Quarta-feira, 11.05.11
França põe bolinha vermelha em Rihanna e Enrique Iglesias [com vídeos]
O órgão regulador para a comunicação social francesa proibiu a exibição antes das 22h dos mais recentes vídeos de Enrique Iglesias e Rihanna, devido à pesada carga erótica das películas.

Segundo a imprensa francesa, que cita o Conselho Superior do Audiovisual, os videoclipes do cantor romântico espanhol Enrique Iglesias e da cantora pop de Barbados Rihanna «podem ferir a sensibilidade do público mais jovem» e são por isso comparados a «anúncios de linhas eróticas».

 

O órgão regulador deliberou que os vídeos S&M de Rihanna e Tonight  de Iglesias só podem ser exibidos depois das 22h, mesmo nos canais exclusivamente dedicados a música, como o MCM.

 

No primeiro vídeo, igualmente censurado em 11 países, que serve como suporte a uma canção já de si carregada de referências sexuais, Rihanna é vista a simular o uso de brinquedos eróticos. No segundo, Iglesias participa numa orgia simulada enquanto canta o tema Tonight, cuja letra contém obscenidades na versão não censurada.

 

 

Rihanna - S&M - versão +18

 

 

 

Enrique Iglesias - Tonight (I'm Loving You) - versão editada

 

Via SOL

 

 



publicado por olhar para o mundo às 09:38 | link do post | comentar

Terça-feira, 28.12.10

A ensitel e a sua forma de fazer negocios

 

A Ensitel, uma cadeia de lojas portuguesa que vende aparelhos de electrónica, intimou judicialmente uma ex-cliente a apagar textos do seu blogue pessoal, que criticavam a actuação da empresa. O resultado foi uma avalancha de críticas na blogosfera, no Twitter, Facebook, YouTube e outras redes sociais.

 

A explosão de críticas começou esta segunda-feira, quando Maria João Nogueira, autora do blogue jonasnuts.com e ex-cliente da Ensitel, escreveu que a empresa lhe tinha enviado uma providência cautelar para que retirasse uma série de seis textos relativos à empresa e escritos ao longo de 2009.

Nestes textos, Maria João Nogueira narra que a empresa se recusou a trocar um telemóvel defeituoso e que, após uma série de tentativas de troca e de devolução do dinheiro, o caso acabou em tribunal, onde o juiz deu razão à Ensitel.

Maria João Nogueira, que já tinha sido contactada pelos advogados da Ensitel, escreveu no texto desta segunda-feira: “Os senhores cumpriram a ameaça, e no dia 22 recebi a tal citação pessoal, que é um documento de 31 página[s] (sim, 31) em que sou intimada pelo tribunal a constituir um advogado, e é um procedimento cautelar”. A autora do blogue tem desde a recepção do documento dez úteis para constituir advogado e contestar a providência cautelar.

A sucessão viral de reacções que se seguiu à publicação no blogue deve-se em parte ao facto de Maria João Nogueira ser responsável pela gestão da comunidade de blogues do portal Sapo e uma presença frequente nos círculos da blogosfera e das redes sociais portuguesas.

"Não estou satisfeita com nada disto, a verdade é essa", observou ao PÚBLICO Maria João Nogueira. "Para mim o tema já estava morto e enterrado. No dia em que escrevi o post a descrever o último episódio não voltei a escrever sobre o assunto. Eu não queria colocar em causa a reputação de ninguém, eu queria partilhar a minha experiência enquanto consumidora daquela empresa. Fi-lo enquanto durou essa experiência, depois passou, abandonei o tema, nunca me ocorrendo que isto pudesse resultar na actual situação."

A autora, porém, diz estar "obviamente satisfeita com as inúmeras mensagens de apoio".

O advogado Manuel Lopes Rocha, da sociedade de advogados PLMJ, explicou ao PÚBLICO que os casos que se passam na blogosfera se desenrolam “como em qualquer outra situação” deste tipo. “O juiz avaliará se há ou não difamação. Se [os textos] forem factuais, não vejo por que hão-de ser apagados”.

O PÚBLICO contactou a empresa, que remeteu todas as explicações para um comunicado, que foi entretanto distribuído na tarde desta terça-feira e que está também disponível napágina da empresa no Facebook (onde se acumulam os comentários depreciativos, bem como várias queixas de que alguns comentários anteriores foram apagados pela empresa).

No comunicado, sucinto, lê-se: “A Ensitel não põe minimamente em causa qualquer tipo ou forma de liberdade de expressão, mas repudia, rejeita e não aceita ser alvo de uma autêntica campanha difamatória, assente em factos absolutamente falsos que têm como único intuito denegrir a imagem e boa reputação que a Ensitel construiu ao longo de 21 anos, apenas porque o cliente não se conformou com uma decisão judicial que lhe foi desfavorável.”

No Facebook há ainda uma página para criada para criticar a empresa. Já no YouTube foi publicado um vídeo que parodia o caso, sob o título EnSHITel. No FourSquare (um serviço que permite aos utilizadores assinalarem os locais onde estão), um utilizador escreveu: “Esta e uma empresa que processa os seus clientes para removerem opiniões negativas sobre a empresa, nos seus blogs pessoais!!! COMPRAR NA ENSITEL?! Nao obrigado!” [SIC].

O assunto tem sido amplamente abordado no Twitter e já chegou a alguns órgãos de comunicação portugueses. A entrada da Wikipedia relativa à Ensitel também já descreve o episódio.O fenómeno de que a Ensitel está a ser alvo é chamado efeito Streisand e dá-se quando alguém tenta retirar ou minimizar a publicação de algo na Internet, obtendo com essa acção o efeito contrário e acabando por contribuir para a divulgação do material em causa. O nome vem da tentativa levada a cabo pela artista Barbra Streisand de retirar uma fotografia da sua mansão de uma colecção de fotos públicas da costa da Califórnia.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:37 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.12.10

Primeiro Português a alojar o wikileaks

 

Em poucos dias meio milhar de servidores juntaram-se para uma causa justa: não deixar morrer o site que deu ao mundo informações que não devia dar. O medo preserva. A preserverança preserva também.

Todos ajudam. Por tudo o mundo existem pessoas, tal como eu, o primeiro a alojar o Wikileaks no meu domínio .pt.
Fi-lo porque acredito na força da expressão na Internet. Fi-lo porque acho que a Internet é livre. Fi-lo porque sou convicto do que me rodeia e acredito que a Wikileaks é uma fonte que deve ser preservada livre a todo o custo, pelo bem do jornalismo, da liberdade de imprensa, e dos new media.

Há quem argumente que a Wikileaks divulgou informação confidencial. Muito bem. Sendo essa informação parte dela contra a constituição dos USA e dos países envolvidos, eu argumento que deixa de ser confidencial e se coloca em mais alto nível as possíveis ilegalidades cometidas pelas partes intervenientes.
Há quem diga que o dono do Wikileaks devia ser “caçado” como o Bin Laden. Ainda bem, temo que tenhamos pelo menos mais 10 anos de verdades duras e cruas.

A situação não se fica por aqui. Em Portugal, o wikileaks.org.pt foi removido indevidamente pela FCCN por uma “desculpa esfarrapada” como podem ler no blog do mvalente.

Será o ruicruz.pt removido por também ter um sub domínio que “induz em erro ou confusão sobre a sua titularidade”?

Dei hoje uma entrevista a TSF, que pode ser ouvida logo aqui: wikileaks_entrevista.mp3

Nota: em alguns browsers/players é cortada a última frase em 5segs, também não digo muito mais. faz download caso queiras ouvir o resto. No BlackBerry funciona a 100%.

Vamos em força. Vamos com coragem. Pela liberdade de imprensa.

wikileaks.ruicruz.pt

Rui

 

Via Rui Cruz



publicado por olhar para o mundo às 12:15 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 03.05.10


Dia internacional da liberdade de imprensa



publicado por olhar para o mundo às 14:14 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.04.10

O google e a censura na blogofera

 

Está disponível online para quem queira ver e é uma resposta clara às organizações que têm pedido mais transparência: a Google criou um mapa com os pedidos de informação sobre uti- lizadores e de remoção de conteúdos feitos por dezenas de governos. Este mapa revela os pedidos feitos entre 1 de Julho e 31 de Dezembro de 2009. 

"Somos novos nisto e ainda estamos a aprender qual é a melhor maneira de reunir e apresentar esta informação", escreve a Google na página onde o mapa foi disponibilizado. "Vamos continuar a melhorar esta ferramenta e a afinar os tipos de dados que apresentamos", promete a empresa.

Portugal é um dos países que aparecem no mapa. Embora não tenha solicitado a remoção de conteúdos, o governo de Sócrates fez 45 pedidos de informação sobre utilizadores. De que tipo? Não sabemos. De uma forma geral, explica a Google em comunicado, "a maioria destes pedidos são válidos e a informação em causa é necessária para investigações criminais legítimas". No entanto, muitas vezes também configura uma tentativa de censura. A guerra que a Google tem travado com a China não é alheia a esta iniciativa. Aliás, a empresa usa o mapa para dar um beliscão na controvérsia. A China aparece no mapa, mas em vez de ter números tem um ponto de interrogação à frente, com a seguinte nota: "Os responsáveis chineses consideram que as ordens de censura são segredos de Estado, por isso não podemos revelar essa informação neste momento." 

Noutros países também há dados interessantes. Por exemplo, a Google recebeu mais pedidos de informação sobre consumidores privados no Brasil que nos EUA. Porém, no que toca ao pedido de remoção de conteúdos - o que muitas vezes está relacionado com conteúdos ilegais, de pornografia, xenofobia, racismo - a Alemanha é campeã absoluta, com 188 pedidos. A Google explicita a percentagem que foi efectivamente retirada, identifica o serviço em causa (Blogger, YouTube...) e indica em que casos houve ordem do tribunal. 

"Pensamos que maior transparência e responsabilidade irão conduzir a menos censura e maior responsabilidade na vigilância governamental", remata a Google.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:53 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12.02.10

O baú dos lápizes azuis do Sócrates 

Via HenriCartoon



publicado por olhar para o mundo às 08:33 | link do post | comentar

Sábado, 07.11.09

O mengae a trois do Gosip Girl

 

A organização de pais norte-americana PTC, que luta pelo consumo responsável dos conteúdos televisivos, está a tentar evitar que um episódio da série "Gossip Girl", em que três personagens têm relações sexuais em conjunto, seja transmitido. Para Tim Winter, presidente da PTC, se a emissão, prevista para 9 de Novembro, for para o ar, será uma atitude “irresponsável e imprudente”, uma vez que os adolescentes não devem ver cenas “próprias de filme para adultos”.

Esta não é a primeira vez que a PTC critica a série "Gossip Girl", pela “grande carga sexual” que inclui. A série acompanha a vida de vários jovens de classe social alta de Nova Iorque. 
Por sua vez, o porta-voz do canal de televisão que emite "Gossip Girl", Paul McGuire, disse que a séria não se destina a adolescentes e que o público que mais assistia os episódios era formado por mulheres entre os 18 e os 34 anos.

 

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 11:54 | link do post | comentar

Sábado, 12.09.09


publicado por olhar para o mundo às 20:42 | link do post | comentar

Quinta-feira, 10.09.09

 

 

Peça com vibrador censurada

A designer Catarina Pestana não vai alterar a peça que criou para uma das exposiçõesda bienal ExperimentaDesign 2009 e que foi retirada por imposição da Coca-Cola por incluir um vibrador. “Não vou destruir a minha peça”, disse ontem ao P2. Guta Moura Guedes, directora da bienal, explicou por seu lado que “a peça que Catarina propôs não correspondia ao briefing”, e que “isso só foi verificado no dia em que a exposição abriu”, quarta-feira à noite.


No centro da polémica está um manequim feminino dourado, com um vibrador, que deveria fazer parte de uma exposição, organizada com a Coca-Cola, no Lounging Space da bienal, no Palácio Braamcamp, em Lisboa.

O que, segundo Guta, ficou acordado entre a Experimenta e a designer foi que “a peça não poderia integrar a exposição” e que os dois lados iriam “discutir em conjunto o briefing – como é hábito num processo criativo entre um designer ou arquitecto e o cliente ou, neste caso, o curador – e rever o trabalho proposto”. Existe “uma diferença substantiva entre design, arquitectura e artes plásticas”, sublinha Guta, e o que era proposto no âmbito deste projecto Coca-Cola Light era um trabalho de design.

Catarina Pestana garante que no briefing não lhe foi dito que teria que fazer um objecto funcional e “não existia qualquer regra de conduta”. O que fez foi “uma peça de comunicação”, num exemplo daquilo a que chama “design emocional”. Para a directora do estúdio DASEIN o que aconteceu é a que o seu trabalho foi censurado pela Coca-Cola, o que “acontece pela primeira vez na Experimenta”.

A peça, disse, será transportada para o Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, em frente ao qual se realiza hoje à noite um leilão da DASEIN. “Há já pessoas interessadas nela.” 

Bárbara Coutinho, directora do MUDE, confirma que o trabalho ficará guardado no museu, com outras peças da DASEIN, que aí organizou a instalação Waste of Time, mas diz que a decisão sobre o que acontecerá à peça cabe à autora.

 

Via Publico



publicado por olhar para o mundo às 19:14 | link do post | comentar

Quinta-feira, 16.07.09

Professor acusa universidade do Minho de Censura

 

Daniel Luís escreve desde 2004 no blogue Dissidências, onde faz sátira social. No início não assinava os textos, mas a partir de 2007 o sucesso do blogue trouxe--lhe uma projecção que o obrigou a revelar a identidade. Foi nessa altura que Daniel Luís, o docente de Sociologia da Educação da Universidade do Minho, começou a ter problemas. 


"Em Dezembro de 2007, os meus colegas disseram-me que o blogue trazia má imagem para a universidade e devia fechar o blogue, porque se não o fizesse iriam até às últimas consequências, em termos disciplinares", conta o professor. O caso teve eco na opinião pública e Daniel Luís, que se sentiu "pressionado a fechar o blogue por medo de perder o emprego", acabou por reabri-lo depois da garantia do reitor da universidade, Guimarães Rodrigues, de que manteria o emprego. 

Ano e meio depois, o docente, que também é doutorando no departamento, foi surpreendido pela notícia de que poderia não ver o seu contrato de trabalho renovado. Para o departamento é uma questão profissional, relacionada "com o prazo de entrega dos capítulos do doutoramento e não com a actividade de Daniel Luís como autor", defende Paulo Silva Dias, presidente do Instituto de Educação e Psicologia (IEP). Daniel Luís reconhece o atraso, mas liga a decisão aos textos que escreve. "É uma facada nas costas, um atentado à liberdade de expressão", acusa. Silva Dias nega: "Podemos não concordar com o conteúdo, mas o autor é livre de publicar o que quiser."

A decisão sobre a continuidade de Daniel Luís como docente será tomada ainda hoje, na reunião do instituto, em Braga.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.06.09

Sabemos bem que politicos e muitos representantes de instituições públicas enchem a boca com a liberdade de expressão e os valores de Abril, mas depois à primeira critica ou  aquele artigo ou entrevista mais "sarcástica",  aqui Del Rei que não podem dizer o que querem e isto da liberdade de expressão é muito bonito, mas é só quando toca aos outros.

Sócrates tem sido um ÁS a colocar processos em tribunal contra jornalistas e bloggers, mas de derrota em derrota vai levando uns banhos de água fria que é para ver se aprende . O último foi a decisão do Ministério Público em arquivar aqueixa de Sócrates contra o Jornalista João Miguel Tavares. Mas, infelizmente Sócrates não é o único que pensa que pode calar as pessoas e mesmo prejudicá-las por dizerem o que pensam e escreverem sobre o que gostam.Daniel Luís, mais conhecido por "dissidências" no mundo virtual, viu  a sua vida dar um trambolhão, a sua entidade patronal, Universidade do Minho, argumenta que o que ele escrevia não era bom para a imagem da Instituição.Para mim e para muitos isto é Censura!

Vale a pena ler o relato do Daniel sobre este episódio. Assim vai o nosso País.

 

Via Vila Forte



publicado por olhar para o mundo às 14:38 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 04.06.09

Bing censura sexo

 

O novo motor de pesquisa da Microsoft, Bing, a última arma de arremesso da empresa liderada por Steve Ballmer contra o Google , revela uma atitude no mínimo neurótica quando se trata de pesquisar conteúdo pornográfico.

Enquanto que os utilizadores nos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália podem fazê-lo livremente e até ver na página de resultados conteúdo sexualmente explícito, na Índia, China e Alemanha, qualquer pesquisa com a palavra "sexo" devolve o seguinte resultado: "A pesquisa sexo poderá devolver conteúdo sexualmente explícito. Para obter resultados altere os termos da sua pesquisa". E o resto da página surge em branco.

Ao contrário do que acontece noutras versões do motor da Microsoft , como por exemplo na portuguesa, não é possível alterar as configurações de base no sentido de fazer com que o Bing devolva conteúdo de cariz pornográfico.

Na medida em que é extremamente fácil escolher uma outra versão para realizar uma pesquisa e desta forma evitar as restrições - um indiano poderá facilmente pesquisar como se estivesse nos Estados Unidos -, o que pretende afinal a Microsoft?

Satisfazer os governos, respeitando as diversas legislações em vigor é a razão apontada por diversos blogueres. Claro que a facilidade com se pode mudar de versão e desta forma contornar eventuais limitações, também é vista como uma falha técnica que a Microsoft terá reparar em breve.

Bing show porno

A possibilidade de pré-visualizar vídeos na página de resultados, funcionalidade apresentada como vantagem comparativa em relação ao Google, também está a suscitar polémica.

Com efeito, uma pesquisa na versão norte-americana utilizando como critério a palavra "sex" (sexo), devolve mais de dois milhões e meio de vídeos que poderão ser pré-visualizados sendo apenas necessário posicionar o rato sobre cada um deles.

Ora, tendo em conta a facilidade com que qualquer utilizador (crianças incluídas) poderá alterar as configurações dos filtros que limitam o acesso aos conteúdos considerados pornográficos, alguns peritos em segurança defendem que a Microsoft terá de fazer muito melhor para impedir o acesso de menores a este tipo de conteúdos.

 

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 23:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 12.03.09

Via Suspeitas



publicado por olhar para o mundo às 10:14 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

França põe bolinha vermel...

Empresa enfrenta chuva de...

Primeiro Português a aloj...

Liberdade de imprensa

O google, a censura e a b...

O Baú

Querem proibir um ménage ...

O vídeo censurado de Pame...

Peça com vibrador censura...

Professor-blogger acusa u...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Você precisa de serviços de hacking? Então entre e...
Você precisa de serviços de hacking? Então entre e...
Olá a todos, você está precisando de serviços de h...
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Posts mais comentados