa da ministra Isabel Alçada.

O Ministério da Educação refere que "é com consternação que recebe esta notícia" e avança que tem "no terreno meios para dar todo o apoio que, no âmbito da sua competência, a escola, a família, a comunidade educativa necessitem para ultrapassar esta situação".

O Ministério informa ainda que "no ano passado, a Escola Básica 2,3 Luciano Cordeiro, em Mirandela, registou apenas duas ocorrências, uma no primeiro período, outra no segundo, de injúrias a um funcionário".

A reacção do Ministério da Educação surge na sequência do desaparecimento, terça-feira, no rio Tua de uma criança de 12 anos que frequentava aquela escola de Mirandela.

O caso foi associado a uma alegada situação de "bullying" na escola não confirmada pelas autoridades que, que acreditam na possibilidade de acidente.

Nem a escola, nem a Comissão de Protecção de Menores e Jovens têm registo de casos de "bullying" (actos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objectivo de intimidar ou agredir outro indivíduo ou grupo de indivíduos).

O presidente da Associação de Pais, António José Ferreira, corroborou hoje a mesma informação, afirmando que neste órgão não existe qualquer queixa em relação à criança em causa.

O Ministério da Educação referiu ainda à Lusa que tem um Gabinete Coordenador da Segurança Escolar que monitoriza, dia-a-dia, a situação de segurança/violência, em todas as escolas do País.

"Quando haja indícios ou se identifica uma situação, é activado um conjunto de mecanismos para, seja a nível preventivo, seja ao nível da sua resolução, dar resposta aos casos concretos", segundo o Ministério.



publicado por olhar para o mundo às 17:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
posts recentes

Se antes de ter filhos eu...

Sugestões baratas para en...

Sexo na gravidez é seguro...

Os homens também choram.....

Onde levar as Crianças, N...

Onde levar as crianças, L...

Sexualidade. O que fazer ...

Bélgica proibe venda de t...

O estado da educação sexu...

Onde levar as suas crianç...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados