Segunda-feira, 27.02.12
Sugestões low-cost para entreter crianças em dias de sol  Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/sugestoes-ilow-costi-para-entreter-criancas-em-dias-de-sol=f706764#ixzz1nWX0y4AN

Tal como indicava o anúncio a uma conhecida bebida gaseificada, em Portugal por cada dia que chove há não sei quantos outros em que faz sol. Diria que neste inverno em particular esta estatística não poderia estar mais certa. Se já não me recordo do último dia em que choveu (alguém me dizia há dias a brincar que deve ter sido em 1991) e se tudo isto me parece altamente prejudicial para a agricultura, para a pecuária e afins, já não me parece tão prejudicial para quem, como eu, odeia dias cinzentos.

 

Sim, oficialmente odeio dias cinzentos. O argumento "é tão bom estar em casa enrolada na mantinha enquanto chove lá fora" para mim não cola. Se eu tivesse de fugir para um país qualquer seria certamente para um onde houvesse mais sol que em Lisboa (e sim, eu sei que Londres é espetacular mas é ainda melhor quando faz sol).

 

Mas acalmem-se almas desassossegadas que a crónica desta semana não é sobre o Sol mas sim sobre uma panóplia de ofertas que temos na capital para aproveitar dias frios e cheios de sol onde, não dando para ir à praia, dá pelo menos para sair de casa. E a situação torna-se particularmente sensível para quem tem crianças e precisa de urgentemente as retirar da frente do iPad, do televisor ou da cozinha cheia de bolos.

 

As desculpas como "temos pouco dinheiro" ou "eu nem sequer vivo em Lisboa" terão de ficar em casa. Algumas das sugestões são grátis ou a custo reduzido e Lisboa fica no máximo a 300 quilómetros de distância de onde está (uma viagem de comboio pode saber a férias numa temática "Viagens pela minha terra"), em alternativa, poderá sempre encontrar programas semelhantes perto da sua casa. Inspire-se e saia com as crianças para aproveitar o sol de inverno português.

 

Alerta: crianças para entreter!

Planetário de Lisboa - Tenho-o no coração e planeio regressar lá em breve (mesmo sem crianças). Aos domingos de manhã há sessões infantis até aos 12 anos. Entrada grátis.

 

Monumentos - O que não falta são monumentos em Lisboa para explorar com as suas crianças. Reveja as aulas de História com eles, faça pequenos passatempos e adivinhas para estimular a aprendizagem. Se acabou de sair do Planetário tem ali mesmo ao lado o Mosteiro dos Jerónimos. Num dia de sol, suba ao Padrão dos Descobrimentos (grátis para crianças até aos 12 anos) ou leve-os ao Cristo-Rei (2 euros por criança até aos 8 anos).

 

Jardins - Há uma infinidade de jardins em Lisboa onde se pode divertir com eles. Corram, dancem, cantem, façam jogos. Os jardins urbanos são um grande recreio para eles no meio do betão. Dependendo de onde mora, até poderá fazer o caminho a pé ou de transportes públicos: O da Gulbenkian (um mundo inteiro para descobrir com pequenos recantos, lagos e animais como patos, rãs e peixes),o Jardim da Estrela (com um relvado muito agradável e uma aranha que os vai fazer sentir autênticos super-heróis e queimar a energia), o do Campo Pequeno (um clássico renovado com espaço e instrumentos para mil brincadeiras), o Parque das Conchas (no Lumiar, para correrem à vontade)... A verdade é que são tantos que seria impossível nomeá-los todos aqui. Procure e descubra!

Para a família toda


Castelo de São Jorge: Visitas em Família: Trata-se de uma visita de exploração do castelo e do núcleo arqueológico, para maiores de 5 anos. Uma descoberta completa da História, das personagens e do património português. Próxima visita: amanhã, domingo, dia 26 de fevereiro às 11 horas. Valor: 3,5 euros. Para mais informações: castelodesaojorge@egeac.pt 

 

 

Centro Cultural de Belém: Mercadinho dos Talentos. A realizar-se no próximo 17 de março entre as 11h e as 17h no Jardim das Oliveiras. É um palco onde qualquer criança pode mostrar o seu talento! Podem apresentar projetos de dança, música, poesia, teatro... a imaginação é o limite! A entrada é livre! Para mais informações: www.ccb.pt 

 

Espaço Monsanto - Tesouros da Floresta: Para crianças entre os 3 e os 5 anos. Várias atividades que incluem a exploração do ambiente natural e recolha de material. Uma ótima forma de estimular a imaginação na natureza, respirar ar puro e ainda terminar o dia com (porque não?) um piquenique. A realizar-se sábados e domingos. Para mais informações: lisboaverde.cm-lisboa.pt/

Teatro, cinema e cultura: torne o programa inesquecível

As Aventuras de João Sem Medo: Para maiores de 6 anos, até 29 de fevereiro no Teatro Nacional D. Maria II . Um imaginário de gigantes, princesas, príncipes e fadas que não os vai deixar indiferentes. Mais informações em www.teatro-dmaria.pt

 

Cinemateca Júnior: Aqui poderá assistir a um sem número de filmes infantis, especialmente de animação, que eles irão adorar. Sugiro "Alice no País das Fadas", mas poderá encontrar muitos e muitos outros, para os gostos de qualquer criança. Os bilhetes variam entre os 3,2€ (adultos ) e os 1,10€ (até 16 anos). Para mais informações visite a Cinemateca Júnior no Palácio Foz nos Restauradores.

 

Marioneta Chinesas - Convento das Bernardas: aqui esconde-se um museu que vai fazer as delícias dos seus pequenos. O Museu das Marionetas. Assista a uma pequena peça de teatro de sombras chinesas com marionetas. Explique-lhes que as sombras chinesas são provavelmente uma das tradições de marionetas mais antigas do mundo e a sua origem deverá remontar o século III D.C.

 

Aproveito para lhe lembrar outro artigo que publicámos aqui, no blogue A Vida de Saltos Altos, com uma lista de sugestões para brincadeiras com crianças, também com a poupança como prioridade: Como entreter os filhos de borla? Digo-vos aqui e agora .


Agora diga lá: se até eu, que não tenho crianças, consegui encontrar todas estas atividades, quantas você (que é a especialista) consegue encontrar? Garanto-lhe que muitas mais. Aproveite o fim de semana, o sol e divirta-se com eles. Olhe que crescem num instantinho!

 

Via A Vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 08:56 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20.01.11

Mulheres de minissaia não se devem admirar se forem violadas

As palavras são de um padre ortodoxo. Fica-me uma questão: andará o senhor padre com problemas em resistir à tentação ou esta foi só uma frase demasiado triste para ser verdade?

"Uma mulher que se maquilhe tanto como um palhaço não vai conseguir encontrar um parceiro para a vida". Pior: "Se a mulher usar minissaia está a provocar os homens". A cereja no topo do bolo: "Se estiver bêbeda e usar minissaia é ainda mais provocadora e se estiver ativamente a tentar meter conversa com alguém então não deve ficar surpreendida se acabar por ser violada".

 

 

Estas são afirmações do arcebispo Vsevolod Chaplin, da Igreja Ortodoxa da Rússia, que condena a forma como as mulheres russas se vestem, avança o jornal inglês "Telegraph". "Com aquelas minissaias parecem umas strippers", conclui o padre.

Não sei se sou só eu que acho isto, mas parece-me que este senhor anda com problemas em resisitir à tentação ao ver as pernas das meninas e decide então descarregar as frustrações com afirmações que são, no mínimo, muito graves.

"Ela estava mesmo a pedi-las!"

 

Uma mulher é mais do que um pedaço de carne. Muito mais do que um decote ou umas pernas avantajadas numa minissaia. Uma mulher podia andar até nua na rua que isso nunca, repito, nunca, seria justificação para uma violação. Estas afirmações fazem-me lembrar aqueles típicos comentários que tantas vezes já ouvi da boca de gente tacanha, do género: "A gaja andava sempre com grandes decotes. Estava mesmo a pedi-las!". Com sorte o violador ainda acaba por ser o coitadinho no meio disto tudo porque "aquela ordinária estragou-lhe a vida ao po-lo atrás das grades". Se o decote e a respetiva violação em causa fossem de uma filha, irmã, amiga... diriam o mesmo? Estou certa que não.

Vindas da boca de um suposto homem de Deus, este tipo de afirmações ainda mais me repugnam. Nunca fui uma pessoa religiosa e são os falsos moralismos hipócritas como este que me fazem cada vez mais perder a fé. Não nessa "coisa superior" que para mim tanto se pode chamar Deus como Alá. Mas sim na instituição igreja. Seja ela católica, ortodoxa, evangélica, protestante, etc. Lamento.

 

Via A vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 19:30 | link do post | comentar

Sexta-feira, 07.01.11

Abstinência sexual antes do casamento traz felicidade

Especialistas garantem que os casais que só têm sexo depois do casamento têm posteriormente relações mais felizes. Serei só eu a achar isto uma bela treta?

Correm rumores de que casais sem relações sexuais antes do casamento têm posteriormente relacionamentos mais felizes... Sirenes vermelhas, som de alarme no máximo: estarei eu, afinal, fadada a uma vida a dois infeliz para todo o sempre porque achei que devia apalpar literalmente terreno antes de dar o nó?

A tal conclusão foi publicada na edição de dezembro do "Journal of Family and Psichology". Garantem os especialistas que entre os casais avaliados, aqueles que se abstiveram de sexo até à noite núpcias tiveram notas mais altas na estabilidade posterior do seu casamento, com maior qualidade da vida sexual e uma comunicação mais forte.

Custa-me ser sempre do contra, mas curiosamente este estudo foi feito pela Universidade de Brigham Young, que assim, só por acaso, é financiada por uma igreja. "Não há envolvimento religioso nos resultados", garantem. "Será mesmo assim?", pergunto eu. Tenho dúvidas, meus amigos: neste caso sou uma mulher de pouca fé.

 

"Ah e tal, o sexo não é o mais importante"

 

Cada um é livre das suas opções, mas sempre me irritaram os falsos pudores em relação ao sexo. Algum dia eu me casava com alguém sem saber se algo tão fundamental como a vida sexual resulta? Certamente que não. Não sou a maior adepta do sexo ocasional só porque não há mais nada engraçado para fazer, mas convenhamos: o prazer deve fazer parte da nossa vida e, inclusive, da nossa realização emocional.

Se até mesmo um casal com muita química sexual enfrenta invariavelmente problemas de monotonia, o que será daqueles que nunca se entenderam debaixo dos lençóis? Todos sabemos que raramente uma primeira vez corre a 100% e que o conhecimento mútuo pode operar evoluções milagrosas na hora H. Mas também há verdadeiros casos de falta de química, em que aquelas duas pessoas simplesmente não encaixam bem. Nunca vos aconteceu? Ninguém gosta de admitir, é certo. Mas sem vergonhas: a mim já. E escusado será dizer que não acabou em casamento...

A eterna ideia do "ah e tal o sexo não é o mais importante" é uma frase batida que me tira do sério. Claro que uma relação se deve basear em muitas outras coisas - diria eu que, acima de tudo, no respeito, cumplicidade e compreensão - mas não será a satisfação sexual também algo fundamental entre duas pessoas que embarcam numa vida a dois?

Via A Vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 15.12.10

Vídeo corre na Web há apenas cinco dias mas já tem mais de 70 mil visitas. Dois ciganos "ainda por cima gays" tornaram-se piada nacional. Porquê?

 

Dois rapazes, ciganos, com trejeitos supostamente efeminados, revelam às câmaras da SIC a sua indignação por uma operação policial levada a cabo recentemente no Martim Moniz, em Lisboa. Isto podia ser uma simples peça jornalística de hora de jantar, mas transformou-se num verdadeiro circo cuja piada, confesso, ainda não consegui perceber lá muito bem.

 

"Afinal existem bichas ciganas", diz o título do vídeo, que se transformou num espaço de bate-boca no YouTube. "Além de ciganos, são bichas. Só qualidades", diz outro. E ser-se grosseiro, pergunto eu... será também uma qualidade?

Custa-me a entender esta excitaçãozinha toda por dois ciganos supostamente serem gays. Será a orientação sexual algo restrito? Eu diria que não. Seja branco, preto, amarelo, cigano, cada um é o que é.

Riso fácil para matar frustrações?

Troça-se dos gordos porque os distúrbios alimentares são hilariantes... Troça-se dos coxos porque também tem um piadão ver alguém a mancar pela rua fora. Troça-se dos pretos porque são escuros e deviam ser todos mandados de volta para África, mesmo que tenham nascido em Portugal. Troça-se dos ciganos porque serão sempre os "Lelos" que vendem nas feiras. Troça-se dos homossexuais porque, "coitados", não são homens a sério. Troça-se porque sim. Porque o riso fácil está ali mesmo à mão, enquanto a sensatez fica lá fora, escondida num qualquer recanto perdido da educação.

Não sou hipócrita ao ponto de dizer que nunca cedi ao riso fácil. Claro que sim. Mas, cada vez mais, paro para observar à minha volta e vejo que a frustração por vidas cinzentonas leva as pessoas a um azedume que desconhece a palavra limite. Lamento, mas perco a vontade de rir.  Preferia o tempo em que se ia à bola para poder gritar ofensas à mãe do árbitro e voltar para casa mais aliviado dos níveis de stresse.

Quanto ao vídeo, orientações sexuais à parte, para mim a verdadeira piada está no comentário final dos dois miúdos (que, desculpem lá, para "minores" me parecem bem grandinhos). Alguém informe estes rapazes que, a partir dos 10 anos, é obrigatório ser portador de um bilhete de identidade e que aqueles DVD que têm nas mãos (em plena entrevista televisiva!) talvez não abonem muito a favor deles se se cruzarem com os senhores da ASAE...

Via A vida de Saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

troquei o meu marido por um iPad

Por mais incrível que possa parecer, troquei o meu marido por um iPad. Hoje sou uma mulhermais feliz, já que o iPad tem muitas mais qualidades do que a maioria dos homens alguma vez terá.

Foi amor à primeira vista, pelo menos da minha parte. Quando o conheci achei-o logo fascinante. Cheio de classe e cheio de graciosidade. Características que o tornam único.

Antes dele eu já era apaixonada pelo iPhone. Para ser franca, era acusada constantemente pelo meu marido que o estava a trair com o iPhone. Talvez com alguma razão, pois e é certo que não o largava e que ocupava grande parte do tempo com ele.

No entanto, na realidade não passava de um simples amante para passar o tempo. Até porque o iPhone não me preenchia por completo. Tinha algumas limitações, como o tamanho, por exemplo.

Agora com o iPad tudo é diferente. Agora sim, posso dizer de boca cheia: "Senhor meu marido, praticamente já não preciso de si". O iPad tem tudo o que preciso para me realizar. Ou pelo menos quase tudo.

Por que me apaixonei pelo iPad

 

As razões são muitas. São tantas que quase se torna difícil enumerar.

Ele é lindo. Tem muita classe. É único. Possui uma enorme leveza de espírito. É versátil e sobretudo inteligente. Muito inteligente. Vai sempre direto ao assunto e por isso não precisa de rodeios. É sincero e fiel: O meu, é mesmo só meu!

Além de inteligente, possui uma enorme cultura em várias áreas. Tantas quanto eu quiser que tenha.

E são temáticas específicas e variadas, com aplicações muito reais em áreas como: Entretenimento, informação, ciências, utilidades, saúde e mais... muito mais. Como se isso não bastasse, o meu iPad dá-me sempre todas as notícias em cima da hora ao longo do dia.

Ele guia-me a qualquer sítio direitinho. Aconselha-me que roupa devo vestir e dá-me diariamente a previsão do tempo. Conta-me histórias, mostra-me filmes, dá-me música e até, imaginem, me declama poesia.

E a paciência dele? É uma coisa por demais. Responde-me sempre a todas as questões e tira-me todas as dúvidas. Nunca reclama comigo por eu perguntar o mesmo mais do que 100 vezes e, além disso, adapta-se sempre às minhas necessidades.

Permite-me fazer alterações naquilo que eu quiser e nunca me diz que está cansado ou saturado. Ele não precisa de descanso. Só de alimento rápido de vez em quando, pois carrega-se em menos de uma hora.

Aceita as roupas que eu lhe quiser vestir, não tem mau hálito e não precisa de tomar banho.

Mas acima de tudo isto está uma a qualidade que me fez realmente passar completamente da cabeça e me leva a apaixonar loucamente por ele, ao ponto de achar que me pode levar ao altar: É altamente sensível ao toque.

 

Via A vida de saltos Altos



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Sexta-feira, 24.09.10

Consta que dois minutos de sexo é "pouco", sete é "aceitável", dez é a duração "adequada" e treze é "desejável". Mais do que isso já "é demais", dizem os especialistas. (Vídeo no fim do texto)

Antes de qualquer dissertação sobre o tema, digo-vos já: Isto é tudo muito relativo! Depois da eterna discussão sobre a importância do tamanho no que diz respeito à "hora H", veio hoje parar-me à mão um estudo publicado este verão sobre a questão da duração.

 

Dizem os senhores pesquisadores da "Society for Sex Therapy and Research", nos Estados Unidos, que dez minutos é a duração ideal para uma relação sexual. Consta que dois minutos é "muito pouco", sete minutos é "aceitável", dez minutos é "adequado" e treze é "desejável". Mais do que isso já é - diria eu em bom português - uma maçada!

Quando leio estudos destes, pergunto-me frequentemente se as pessoas que os fizeram terão uma vida sexual satisfatória ou não... é que só quem não tem mais nada que fazer (e sim, refiro-me ao que estão a pensar) é que gasta tempo e dinheiro a investigar algo que não tem, nem nunca terá, uma fórmula perfeita.

Ora pensem comigo: Quantos de nós já ficámos com um sorrisinho de orelha a orelha depois de uma famosa (espero que não levem a mal o termo, mas acho que aqui podemos chamar as coisas pelos nomes) "rapidinha"? E quantos de nós também já não nos deleitámos com longuíssimos momentos de prazer, num género de jogos sem fronteiras sexuais que duram e duram? Haverá algum que seja melhor que o outro? Eu diria que não. Cada momento é um momento.

"Sexo é muito mais do que o coito"

 

Lembro-me de uma vez ter falado com o sexólogo Júlio Machado Vaz sobre isto e ele me ter dito o seguinte: "Felizmente o sexo é muito mais do que o coito. Aquilo que nós deprimentemente chamamos de preliminares é de extrema intimidade e faz parte do sexo. Um beijo apaixonado faz milagres". E para que ninguém tenha dúvidas, explicou-me que nas centenas de casais que já acompanhou a conclusão é geral: "Quantidade não significa qualidade".

Médicos e investigadores à parte, quem a sabe toda é mesmo o cantor Sting que em tempos disse numa entrevista: "Fazer amor pode durar um dia inteiro, desde a hora em que se dá um beijo de bom dia, a sair para jantar e ir ao cinema, até ao momento em que os dois corpos se encontram, por fim, debaixo dos lençóis". Eu não diria melhor

 

 

 

Via A vida de saltos altos



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 02.09.10

Consta que dois minutos de sexo é "pouco", sete é "aceitável", dez é a duração "adequada" e treze é "desejável". Mais do que isso já "é demais", dizem os especialistas. (Vídeo no fim do texto)

Antes de qualquer dissertação sobre o tema, digo-vos já: Isto é tudo muito relativo! Depois da eterna discussão sobre a importância do tamanho no que diz respeito à "hora H", veio hoje parar-me à mão um estudo publicado este verão sobre a questão da duração.

 

Dizem os senhores pesquisadores da "Society for Sex Therapy and Research", nos Estados Unidos, que dez minutos é a duração ideal para uma relação sexual. Consta que dois minutos é "muito pouco", sete minutos é "aceitável", dez minutos é "adequado" e treze é "desejável". Mais do que isso já é - diria eu em bom português - uma maçada!

Quando leio estudos destes, pergunto-me frequentemente se as pessoas que os fizeram terão uma vida sexual satisfatória ou não... é que só quem não tem mais nada que fazer (e sim, refiro-me ao que estão a pensar) é que gasta tempo e dinheiro a investigar algo que não tem, nem nunca terá, uma fórmula perfeita.

Ora pensem comigo: Quantos de nós já ficámos com um sorrisinho de orelha a orelha depois de uma famosa (espero que não levem a mal o termo, mas acho que aqui podemos chamar as coisas pelos nomes) "rapidinha"? E quantos de nós também já não nos deleitámos com longuíssimos momentos de prazer, num género de jogos sem fronteiras sexuais que duram e duram? Haverá algum que seja melhor que o outro? Eu diria que não. Cada momento é um momento.

 

"Sexo é muito mais do que o coito"

 

Lembro-me de uma vez ter falado com o sexólogo Júlio Machado Vaz sobre isto e ele me ter dito o seguinte: "Felizmente o sexo é muito mais do que o coito. Aquilo que nós deprimentemente chamamos de preliminares é de extrema intimidade e faz parte do sexo. Um beijo apaixonado faz milagres". E para que ninguém tenha dúvidas, explicou-me que nas centenas de casais que já acompanhou a conclusão é geral: "Quantidade não significa qualidade".

Médicos e investigadores à parte, quem a sabe toda é mesmo o cantor Sting que em tempos disse numa entrevista: "Fazer amor pode durar um dia inteiro, desde a hora em que se dá um beijo de bom dia, a sair para jantar e ir ao cinema, até ao momento em que os dois corpos se encontram, por fim, debaixo dos lençóis". Eu não diria melhor.


Via a Vida de Saltos altos



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 31.08.09

Quando dei conta já estava: Tinha tirado a roupa toda (incluindo os saltos altos). O que não estava no meu plano era acabar a cumprimentar inesperados colegas de trabalho completamente nua...

Tudo aconteceu enquanto fazia a cobertura do III Encontro Ibérico de Naturismo . Sempre achei que um bom jornalista deve experimentar tudo (desde que não seja nocivo, obviamente) e tirar a roupa já fazia parte dos meus planos. Fi-lo ao fim de pouco tempo e, surpresa das surpresas, não me senti nada desconfortável... Se bem que fazer entrevistas com dois "faróis" completamente brancos a apontar para os meus entrevistados não deixa de ser uma imagem que ainda me dá vontade de rir.

Enquanto saltava descontraidamente na piscina, em alegre confraternização no mundo naturista, alguém me diz: "Estão ali os seus colegas da SIC". Com o meu melhor sorriso amarelo, pensei literalmente "Tou f...".

Dizem as regras da boa educação que se devem cumprimentar os colegas e eu confesso que também não queria dar parte fraca. "És uma mulher ou és um rato?" Ouvia eu na minha cabeça. Naquele momento, olhando para o meu corpo despido, só me ocorria uma resposta um bocado brejeira a esta pergunta e que me recuso a escrever aqui.... Mas com o rabo e peito mais brancos de todo o parque, lá fui. Não houve beijinhos e a conversa foi rápida... Acho que eles - vestidos - se sentiram mais constrangidos que eu. Afinal, a vantagem era minha: estava em plena investigação!

Via A vida de saltos Saltos altos



publicado por olhar para o mundo às 21:33 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

Sugestões baratas para en...

Mulheres de minissaia não...

Sexo, Abstinência sexual ...

Afinal existem ciganos ga...

Troquei o meu marido por ...

Sexo: Dez minutos é sufic...

Sexo: Dez minutos é a dur...

Tirei a roupa e gostei!

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados