Domingo, 31 de Janeiro de 2010

Estudo americano afirma que ter relações sexuais duas vezes por semana ajuda a diminuir a incidência de diabetes e a reduzir a tensão arterial. O estudo, publicado esta semana no "American Journal of Cardiology", garante que o sexo não só faz bem ao relacionamento entre o casal, como também ajuda a proteger o coração. No estudo feito por médicos do New England Research Institute, homens com uma vida sexual menos activa têm uma incidência maior de distúrbios, como a disfunção sexual, o colesterol e a hipertensão.

Segundo a investigadora Susan A. Hall, coordenadora do estudo, fazer sexo de duas a três vezes por semana pode ter um efeito protector para o coração. Para além da prática do sexo poder ser um exercício de intensidade moderada, as hormonas libertadas após a ejaculação, ajudam a equilibrar uma série de funções metabólicas. Segundo os pesquisadores os homens com mais disposição para o sexo costumam ser menos sedentários e cuidarem melhor da saúde.

O estudo demonstra também que homens que fazem sexo em média uma vez por mês têm o dobro dos problemas de saúde daqueles homens que têm relações sexuais mais do que uma vez por semana.

A pesquisa foi realizada em 1165 homens com idade média de 50 anos, sem histórico de doenças do coração, no início do estudo. Os participantes foram acompanhados durante 16 anos.

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 21:30 | link do post | comentar

O que verdadeiramente importa no sexo...segundo o homens

 

Lingerie
Sim, ela é coadjuvante na hora H e eles realmente se amarram nela. Ponto. Homens em geral nunca ligam para uma combinação perfeita, detalhes com fitas ou renda. Quer saber o que ela representa na cama? “Diria que é 20% de tudo, desde que minha parceira não vista uma calcinha da vovó ou sutiã bege, por exemplo”, fala F.M., advogado, separado, 37 anos.

Para as desavisadas de plantão, aqui vai uma dica da amante de moda que vos escreve: calcinha cor violeta (diversas marcas já lançaram conjuntos assim) também serve como ‘segunda pele’ na hora de vestir aquela calça ou blusa brancas. Abusem dessa informação, meninas, e deem fim à lingerie bege de uma vez por todas. Jogue fora as "calcinhas da vovó".

Conclusão 1: sim, a maioria deles realmente prefere as calcinhas bem pequenas, as tipo tangas e adoram um fio dental. Invista nelas!
Conclusão 2: acredite, grande parte adora lingeries com mensagens engraçadinhas, desde que não sejam muito infantis. Já frases sensuais sempre agradam.

Preliminares
Assim como dois e dois são quatro, nossos entrevistados entregaram que amam as brincadeiras que fazemos antes do ato em si. Não, eles não só participam ativamente como sentem muito prazer ao nos dar e experimentar sensações inusitadas. “Entendemos que os orgasmos são em tempos diferenciados e que a mulher é um motor que deve esquentar para poder andar direito. Hoje, não só porque elas tornaram-se mais exigentes, mas também porque aprendemos com nossas diferenças e percebemos a importância do dar e receber prazer”, explica L. M., empresário, casado, 42.

Celulite e estrias
Esqueça. Aliás, jogue fora esse problema da sua vida no baú ao lado das estrias também. Homens durante o ato nem se lembram o que significa isso e alguns, até atiçam nossa imaginação com uma dica praticamente infalível: ‘na posição de quatro não há celulite que resista, a paisagem é tão linda e excitante que chegamos ao ápice mais rápido’, entrega A. B., técnico em informática, solteiro, 29 anos.

Portanto, meninas, esqueçam a encanação. Calma, não estou falando para deixar de lado vaidade, dieta e exercícios (de jeito nenhum), mas a afirmação é deles e não minha: na hora H, eles não pensam em nada, muito menos em celulite (ufa)!

Todo poderoso: pênis
Por que eles dão tanta importância ao tamanho? Cultura, meu bem. Eles fazem isso desde garotos, e crescem assim, comparando dotes e, em geral, o ocidental é mais inseguro em relação à própria sexualidade: precisa se mostrar macho o tempo todo.

Daí a explicação por que seu parceiro vive mexendo no pênis (muitas vezes até sem perceber) e tem um gestual abrutalhado. Agora muita atenção: tudo bem você querer agradar seu amor na hora do tesão, mas não vale mentir descaradamente. “Uma das atitudes mais broxantes na cama é o exagero. Já saí com mulheres que gritavam na hora do sexo ou falavam inverdades sobre a performance, por exemplo. Pior que uma ducha de água fria é quando sentimos que tudo aquilo é falso, fake mesmo”, fala R. R., representante comercial, solteiro, 32 anos.

CONCLUSÃO 1: sim, eles odeiam que a gente trate o órgão genital com apelidinhos carinhosos ou nomes em geral.
CONCLUSÃO 2: é sexy se soltar e ser verdadeira, sem exageros.

Sinal vermelho
Uma revelação bombástica ao fim da pesquisa. A principal queixa deles se refere à higiene. Dois problemas levantados pelos cavalheiros podem acabar com o clima na hora H: odor desagradável e falta de depilação.

Ambos evidenciam a falta de vaidade feminina, ato repugnante que dá direito ao cartão vermelho na cama. “Já cheguei a parar tudo porque não aguentei o odor forte da menina. Isso é repugnante e brocha qualquer um”, desabafa P. A., gerente, solteiro, 31 anos. Portanto, de nada adianta um corpo sarado se você não mostrar o lado feminino e delicado que existe em você. Invista em saúde, consulte regularmente um ginecologista e adquira, além de calcinhas novas, perfume e sabonetes específicos para a região genital. E nem precisamos falar em depilação, certo?

O que realmente os irrita na cama?

- Em termos propositalmente masculinos, “excesso de frescura”. O Serviço de Orientação Sexual de Alagoas perguntou a cerca de 150 homens com idades entre 18 e 55 anos o que mais lhes irrita na cama. Em resumo: a suposta falta de entrega ao ato sexual em si, junto com a falta de originalidade e naturalidade da mulher.

- Um resultado foi comum tanto na nossa quanto nessa outra pesquisa: o excesso de preocupação com a aparência durante o ato sexual foi um dos pontos mais comentados entre eles. “Afrodisíaco é a naturalidade, na cama e fora dela”. Portanto, broxante para um homem é uma mulher sem atitude, apática e pouco criativa.

- O diálogo sexual também foi citado. Silenciosas ou indiferentes irritam grande parte deles. Para os homens, meninas, sinais como ‘para’, ‘continua’ ou ‘mais para a esquerda’ são como mapas da mina e essenciais.

- A obsessão por atingir um orgasmo também atormenta os homens na medida em que se torna sem limites ou exagerada. “Muitos desses comportamentos nada mais são que um reflexo das diferenças de visão sexual entre homens e mulheres. É claro que boa parte das queixas tem sua razão de ser e devem ser contornadas para que o prazer seja de ambos, mas as reclamações quanto ao comportamento, como, por exemplo, a apatia e a dispersão, fazem o homem sentir-se extremamente inseguro e isso é a pior coisa para ele”, explica a sexóloga Zoelma Lima, coordenadora do estudo em Alagoas.

 

 

Via sexo e Prazer



publicado por olhar para o mundo às 21:04 | link do post | comentar

 Admito: gosto de ser seduzida. Em bom português, gosto que "me dêem música". Mas será que hoje em dia os homens ainda o sabem fazer... como deve ser?

Um homem não tem de ser um Don Juan para ser um bom sedutor
Um homem não tem de ser um Don Juan para ser um bom sedutor
 

Glamour, meus amigos, glamour. Mesmo que o vosso intuito seja apenas querer levar-nos para a cama, o charme, glamour e boas maneiras fazem parte do pacote ideal para seduzirem qualquer mulher. Um belo carro não impressiona. Já abrirem-nos a porta de um qualquer chaço a cair de podre, deixa-nos a pensar duas vezes...

Será que deixarem-nos passar primeiro, puxarem-nos a cadeira para sentar, tirarem-nos o casaco ou oferecerem-nos flores tem de estar fora de moda? Compreendo que cada vez mais as mulheres estão independentes e com ar de quem não quer saber de romance para nada. Mas acreditem: devem-se contar pelos dedos as que não gostam destes pequenos gestos. Meus senhores, a era dos feios, porcos e maus já vai longe!

Alguns conselhos (e com isto estou a atraiçoar o mundo dos saltos altos, mas vá...): Não nos tentem saltar em cima logo no primeiro encontro (esperem, pelo menos, pelo segundo!). Não nos convidem para jantar se não tiverem dinheiro para o pagar... por mais independente que a mulher seja, quando é convidada, é convidada. Não sejam desmazelados num encontro... por mais que não se ligue às aparências, percebermos que o homem teve a preocupação de querer vir "bonito" para estar connosco deixa-nos derretidas. Tenham sentido de humor (inteligente!)... não há nada pior do que um homem carrancudo.

Façam-nos sentir desejadas. Mas por favor: com glamour! E isso não passa por uma camisa branca com peito à mostra, quilos de gel no cabelo ou gabarem-se durante horas dos vossos feitos. Dúvidas?

Via A Vida de saltos altos



publicado por olhar para o mundo às 18:07 | link do post | comentar

 



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

Design pode ajudar crianças disléxicas

 

Conciliar a visão, o som e o movimento pode ser uma ajuda para as crianças disléxicas. A dificuldade em aprender a ler pode ser simplificada. Um recente projecto electrónico, que será apresentado nos Estados Unidos só em Fevereiro, promete ser uma ajuda para educadores e professores.

A investigação na área da Arte e do Design resultou num método, desenvolvido pela Universidade de Cincinnati, nos EUA, aplicado à língua inglesa. O objectivo é melhorar as capacidades de leitura de crianças entre os 9 e 11 anos.

O projecto consiste em associar o desenho da letra a algum objecto com esse som. "A criança com dislexia consegue ler a letra 'b'. Mas não consegue rapidamente lembrar-se que, a esse símbolo, associamos o som 'bê'", explica Renee Seward, ligada ao projecto.

A investigadora refere ainda que é essencial saber que a dislexia não se deve a problemas de percepção visual. Está enraizada na memória. Os indivíduos com dislexia têm dificuldade em fazer uma ligação rápida entre um som e a letra que representa esse som. O projecto, com o título Reading by Design: Visualizing Phonemic Sound for Dyslexic Readers 9-11 Years Old, será apresentado nos EUA e em Espanha nos próximos meses.

Via Expresso



publicado por olhar para o mundo às 10:11 | link do post | comentar

Preliminares

Já pensou se o homem que ama tivesse o dom de adivinhar seus desejos entre quatro paredes? Você nem precisaria dizer que se derrete toda com um beijo no pé do ouvido - principalmente se ele vier seguido de carícias na nuca, massagem nas costas, pegada no bumbum... NOVA ouviu suas preces. Preparamos um jogo de preliminares que é meio caminho andado para o seu prazer. Depois dele, o gato saberá as coordenadas exatas do seu orgasmo sem você falar nada. E vice-versa. Quer ser agraciada com esse milagre? Recorte as figuras ao lado, dê um casal de bonecos ao lindo e fique com o outro. No corpo da menina, enumere suas preliminares favoritas. No do menino, liste a ordem de carícias que acredita enlouquecer seu amor. Peça para gato fazer o mesmo com as figuras dele e compare os resultados.

Ficaram diferentes? Não se preocupe, isso é comum. "Muita gente teme explicar suas preferências na cama", diz Sylvia Faria Marzano, terapeuta sexual e diretora do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática, em São Paulo. Por isso, desenhar pode ser uma grande saída. Assim, vocês aprendem precisamente onde e como tocar o corpo do outro. E, acredite, colocar as descobertas em prática será a melhor parte. Que o digam os dois casais eu testaram nosso jogo sensual. Depois da experiência, nunca mais se perderam na estrada sinuosa que leva ao paraíso. Preparada para traçar uma rota personalizada dos múltiplos Óhhs?

Caroline Milantoni, 27 anos, e Renato Amaral, 29, namoram há dois anos e têm um pacto de honra: transar sempre que se encontram. "É o nosso segredo para nunca deixar a frequência cair", diz Carol. Com tantos quilômetros rodados juntos, apostam que sabem de cor e salteado o caminho para o orgasmo do outro. Veja como foi o teste deles.

 

Carol explica seu próprio mapa

"Começa com beijos leves entre o pescoço e a boca. Aos poucos, eles vão ficando mais fortes, com direito a lambidas e suspiros, e descem para o meu braço direito, onde tenho uma tatuagem. Depois, gosto de sentir as mãos grandes do gato me pegando e puxando com força pela cintura para perto dele. Hora de beijar meus seios, preliminar essencial para o orgasmo. Ele deve descer e explorar meu umbigo e barriga, finalizando com uma boa pegada no meu bumbum."

E o mapa que fez para Renato: "Ataco primeiro a boca dele, com um beijo de língua bem logo. Desço para o pescoço e dou mordidinhas de leve. Depois, vou direto para o pênis, com beijos suaves e caprichados. Com as mãos, exploro seu peitoral para, em seguida, cobri-lo de beijos. Quero excitá-lo ainda mais, então mordisco sua tatuagem do braço esquerdo, um dos nossos principais fetiches na cama."

Renato explica o mapa que fez para Carol

"Para atiçar a minha gata, começo por um de seus principais pontos fracos: as costas. Faço bastante carinho na região que vai dos ombros até o bumbum. Em seguida, uso a língua para acariciar sua nuca. Daí, pego a Carol por trás, apertando seu bumbum com força. Subo para os seios, onde ela sente bastante tesão. Sigo para a tatuagem dela, na parte interna do braço. Desde a primeira vez que a beijei ali ela pirou! Em seguida, mais beijos, agora suaves e por toda barriga, parte interna da coxa e vagina, seguindo para a nuca e por todas as costas dela."

 

Continue a ler no 180 Graus



publicado por olhar para o mundo às 00:54 | link do post | comentar

Sábado, 30 de Janeiro de 2010

Joss stone

 

 O mês de Fevereiro vai ser recheado de concertos. Veja aqui os espectáculos que não pode perder:

 

Dia 2

Arctic Monkeys + Mystery Jets Porto - Coliseu 21:00 24-35€ (no dia seguinte em Lisboa, no Campo Pequeno)

Dia 3

Tindersticks - Caldas da Rainha - Centro Cultural e de Congressos 21:30

Dia 5

Carminho Aveiro - Teatro Aveirense 21:45 12€

Fu Manchu Lisboa - Santiago Alquimista 21:30 20€

Dia 12

Diabo na Cruz - Jorge Cruz & B Fachada & João Pinheiro & Bernardo Barata & João Gil Figueira da Foz - Centro de Artes e Espéctaculos

Panda Bear Lisboa - Lux 23:00 15€

 

Dia 15

Joss Stone Lisboa - Coliseu 21:00 28-32€

 

Dia 18

The Australian Pink Floyd Lisboa - Praça de Touros do Campo Pequeno 22:00 22-35€

 

Dia 20

Lydia Lunch & Big Sexy Noise Lisboa - Zé dos Bois 23:00 15€

Dia 26

Fiery Furnaces Lisboa - Santiago Alquimista 22:00 20€ 

 Bill Callahan + Perry Blake + Matt Valentine & Erika Elder (Festival para Gente Sentada) Santa Maria da Feira - Cine-Teatro António Lamoso 20-30€

 

Dia 27

Mayra Andrade Sintra - Centro Cultural Olga Cadaval 22:00 15-25€

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:00 | link do post | comentar

 

 

Essil on 
Essil on erifet al 
Essil on Essil on eriftel al
Essil on(I travelled through light) 
(I travelled through light; I am not afraid)
(In this lake of souls) 
(In this lake of souls, I lose all fear)



publicado por olhar para o mundo às 11:00 | link do post | comentar

Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

O ponto g

 

 Um grupo de ginecologistas tentam provar a existência do ponto G, reagindo assim aos estudos recentes do King’s College e que confirmavam que a suposta zona erógena feminina, que provocaria elevados níveis de excitação sexual e orgasmos quando estimulada não existe.

O estudo britânico, que analisou mais 1,8 mil mulheres sexualmente activas, concluiu que o tal ponto G era fruto da imaginação colectiva das mulheres. Os franceses, por outro lado, consideram a investigação “uma abordagem totalitária da sexualidade feminina”.
"O estudo do King's College mostra falta de respeito em relação ao que as mulheres dizem", afirma o cirurgião francês Pierre Foldès, co-autor de uma técnica para reparar os danos causados por excisões do clítoris.

"As conclusões estão completamente erradas porque foram baseadas somente em observações de ordem genética. É evidente que existem variabilidades na sexualidade feminina", confirma Foldès. Isto é, para o médico francês, os britânicos partiram do pressuposto (errado) de que todos os pontos G seriam semelhantes.  Explica: “Existem três ideias falsas sobre o ponto G: pensar que ele está situado na mesma área em cada mulher, que ele teria o tamanho de uma moeda de 50 cêntimos e que ele permite ter sempre um orgasmo", diz o ginecologista. Afinal parece que não. O ponto G “é uma área que  cada mulher aprende a conhecer no decorrer das suas experiências sexuais. É provável que todas tenham um, mas apenas um terço delas conhece a sua existência”, diz ainda Foldès.
A teoria do ponto G foi apresentada ao mundo em 1950 pelo médico alemão Ernst Gräfenberg.

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 21:12 | link do post | comentar

IPADF Chinês, ser antes de ser!

 

Steve Jobs apresentou o seu iPad há apenas dois dias, mas já existe um produto com aspecto muito semelhante no mercado chinês. É comercializado há seis meses pelo fabricante Shenzhen Great Loong Brother Industrial Co., que acusa a Apple de ter copiado o seu P88.

"Não entendemos. Porque é que eles [Apple] faz a mesma coisa que nós?", disse à AFP um funcionário da empresa, acrescentando que o P88 foi lançado numa feira de electrónica em Berlim (Internationale Funkausstellung).

Ainda assim, o modelo chinês é mais pesado, espesso e tem um ecrã maior do que o iPad. Embora tenha mais memória do que a "Jesus Tablet" da Apple, a bateria tem uma duração de apenas uma hora e meia, bem menos do que as 10 horas do iPad.

O blogue Shanzhai.com , especializado na crítica das cópias chinesas, ironiza a situação e "admira-se" com a capacidade dos fabricantes chineses em copiar um produto antes mesmo que ela exista.

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 13:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

Bimby cartoon

 

 A partir de hoje estou de greve.

Estou farta de cozinhar durante horas para ver tudo devorado em 10 minutos, entre dois copos de coca cola, ou com um vinho barato a acompanhar.

Não quero mais sair do trabalho a correr, passar no supermercado, carregar sacos de compras até ao 4º andar sem elevador e despejar tudo em cima da bancada, que parece sempre pequena demais, e me dá ataques claustrofóbicos.

Resolvi deixar de lado a balança, a panela de pressão, a frigideira, o tacho, o escorredor, a tábua da cozinha. Virei as costas ao molho bechamel para o bacalhau, ao ponto do leite creme, a meia hora, de colher de pau na mão, a mexer o arroz de pimentos.

Estou de relações cortadas com o fogão e nem me obriguem a olhar para ele! Já agora tirem-me o forno e o microondas da frente, que já não posso com eles! Acima de tudo, não quero ter de lavar tudo, depois do repasto (balança, panela de pressão, frigideira, tacho, escorregor, tábua da cozinha...).

Estou farta de cozinhar para ti. E para mim.

Não quero mais o refogado, a picadora, o provar 30 vezes que me tira o apetite. Tudo, para que te possas sentar sossegado, com o jornal à frente, e os pés na lareira, sem sequer me dirigires palavra, nem olhares para o prato com o bife perfeitamente alinhado com as batatas, e no fim ainda dizeres "Isto engorda-me. E a ti também...".

O que eu quero mesmo... é poder chegar a casa e beber o meu chá sossegada.

O que eu quero mesmo, é poder comer aquele risotto de cogumelos que eu adoro, mas que me dá horrores de trabalho a fazer.

O que eu quero mesmo, é que aqueças antes os teus pés nos meus e deixes de deitar lenha para dentro de um fogo que não aquece nada. Muito menos o meu coração.

O que que quero mesmo é algo simples, que saia bem à primeira, que não se tenha de pensar muito, nem que dê muito trabalho, nem discussões, nem cheiro a queimado.. e que mesmo assim, fique delicioso. Perfeito. Divinal.

A partir de hoje, estou de greve.

E hoje, o meu amor, vai ser feito na Bimby!

Via A vida de saltos altos



publicado por olhar para o mundo às 08:59 | link do post | comentar

Afinam-se as máquinas

 

Via Henricartoon 



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

os segredos deles

 

 A maioria de nós, mulheres modernas, gostaria de saber o que se passa na cabeça dos nossos respectivos maridos, noivos, namorados, rolos ou afins. Ainda mais porque sabemos que existem muitas diferenças que rondam o universo dos seres masculinos e femininos. 



O que dizer, então, na hora do sexo? Nesse momento de intimidade total, muitas dúvidas pairam sobre as nossas cabeças. Questionamentos como o que ele está pensando ou como ele vê o sexo agora deixa de ser um segredo guardado a sete chaves. 

E verdade que eles só pensam no seu próprio... umbigo?

De acordo com o doutor Silmar Coelho, doutor em Psicologia e Liderança e escritor premiado, a maioria dos homens pensa em fazer sexo apenas, em chegar ao orgasmo e a satisfazer a si mesmos. Contudo, isso não é uma regra geral. Em muitos casos, o que depende é o grau de envolvimento entre o casal.

"Ainda existe o homem que pensa que realização sexual acontece na realização da parceira, uma vez que sexo é muito mais do que satisfação pessoal", afirma o psicólogo.

Outro fato importante de se ressaltar é que, durante o sexo, os homens são mais focados e objetivos do que as mulheres. Para o doutor Silmar Coelho, a mulher preza o romantismo e se contenta com atitudes de amor e carinho.

A sempre romântica mulher

"Muitas vezes, a mulher se satisfaz com a companhia sem que o casal tenha que fazer sexo no fim do dia. Já o homem não, beijou - sexo, passeou no shopping - sexo, voltou do cinema - sexo. Tudo leva o homem a pensar em sexo. A mulher tem uma doença que não tem cura, que é o romantismo", aponta.

Uma grande preocupação presente no universo masculino é em segurar a ejaculação para dar mais tempo de prazer à parceira. O psicólogo explica que para muitos homens a verdadeira satisfação está em realizar sexualmente a sua mulher. "Quando ele chega ao orgasmo e ela não, o homem tem a sensação de fracasso, que ele não foi o amante perfeito que imagina ser", explica.

Porque os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?

Sobre essa teoria, doutor Silmar Coelho revela que a mulher, por ser mais romântica, espera ser surpreendida sempre.

"Os homens são estimulados primordialmente pela vista. Viu, ele quer. A mulher é estimulada, antes de tudo, pelo ouvido. Ela precisa ser elogiada, ouvir que é amada, que ele a faz feliz. Quando ela escuta palavras amorosas e elogios, ela começa a preparar-se para o sexo. E para esse momento de intimidade, a mulher precisa estar bem emocionalmente, ser bem tratada e respeitada", ressalta.

Segundo o psicólogo, o ser humano é o único animal que faz sexo olhando nos olhos. Isso indica que "sexo é se conhecer, é se dar, é ternura, é entrega, é desnudar-se não somente no corpo, mas confidenciar tudo, deixar-se descobrir, abrir todas as portas, convidando a pessoa amada para morar, viver e aventurar-se dentro do outro", finaliza.

 

Via Mundoela



publicado por olhar para o mundo às 21:41 | link do post | comentar

Aqui está o ipad

 

 Steve Jobs, CEO da Apple, apresentou esta quarta-feira o tão falado primeiro portátil tablet da marca, num evento especial em São Francisco, nos Estados Unidos.

O tablet vai chamar-se iPad e parece um iPhone gigante, com apenas um botão central (“home”) e ecrã táctil multi-toqueSteve Jobs caracterizou-o como um terceiro dispositivo entre o telemóvel e o portátil, mas bem melhor que tudo o que a indústria já pôs no mercado – incluindo os mini-portáteis netbooks. O evento está a decorrer e ainda não se sabem detalhes sobre preço e disponibilidade.

"Esta será a coisa mais importante que eu alguma vez fiz". Steve Jobs, CEO da Apple, tem repetido esta frase a várias pessoas nos últimos dias. Nunca esteve tão entusiasmado com uma nova tecnologia, nem mesmo quando lançou o iPhone. Nunca considerou que um gadget da sua empresa poderia ser tão revolucionário.

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 15:16 | link do post | comentar

 

Letra

 

Numa rua de má fama
faz negócio um charlatão
vende perfumes de lama
anéis d'ouro a um tostão
enriquece o charlatão


No beco mal afamado
as mulheres não têm marido
um está preso, outro é soldado
um está morto e outro f'rido
e outro em França anda perdido

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

Na ruela de má fama
o charlatão vive à larga
chegam-lhe toda a semana
em camionetas de carga
rezas doces, paga amarga

No beco dos mal-fadados
os catraios passam fome
têm os dentes enterrados
no pão que ninguém mais come
os catraios passam fome

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

Na travessa dos defuntos
charlatões e charlatonas
discutem dos seus assuntos
repartem-s'em quatro zonas
instalados em poltronas

Pr'á rua saem toupeiras
entra o frio nos buracos
dorme a gente nas soleiras
das casas feitas em cacos
em troca d'alguns patacos

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

Entre a rua e o país
vai o passo dum anão
vai o rei que ninguém quis
vai o tiro dum canhão
e o trono é do charlatão

É entrar, senhorias
a ver o que cá se lavra
sete ratos, três enguias
uma cabra abracadabra

É entrar, senhorias
É entrar, senhorias
É entrar, senho...



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

Livros grátis no Kindle

 

Eis uma adivinha: como se faz de um livro um best-seller no Kindle?


Resposta: Oferecem-se exemplares.

É isso mesmo. Mais de metade dos livros mais vendidos no Kindle, o leitor electrónicos da Amazon, estão disponíveis gratuitamente. Embora alguns dos títulos sejam versões digitais de livros do domínio público, como "Orgulho e Preconceito", de Jane Austen, muitos são de autores que ainda estão a tentar ganhar a vida com o que escrevem.

Esta semana, por exemplo, o primeiro e segundo lugar da lista dos best-sellers do Kindle foram ocupadas por "Cape Refuge" e "Southern Storm", ambos romances de Terri Blackstock, escritora de livros de suspense de temática cristã. O preço Kindle: €0. Até ao fim do mês, a editora de Blackstock, a Zondervan, uma divisão da HarperCollins Publishers, está a oferecer aos leitores a oportunidade de transferirem os livros para o Kindle de graça (ou para as aplicações Kindle do iPhone ou Windows).

Outras editoras, como a Harlequin, a Random House e a Scholastic estão oferecer versões gratuitas de livros digitais à Amazon, à Barnes & Noble e a outros retalhistas da internet, bem como a websites de autores, como forma de permitir que os leitores experimentem ler a obras que desconheçam. A justificação para esta iniciativa? A esperança de que os clientes gostem do que leram e comprem outro título, pagando-o.

"Dar ás pessoas uma amostra é uma óptima maneira de as prender e de as levar a comprar mais", diz Suzanne Murphy, editora de grupo da Scholastic Trade Publishing, que ofereceu downloads gratuitos de "Suite Scarlett", um romance para adultos da autoria de Maureen Johnson, durante três semanas, para criar expectativa quanto ao livro seguinte da série, "Scarlett Fever", que será lançado no dia 1 de Fevereiro. O livro atingiu o terceiro lugar da lista dos Kindle mais vendidos da Amazon.

As borlas digitais surgem numa altura em que as editoras estão em pânico com a pressão exercida sobre os livros electrónicos. A Amazon e outros retalhistas online estabeleceram em 9,99 dólares (€7) o preço-base dos e-books, para novos lançamentos e best-sellers. Às editoras preocupa que esse valor acabe por criar junto dos consumidores a impressão de que os livros novos já não valem, por exemplo, 25 dólares (cerca de €17, o preço médio de um livro novo de capa dura) ou mesmo 13 dólares (€9, padrão para livros de bolso de capa mole).

"Numa altura em que estamos a resistir ao preço de 9,99 dólares para os e-books", diz David Young, principal executivo do grupo livreiro Hachette, que edita James Patterson e Stephenie Meyer, "é ilógico oferecer livros". Na mesma linha, um porta-voz do Penguin Group USA, explica: "A Penguin não ofereceu nem vai oferecer livros. Achamos que o valor do livro é importante demais para que se faça isso."

Mas alguns editores encaram os livros digitais gratuitos como acções meramente promocionais, do mesmo modo que as provas que distribuem aos livreiros e revisores, para criar expectativa em redor de um novo autor.

"A maioria das pessoas compra livros porque alguém recomendou o título", diz Steve Sammons, vice-presidente executivo da Zondervan responsável pela interacção com os consumidores.

A Amazon e os outros retalhistas de e-books também não ganham dinheiro com essas ofertas. Mas é uma maneira de atrair clientes para os seus dispositivos de leitura electrónica.

Os e-books gratuitos também são uma maneira de promover um autor menos conhecido, que normalmente é abafado pelas brutais campanhas de marketing dos livros mais populares.

"É preciso mostrar coisas às pessoas porque há muita concorrência", diz Johnson, autor de "Suite Scarlett" e de outras sete obras. "Quem entrar numa livraria verá 4 mil livros com a cara de Robert Pattinson na capa", acrescentou ela, referindo-se aos movie-tie-ins (livros estreitamente ligado às respectivas versões cinematográficas) da série "Twilight" de Meyer. "E aí o meu livro ficará enterrado por baixo deles."

E se um e-book gratuito chegar ao topo da lista dos mais vendidos da Kindle - ou à lista de e-books gratuitos da Barnes & Noble - o autor ganha automaticamente mais visibilidade.

"Quando se chega à posição cimeira de qualquer lista de obras mais vendidas, o próprio facto parece atrair publicidade", diz Brandilyn Collins, que escreveu os romances "Exposure" e "Dark Pursuit", livros que estiveram no primeiro e segundo lugar da lista Kindle de Janeiro, continuando no Top 10 (e ainda disponível gratuitamente).

A maioria das ofertas diz respeito a títulos mais antigos de um autor, no pressuposto de que a sua leitura irá produzir novos adeptos, que vão comprar os livros lançados mais recentemente. Mesmo que só uma pequena percentagem das pessoas que transferem um livro gratuito acabe por comprar um novo, "trata-se de dinheiro em caixa", diz Steve Oates, vice-presidente de Marketing da Bethany House Publishers, uma divisão da Baker Publishing Group, cujas autoras Beverly Lewis e Tracie Peterson tiveram títulos gratuitos na lista de mais vendidos Kindle esta semana.

A Samhain Publishing, uma editora de romances cor-de-rosa e eróticos, tem disponibilizado gratuitamente um e-book de duas em duas semanas, há mais de um ano. Christina Brashear, a editora, diz que as ofertas têm provocado um visível aumento nas vendas.

Em Outubro, o mês mais recente para o qual ela tem estatísticas, Brashear diz que a Samhain ofereceu três versões digitais de "Giving Chase", um romance cor-de-rosa de Lauren Dane, o que deu origem a 26 897 downloads. Mas a venda de outros romances de Dane aumentou exponencialmente. O seu mais recente romance, "Chased", que vendeu 97 exemplares em Setembro, vendeu 2 666 exemplares digitais em Outubro; e outro livro anterior, "Taking Chase", que tinha vendido 119 exemplares em Setembro, vendeu 3 279 no mês em que foi disponibilizado um download gratuito.

Embora os e-books ainda só representem cerca de 5% do total dos livros comercializados, os dados relativos ao efeito das ofertas digitais ainda são inconclusivos. Brian O'Leary, responsável da Magellan Media Consulting Partners, que dá consultoria a editoras, diz que embora pareça que as transferências gratuitas conduzem a uma subida da real compra de livros, há o risco de que a leitura gratuita venha a "suplantar a leitura paga".

Com efeito, diz Brian Murray, principal executivo da HarperCollins, "a gratuidade não é um modelo comercial".

Os autores sentem-se divididos entre a vontade de experimentar novos formatos e quererem proteger os seus rendimentos. Charlie Huston, autor da trilogia de crime Henry Thompson e de uma série de livros sobre Joe Pitt, um detective vampiro, diz que "a minha faceta sindical - sou oriundo de uma família de sindicalizada - ainda se sente por vezes a fazer auto-sabotagem, ao sancionar as ofertas digitais da minha editora, a Random House". Mas, diz, "acho que a minha atitude neste momento pode ser uma de duas: ter medo do que está para vir ou de algum modo tentar abraçar esse futuro da maneira mais agressiva possível". Charlie concorda que, em certos casos, os e-books gratuitos funcionam. Pamela Deron, assistente administrativa de 29 anos, da Florida, diz que transferiu uma edição gratuita de "Already Dead", o primeiro título da série Joe Pitt, para o seu Kindle este mês.

"Há tantos autores por aí que caem no esquecimento", escreveu Deron numa mensagem de correio electrónico. "Ninguém os conhece, pura e simplesmente, e alguns leitores hesitam em comprar um autor de que nunca ouviram falar. Os livros gratuitos permitem-nos apreciar o autor no seu conjunto e não só através de uma pequena amostra."

E acrescenta: "Cinquenta dólares depois, eis-me proprietária de toda a série Joe Pitt."

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

Chinesa tentou fazer sexo com o ladrão

 

Pensando ser seu marido, mulher se jogou sobre o bandido.
Mas ela notou que o cabelo estava diferente e acendeu as luzes.

 

Uma chinesa confundiu um ladrão com seu marido e tentou fazer sexo com o homem que havia invadido no dia 13 de janeiro sua casa em Changsha, na província de Hunan, segundo reportagem do jornal "China Daily". 


A mulher identificada apenas como Qiu disse que levou um susto, quando descobriu que o homem com quem quase manteve relações sexuais era um bandido, e não seu marido. 

Qiu disse à polícia que estava dormindo, quando ouviu alguém entrar no seu quarto. Pensando que o ladrão fosse seu marido, a mulher se jogou sobre o homem na tentativa de fazer sexo com ele. 

Nesse instante, o invasor a empurrou e começou a abraçá-la. No entanto Qiu percebeu que o cabelo estava muito grande para ser o do seu marido. Ela acendeu as luzes e descobriu que estava com um estranho em sua cama. 

Após ouvir os gritos da mulher, o marido de Qiu, que estava na casa de um vizinho, correu para dentro de sua casa e dominou o ladrão.

 

Via G1

 



publicado por olhar para o mundo às 21:21 | link do post | comentar

 PS3 Violada

 

PS3 era a única consola de jogos que permanecia inalcançável aos hackers. Há três anos no mercado dizia-se que era impossível violar a segurança do sistema construído pela Sony. Até agora. George Hotz, o hacker americano que já tinha conseguido entrar no iPhone, acaba de repetir a proeza. 

"Posso fazer tudo o que quiser com o sistema. É como se tivesse um novo poder fantástico - só não tenho a certeza de como lidar com ele", revelou Horst em entrevista à BBC.

O hacker explicou que a técnica era "5% hardware e 95% software", mas que ainda não conseguia manipular todo o sistema, incluindo a memória protegida.  
George Holtz precisou de cinco semanas para descobrir o que tinha de fazer, e tudo o que conseguir ainda descobrir será explicado no seu blogue.

O hacker disse que dentro de pouco tempo irá publicar a "chave raiz", o código principal que vai facilitar a entrada de todos os utilizadores. Horst garante que as suas únicas motivações são a "curiosidade" e "abrir a plataforma"

Via Ionline



publicado por olhar para o mundo às 15:15 | link do post | comentar

 

 

 

Letra

 

Ah, quanto eu queria navegar 

p´ra sempre a barca dos amantes 

onde o que eu sei deixei de ser 

onde ao que eu vou não ia dantes

 

Ah, quanto eu queria conseguir 

trazer a barca à madrugada 

e desfraldar o pano branco 

na que for terra, mais amada

 

E que em toda a parte 

o teu corpo 

seja o meu porta-estandarte 

plantado no seu mais fundo 

posso agitar-me no vento 

e mostrar a cor ao mundo

 

Ah, quanto eu queria navegar 

p´ra sempre a barca dos amantes 

onde o que eu vi me fez vogar 

de rumos meus a cais errantes

 

Ah, quanto eu queria me espraiar 

fazer a trança à calmaria 

avistar terra, e não saber 

se ainda o é, quando for dia

 

E que em toda a parte 

o teu corpo 

seja o meu porta-estandarte 

plantado no seu mais fundo 

posso agitar-me no vento 

e mostrar a cor ao mundo

 



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

Bufo Micael 

Via HenriCartoon



publicado por olhar para o mundo às 09:51 | link do post | comentar

Estacionar na baixa de Lisboa vai ser mais caro

 

Estacionar nas zonas a cargo da Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL) vai sair mais caro. O novo tarifário deverá entrar em vigor até Abril e dividirá a capital em três áreas distintas, nas quais haverá diferenciação de preço e do tempo máximo de paragem permitido.

 

 Segundo o presidente do conselho de administração da EMEL, esta alteração traduzir-se-á num aumento do custo do estacionamento em cerca de 40 por cento da cidade e numa "ligeira redução" nas restantes áreas.


"Estamos a preparar tudo para apresentar a proposta à Câmara de Lisboa o mais rapidamente possível", disse o responsável da EMEL em entrevista ao PÚBLICO, explicando que a intenção é que o novo tarifário vigore já "em Março" ou "no máximo a partir de dia 1 de Abril". 

Em princípio, nas zonas com maior rotação, vai ser mais caro estacionar e o limite de tempo de permanência descerá de quatro horas para duas.

A proposta ainda não está fechada, e o presidente da EMEL considera prematuro adiantar quais serão os limites de cada uma das três zonas ou os preços em vigor em cada uma delas. Como princípio pode dizer-se que as tarifas mais baixas serão praticadas na periferia da cidade, as intermédias em áreas centrais - como a Avenida da Liberdade e da República - e as tarifas mais elevadas aplicar-se-ão no coração de Lisboa, por exemplo na Baixa. 

Selo para casa e trabalho

Mas há mais novidades para 2010. Em discussão com a autarquia está a criação de um dístico que garanta aos residentes a possibilidade de estacionarem, sem limite de tempo e sem tarifa acrescida, não só na zona do seu domicílio mas também na zona de Lisboa em que trabalham. 

A ideia é reforçar uma espécie de discriminação positiva de quem mora na cidade e a principal dificuldade está, segundo António Júlio de Almeida, em encontrar "um preço de equilíbrio". Isto porque, segundo o mesmo responsável, a EMEL quer "privilegiar" os residentes, sem com isso "promover o trânsito na cidade". 

António Júlio de Almeida sublinha que Lisboa "é uma das poucas cidades" em que são atribuídos até quatro dísticos por fogo, uma realidade que vai, aliás, ser avaliada por causa da escassez da oferta e do facto de haver "zonas em que o número de residentes supera o número de carros". 

Este ano, a empresa propõe também "reduzir a uma mancha muito curta" as chamadas "zonas cinzentas", isto é, aquelas que lhe estão atribuídas mas que efectivamente não fiscaliza, continuando assim o "esforço muito grande" realizado em 2009.

Ganhar 4000 lugares

Na prática, segundo o líder da EMEL, isto significa um ganho de 4000 lugares, nas áreas da Lapa e Campo de Ourique, Campolide, Quinta de Luz, Bairro dos Actores, Praça do Chile e Alvalade, e na zona entre a Avenida da Liberdade e o Príncipe Real. 

Diversificar os meios de pagamento ao dispor dos seus clientes é outro dos objectivos da EMEL, que vai apostar naquilo que designa como parquímetros individuais. Estes dispositivos electrónicos, com um custo de 32 euros, serão transportados pelos utilizadores, que os activam com um cartão pré-carregado de cada vez que pararem o carro numa zona de estacionamento de duração limitada. 

António Júlio de Almeida adianta que o carregamento dos aparelhos poderá ser feito nos parques de estacionamento e lojas da empresa, decorrendo neste momento negociações com quiosques e os CTT para alargar a rede de vendas. O responsável destaca que se trata de um sistema "muito cómodo e prático", que elimina a necessidade de as pessoas se deslocarem aos parquímetros. 

Os parquímetros individuais deverão estar em funcionamento "dia 1 de Fevereiro", sendo certo que os interessados na aquisição destes dispositivos já constituem "uma lista de espera com algum relevo", com cerca de duas centenas de nomes, sobretudo de empresas. Os interessados podem fazer uma pré-inscrição no site da empresa.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

sexo no carro

 

Em 2007, a seguradora britânica Yes Insurance resolveu fazer uma pesquisa um pouco diferente. Após entrevistar 4 mil motoristas, descobriu que o Volvo Estate é o carro preferido quando se trata de conforto e espaço para o sexo. Não é pra menos: os bancos da perua têm oito opções de posição, além de um portamalas espaçoso. 


A pesquisa da seguradora também apurou que 68% dos entrevistados já transaram no carro. Desses, cerca de 6% já causaram algum dano ao automóvel durante a aventura. Mas pouquíssimos acionaram o seguro para conserto. "E para explicar, como faz?", pergunta o estudante Daniel* de 22 anos. Pouco depois de tirar a habilitação, ele usou o carro do pai para dar uns amassos na namorada. 

"Paramos numa rua deserta e o clima rolou. Eu pulei para o banco e reclinei um pouco, para ficar em cima dela". Até aí, Daniel estava realizando um antigo desejo e estava contente. Mas no meio da transa, tomou um susto. "O banco cedeu. Eu acho que foi bobeira minha, eu deveria ter reclinado o banco por completo". Depois disso, nenhum dos dois conseguiu continuar. Foram embora, com um banco no chão. E para explicar ao pai? "Disse que não sabia o que havia acontecido. Que minha namorada estava sentada e, de repente, caiu!". 

Na internet rolam verdadeiros manuais do sexo automotivo. E tem desde papai-e-mamãe a noventa graus até contorcionismos de fazer inveja ao Kama Sutra. As posições incluem todos os bancos do carro e até mesmo o capô - se você tiver em um lugar deserto o bastante para tamanha proeza. 

Mas é preciso ter cuidado. Além do perigo do flagra, não se pode esquecer que o carro é uma arma. Não entendeu? Roberto* adorou quando recebeu uma sessão de sexo oral da namorada, a caminho de um restaurante. "Foi na Marginal Pinheiros. Foi tão bom que quase bati o carro", conta ele aos risos. 

 

Via Oba Oba



publicado por olhar para o mundo às 21:12 | link do post | comentar

Cova da Moura na Internet

 

bairro da Cova da Moura, na Amadora, vai lançar oficialmente na quinta-feira a sua página na Internet, destinada a divulgar uma imagem positiva e renovada da zona, uma das mais estigmatizadas da Grande Lisboa.

Notícias sobre as actividades desenvolvidas, agenda de festas e espectáculos, informações sobre o bairro, músicas, vídeos, fotografias, um chat e um fórum são alguns dos conteúdos da plataforma web, desenvolvida pela Associação de Solidariedade Social do Alto da Cova da Moura e pela Associação Moinho de Juventude.

A iniciativa insere-se no projecto governamental de requalificação física e social "Bairros Críticos", tendo sido definida como uma das medidas de construção de dinamização "Nova Cova da Moura", procurando revelar, segundo informação da Associação de Solidariedade Social, um bairro "com nova imagem, seguro e tranquilo".

Neste contexto, trata-se de uma ferramenta aprovada pela comissão de acompanhamento do "Bairros Críticos", constituído por 27 parceiros institucionais e privados, entre sete ministérios, autarquias, organizações locais, organismos públicos e a população.

Lançado em 2006, o projecto lançado pelo Governo socialista prevê um investimento de mais de 100 milhões em obras de reestruturação, que deveriam ter arrancado até ao final de 2009, na Cova da Moura, onde se estima haver cerca de 7 000 habitantes.

A Câmara da Amadora participará com 45 milhões de euros.

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 14:46 | link do post | comentar

 

 Letra

 

Foi no sulco da viagem
Já sem armas nem bagagem
Nem os brazões da equipagem
Foi ao voltar

Pátria moratória
No coração da história
Que consumiste a glória
Num jantar

Foi como se Portugal
P?ra bem e p?ra seu mal
Andasse em busca dum final
P?ra começar

Ávida violência
Reverso da inocência
Sal da inconsciência
Que há no mar

Império tão pequenino
De portulano caprino
Bolsos de sina e de sino
Em cada mão

Pátria imaginária
De concistência vária
Afirmação diária
Do teu não

As malas do portugueses
São como os olhos das rezes
Que se mastigam três vezes
Em cada chão


Cândida ignorância
Grande desimportância
Os frutos da errância
Já lá estão

Melodia 2 (solistas, depois coro adulto misto)

Ai Senhora dos Navegantes me valei
De África, do sal e do mar só eu sobrei
Foi p?ra me encontrar que amanhã já me perdi
Longe vai o tempo que eu já não estou
aqui

Ai Senhora dos Talvez-Muitos-Mais- Sinais
Socorrei estes desperdícios coloniais
Foi na noite fria que o dia me cegou
Inda agora fui, inda agora cá não estou

Ai Senhora dos Esquecidos me lembrai
O caminho que p?ra lá vem e p?ra cá vai
Etecetera e tal, portugal é nós no mar
Inda agora vim e estou longe de chegar

Ai Senhora dos Meus Iguais que eu subtraí
Foi pataca mim e não foi pataca a ti
Se é tão grande a alma na palma do meu ser
Algum dia eu vou finalmente acontecer

Melodia 3 (coro infantil + JMB)

Porque não tentar outro ponto de vista
A história dos outros quem a contará
Se qualquer colónia sem colonialista
São os que já estavam lá

Tentemos então ver a coisa ao contrário
Do ponto de vista de quem não chegou
Pois se eu fosse um preto chamado Zé Mário
Eu não era quem eu sou

Os navegadores chegaram cá a casa
E foi tudo novo p?ra eles e p?ra mim
A cruz e a espada e os olhos em brasa
Porque me trataste assim?

Não é culpa nossa se quem p?ra cá veio
Não se incomodou ao saber do horror
A história não olha a quem fica no meio
E o que foi é de quem fôr



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

 

Síndrome de Tourette

 

 Aos quatro anos, um tique cola-se à mente de Hugo com a teimosia de uma pastilha elástica: alheio aos gritos à sua volta, só consegue parar de pressionar com força os indicadores contra as têmporas quando cai, roxo, no chão. Passa dias inteiros a bater com as costas nos assentos, a baloiçar-se para cá e para lá, em movimentos autistas que cansam até quem olha. Aos seis, enquanto caminha pelas ruas, "chichi" e "cocó" são duas palavras que lhe explodem da boca, repentinas, incontroláveis, fora de contexto. Pelo meio, tosse como os cães, canta como os galos, grunhe como os porcos. Os pais, ao lado, sabem que não vale a pena recriminá-lo e não sabem o que dizer a quem olha de boca aberta, mais chocado que curioso. Aos oito, a casa torna-se palco de uma festa de aniversário: Hugo passa o dia a correr para o espelho da casa de banho para "cumprir os rituais" - afundar os dedos na garganta, até tocar num ponto que só ele conhece. "Sentia que tinha de ouvir um barulhinho cá dentro", conta.


Hugo fazia tudo isso sem poder atribuir um nome aos seus sintomas. Só aos 26, por intermédio da Associação Raríssimas - Associação de Doenças Raras -, o diagnóstico certo chegou: síndrome de Gilles de La Tourette. E associado à síndrome transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). A combinação é pesada e explosiva: doença neurológica rara, ainda sem cura, caracterizada por tiques abruptos e involuntários, misturada com obsessões incontroláveis e persistentes.

Mas Hugo e os pais sentem-se aliviados: por fim conseguem nomear a doença que descontrolava a família e levava, inclusivamente, os vizinhos a chamarem a polícia. "Tudo parecia mais simples. Já podíamos explicar que o nosso filho agia assim porque tinha uma doença rara", diz a mãe, Celeste Pires.

Até chegar o diagnóstico, Hugo e os pais passaram anos em médicos, psicólogos, pedopsiquiatras, bruxos e curandeiros. Dos consultórios, o habitual era saírem com um diagnóstico errado ou com uma receita de uma valente dose de calmantes. Alguns sugeriam que devia ser "coisa de espíritos" e os pais, exaustos, já só queriam ter alguma coisa em que acreditar. Em seis meses gastaram mil contos (5 mil euros) numa bruxa no Alentejo. Sem resultados. 

Hugo continuava a bater em si próprio, a fazer caretas, a grunhir, a dizer "chichi" e "cocó" no meio das frases e a vocalizar coisas sem sentido. Na escola era o "Hugolóide". "Ninguém acreditava que não conseguia controlar aqueles gestos repentinos", lembra Hugo, circunspecto, ombros curvados, corpo cheio de vergonha a reclamar que não olhem para ele. Não conseguiu terminar o 9.o ano e tentou trabalhar num supermercado. Como saía constantemente do lugar para ir à casa de banho e enterrar os dedos na garganta, foi despedido passados dois meses. E as coisas pioraram.

Hugo entrou em depressão, afundou- -se no álcool. O irmão mais velho "recusava-se a sair com ele com medo que os amigos o envergonhassem", queixava- -se de que já não conseguia dormir porque o irmão grunhia ou fazia barulhos ainda mais estranhos pela noite dentro. A mãe tinha medo de o acordar: "Pensei tantas vezes que quanto mais ele dormisse mais descansados ficávamos todos..." O pai, certa vez, enervou-se e bateu-lhe no meio de uma crise. "Nada o fazia parar", confessa o pai, Domingos, rosto pesado de vergonha e culpa.

Estavam decididos: era impossível continuar assim, o melhor era Hugo ser internado. E foi. Até ao dia em que os pais chegaram à clínica e sentiram: "Se não o tiramos daqui agora, ele vai morrer." Hoje, aos 30 anos, Hugo toma seis medicamentos e já consegue passar meses sem manifestações visíveis da síndrome. 

Palavrões no cinema M. nunca soube o que é dar banho ou pegar ao colo na filha de três anos e meio. "Já a magoei uma vez e à minha mulher também, porque a síndrome não dorme durante a noite e às vezes surge um ou outro espasmo mais violento." Aos três anos começou a ter os primeiros movimentos espásmicos dos membros, ainda não muito brutos. Os professores do colégio pensavam que seriam "manifestações de sobredotado, diziam que esperasse, que iam passar". Até que as manifestações se intensificaram e "se tornaram impeditivas de certas actividades". M. começou a isolar-se: fugia dos jogos da cabra-cega com os colegas e lia Kafka nos intervalos. "Sentia-me posto de parte por ter tiques que ninguém sabia o que eram, nem sequer eu", recorda, com a frieza e a naturalidade de quem hoje é capaz de brincar com a doença. "Percebo que as pessoas riam. Até a mim me dá vontade de rir quando vejo alguém com esta patologia." 

Aos 13 conheceu finalmente o diagnóstico: síndrome de Tourette. Tal como Hugo, sentiu-se feliz. "As pessoas já me podiam pôr um carimbo." 

Aos 34 anos, licenciado em Física Quântica em Londres e ex-assistente na universidade, sente-se condenado a uma reforma por invalidez. "Imagine o que é alguém com estes tiques ir bater às portas à procura de emprego. Impossível!" Há dois anos, a última empresa para a qual trabalhou convidou-o "a meter baixa". Tinha, à data, praticamente todas as manifestações da síndrome: dos tiques motores às palavras obscenas. "Conviver com isto em permanência, de manhã à noite, deixa uma pessoa desesperada. Os meus colegas ficavam assustados e eu não podia condená-los." 

M. fala da doença com a naturalidade de quem não se lembra de viver de outra maneira. E garante que o pior é a "dimensão social de uma doença que não se consegue esconder". Na escola, de cada vez que chegava um professor substituto, já sabia que dali viria um processo disciplinar. Os tumultos e as zaragatas provocados pela reacções dos outros aos seus tiques chegaram ao cinema. Acabou com a polícia à porta do Mundial, em Lisboa, com uma espectadora furiosa que se queixava de ter sido ofendida: M. não tinha conseguido parar de gritar asneiras e as piores obscenidades na sala. 

Alto, de fato, cabeça rapada e olhos claros, M. é um daqueles homens que dificilmente passam despercebidos. Diz estar numa "fase calma" da doença, mas, enquanto fala, os tiques e os impulsos continuam lá: limpa a garganta, funga como se estivesse constipado, levanta os ombros, agita os braços, atira a perna como se fosse dar um chuto no vazio. Ao fim do dia, o cocktail explosivo de 15 medicamentos - que inclui psicotrópicos e neurolépticos - não atenua as dores que se apoderam do corpo. Sente-se exausto, como se tivesse corrido mil maratonas. E nem sequer saiu do sofá.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

A mulher mais desejada do mundo, Emmanuelle Chiqui

 

A actriz Emmanuelle Chriqui lidera a sondagem anual sobre quais as 99 mulheres mais desejadas no mundo, realizada pelo site Askmen. A actriz, de 32 anos, é conhecida pelo seu trabalho nas séries televisivas “The O.C.” e “Entourage”. 

As qualidades que os homens procuram numa esposa ou noiva são a base para a votação nesta sondagem.
O responsável editorial da Askmen, James Bassil, vê duas causas para o resultado da votação: a actriz canadiana desempenha o papel de noiva doce e perfeita em Entourage e não aparece com muita frequência nos meios de comunicação.  
O segundo lugar da sondagem é ocupado pela modelo americana Marisa Miller e o terceiro pela actriz britânica Kate Beckinsale.

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 21:26 | link do post | comentar

 Um engenheiro japonês de 45 anos, Ta-Bo, montou um harém, não de mulheres mas de bonecas insufláveis. Estes brinquedos sexuais, que têm muita popularidade no país do sol nascente, custaram-lhe cerca de 120 mil euros. Ta-Bo, que não revela o apelido nem dá a cara aos jornalistas, diz que as bonecas são de alta qualidade. 

“Uma mulher a sério dá muitas dores de cabeça. Zangam-se, têm TPM, reclamam, traem. As bonecas pertencem-me totalmente”, justifica-se o engenheiro. Ta-Bo afirma que vive com elas como se fossem namoradas a sério. Cada boneca tem um nome, que Ta-Bo decorou, e mudam de roupa todos os dias. 
Ta-Bo diz ainda que perdeu a virgindade aos 30 anos com uma mulher real, mas que agora só quer as insufláveis. 
Veja o vídeo da Reuters sobre este harém de plástico:
 

 

 

Via ionline



publicado por olhar para o mundo às 15:00 | link do post | comentar

 



publicado por olhar para o mundo às 12:00 | link do post | comentar

Tunel da Luz, Assunto encerrado 

Via Henricartoon



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

DEOLINDA - Novo disco ac...

Orq. Gulbenkian & Orq. Ge...

UHF no Cineteatro Munici...

Bar ACERT - Café-Concerto...

Tsunamiz - I Don't Buy It

Biruta - DATAS em JULHO -...

Itinerário do Sal - ópera...

Junho traz concerto de Pe...

Sarah Nery edita EP homón...

Candeio apresentam novo s...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

Related Posts with Thumbnails
blogs SAPO
subscrever feeds
comentários recentes
Moro no Porto gosta de saber se há este tipo de cu...
Olá Boa tarde eu ultimamente não sinto prazer sexu...
Gente me ajudem nao sei oq fazer eu tenho meu mari...
joga na minha conta entaomano
Eu es tou dwsssssssssvzjxjshavsvvdvdvsvwhsjdjdkddd...
Quero fazer uma pergunta referente ao tema e é pro...
fala comigo
Essa papelaria em Queijas da muito jeito chamasse ...
ai mano to nessa como faz???
Gostaria de saber oque fazer quando a criança nega...
Posts mais comentados